Educação: universidade mineiras se destacam

Minas tem quatro das 10 melhores universidades públicas brasileiras

Segundo o Estado de Minas, estudo do MEC avaliou 134 instituições pelo Índice Geral de Cursos (IGC)

Quatro universidades mineiras estão entre as 10 que receberam nota cinco dentre as 134 instituições avaliadas avaliadas pelo Índice Geral de Cursos (IGC) do Ministério da Educação (MEC).

As informações são do jornal Estado de Minas. As instituições mineiras são a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), a Universidade Federal de Lavras (UFLA), a Univerdidade Federal de Viçosa (UFV) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Minas Gerais tem quatro das 10 melhores universidades públicas brasileiras, mostra IGCInstituições receberam conceito máximo em avaliação do Ministério da Educação

Emerson Campos

Publicação: 06/12/2012 20:28 Atualização: 06/12/2012 20:49

Mercadante considerou números positivos (Elza Fiuza/ABr)
Mercadante considerou números positivos

Entre as 134 universidades públicas avaliadas pelo Índice Geral de Cursos (IGC) do Ministério da Educação (MEC), apenas dez receberam nota 5, que é o conceito máximo de qualidade que pode ser atribuído. Destas, quatro são mineiras: a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM); a Universidade Federal de Lavras (UFLA); a Univerdidade Federal de Viçosa (UFV); e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Considerando universidades, faculdades e centros universitários, o IGC 2011 avaliou 2.136 instituições públicas e privadas. Neste universo, 27 conseguiram o conceito máximo. Entre elas estão as mineiras Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE) e Escola de Governo Paulo Neves de Carvalho (Fundação João Pinheiro).

Saiba mais…
UFMG assina acordo com a Boeing Company para pesquisas no setor aeroespacial Mercadante pede mobilização de entidades da área de educação em favor de MP Portugal é principal destino de alunos de graduação do Ciência sem Fronteiras MPF recomenda que UFMG faça concurso para selecionar estagiários Ufla é a terceira universidade mais bem colocada no Brasil
Do total observado pelo MEC, 50,6% tiveram conceito 3, considerado satisfatório. No entanto, os dados divulgados mostram que 27% das instituições de ensino superior tiveram conceito insuficiente. O índice, que vai de 1 a 5, leva em conta o desempenho dos estudantes no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), a infraestrutura das faculdades e a formação do corpo docente.

Durante a divulgação dos números, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, considerou os dados positivos. “Cai o número de instituições que estavam no nível 1 e cai fortemente o número de instituições que estavam em nível 2, o que é um ótimo indicador”, ponderou. Segundo Mercadante, em todos os casos houve melhora significativa nos cursos de ensino superior. “A curva toda se desloca em direção à melhora na qualidade. Há uma série de medidas que estão surtindo efeito”, finalizou.

Confira quais são as dez universidades públicas que conseguiram conceito máximo:

Minas Gerais

Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
Universidade Federal de Lavras (UFLA)
Univerdidade Federal de Viçosa (UFV)
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

São Paulo

Fundação Universidade Federal do ABC (UFABC)
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR)

Outros estados

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Anúncios

Governo de Minas: Belo Horizonte contará com um Centro de Treinamento Esportivo de padrão internacional

Com investimentos de cerca de R$ 70 milhões do Governo de Minas, centro de treinamento na Pampulha será um dos melhores do país

Com investimentos do Governo de Minas, está sendo construído em Belo Horizonte, em parceria com a UFMG, um Centro de Treinamento Esportivo de padrão internacional. O complexo fica na região da Pampulha, próximo ao estádio Mineirão.

O Centro de Treinamento Esportivo ocupa uma área de 13.800 metros quadrados. A nova unidade será, ao mesmo tempo, um presente para atletas profissionais e um centro de estudos para pesquisadores do esporte.

Segundo o secretário de Estado de Esportes e da Juventude, Braulio Braz, o centro de treinamento na Pampulha será um dos melhores do país, com uma estrutura esportiva completa para a preparação de atletas de diversas modalidades.

O investimento total é de R$ 70 milhões. A pista de atletismo ficará pronta até o fim do mês que vem. O Centro de Treinamento na Pampulha deverá ter as obras concluídas até 2014.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/belo-horizonte-contara-com-um-centro-de-treinamento-esportivo-de-padrao-internacional/

Governo de Minas: Encontro de Inovação apresenta alternativas em gestão municipal para prefeituras

Em evento realizado pelo Simi, pequisadores demonstram novas tecnologias para enfrentar desafios da administração pública

Paulo Valle / Refinaria da Imagem
Pesquisadores puderam apresentar seus projetos a representantes de prefeituras
Pesquisadores puderam apresentar seus projetos a representantes de prefeituras

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), por meio do Sistema Mineiro de Inovação (Simi), promoveu nesta quarta-feira (09), no Expominas, o 3º Encontro de Inovação de Tecnologias para Municípios. O evento, que ocorreu durante o 29º Congresso Mineiro de Municípios, foi uma grande oportunidade para pesquisadores apresentarem suas tecnologias para gestores públicos que buscam encontrar soluções para a administração municipal.

No encontro, foram apresentadas quatro tecnologias que podem ser utilizadas na melhoria da gestão municipal ou dos processos eleitorais: Portal Opinião Pública, da professora da UFMG Helcimara Telles; Gestão de documentos nos municípios, da professora da UFMG Marília Paiva; Futureal – Bolsas de previsão eleitoral, do professor da UFMG Deivison Cruz; e o Sistema Gestão Ver, do professor da PUC Minas Malco Camargos.

Os pesquisadores se mostraram bastante satisfeitos com os resultados das discussões. Para Malco Camargos, a iniciativa do Governo de Minas é de suma importância tanto para quem está na universidade desenvolvendo protótipos e buscando inovação, quanto para quem está no mercado tentando ter um relacionamento com seus consumidores. “Ambos os lados têm a possibilidade de apresentar a uma massa crítica e consumidora seus produtos, ainda em desenvolvimento, e começar a partir daí novas parcerias”, afirmou.

Helcimara Telles gostou principalmente do formato do evento, e pretende levá-lo como modelo à UFMG. “O Encontro de Inovação me deu algumas ideias sobre como trabalhar a divulgação das pesquisas acadêmicas que são feitas na universidade. Normalmente os congressos acadêmicos são aborrecidos, têm um formato muito tradicional. Já aqui tivemos uma metodologia bastante inovadora em relação aos outros congressos dos quais já participei”, destacou.

A professora Marília Paiva, que, inclusive, fechou algumas parcerias com prefeituras, acredita que mais gestores poderiam comparecer ao evento, visto a grande oportunidade para melhoria da administração pública que ele representa. “Hoje já conversamos com quatro ou cinco municípios. Eu acho surpreendente que mais representantes não venham, porque é uma oportunidade incrível. Aqui, você oferece um leque de oportunidades para melhorar a gestão pública”, concluiu.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/encontro-de-inovacao-apresenta-alternativas-em-gestao-municipal-para-prefeituras/

Gestão em Minas: Iepha e Escola de Belas Artes firmam convênio para preservação do patrimônio cultural mineiro

Comunidades de Minas Gerais terão seu patrimônio restaurado com qualidade e sem custos

Izabel Chumbinho/Iepha-MG

O Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) e a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), representando a participação da Escola de Belas Artes da UFMG, firmaram um Termo de Cooperação Técnica e Científica com o objetivo de estabelecer uma agenda de trabalho conjunto entre as instituições, potencializando seus esforços em prol da preservação do patrimônio cultural mineiro.

Serão várias frentes de trabalho em cooperação. Uma delas prevê a disponibilização, pelo Iepha, de obras pertencentes ao patrimônio histórico e artístico mineiro a serem restauradas pelos professores e alunos do curso de graduação em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis da UFMG. Assim, será possível atender a uma parcela maior da imensa demanda por restauração recebida todos os anos pelo Iepha, que não dispõe de recursos humanos ou financeiros para atendê-la.

A custo zero, as comunidades terão seu patrimônio restaurado com a qualidade garantida pela expertise do Cecor da UFMG, que é centro de referência em todo o país. Além da seleção das peças a serem restauradas, e de seu recolhimento e devolução junto à comunidade de origem, o Iepha se dedicará ao acompanhamento e fiscalização constante de todo trabalho junto a cada uma das obras. A gerente de Elementos Artísticos do Iepha, Ana Panisset, explica que esta frente de trabalho entrará como um “braço do Programa de Restauração de Acervos da instituição”, que este ano trabalhará outras 19 peças.

Ainda esta semana, 21 peças sacras serão encaminhadas ao Cecor para serem restauradas dentro do convênio. São 20 imagens e uma tarja de retábulo, vindos de igrejas de Sabará, Couto de Magalhães de Minas, Serro e de Conceição do Mato Dentro.

Segundo Ana Panisset, anualmente serão selecionadas de 15 a 20 obras, dependendo do tamanho das peças e do estado de conservação. Uma destas obras será recuperada como trabalho de conclusão de curso pela aluna Florence Costa, que é também estagiária no ateliê de restauração do Iepha.

Capacitação

Outra frente de trabalho conjunto viabilizada pelo termo de cooperação dará conta da capacitação do corpo técnico que atua na conservação-restauração do patrimônio mineiro, seja via entidades governamentais ou por empresas privadas. Estão previstos uma série de seminários, palestras, workshops e eventos diversos, envolvendo técnicos do Iepha, acadêmicos da UFMG e profissionais do mercado. Além disso, o convênio também prevê a oferta de oportunidades de estágio supervisionado no Iepha para os alunos da Belas Artes e o desenvolvimento de projetos de pesquisa e publicações em conjunto.

Também será montado um grupo de pesquisa que funcionará como uma comissão para discutir os parâmetros de conservação-restauração, baseado em referências internacionais, buscando unificar os procedimentos. Outra novidade será o lançamento de um laboratório móvel de análises científicas para o diagnóstico do patrimônio mineiro. Fruto de um esforço conjunto entre UFMG, Iepha, Iphan e Ministério Público Estadual, a unidade móvel percorrerá as mais diversas regiões de Minas avaliando o estado de conservação de bens culturais.

Ana Panisset explica, ainda, que o grande trunfo do convênio entre Iepha e UFMG é a “união de expertises das áreas envolvidas com o patrimônio”, unindo a esfera acadêmica e o campo de atuação prática. Para a gerente do ateliê de restauração do Iepha, a intenção principal desta cooperação é a mudança de paradigma em relação aos parâmetros de conservação, em prol de uma ação mais orientada por procedimentos críticos e científicos. “A motivação deste intercâmbio é exatamente trazermos o conhecimento e a pesquisa acadêmica para o âmbito da aplicação prática. Quem sai ganhando no final, claro, é o patrimônio mineiro”, destaca.

Restauração de acervos

Além das 21 obras que seguem para restauração no Cecor, por meio do convênio assinado entre o Iepha e a Escola de Belas Artes, outras 19 peças sacras também entram em restauro ainda este ano pelo Programa Restauração de Acervos, do Iepha.

A ação, que tem a proposta de recuperar bens de forte significado para as comunidades às quais pertencem, contou este ano com um novo critério para a escolha das peças. Como nos anos anteriores, foram priorizadas aquelas em pior estado de conservação, de acordo com o levantamento feito pelo Inventário do Patrimônio Cultural, mas a seleção, desta vez, exigia também que os bens fizessem parte de acervos protegidos pelo Programa Minas Para Sempre, o que representará a garantia de que, uma vez restauradas, as peças sacras voltarão para um local seguro.

Cinco imagens da Igreja Matriz de São José – localizada no distrito de São José das Três Ilhas, em Belmiro Braga – serão restauradas com verbas destinadas pelo Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Difusos de Minas Gerais (Cedif) ao programa no valor de R$ 50 mil. São elas Nossa Senhora da Conceição, Santo Antônio, Santa Rita, e as imagens de São José e de Nossa Senhora que fazem parte do conjunto da Natividade do templo.

Outras 14 imagens de nove municípios serão recuperadas com investimento de R$ 350 mil proveniente do Programa Estadual Minas Patrimônio Vivo. Além da preservação material o Iepha pretende também incentivar e mobilizar as comunidades para um engajamento na conservação de seus acervos. De acordo com a gerente de Elementos Artísticos do Iepha, Ana Panisset, a duração dos trabalhos irá variar de peça para peça, dependendo do tamanho de cada uma delas e do estado de conservação.

Clique aqui e confira a lista completa de 40 peças contempladas pelo Programa de Restauração de Acervos 2012 (arquivo

PDF).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/iepha-e-escola-de-belas-artes-firmam-convenio-para-preservacao-do-patrimonio-cultural-mineiro/

Gestão em Minas: estudo avalia qualidade ambiental nas represas da Cemig em todo o Estado

Programa Peixe Vivo promove encontro em Três Marias para apresentação de resultados

Cemig / Divulgação
Peixe Vivo é um programa da Cemig voltado à conservação da fauna aquática em áreas de abrangência de usinas da empresa
Peixe Vivo é um programa da Cemig voltado à conservação da fauna aquática em áreas de abrangência de usinas da empresa

A comunidade de Três Marias, no Noroeste de Minas, e dos municípios do entorno, recebeu, na última quinta-feira (03), apresentações sobre os resultados obtidos com o Projeto Desenvolvimento de Índices de Integridade Biótica (IBI), promovido pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), por meio do Programa Peixe Vivo. O encontro foi realizado no Centro de Educação Permanente Engenheiro Mário Bhering e permitiu um debate entre órgãos públicos, organizações não governamentais, setor pesqueiro, empresas e instituições da região.

Fruto de parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Lavras (Ufla), PUC Minas e Cefet-MG, o projeto busca desenvolver ferramentas para avaliar a qualidade ambiental e subsidiar a restauração de habitats em área de soltura de alevinos nos reservatórios da Cemig.

A avaliação é feita por meio da análise de fatores bióticos, como insetos, peixes e vegetação ripária, e abióticos, como fluxo hidráulico, assoreamento e ocupação humana. Para a análise, são programadas duas coletas em cada reservatório, sendo a primeira no período de seca, com foco nas drenagens formadoras da bacia principal, e uma segunda no final do período chuvoso, com foco no reservatório.

Em Três Marias, alguns resultados preliminares já demonstram a eficácia da ferramenta. Áreas com baixa qualidade ambiental, qualidade intermediária e ainda preservadas foram diagnosticadas por meio de um extenso esforço amostral, que contou com 40 pontos no reservatório e 40 nos riachos da bacia de drenagem.

Para a analista de meio ambiente da Cemig, Fernanda de Oliveira Silva, as informações geradas pelo IBI terão aplicação prática para a Empresa e outros públicos de interesse. “Os resultados permitem que se faça um amplo diagnóstico do estado de conservação da bacia de drenagem do reservatório e possibilitarão que medidas mais efetivas de mitigação de impactos ambientais sejam tomadas por prefeituras, órgãos ambientais, empresas e comunidade”, explica.

O Projeto Desenvolvimento de Índices de Integridade Biótica, que conta com um investimento de R$ 2 milhões, contempla, além de Três Marias, os reservatórios de Nova Ponte, São Simão e Volta Grande, assim como seus respectivos tributários. O levantamento realizado em Nova Ponte também já obteve resultados, que foram apresentados à comunidade da região no ano passado. Entre eles, foi identificado que as bacias com maior porcentagem de área agrícola possuem menor riqueza e abundância de peixes e macroinvertebrados, e que 73% dos córregos estudados estão moderadamente ou altamente impactados.

Parcerias

O Programa Peixe Vivo é uma iniciativa da Cemig para expandir e criar medidas mais efetivas para a conservação da fauna aquática nas bacias hidrográficas onde estejam instaladas usinas da empresa. As parcerias estabelecidas pelo Peixe Vivo com centros de pesquisa servem como subsídio para programas de conservação e apoiam a Empresa na elaboração de estratégias mais eficientes para a preservação da ictiofauna.

Estimulando a troca de experiências entre suas equipes técnicas e os pesquisadores das universidades, atualmente o Peixe Vivo possui 12 projetos em andamento e outros quatro em fase de contratação. O Projeto do IBI envolve uma equipe de quatro pesquisadores brasileiros, dois pesquisadores americanos – da Oregon State University e US Environmental Protection Agency, um aluno de pós-doutorado, quatro alunos de doutorado, sete alunos de mestrado e quatorze alunos de iniciação científica.

De acordo com o biólogo Marcos Callisto, coordenador do projeto pela UFMG, o IBI traz um novo conceito para a América Latina, com expectativa de tornar-se referência mundial. “Os índices irão avaliar parâmetros físicos, químicos e biológicos, subsidiando a Cemig na escolha dos locais de peixamentos, e o poder público no planejamento de melhorias nos ecossistemas”, analisa.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/estudo-avalia-qualidade-ambiental-nas-represas-da-cemig-em-todo-o-estado/

Gestão em Minas: cobertura do Novo Mineirão começa a ser montada

Com as obras mais avançadas do Brasil, estádio será referência na Copa do Mundo de 2014

Sylvio Coutinho/Divulgação
Material, feito de dióxido de titânio, permite melhor passagem de luz natural
Material, feito de dióxido de titânio, permite melhor passagem de luz natural

Os trabalhos de modernização do estádio da Pampulha avançam com a recente chegada da estrutura metálica da cobertura do novo Mineirão. As novas treliças tubulares de aço vão receber uma membrana translúcida e auto-limpante em sua parte superior. O material, feito de dióxido de titânio, permite melhor passagem de luz natural e oferece maior resistência contra intempéries, além de ser mais econômico.

A cobertura está sendo instalada para proporcionar maior segurança e conforto a todos os visitantes da nova arena. A estrutura atual será expandida em 26 metros com a instalação das treliças para proteger os assentos mais próximos ao gramado. As cerca de 500 peças em fabricação vão totalizar aproximadamente mil toneladas. O projeto da nova cobertura foi concebido pela empresa Engserj, de renomados acadêmicos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). As treliças, fabricadas em São Paulo, são empregadas também no estádio de Durban, África do Sul, e em outros de futebol americano dos EUA.

Iniciado em outubro de 2011, o trabalho de reforço da estrutura atual deu início à preparação para instalação da nova cobertura. Nessa etapa, foi construída a estrutura que hoje recebe os chamados tirantes, que são cabos de tração com a finalidade de sustentar o peso da cobertura. Esses cabos serão tensionados à uma força equivalente ao peso de 5 mil toneladas. Foi necessário, inclusive, fazer reforço na fundação do estádio.

O trabalho será executado por cerca de 100 operários especializados, incluindo profissionais com formação em montanhismo. Tem previsão de término para novembro deste ano. “Será uma nova cobertura feita com estruturas mais leves, material com alto desempenho, além de esteticamente agradáveis”, conclui José Severiano Braga da Silva, gerente de operações da obra.

Estágio avançado

Esta semana, a obra atingiu o pico máximo de trabalhadores, com 2.000 operários em campo, e a marca de 58% dos trabalhos concluídos. Cerca de 80% das peças da esplanada já foram instaladas ao redor da fachada 100% já tratada. Na parte interna, 30% da arquibancada inferior está instalada e 80% dos bares e banheiros já receberam acabamento (reboco e piso) com instalação de bancadas e divisórios de granito (50%).

As instalações do novo fosso de segurança também estão em fase final, com 90% de execução. Seguem em andamento as atividades de infraestrutura elétrica, hidráulica e de drenagem, além da execução dos pisos da esplanada e do estacionamento coberto. Serão disputadas no novo estádio três partidas durante a Copa das Confederações, em 2013, e outros seis jogos na Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 (quatro na primeira fase, um na oitava de final e outro na semifinal).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/cobertura-do-novo-mineirao-comeca-a-ser-montada/

Governo de Minas: novo ramal levará gás natural à região da Pampulha em 2013

Ação faz parte do projeto Linha Lateral Engenho Nogueira – São Luiz

A Gasmig está trabalhando em mais um empreendimento para expandir o uso do gás natural em Belo Horizonte. Com a implantação de um novo ramal derivado do gasoduto presente no Anel Rodoviário, o projeto “Linha Lateral Engenho Nogueira – São Luiz” tomará forma e levará gás natural para a região da Pampulha a partir de 2013.

Um dos fatores que viabilizaram o projeto foi a assinatura do contrato com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), no mês de fevereiro, para fornecimento de gás natural para o aquecimento da piscina olímpica do Centro de Treinamento Esportivo (CTE), ainda em construção. O contrato, que tem duração mínima de dois anos, prevê a entrega de um volume de 29 mil m³ de gás natural por mês para o aquecimento da piscina que fará parte do Parque Aquático do CTE. A temperatura deverá ser mantida na faixa de 28ºC para garantir o conforto dos atletas e usuários. O fornecimento deve ser iniciado em março de 2013.

O Projeto Linha Lateral Engenho Nogueira – São Luiz destaca-se como um dos empreendimentos pioneiros orientados para o desenvolvimento do mercado varejista da Companhia. “Nesse sentido, a celebração do contrato com a UFMG, além de sua relevância intrínseca, constitui o ponto de partida de um processo mais amplo de captação de clientes potenciais de segmentos diversos, cujas adesões são fundamentais para a maximização da rentabilidade de nossos investimentos”, observa o gerente de Captação de Clientes da Gasmig, Leonardo Valladares.

Residencial

Parte da Linha Lateral Engenho Nogueira – São Luiz será direcionada para o abastecimento de três edifícios residenciais, em dois condomínios da construtora Habitare, localizados no bairro Alto do Engenho, região da Pampulha. “A assinatura deste contrato é de grande importância para a Companhia, trata-se do segundo projeto do segmento Residencial, categoria Novos Empreendimentos”, explica o gerente do Projeto Residencial da Gasmig, Marcelo Sant’Anna.

O contrato, firmado em outubro de 2011, prevê a entrega de 2 mil m³ mensais de gás natural e o início do fornecimento está marcado para janeiro de 2013. O gás natural será utilizado para cocção de alimentos, aquecimento central de água e de churrasqueira da área gourmet e beneficiará moradores de 114 apartamentos. Além da rede externa, a Gasmig subsidiará também a rede interna dos condomínios.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/novo-ramal-levara-gas-natural-a-regiao-da-pampulha-em-2013/

Gestão Anastasia: governo de Minas abre rodada de negociações com Sindicato dos Trabalhadores da Educação

Reunião inaugura agenda de encontros para discutir pauta de reivindicações apresentada pela entidade, que conta com mais de 60 itens

ACS / SEE
Reunião inicia período de negociações da pauta de reivindicações apresentada pelo sindicato trabalhista
Reunião inicia período de negociações da pauta de reivindicações apresentada pelo sindicato trabalhista

Em reunião na tarde dessa quinta-feira (26), na Cidade Administrativa, o Governo de Minas recebeu comissão do Sindicato Único dos Trabalhadores da Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG). O encontro, iniciado às 16h e encerrado às 18h, é o primeiro de uma série de reuniões a serem realizadas por sugestão do Governo de Minas para iniciar o período de negociações da pauta de reivindicações apresentada pela entidade.

De acordo com os representantes do Governo, o primeiro encontro foi importante para ouvir dos representantes do Sind-UTE/MG esclarecimentos sobre a pauta. O documento conta com 64 itens e traz temas diversificados.

Pelo Governo de Minas, participaram o subsecretário de Gestão de Recursos Humanos, Antônio Musa de Noronha, e o assessor para Relações Institucionais, Felipe Estábile Moraes — ambos da Secretaria de Estado de Educação — e a subsecretária de Gestão de Pessoas da Secretaria de Planejamento e Gestão, Fernanda Siqueira Neves. Pelo Sind-UTE/MG, compareceram a coordenadora Beatriz Cerqueira, e as integrantes da Comissão de Negociação, Marilda Araújo, Feliciana Saldanha e Lecioni Pereira.

Para os representantes do Governo, é consenso a importância da abertura de um espaço de diálogo permanente com as entidades sindicais, fórum este dedicado ao debate e à conversa franca, elementos que serão capazes de atender, de forma mais justa, os atores sociais envolvidos.

Pauta extensa

A pauta apresentada pelo SindUTE-MG conta com 64 itens. São 14 temas relacionados ao item “Salário e Carreira”; 15 em relação ao tema “IPSEMG (Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais) e Previdência”; 11 relacionados aos temas “Gestão das Escolas e do Sistema e Vínculo Funcional”; 12 sobre “Qualidade da Educação”; seis demandas específicas sobre “Servidores das Superintendências Regionais de Ensino”; e seis outras demandas gerais.

Ainda que a pauta conte com mais de 60 itens, os representantes do Governo de Minas fizeram o agrupamento das reivindicações em três grandes eixos:

•  Demandas relativas ao conjunto dos servidores públicos: serão tratadas em um fórum ampliado, com a presença de todas as entidades sindicais competentes;

• Demandas específicas da Educação: serão analisadas e tratadas ao longo do processo de negociação, a partir de uma agenda de diálogo e construção coletiva. Exemplos dessas demandas são as férias-prêmio e o posicionamento de servidores; e

•  Demandas já atendidas ou sob avaliação da Justiça.

Em relação às demandas atendidas, por exemplo, encontra-se o cumprimento da Lei do Piso Nacional da Educação para o Magistério. Em Minas Gerais, o valor do piso já é pago desde a adoção do modelo unificado de remuneração. Adotado o princípio da proporcionalidade (Parágrafo 3º), o que é assegurado pela Lei 11.738, de 16 de julho de 2008, que instituiu o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público, o valor calculado para uma jornada de 24 horas seria, em Minas Gerais, de R$ 870,60. Como a remuneração inicial para o magistério na rede estadual é, desde este mês, de R$ 1.386,00, o valor instituído pelo modelo unificado de remuneração em Minas Gerais continua superior ao piso nacional. Este é 59,2% superior ao piso nacional que, com o aumento anunciado pelo MEC em fevereiro deste ano, passou para R$ 1.451,00 para uma jornada de 40 horas semanais.

Outro exemplo de demanda já atendida — proposta de capacitação dos servidores — é a criação da Magistra, escola de formação e desenvolvimento profissional, criada pela Lei Delegada nº 180, de 20 de janeiro de 2011. A instituição, que foi inaugurada este ano, tem como objetivo promover a formação e a capacitação de educadores, de gestores e demais profissionais da Educação nas diversas áreas do conhecimento e em gestão pública e pedagógica.

Também há questões, como a regularização da utilização de 1/3 da jornada para atividades extraclasses, que estão em fase de regulamentação. Hoje, Minas Gerais já dedica ¼ da jornada para as atividades extraclasse.

Há ainda itens que fazem parte da rotina da Secretaria de Educação, como a implementação de melhorias na rede física. Em 2011, foram investidos R$ 245,8 milhões na estrutura física da rede estadual. Este valor engloba desde reformas e construções de novos prédios, até compra de mobiliário e equipamento para as escolas.

Outra iniciativa são as ações desenvolvidas com o objetivo de promover uma cultura de paz dentro das escolas. Para isso, estão sendo realizados, através da Magistra, treinamentos para capacitar gestores e professores para lidar com situações de conflito nas escolas. Outros destaques nessa área são a participação da Secretaria no Fórum pela Paz, que conta com a participação de outros órgãos do Governo e entidades da sociedade, e o esutdo a ser realizado pelo Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (Crisp), da UFMG, que vai fazer um diagnóstico junto às escolas para identificar questões geradoras de violência e vulnerabilidade. Esse diagnóstico vai permitir a qualificação das ações — atuais e novas — para o estabelecimento de uma cultura da paz.

Além disso, foi lançado em março deste ano o programa Polícia e Família, com foco na atuação policial preventiva no ambiente familiar. Estão sendo instaladas bases comunitárias móveis nos bairros e desenvolvida uma ação de mobilização da comunidade, estimulando a discussão e a solução prévia dos problemas sociais e a prevenção dos delitos que têm sua origem no ambiente familiar. Estão, ainda, em processo de compra, com recursos da Secretaria de Educação no valor de R$ 3 milhões, 95 viaturas que vão atuar no programa de Patrulha Escolar.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-abre-rodada-de-negociacoes-com-sindicato-dos-trabalhadores-da-educacao/

Gestão em Minas: procurador Denilson Feitoza é nomeado secretário adjunto de Defesa Social

Denilson assume o lugar do Procurador de Estado Robson Lucas da Silva, que passa a comandar a Subsecretaria de Integração do Sistema de Defesa Social

Divulgação/Seds
Novo secretário adjunto da Seds, Denilson Feitoza
Novo secretário adjunto da Seds, Denilson Feitoza

O procurador de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais, Denilson Feitoza, foi nomeado, nesta quarta-feira (25), secretário adjunto de Defesa Social. Denilson é doutor e mestre em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pós-doutor em Inteligência, Segurança e Direito pelo Canadian Centre of Intelligence and Security Studies (CCSIS) – Canadá. Denilson assume o lugar do Procurador de Estado Robson Lucas da Silva, que passa a comandar agora a Subsecretaria de Integração do Sistema de Defesa Social.

O novo secretário adjunto trabalha há vinte e nove anos na área criminal (vinte anos como membro do Ministério Público e nove anos como policial), tendo atuado em variadas áreas, como crimes em geral, entorpecentes, tribunal do júri, Justiça Militar, Justiça Eleitoral, crimes falimentares, crime organizado e, finalmente, na Procuradoria Criminal do Ministério Público de Minas Gerais. Nessa linha, também trabalhou com atos infracionais, na área da infância e juventude.

Em outubro de 2010, foi nomeado presidente do Capítulo Brasil da Associação Internacional de Analistas de Inteligência de Segurança Pública (IALEIA), considerada uma das maiores associações de profissionais de inteligência do mundo. Também é diretor científico e ex-presidente do Instituto Brasileiro de Inteligência Criminal (Intecrim).

Ao longo da carreira, Denilson exerceu atividades importantes. Foi coordenador de planejamento institucional e coordenador do Centro de Segurança e Inteligência Institucionais do Ministério Público de Minas Gerais e, por quase três anos, exerceu o cargo de secretário-geral do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC). Também coordenou os grupos de Inteligência e Tecnologia da Informação dos Ministérios Públicos.

“Meu papel na Seds é alavancar a eficiência eficácia e efetividade do Sistema de Defesa Social, utilizando minhas experiências como coordenador de planejamento estratégico e minha expertise em Inteligência e na área criminal”, disse o novo secretário adjunto, que também é ex-conselheiro de Defesa Social do Estado de Minas Gerais, ex-membro do Conselho Gestor do Sistema Integrado de Defesa Social e ex-coordenador geral do programa de controle de homicídios Fica Vivo!

Na área acadêmica, Denilson Feitoza é diretor da Associação Brasileira de Professores de Ciências Penais (ABPCP), coordenador da pós-graduação de especialização em Inteligência de Estado e Inteligência de Segurança Pública na Fundação Escola Superior do Ministério Público do Estado de Minas Gerais e pesquisador doutor de inteligência governamental do Centro de Estudos Estratégicos e Inteligência Governamental da UFMG.

Denilson também é coordenador da série de livros “Inteligência, Segurança e Direito”, da Editora Impetus, tendo publicado as obras “Direito processual penal: teoria, crítica e práxis” e “O princípio da proporcionalidade no Direito Penal Brasileiro”.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/procurador-denilson-feitoza-e-nomeado-secretario-adjunto-de-defesa-social/

Gestão Anastasia: Centro de Treinamento Esportivo da UFMG recebe equipamentos para prática de atletismo

Entre o material recebido estão equipamentos e acessórios como colchões, barreiras, dardos e discos

Filipe Diniz/Seej
Colchões, barreiras, dardos e discos chegaram ao CTE nesta quarta-feira (25)
Colchões, barreiras, dardos e discos chegaram ao CTE nesta quarta-feira (25)

Construído em parceria pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude (Seej), e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), por intermédio da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, o Centro de Treinamento Esportivo (CTE) recebeu, nesta quarta-feira (25), materiais esportivos destinados à prática do atletismo.

Entre o material recebido estão equipamentos e acessórios como colchões, barreiras, dardos e discos, necessários para treinamento e estudos de alto rendimento na modalidade. Os equipamentos foram adquiridos na Europa, com recursos da Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento do Ministério do Esporte.

O diretor do CTE, professor Leszek Szmuchrowski, conta que o material, certificado pela Federação Internacional de Atletismo, é o que há de melhor no segmento. “Os equipamentos são de nível profissional e da melhor qualidade possível”, afirma.

O Centro de Treinamento Esportivo – um complexo de treinamento e pesquisa em esportes que será referência no país – será instalado em área de 13.800 m², na parte baixa do Centro Esportivo Universitário (CEU). O centro contará com pista de atletismo, parque aquático e ginásio poliesportivo, além de laboratórios de pesquisa aplicados ao esporte. O custo estimado da obra é de aproximadamente R$ 70 milhões.

“O Governo de Minas, por meio da Seej, está empenhado neste grande projeto, que visa potencializar os atletas de alto rendimento e a formação de novos competidores. Até agora, o Estado já disponibilizou recursos de 7 milhões de reais na elaboração do projeto do CTE e na construção da pista de atletismo. Outros 43 milhões estão sendo investidos no parque aquático, previsto para ser inaugurado no final de 2013. Essa obra traduz a opção do Governo do Estado pelo investimento no desportista de Minas Gerais e na juventude mineira”, destaca o secretário de Estado de Esportes e da Juventude, Braulio Braz.

A inauguração da pista de atletismo, segundo Leszek Szmuchrowski, está prevista para este primeiro semestre. Ele ressalta que a pista foi aprovada para receber a certificação Classe 1, a máxima concedida pela Federação Internacional de Atletismo (Iaaf), por ser das mais modernas do mundo e atender às exigências de atletas de alto rendimento de todas as provas de atletismo: corridas, saltos e lançamentos. O revestimento da pista, similar à que será utilizada este ano nos Jogos Olímpicos de Londres, tem superfície sintética e conta com oito raias. Além das oito raias oficiais, a pista contará com uma raia adicional para treinamento e uma pista inclinada para aperfeiçoamento dos atletas.

O parque aquático coberto, com inauguração prevista para dezembro de 2013, terá piscina com 65 metros de comprimento e borda móvel, inédita no país, que permite dois tanques com dimensões variáveis – piscina olímpica mais piscina de treinamento ou duas piscinas semiolímpicas, por exemplo. O parque aquático será destinado à prática de natação, polo aquático e nado sincronizado.

O pavilhão poliesportivo possuirá estrutura para treinamento de esportes coletivos – vôlei, basquete, handebol –, ginástica artística e olímpica e lutas esportivas, como judô, taekwondo, entre outras.

O projeto prevê ainda a montagem de um centro de medicina esportiva, sala de musculação, lanchonete, vestiários e almoxarifado.

Novos talentos

O diretor do Centro de Treinamento Esportivo (CTE) explica que o objetivo principal do complexo é a formação de novos talentos, tanto em nível estadual como nacional e até mundial. “O centro deverá mudar a perspectiva desportiva em Minas Gerais e no Brasil, favorecendo a cultura do esporte”, diz Leszek Szmuchrowski.

O CTE poderá ser utilizado por equipes, seleções, federações e entidades esportivas, tanto nacionais quanto estrangeiras, para o treinamento de atletas profissionais ou em formação, além da recepção de grandes eventos esportivos. O complexo será, inclusive, um dos centros no Brasil a serem oferecidos à comunidade olímpica internacional em 2016, quando o Rio de Janeiro irá sediar as Olimpíadas. Além disso, todo o espaço atenderá o esporte paralímpico.

Leszek Szmuchrowski destaca que, após a inauguração da primeira etapa do centro – a pista de atletismo –, poderão ser iniciadas as ações para captação de novos talentos. E os planos de Leszek Szmuchrowski são ambiciosos. “Há tempo suficiente para preparar atletas para as Olimpíadas de 2016 em algumas provas de atletismo, como o salto em altura”, salienta.

Pesquisa

O Centro de Treinamento Esportivo poderá ser equiparado aosaosaa mais avançados do mundo em termos de pesquisa. O complexo irá integrar os cursos de educação física, fisioterapia, medicina, odontologia, enfermagem e nutrição. No curso de fisioterapia, o foco será o estudo em prevenção de lesões esportivas e inovação no tratamento dessas lesões, como aplicação dos procedimentos para recuperação biológica, especialmente em pessoas com deficiências. Já a preocupação da educação física será principalmente com a busca de talentos e treinamento dos atletas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/centro-de-treinamento-esportivo-da-ufmg-recebe-equipamentos-para-pratica-de-atletismo/