Gestão Anastasia: alunos do Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado destacam-se em vestibulares pelo Brasil

Aprovações nos melhores cursos de música, dança e teatro demonstram trabalho sério do Cefar

Alunos e ex-alunos do Centro de Formação Artística (Cefar) da Fundação Clóvis Salgado (FCS) destacaram-se, no início de 2012, com aprovações em vestibulares de importantes universidades do Brasil. Foram aprovadas 26 pessoas para cursos nas áreas de música, dança e teatro.

“Esta é a comprovação do trabalho sério e comprometido que desenvolvemos aqui, capaz de preparar os alunos, na teoria e na prática, para ingressarem nos melhores cursos de suas respectivas áreas do país e se dedicarem à arte como profissão”, afirma a Diretora de Ensino e Extensão da FCS, Patrícia Avellar.

O estudante Paulo Augusto da Fonseca Fróes, por exemplo,passou em 1º lugar no curso de Bacharelado em Música da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Já o aluno José Vitor Assis de Souza foi aprovado para o curso de Música em três universidades: UFMG, Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG) e Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

Outros destaques foram Marcelo Arlei Gonçalves,aprovado no curso de Música da UEMG e da UFMG, e Rosinei Barbosa de Andrade. O ex-aluno, formado em Músicapelo Cefar em 2006 e professor acompanhador de Percussão na Dança na instituição desde 2007, foi aprovado para o curso de Licenciatura em Música da UEMG.

O Centro de Formação Artística, sediado no Palácio das Artes, é constituído por escolas de dança, teatro e música, sendo referência em Minas Gerais no desenvolvimento artístico de jovens talentos e profissionais. Além dos cursos regulares, oferece oficinas e cursos livres destinados à capacitação, qualificação, aperfeiçoamento e atualização de profissionais da arte e da cultura.

O Cefar desenvolve ainda projetos como a Big Band, o Grupo de Choro, o Ballet Jovem e o Coral Infantojuvenil Palácio das Artes, que possuem agenda permanente de apresentações.
Lista dos aprovados:
Música – USP

Ariane Rovesse Alencar Freitas

Música – Bacharelado UEMG – habilitação em instrumento ou canto

José Vitor Assis de Souza

Michelle Aparecida S. Barreto

Natalie Christine A. Gonçalves

Paulo Moreira de Souza

Pedro Lucas Viana da S. Tavares

Raíssa Andrade Caldeira Brant

Música – Licenciatura UEMG – habilitação em instrumento ou canto

Diego Barbosa Rodrigues

Marcelo Arlei Gonçalves

Marcelo Vicente da Silva

Música – UFOP

José Vitor Assis de Souza

Música – Bacharelado UFMG

Allysson Henrique Mendes Fróes Couto

José Vitor Assis de Souza

Lucas Filipe Alves de Oliveira

Luis Fernando Umbelino da Silva

Marcelo Arlei Gonçalves

Paulo Augusto da Fonseca Fróes

Rômulo Salobrenha Garcia dos Santos

Vinícius Mendes Rodrigues

Musicoterapia – UFMG

Luiza Mariz

Dança – Licenciatura UFMG

Diogo Lima de Paula

Teatro – UFMG

Lorena Tofani Horta

Ex-alunos

Música – Bacharelado UEMG

Henrique Gonçalves de Toledo

Ricardo Luiz do Nascimento

Samuel Passos Costa

Wellington Cordeiro dos Santos

Música – Licenciatura UEMG

Othon Paulo Tavares de Almeida

Raíssa Lutes Lourenço

Rosinei Barbosa de Andrade

Música – Licenciatura UFMG

Alexsander Souza Freitas Reis

Música – Bacharelado UFMG

Gabriel Ladeira Maciel

Henrique Gonçalves Toledo

Sarah Ponzo Lugon

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas busca estratégias para ampliar a oferta de educação profissional

Unidade do Brasil Profissionalizado, em Ibirité, terá como objetivo refletir sobre novas possibilidades para enfrentar os desafios da educação
Divulgação/SEE
Secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazolla, durante reunião em Ibirité
Secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazolla, durante reunião em Ibirité

O Governo de Minas, por meio das secretarias de Estado de Educação (SEE) e de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), estuda alternativas para ampliar as possibilidades de cursos técnicos para os profissionais da educação. A iniciativa se soma ao recente lançamento da Magistra, escola de formação e desenvolvimento profissional de educadores, inaugurada no dia 2 de fevereiro de 2012.

O projeto, que está em fase de elaboração, contará com o apoio da Fundação Helena Antipoff (FHA) e da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg). Em reunião, realizada nesta sexta-feira (10), no campus da fundação, em Ibirité, foram definidos os coordenadores do grupo de trabalho que vai elaborar o plano de ações. A proposta é que a unidade se torne um centro de referência para profissionais da educação, capacitando e criando métodos inovadores para o novo cenário que se estabelece na educação.

A expectativa é de que a implantação da unidade em Ibirité se dê em sintonia com o Programa Brasil Profissionalizado. Esta iniciativa, do governo federal, possibilita a modernização e a expansão das redes públicas de ensino médio integradas à educação profissional, e os recursos repassados podem ser empregados em obras de infraestrutura, desenvolvimento de gestão, práticas pedagógicas e formação de professores.

“A ideia é que o ‘Brasil Profissionalizado’, aqui em Ibirité, seja parte de um sistema integrado entre as duas secretarias, a Fundação Helena Antipoff e a Universidade do Estado de Minas Gerais”, explicou a secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola. “O nosso objeto aqui será a escola, desde o ponto de vista da gestão até a capacitação técnica dos vários profissionais até a produção de material a ser usado com as tecnologias de informação hoje disponíveis para melhorar cada vez mais a qualidade do ensino e criar a oportunidade de emprego para os nossos jovens”, completou.

Para o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, o projeto, que ainda está em fase embrionária, promete ser um grande passo para que a educação em Minas se desenvolva ainda mais. “Tenho certeza de que nós estamos dando um passo muito importante para fortalecer todas as instituições que estão envolvidas neste processo, começando pela fundação e indo até à Uemg e a Magistra. É um esforço gigantesco para que Minas crie condições de ter uma qualidade ainda maior no ensino”, destacou.

O que está sendo proposto é algo extremamente inovador, ou seja, que a unidade de Ibirité seja parte de um sistema integrado entre a Sectes, a SEE, a Uemg e a própria FHA, onde o campus para licenciaturas capacite em nível técnico os profissionais de educação. Haverá uma diferença das outras 12 unidades do Brasil Profissionalizado a serem implantadas em Minas Gerais, priorizando o desenvolvimento de metodologias, tecnologias sociais e pedagógicas, como aplicativos para smartphones e tablets e materiais didáticos.  O projeto entra em consonância com a proposta do Governo de Minas de expansão e fortalecimento do ensino, em todos os níveis, para melhorar cada vez mais a qualidade.

Fonte: Agência Minas