Gestão da Saúde: SES promove pesquisa para mapear a saúde bucal da população do Estado

Exames clínicos e questionários vão permitir a caracterização do nível de utilização de serviços odontológicos e dos riscos à Saúde Bucal dos mineiros

links relacionados
Pedro Cisalpino
SB Minas Gerais mapeia a condição da saúde bucal da população mineira
SB Minas Gerais mapeia a condição da saúde bucal da população mineira

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) está realizando uma pesquisa que tem como objetivo mapear as condições de saúde bucal da população mineira, o SB Minas Gerais. Por meio do projeto, a SES-MG pretende identificar os problemas bucais mais frequentes na população, a fim de diagnosticar as necessidades e, formular ações que contemplem prevenção, tratamentos e reabilitação adequados à realidade das comunidades.

Desde o final de abril, moradores de 60 municípios mineiros estão participando do inquérito epidemiológico. Em cada município serão feitos cerca de 100 exames, totalizando, aproximadamente, seis mil exames no Estado. De acordo com a diretora de Saúde Bucal da SES-MG, Daniele Lopes Leal, a pesquisa vai fortalecer a Política de Saúde Bucal, que vem sendo delineada no estado.

“O SB Minas Gerais vai trazer como resultado o diagnóstico epidemiológico de Saúde Bucal da população mineira, a partir do qual serão formuladas ações que contemplem esta população com o desenvolvimento de programas de âmbito estadual”, explica.

Durante a pesquisa, além dos índices tradicionais de medição dos agravos bucais, será aplicado, também, um questionário aos indivíduos examinados.  Dessa forma, serão analisadas as condições de problemas como cárie, doença periodontal, oclusopatias, fluorose (intoxicação pelo flúor e seus derivados), dentre ouras, no sentido de se verificar, além da prevalência, a extensão da gravidade das doenças bucais.

Segundo a diretora, Daniele Leal, a Política Nacional de Saúde Bucal determina a realização de estudos epidemiológicos desse porte como parte componente da Vigilância em Saúde. “A nossa proposta é realizar pesquisas desse tipo a cada 10 anos, com o intuito de avaliar as alterações no quadro epidemiológico da população”, afirma.

O projeto terá financiamento da SES-MG, através da Diretoria de Saúde Bucal, no valor de R$168 mil, sendo que cada município participante vai receber R$ 2.800,00 para pagamento de pessoal e ressarcimento de despesas de deslocamento, além de receber todo o material para realização dos exames.

“Os municípios investem disponibilizando os profissionais para a pesquisa. E o Ministério da Saúde é parceiro no processo, uma vez que toda a metodologia do projeto é do Ministério”, acrescenta a diretora de Saúde Bucal, Daniele Leal.

Participação dos municípios

Para que houvesse representatividade em todo o território do estado de Minas Gerais, os municípios participantes do projeto SB Minas Gerais foram sorteados, seguindo um processo de amostragem probalística.

Nesse processo, foram considerados os grupos etários e o fator de alocação dos municípios, definidos a partir da associação dos índices de necessidade em saúde e de porte econômico, que levam em conta variáveis epidemiológicas e socioeconômicas, além da capacidade do município financiar, com recursos próprios, os cuidados com a saúde dos cidadãos.

Para execução do projeto, os municípios participantes contam com um examinador, um anotador e um coordenador municipal, sendo que os exames são realizados por Cirurgiões Dentistas e os anotadores são profissionais de nível médio, geralmente técnico em Saúde Bucal (TSB) ou auxiliar em Saúde Bucal (ASB), das Secretarias Municipais de Saúde dos próprios municípios.

“As equipes de campo foram treinadas, em oficina com duração de 24 horas, onde foi possível discutir a operacionalização das etapas do trabalho e as atribuições de cada participante, a fim de assegurar um grau aceitável de uniformidade nos procedimentos”, esclarece a diretora de Saúde Bucal da SES-MG.

Metodologia de pesquisa

Durante a pesquisa, o cirurgião dentista vai percorrer a cidade e examinar, em domicílio, o morador que se interessar em participar voluntariamente do Projeto, sendo aptas a participar da pesquisa, pessoas com idades de 05 e 12 anos, 15 a19 anos, 35 a 44 anos e 65 a74 anos.

O voluntário deverá, também, responder um questionário, composto por perguntas subjetivas que vão ajudar na compreensão do processo saúde/doença bucal. “O questionário vai contribuir para a avaliação das condições socioeconômica e de utilização dos serviços, sendo fundamental para a estruturação da Rede Assistencial em Saúde Bucal”, afirma Daniele Leal.

O projeto segue a metodologia do SB Brasil 2010, do Ministério da Saúde, e conta com a colaboração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), que vai avaliar os resultados através do Conselho de Ética em Pesquisa. Outra instituição a avaliar o resultado da pesquisa será o Comitê de Ética em Pesquisa cadastrado junto à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP).

Municípios Participantes

Guaxupé, Conselheiro Lafaiete, Capela Nova, Betim, Contagem, Itabirito, Sabará, Igarapé, Coronel Fabriciano, Pingo-D’água, Naque, Diamantina, Jenipapo de Minas, Serro, Divinópolis, Lagoa da Prata, Onça de Pitangui, Governador Valadares, Central de Minas, Peçanha, São José da Safira, João Monlevade, Virginópolis, Centralina, São Romão, Varzelândia, Juiz de Fora, Arantina, Cataguases, Simonésia, Pedra Bonita, Montes Claros, Janaúba, Monte Azul, Capitão Enéas, Padre Carvalho, Rio Pardo de Minas, Piumhi, Patos de Minas, João Pinheiro, Águas Vermelhas, Santa Maria do Salto, Santa Fé de Minas, Paula Cândido, Santa Rita do Sapucaí, Turvolândia, Piedade do Rio Grande, Sete Lagoas, Teófilo Otoni, Machacalis,Crisólita,Malacacheta, Ubá, Rosário da Limeira, Araxá, Perdizes, Uberlândia, Unaí, Boa Esperança e Varginha.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/ses-promove-pesquisa-para-mapear-a-saude-bucal-da-populacao-do-estado/

Governo de Minas: Circuito dos Diamantes cria arte para o mundo

Agricultura Familiar amplia horizontes com a profissionalização do artesanato no Vale do Jequitinhonha

Bonecas de palhas originalmente coloridas exportadas para a Itália e Alemanha; ampliação de espaços no mercado consumidor interno por meio de lojistas de renome e a inserção do Circuito dos Diamantes no Programa Talentos do Brasil Rural, que na Copa do Mundo de 2014 terá o objetivo de divulgar e comercializar produtos oriundos da agricultura familiar para turistas de várias partes do mundo que vierem ao Brasil.

Estas são algumas das conquistas que cerca de 450 artesãos residentes em 12 municípios integrantes do Circuito dos Diamantes, no Vale do Jequitinhonha, obtiveram nos últimos seis anos por meio de várias ações implementadas pelo Governo de Minas. O trabalho investe na profissionalização da atividade artesanal que, no Vale do Jequitinhonha, se constitui numa das principais fontes de geração de emprego e renda para centenas de famílias.

O trabalho de organização dos artesãos do Vale do Jequitinhonha implementado pela Emater, é voltado para o desenvolvimento e consolidação de arranjos produtivos locais. O foco das ações envolve o desenvolvimento de novos produtos; formação de grupos e organização de pequenas associações comunitárias, levando-se em conta as peculiaridades e as tradições de cada município na exploração da atividade artesanal.

“Muitas famílias se mantêm a partir da dedicação ao artesanato que, no caso do Vale do Jequitinhonha, se constitui numa atividade altamente includente, envolvendo homens e mulheres de todas as idades” – ressalta o coordenador técnico da Emater, Dario Magno de Miranda Maia.

Vocação regional

Em cada município a Associação Vale Circuito é composta por pequenas associações comunitárias, através das quais a Emater tem viabilizado a realização de treinamentos voltados para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de produtos, bem como o acesso a mercados. A ênfase no associativismo tem sido uma das prioridades.

“A grande opção da agricultura familiar é a agroindústria. Quando se agrega valor à produção, pequenos produtores obtêm ganhos significativos o que se reverte na fixação do homem no campo e na melhoria da qualidade de vida”, explica a coordenadora regional da Emater e gestora do Projeto Artesanato no Vale do Jequitinhonha, Maris Stela Pires Lima.

Um dos exemplos de sucesso do trabalho que conta com o apoio do Governo de Minas é a exportação de bonecas de palhas coloridas para a Alemanha e Itália, envolvendo artesãos da comunidade de Planalto de Minas. Nos últimos dois anos as exportações já aconteceram três vezes.

Sempre Vivas: foco na sustentabilidade

Com apoio da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), 29 famílias integrantes da Associação de Artesãos de Sempre Vivas da localidade de Galheiros, zona rural de Diamantina, iniciaram recentemente a implementação de pesquisas voltadas para a reprodução de espécies de sempre vivas ameaçadas de extinção.

“A principal fonte de renda das famílias de Galheiros é o artesanato. A agricultura existente na região é de subsistência e, por isso, estabelecemos parcerias com a Emater, IEF, Instituto Brasileiro de Proteção do Meio Ambiente (Ibama) e Universidade Federal visando desenvolvermos técnicas de preservação de várias espécies de sempre vivas. Trata-se de matéria-prima fundamental para a manutenção do nosso trabalho e sobrevivência – salienta a secretária da Associação de Artesãos de Sempre Vivas, Juraci Borges da Silva. As pesquisas implicam em plantio de espécies ameaçadas de extinção e técnicas de manejo e de exploração.

Criada em 2001 a Associação, que conta com a participação de dez artesãos do sexo masculino, tem conquistado clientes em vários estados através da participação em feiras e exposições realizadas nas principais capitais do Centro/Sul do país. Além da comercialização no tradicional e histórico Mercado de Diamantina, há cinco anos os artesãos atendem encomendas de lojistas. “Em determinadas épocas do ano chegamos a receber encomendas de até mil peças. Assim que entregamos os produtos recebemos o pagamento. Nunca tivemos prejuízo”, comemora Juraci Silva.

As atividades em favor da produção artesanal são desenvolvidas pela Emater e contam com a participação da Secretaria de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas (Sedvan), do Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Idene), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae); Instituto Estadual de Florestas (IEF), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Também estão diretamente envolvidas no trabalho as prefeituras de Diamantina, Alvorada de Minas, Felício dos Santos, Santo Antônio do Itambé, Serro, Presidente Kubitschek, Datas, Gouveia, Monjolos, Couto de Magalhães, Rio Preto e Senador Modestino, que compõem o Circuito dos Diamantes.

Copa do Mundo abre novos horizontes

Este ano a Associação Vale Circuito foi selecionada pelo governo federal para participar do Programa Talentos do Brasil Rural, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). O objetivo é valorizar e ampliar a divulgação da agricultura familiar, principalmente durante a Copa do Mundo de 2014.

No tradicional mercado de Diamantina, a Associação Vale Circuito comercializa peças com preços variando de R$ 5,00 a R$ 450,00. De tapetes arraiolo, a bonecas de palha, bordados, panos de prato, caminhos de mesa, passando por artesanato de argila, de sempre vivas e de cabaças, a loja comercializa mensalmente uma média de 800 peças. O movimento é concentrado nos finais de semana, especialmente nas famosas vesperatas de Diamantina.

“Para mim, independentemente do preço, cada peça vendida tem um grande significado. O valor arrecadado é integralmente repassado ao autor da obra que, em muitos casos, tem na atividade sua principal fonte de sobrevivência”, explica a gestora do Centro de Comercialização da Associação Vale Circuito, Aparecida Angélica Medeiros.

Vaticano

A artesã e dirigente da Associação Ciranda Cirandinha do município de Datas, Aracy Cardoso, atesta que o trabalho de profissionalização do turismo no Vale do Jequitinhonha tem proporcionado o alcance de resultados positivos. Envolvendo 17 artesãos especializados na produção de peças do Divino Espírito Santo, o grupo é um dos destaques na participação em feiras e exposições realizadas em todo o país. “Aqui temos pessoas que sobrevivem apenas da produção de artesanato”, ressalta Aracy.

No ano passado, em apenas uma feira o grupo comercializou cerca R$ 30 mil. As peças esculpidas em madeira maciça e revestidas com lâminas também de madeira decoram igrejas e casas em várias regiões do país e também um dos salões do Vaticano, em Roma. O presente foi entregue ao papa João Paulo II, numa de suas viagens ao Brasil.

Terapia

Por meio do Instituto Milho Verde, integrante da Associação Vale Circuito, 18 agricultoras da comunidade Barra da Cega, localizada na zona rural do município de Serro, dedicam parte do dia à produção de bordados. O trabalho foi difundido na comunidade pela agricultora, Maria José Matos Oliveira que, por recomendação médica, foi orientada a desenvolver outras atividades para combater a depressão.

“Me dediquei à produção de bordados e consegui superar os problemas de saúde. Como outras mulheres da comunidade não tinham uma atividade que lhes proporcionassem renda, resolvi ensiná-las e o resultado tem sido muito bom”, revela Maria Oliveira.

Atualmente, além de blog na internet, as bordadeiras de Barra da Cega participam de feiras e exposições através das quais tem incrementado a comercialização dos produtos que se diferenciam no mercado por utilizar retalhos e a criatividade das próprias artesãs.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/circuito-dos-diamantes-cria-arte-para-o-mundo/

Governo de Minas: Conceição do Mato Dentro e Serro comemoram o início das obras na MG-010

Trecho de 46 quilômetros faz parte do traçado histórico da Estrada Real

Diulgação/Vilasa Construtora Ltda
As obras devem durar aproximadamente dois anos
As obras devem durar aproximadamente dois anos

Os moradores de Conceição do Mato Dentro e do Serro, cidades da região Central do Estado, comemoram o início das obras de pavimentação e melhoramentos do trecho da MG-010, ligando os dois municípios. O segmento de 46 quilômetros faz parte do traçado histórico da Estrada Real e terá o nome do ex-embaixador José Aparecido de Oliveira. O trecho está integrado no Circuito Turístico do Diamante e vai facilitar a ligação entre Conceição do Mato Dentro, Serro e Diamantina.

Para o prefeito do Serro, Guilherme Simões Neves, a pavimentação do trecho é um antigo sonho da comunidade. “É a concretização do projeto da Estrada Real, com o asfalto entre Serro e Diamantina, passando pelos distritos de Milho Verde e São Gonçalo do Rio das Pedras. Por outro lado, aponta para um futuro promissor para a região, diminuindo a distância entre a capital em, pelo menos, 100 quilômetros e resgata a proximidade das cidades irmãs Conceição do Mato Dentro e Serro. É importante ressaltar que daqui para frente a realidade do Serro será outra”, conclui.

Ele destaca, ainda, que a obra será a ferramenta para acelerar o desenvolvimento do município. Opinião compartilhada pelo prefeito de Conceição do Mato Dentro, Reinaldo César de Lima Guimarães, que destaca a importância da pavimentação do trecho para promover integração regional e desenvolvimento. “Representa importante conquista do Médio Espinhaço, que desponta como um novo circuito econômico de Minas Gerais e do Brasil, com a implantação do empreendimento minerador Projeto Minas-Rio”, destaca.

Na avaliação do prefeito de Conceição do Mato Dentro, a história da MG-010 guarda a essência da identidade cultural da região, desde os primeiros desbravadores que, palmo a palmo, fundaram vilas e cidades, em busca do ouro e dos diamantes, ligando o Ivituruí ou Serro Frio à freguesia de Conceição e ao arraial do Tejuco, hoje Diamantina. “Sob o signo da mineração do passado e do presente e, sobretudo, guardando as belezas naturais e o acervo histórico e cultural dos nossos casarios e fazeres – patrimônio material e imaterial – a nossa região aposta no turismo como alternativa sustentável, alternativa esta finalmente viabilizada com a obra da MG-010”, conclui.

Investimento

Os investimentos serão da ordem de R$ 41 milhões, dos quais R$ 10 milhões obtidos por meio de parceria com a Anglo American, um dos maiores grupos de mineração do mundo, que atua na região.

Obras

A obra será realizada pela Vilasa Construtora Ltda., devendo durar aproximadamente dois anos, a contar da assinatura da ordem de início, autorizada este mês pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais (DER-MG).

Integram os trabalhos na MG-010, no trecho entre Conceição do Mato Dentro (entroncamento para Dom Joaquim) ao Serro, a pavimentação e a implantação de 46 quilômetros e a execução de alargamento e restauração de cinco pontes, sobre os córregos Pereira, Campinas, Passa Sete, Pedra I e Zalu, todas com largura de 10 metros e comprimento de 10 metros. Além disso, será restaurada a ponte sobre o Córrego Pedras I com 26 metros de comprimento. Sobre o Rio do Peixe, será construída uma nova ponte com 37 metros de extensão e 10 metros de largura.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/conceicao-do-mato-dentro-e-serro-comemoram-o-inicio-das-obras-na-mg-010/

Gestão Anastasia: governo de Minas inicia pavimentação da MG-010 de Conceição do Mato Dentro ao Serro

Obra vai integrar circuitos turísticos importantes e incrementar a economia da região

O governador em exercício Alberto Pinto Coelho determinou que as obras de pavimentação do trecho da MG-010, ligando Conceição do Mato Dentro ao Serro, sejam iniciadas na próxima quinta-feira (15). O trecho de 46 quilômetros faz parte do traçado histórico da Estrada Real e terá o nome do ex-embaixador José Aparecido de Oliveira.

O trecho está integrado no Circuito do Diamante e vai facilitar a ligação entre Conceição do Mato Dentro, Serro e Diamantina, além de Além de fazer parte do traçado histórico da Estrada Real, integra os programas Estratégico de Logística e Transportes (PELT) e Caminhos de Minas.

Os investimentos serão da ordem de R$ 41 milhões, dos quais R$ 10 milhões obtidos por meio de parceria com a Anglo American, um dos maiores grupos de mineração do mundo, que está investindo na região cerca de R$ 5 bilhões, para a produção e escoamento de minério de ferro.

Para o governador em exercício, a obra resgata uma dívida histórica para com a região e será fundamental para o desenvolvimento econômico e social do Serro, de Conceição do Mato Dentro e de municípios do entorno. “É um antigo sonho, uma antiga reivindicação da população de toda uma região, que agora será concretizada por determinação do governador Antonio Anastasia. Esta obra é fundamental para a atração de empreendimentos, para impulsionar o turismo e para gerar renda e emprego de qualidade”, afirmou Alberto Pinto Coelho, lembrando que, com a pavimentação do trecho, a MG-010 servirá como uma opção de acesso a Diamantina, passando por um corredor turístico alternativo que vai ligar Confins, Serra do Cipó, Circuito do Queijo e Circuito dos Diamantes.

Obras

A obra será realizada pela Vilasa Construtora Ltda devendo durar aproximadamente dois anos, a contar da assinatura da ordem de início, que será dada na próxima quinta-feira pelo Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER-MG). Já a partir de quarta-feira a empresa começa o processo de mobilização, que inclui deslocamento de pessoal e maquinário, além da instalação do canteiro de obras.

Integram os trabalhos na MG-010, no trecho entre Conceição do Mato Dentro (entroncamento para Dom Joaquim) ao Serro, a pavimentação e a implantação de 46 quilômetros e a execução de alargamento e restauração de cinco pontes, sobre os córregos Pereira, Campinas, Passa Sete, Pedra I e Zalu, todas com largura de 10 metros e comprimento de 10 metros e a ponte sobre o Córrego Pedras I com 26 metros de comprimento. Sobre o Rio do Peixe, será construída uma nova ponte com 37 metros de extensão e 10 metros de largura.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: DER promove cursos de educação ambiental e patrimonial para comunidades do Serro e Diamantina

Os cursos são voltados para moradores dos distritos de Milho Verde, Três Barras, São Gonçalo do Rio das Pedras e Vau

Bernadete Amado
Moradores da cidade de Milho Verde assitem a palestra sobre educação ambiental
Moradores da cidade de Milho Verde assitem a palestra sobre educação ambiental

Despertar novas atitudes, um novo jeito de agir e pensar a questão ambiental, tentando construir uma nova realidade, baseado no respeito ao patrimônio cultural e ambiental. Esse é o objetivo dos cursos de educação ambiental e patrimonial em função das obras de implantação e pavimentação da rodovia municipal Diamantina – Milho Verde – Serro, trecho da Estrada Real em Minas, organizado pela Gerência de Meio Ambiente do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais (DER/MG).

Os cursos são voltados para moradores dos distritos de Milho Verde, Três Barras, São Gonçalo do Rio das Pedras e Vau e integram o Programa “Transitando no Saber Cuidar”, com enfoque nos jovens e agentes ambientais. As atividades tiveram inicio na segunda-feira (5) e serão encerradas na sexta-feira (9).

Para a técnica em Educacão Ambiental do DER, Eliane Aparecida Silveira, o órgão tem buscado trabalhar com comunidades e pessoas envolvidas nas obras rodoviárias, buscando sensibilizar também os valores humanos, por meio de ações educativas. Ela explica que uma das dinâmicas do curso utilizadas para despertar a consciência ambiental e patrimonial é a fotografia. “Uma forma de sensibilizar os jovens e agentes sobre a importância da preservação dos espaços públicos e da cultura é a fotografia. Eles saem a campo registrando o núcleo urbano onde vivem, identificando e fotografando os bens culturais, patrimoniais e ambientais”.

Segundo Eliane, a pavimentação do trecho e outras obras de infraestrutura em andamento estão sendo acompanhadas de outras iniciativas que buscam a inserção das comunidades que ali vivem e a redução dos impactos ambientais em uma área de grande valor ecológico, cultural e turístico.

Comunidades Históricas

Às margens dos 60 quilômetros que integram o trecho Diamantina-Milho Verde –Serro, estão instaladas quatro comunidades que têm sua origem no século XVIII: Três Barras, Milho Verde, São Gonçalo do Rio das Pedras (Pertencentes ao Serro) e Vau, comunidade de Diamantina. Para reduzir o impacto para os moradores, está sendo observada a preservação do patrimônio histórico e cultural e as características das localidades. Os trechos próximos aos núcleos urbanos estão recebendo calçamento poliédrico e pistas para caminhantes.

Preservação da Flora e Fauna

A obra executada pelo DER tem se preocupado com a preservação da flora e fauna. Em toda extensão das obras, estão sendo obedecidos diversos critérios ambientais para que o impacto seja o menor possível. Segundo os biólogos do DER, Felipe Dutra de Resende e Rogério Pedersoli de Lima, os animais encontrados são capturados e soltos no interior da mata e as espécies de flora ameaçadas são levadas para um viveiro, no próprio canteiro de obras.

Obras

As obras de melhoria e pavimentação do trecho fazem parte de uma série de projetos que vem sendo implantados por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo no Vale do Jequitinhonha –Prodetur/NE II, convênio firmado entre o Ministério do Turismo, o Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Turismo, com interveniência da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas. O objetivo do programa é melhorar a qualidade de vida da população residente nas áreas de sua atuação, por meio da criação de condições favoráveis à expansão e melhoria da qualidade da atividade turística.

Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: defesa social inicia ações de segurança para o Carnaval com blitz educativa contra drogas

Em todo o Estado, mais de 33 mil policiais militares, civis e bombeiros trabalharão durante o feriado, com foco na proteção ao cidadão, fiscalização e investigação de crimes e prevenção de acidentes em estradas e rodovias
Divulgação/Seds MG
Campanhas de conscientização e fiscalização serão reforçadas em Minas
Campanhas de conscientização e fiscalização serão reforçadas em Minas

As ações de segurança elaboradas pela Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) para o Carnaval 2012 começaram nesta quarta-feira (15), com o lançamento da campanha “Expresso legal, carnaval sem drogas”, em Belo Horizonte. A ação, realizada pela da Subsecretaria de Políticas Sobre Drogas (Supod) da Seds, em parceria com a Polícia Militar (PMMG) e com as Secretarias de Estado de Saúde, Desenvolvimento Social e Turismo, contou com uma blitz educativa próxima ao BH Shopping, no bairro Belvedere. Motoristas foram abordados e receberam preservativos, leques e materiais informativos alertando sobre as consequências do uso das drogas e os cuidados que devem ser tomados para evitar doenças sexualmente transmissíveis (DST’s).

Depois da ação na capital, dois ônibus plotados saíram nos sentidos Norte e Sul de Minas Gerais. Até o dia 22 de fevereiro, eles passarão por mais de 80 cidades e irão parar em pelo menos 33, para conscientizar os foliões. No total, serão mais de três mil quilômetros rodados. Entre os municípios contemplados estão as cidades históricas, destinos de grande número de turistas durante o Carnaval. Além das drogas e DST´s, os agentes alertarão sobre cuidados no trânsito e contra a exploração sexual de crianças e adolescentes.

Está prevista a distribuição de 100 mil preservativos e 450 mil kits de prevenção, com leques, adesivos e materiais informativos. Haverá, ainda, grupos de animação e folia de carnaval, formados por jovens que participam do projeto Juventude e Polícia, da Polícia Militar.

De acordo com o subsecretário de Políticas Sobre Drogas, Cloves Benevides, o objetivo da campanha é aproximar as ações de prevenção às pessoas nessa época carnavalesca, com enfoque também no interior do Estado. “O Expresso Legal vai percorrer as cidades levando essa mensagem, de que o importante é curtir a folia com responsabilidade e consciência, sem uso de drogas”, disse. O subsecretário ressalta que, além das cidades que receberão a equipe da Supod, a campanha será potencializada por uma parceria com os conselhos municipais antidrogas, que distribuirão os materiais em 100 blitz educativas.

Os ônibus passarão pelos municípios de Belo Horizonte, Lagoa Santa, Jaboticatubas, Sabará, Itabira, Timóteo, Ipatinga, Governador Valadares, Guanhães, Teófilo Otoni, Serro, Diamantina, Bocaiúva, Montes Claros, Pirapora, Três Marias, Curvelo e Corinto, Nova Lima, Rio Acima, Itabirito, Ouro Preto, Mariana, Ouro Branco, Congonhas, Conselheiro Lafaiete, Carandaí, Barbacena, Tiradentes, São João del-Rei, Oliveira, Cláudio e Divinópolis.

Efetivo

Além da campanha de conscientização, a Seds elaborou uma série de ações para o Carnaval, que vão desde o aumento do efetivo até o maior rigor na fiscalização das estradas. Em todo o Estado, mais de 33 mil policiais militares, civis e bombeiros trabalharão durante o Carnaval, com foco na proteção ao cidadão, fiscalização e investigação de crimes e prevenção de acidentes em estradas e rodovias. As ações repressivas e preventivas terão como foco as cidades históricas de Minas que recebem o maior número de visitantes nos quatro dias de folia, além de Belo Horizonte e Região Metropolitana (RMBH).

Nas cidades de Ouro Preto, Mariana, Sabará, Tiradentes, São João del-Rei e Diamantina a Polícia Militar terá 405 homens a mais nas ruas, o que representa um aumento de 43%. Estes municípios também terão aumentos que variam de 50% a 70% no efetivo da Polícia Civil (PCMG) e delegacias de plantões 24 horas. Na região metropolitana, haverá 19 mil policiais militares em atuação, sendo 7 mil apenas em Belo Horizonte.

As rodovias estaduais e federais também ganharão reforço de fiscalização entre a sexta-feira (17) e a quarta-feira de cinzas (22), principalmente nos trechos que levam aos destinos mais visados. Para garantir a segurança no trânsito, foi elaborado o “Plano Operacional Integrado Carnaval 2012”, com definições de ações conjuntas entre a Seds, a PMMG, a Polícia Civil e o Corpo de Bombeiros (CBMMG), além do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a BHTrans, a Guarda Municipal de Belo Horizonte (GMBH) e a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec).

As rodovias estaduais ganharão o reforço de 800 policiais militares e de policiais rodoviários federais, que participaram da elaboração do Plano Integrado. As principais áreas de atuação e atenção são a BR 356 e MGT 383 (região de Ouro Preto); BR 356, MG 262 e MG 129 (região de Mariana); BR 494, BR 383, BR 265, MG 494 (região de São João del-Rei); BR 265 (na altura de Tiradentes); BR 367, MG 367 e MG 259 (região de Diamantina); e BR 262 e MG 262 (Sabará). A RMBH e as rodovias de acesso aos litorais capixaba e fluminense também terão reforço. Além das blitz repressivas, serão distribuídos, em todo o Estado, panfletos com dicas para segurança no trânsito.

Álcool e excesso de velocidade

Todos os 383 etilômetros da polícia militar serão utilizados para repressão ao trânsito de motoristas alcoolizados, além de outros 140 aparelhos da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que serão distribuídos por pontos estratégicos das rodovias.

Em Belo Horizonte, a “Campanha Sou pela Vida. Dirijo sem Bebida”, terá 12 blitze repressivas durante o Carnaval para evitar excessos na capital. Belo Horizonte, especificamente, contará com 330 policiais militares na fiscalização do trânsito.

Para coibir o excesso de velocidade, serão colocados em ação 18 radares móveis da PM e quatro da PRF, reforçando o papel dos radares fixos já instalados na malha rodoviária.

Os bombeiros desenvolverão atividades preventivas em 150 municípios, com um efetivo de aproximadamente 1.500 militares. Nas cidades históricas, haverá reforço de 88 homens. Serão montados 61 pontos base em rodovias, 85 equipes em balneário e 66 equipes em eventos, para prevenção contra incêndio e acidentes. Para a operação, serão disponibilizadas 340 viaturas.

Além disso, o Batalhão de Operações Aéreas (BOA) disponibilizará duas equipes por dia para operação com helicópteros e uma equipe de sobreaviso para atuação em casos de emergência. Como no ano passado, em um dos helicópteros haverá uma equipe médica do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) para realizar atendimento pré-hospitalar.

Transporte clandestino

O DER, por sua vez, contará com 256 fiscais durante o carnaval e 103 veículos caracterizados com acesso remoto à internet, para fiscalização dos condutores e dos transportadores regulares e clandestinos e para a verificação preventiva da situação das vias. Também haverá 22 pontos onde serão desenvolvidas ações educativas, com orientação e distribuição de materiais informativos.

As blitze acontecerão, principalmente, nos acessos às regiões mais procuradas nesse período: Serrra do Cipó, Diamantina, Pirapora, Ouro Preto, Mariana, São João del-Rei, RMBH e outros pontos mais regionalizados.

Já o transporte de cargas e passageiros será fiscalizado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres, que empregará 36 servidores nos terminais rodoviários de Belo Horizonte (15), Juiz de Fora (7), Montes Claros (2), Pouso Alegre (3), Uberlândia (4), Uberaba (3) e Teófilo Otoni (2).

O foco do trabalho da ANTT é o transporte interestadual de passageiros e o reforço na operação começa nos dias anteriores ao carnaval, quando um número maior de pessoas utiliza o transporte rodoviário. São dadas orientações ao passageiros e feitas fiscalizações dos veículos, verificando, por exemplo, as condições dos pneus, retrovisores, entre outros aspectos que atestam a condição de fazer a viagem.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Secretaria de Estado de Turismo monitora cidades afetadas pelas chuvas

Trabalho realizado pelo Governo de Minas para divulgar situação de normalidade nos municípios turísticos minimizou prejuízos com os cancelamentos das viagens

As 27 cidades turísticas afetadas pelas chuvas no mês de janeiro vêm sendo monitoradas pela Secretaria de Estado de Turismo (Setur). Estimativas apontam que a média da diminuição da taxa de ocupação hoteleira nesses municípios ficou em torno de 13,3% no último mês.

De acordo com o secretário de Estado de Turismo, Agostinho Patrus Filho, o trabalho realizado pelo Governo de Minas e parceiros para divulgação da situação de normalidade nos municípios turísticos atingidos foi importante para que os prejuízos com os cancelamentos das viagens fossem minimizados.

“Entidades do trade, prefeituras e circuitos turísticos participaram da iniciativa de informar à sociedade de que essas cidades estavam com acessos e atrativos turísticos sem restrições e, por isso, de portas abertas para receber o visitante. Sem essa iniciativa, a queda da taxa de ocupação hoteleira poderia ter sido maior”, ressalta Patrus Filho.

Casos semelhantes ocorridos no Rio de Janeiro no ano passado trouxeram prejuízos maiores às cidades atingidas pelas chuvas. Angra dos Reis, por exemplo, que passou por deslizamentos de terra com dezenas de vítimas no Réveillon, de 2010 para 2011, apresentou redução de 53% das reservas no mês de janeiro de 2011. Já o município de Petrópolis, que sofreu com a mesma situação, teve 79% das reservas do mesmo mês canceladas e 87,25% de cancelamentos no Carnaval do ano passado, segundo pesquisa do Petrópolis Convention & Visitors Bureau.

Boas perspectivas

Em Ouro Preto, um dos mais tradicionais e procurados destinos turísticos de Minas Gerais, conhecido internacionalmente por sua riqueza e arquitetura colonial de estilo barroco, houve queda no percentual de ocupação hoteleira de cerca de 20% em relação a janeiro do ano passado, devido às quedas de barreiras e obstrução das estradas no período chuvoso.

“Estamos otimistas, pois na segunda quinzena de janeiro o município já teve uma boa procura por hospedagens, principalmente por famílias. Para fevereiro, nossos 100 hotéis e pousadas de pequeno porte, que totalizam dois mil leitos, têm garantia de 60% de suas reserva”, enfatizou a presidente regional da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis Regional/Circuito do Ouro (ABIH), Sônia Vianna.

O secretário municipal de Turismo de Tiradentes, Felipe Barbosa, afirma que as chuvas não trouxeram grandes danos ao turismo da cidade, de forma que a ocupação dos leitos totalizados no município não foi afetada. Segundo ele, a ocupação hoteleira da cidade gira agora em torno de 85%.

“Logo após as chuvas, nosso município realizou um de seus principais eventos, que é a Mostra de Cinema. A iniciativa aqueceu o movimento local, proporcionou lotação máxima da rede hoteleira e, ainda, foi uma oportunidade de mostrarmos que nossa a cidade continua linda e com todos os seus atrativos à disposição do público”, enfatizou Barbosa.

Levantamento

Das 224 cidades mineiras que decretaram situação de emergência até o momento, 27 têm o turismo como uma de suas principais atividades econômicas. São elas: Alfenas, Barbacena, Brumadinho, Capitólio, Conceição do Mato Dentro, Congonhas, Coronel Xavier Chaves, Diamantina, Divinópolis, Formiga, Governador Valadares, Itabirito, Lavras, Lima Duarte, Mariana, Moeda, Montes Claros, Muriaé, Nova Lima, Ouro Preto, Pirapora, Prados, Santa Bárbara, Santos Dumont, São João del-Rei, Serro e Tiradentes.

A situação das cidades quanto aos acessos e atrativos turísticos está disponível no endereço http://www.minasgerais.com.br .

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas vai instalar centros de capacitação em Apaes de 34 municípios do Grande Norte

Trinta e quatro municípios da região do Grande Norte serão contemplados com centros tecnológicos de capacitação nas Apaes

Trinta e quatro municípios da região do Grande Norte – vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas estão entre 148 cidades mineiras que, neste ano, serão contempladas com a instalação de centros tecnológicos de capacitação nas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes). O projeto é resultado de parceria estabelecida entre o Governo de Minas com a Federação Nacional das Apaes (Fenapaes) e a Federação das Apaes do Estado de Minas Gerais. Os investimentos somam R$ 5,4 milhões divididos entre os governos Estadual e Federal, por meio de emenda inserida no orçamento da União pelo deputado federal, Eduardo Barbosa que também é presidente da Fenapaes.

De acordo com o censo de 2010 o Brasil possui 45 milhões de pessoas com deficiência, o que representa 24% da população total. Diante desse cenário, o Governo de Minas tem atuado diretamente em políticas que possibilitem a inclusão social. Para isso, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) iniciou no ano passado a implantação dos centros tecnológicos de capacitação nas Apaes e do Centro de Tecnologias Assistivas da Rede Apae, em Pará de Minas, região Centro-Oeste do Estado.

Os centros tecnológicos de capacitação vão facilitar o acesso de cada  Apae à internet e às redes sociais, criando uma rede tecnológica de integração das unidades. A iniciativa envolve a formação de centros de inclusão social e oficinas de capacitação profissional que serão instalados em 148 municípios mineiros.

Cada centro de inclusão social terá cinco computadores adaptados com aparelhos que possibilitam atender diferentes tipos de deficiência. Já as oficinas de capacitação profissional serão inseridas em 93 municípios, sendo 54 relacionadas à culinária e 49 à produção de picolé.  O objetivo é melhorar a qualificação da mão de obra de pessoas com deficiência, possibilitando melhores oportunidades no mercado de trabalho.

Para o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, “a ação evidencia como a ciência e tecnologia podem se converter em espaço para construção da cidadania e se constituírem em instrumento para valorização do ser humano”.

Municípios

Na região do Grande Norte os municípios que serão contemplados com a instalação de centros tecnológicos de capacitação nas Apaes são: Águas Formosas, Araçuaí, Bonfinópolis de Minas, Brasilândia, Brasília de Minas, Corinto, Crisólita, Diamantina, Espinosa, Felixlândia, Gouveia, Jaíba, Jequitinhonha, Malacacheta, Mato Verde, Montalvânia, Montes Claros, Porteirinha, Poté, Riachinho, Rio Pardo de Minas, Salinas, Buritis, Carbonita, Carlos Chagas, Ibiaí, Itacarambi, Itamarandiba, Padre Paraíso, Paracatu, Pedra Azul, São João do Paraíso, Serro e Taiobeiras.

Ineditismo

Além dos centros tecnológicos, no ano passado o Governo de Minas criou um projeto pioneiro no Brasil, o Centro de Tecnologias Assistivas da Rede Apae. O empreendimento será instalado no município de Pará de Minas e terá uma Incubadora de Tecnologia Assistiva e um Núcleo de Qualificação Profissional. Os investimentos são da ordem de R$ 650 mil.

A Incubadora de Tecnologia Assistiva terá um espaço físico destinado ao apoio e orientação para o desenvolvimento de empresas de tecnologias focadas no desenvolvimento de produtos e serviços que contribuam para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e, consequentemente, promover sua qualidade de vida e inclusão. Além de espaço físico, a incubadora vai disponibilizar apoio gerencial e consultorias especializadas para as empresas incubadas.

O Núcleo de Qualificação Profissional implementará projetos de capacitação de profissionais, professores, pais, amigos e quaisquer pessoas que cuidam e convivam com portadores de deficiências e com idosos. A expectativa é de que nesse Centro sejam capacitados 4,5 mil profissionais da área de saúde e 5,5 mil da área de educação que irão atender 415 Apaes responsáveis por cerca de 40 mil pessoas com deficiência.O plano é uma iniciativa do Governo de Minas, por meio da Sectes, Prefeitura de Pará de Minas  e Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel).

Essa é a primeira vez que o Inatel abre uma frente de atuação para empreender tecnologia que atenda a um projeto de pesquisa, formação e incubação de empresas. “Nós provocamos o Inatel para que saísse de Santa Rita do Sapucaí e fosse a Pará de Minas abrigar o Centro de Tecnologias Assistivas”, ressalta o secretário Narcio Rodrigues. Ele revela que o Governo de Minas está buscando atrair empresas de tecnologia assistiva para o estado. Além disso, a criação dos centros poderão integrar as ações das Apaes e possibilitar a qualificação das pessoas assistidas.

Fonte: Agência Minas