Aécio presidente: PSDB-MG faz encontro e prefeitos confirmam apoio ao senador

Aécio presidente: Para o deputado e presidente do PSDB-MG, Marcus Pestana, 9,9 entre 10 tucanos “olham para 2014 e veem o retrato de Aécio”.

Aécio presidente

 Aécio presidente: prefeitos mineiros reforçam apoio

Fonte: Estado de Minas

Mineiros engrossam o coro para candidatura de Aécio a presidente da República

Lançado na véspera por caciques tucanos como o nome do partido à Presidência, Aécio tem candidatura defendida pela cúpula da legenda no estado durante encontro de prefeitos eleitos

Um dia depois de ter o nome lançado pelos caciques tucanos em Brasília como candidato a presidente em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB) recebeu o apoio dos correligionários mineiros. Nessa terça-feira, em Belo Horizonte, durante encontro dos prefeitos e vice-prefeitos eleitos pelo PSDB em Minas Geraiscom os líderes do partido a tônica foi de defesa do nome do ex-governador, que não participou do evento.

Para o governador Antonio Anastasia (PSDB) existe há muito tempo a vontade dele e dos demais membros do partido de ver Aécio candidato a presidente. “Já havia esse movimento em 2010, e o próprio Aécio naquele momento achou por bem não indicar seu nome e apoiar José Serra. Agora, me parece que há uma grande inclinação consolidada a favor do senador. Mas dependerá da sua vontade, da sua disposição, que acho que existe, em ser o candidato do PSDB a presidente da República em 2014”, afirmou Anastasia.

O governador ministrou uma curta palestra aos prefeitos eleitos. Os tucanos conquistaram 143 prefeituras e compuseram chapa com 115 vice-prefeitos. Além dos prefeitos e vices, participaram do encontro representantes das bancadas estaduais e federais do PSDB. O deputado federal Carlos Masconi (PSDB) disse que a principal bandeira do partido é: “Lutar pela candidatura do nosso grande líder Aécio à Presidência”.

Outro representante tucano na Câmara, Domingos Sávio, subiu o tom: “É a hora do Aécio. É a hora de Minas mostrar o que fez de sério”. O presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Dinis Pinheiro, também foi enfático ao falar o nome do senador. “Esperança de um novo tempo com um homem que dará dias melhores ao nosso povo. Esse homem se chama Aécio Neves”, afirmou Pinheiro.

Enquanto o nome de Aécio é dado como certo pelos tucanos mineiros em 2014, Anastasia prefere não falar de seu futuro, com a possibilidade de concorrer a uma vaga no Senado. “As eleições em Minas Gerais vão depender de composições para os cargos majoritários, incluindo as alianças para que senador Aécio seja o candidato a presidente”, entende o governador.O presidente estadual doPSDB, deputado federal Marcus Pestana, garante que a oposição terá candidato. “É da democracia a alternância de poder”, afirma. Para o deputado, 9,9 entre 10 tucanos “olham para 2014 e veem o retrato de Aécio”. O que é preciso administrar é o tempo do lançamento da candidatura.

Pestana cita frases do avô de Aécio, o ex-presidente Tancredo Neves. “É preciso deixar a onda bater várias vezes antes de apurar o que tem na espuma”, destaca o deputado. Outra expressão usada por Tancredo e repetida por Pestana é: “Candidato não pode ficar muito tempo exposto no sereno”.

PRÓXIMOS PASSOS Apesar de pregar cautela, Pestana disse que o PSDB já precisa pensar em organizar a ação de comunicação, com a contratação de um marqueteiro e de um instituto de pesquisa para traçar os passos de Aécio Neves no caminho dacandidatura à Presidência. Outra ideia defendida por Pestana e que foi lançada pelo ex-governador do Ceará, Tasso Jeiressati, é de que Aécio se torne presidente nacional do partido, substituindo o deputado federal pernambucano Sérgio Guerra, que deixa a legenda em maio do próximo ano.

Para Pestana, a possibilidade do Aécio se tornar presidente da legenda está colocada e será observada no tempo certo, ou seja, até abril, pouco antes da convenção partidária que definirá o novo presidente da legenda. Um dos objetivos dos partidários dessa tese é destacar Aécio na propaganda televisiva a que o PSDB tem direito. No primeiro semestre o partido terá direito a 40 inserções de 30 segundos e mais um programa de 10 minutos.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defende no partido uma discussão para definir qual será a visão de futuro para o país. Outra estratégia da bancada mineira para fortalecer o projeto da candidatura de Aécio foi abrir mão da liderança da bancada na Câmara dos Deputados. “A liderança da bancada caberia a Minas Gerais e os deputados Domingos Sávio e Paulo Abi-Ackel abriram mão. Provavelmente, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) será o futuro líder”, antecipa Pestana sobre a votação que ocorrerá na semana que vem.

RECLAMAÇÕES Os prefeitos reclamaram muito da distribuição de recursos da União. A principal queixa é em relação ao veto da presidente Dilma Rousseff, que limitou a distribuição dos royalties do petróleo e tirou a oportunidade de os municípios mineiros arrecadarem até R$ 500 milhões a mais por ano. O prefeito de Lambari, Sérgio Teixeira (PSDB), reclama que a cidade no Sul de Minas tem uma carência grande na saúde e precisa construir uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) orçada em R$ 1,2 milhão.

Em Itamarandiba o prefeito eleito, Erildo Gomes (PSDB), já contava com o dinheiro para reformar o mercado municipal e pavimentar algumas ruas. A cidade no Vale do Jequitinhonha é considerada a capital brasileira do eucalipto.

Aécio: presidente: Link da matéria: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/12/05/interna_politica,334495/mineiros-engrossam-o-coro-para-candidatura-de-aecio-a-presidente-da-republica.shtml

Aécio presidente: PSDB-MG faz encontro e prefeitos confirmam apoio ao senador

Aécio presidente: Para o deputado e presidente do PSDB-MG, Marcus Pestana, 9,9 entre 10 tucanos “olham para 2014 e veem o retrato de Aécio”.

Aécio presidente

 Aécio presidente: prefeitos mineiros reforçam apoio

Fonte: Estado de Minas

Mineiros engrossam o coro para candidatura de Aécio a presidente da República

Lançado na véspera por caciques tucanos como o nome do partido à Presidência, Aécio tem candidatura defendida pela cúpula da legenda no estado durante encontro de prefeitos eleitos

Um dia depois de ter o nome lançado pelos caciques tucanos em Brasília como candidato a presidente em 2014, o senador Aécio Neves (PSDB) recebeu o apoio dos correligionários mineiros. Nessa terça-feira, em Belo Horizonte, durante encontro dos prefeitos e vice-prefeitos eleitos pelo PSDB em Minas Geraiscom os líderes do partido a tônica foi de defesa do nome do ex-governador, que não participou do evento.

Para o governador Antonio Anastasia (PSDB) existe há muito tempo a vontade dele e dos demais membros do partido de ver Aécio candidato a presidente. “Já havia esse movimento em 2010, e o próprio Aécio naquele momento achou por bem não indicar seu nome e apoiar José Serra. Agora, me parece que há uma grande inclinação consolidada a favor do senador. Mas dependerá da sua vontade, da sua disposição, que acho que existe, em ser o candidato do PSDB a presidente da República em 2014”, afirmou Anastasia.

O governador ministrou uma curta palestra aos prefeitos eleitos. Os tucanos conquistaram 143 prefeituras e compuseram chapa com 115 vice-prefeitos. Além dos prefeitos e vices, participaram do encontro representantes das bancadas estaduais e federais do PSDB. O deputado federal Carlos Masconi (PSDB) disse que a principal bandeira do partido é: “Lutar pela candidatura do nosso grande líder Aécio à Presidência”.

Outro representante tucano na Câmara, Domingos Sávio, subiu o tom: “É a hora do Aécio. É a hora de Minas mostrar o que fez de sério”. O presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Dinis Pinheiro, também foi enfático ao falar o nome do senador. “Esperança de um novo tempo com um homem que dará dias melhores ao nosso povo. Esse homem se chama Aécio Neves”, afirmou Pinheiro.

Enquanto o nome de Aécio é dado como certo pelos tucanos mineiros em 2014, Anastasia prefere não falar de seu futuro, com a possibilidade de concorrer a uma vaga no Senado. “As eleições em Minas Gerais vão depender de composições para os cargos majoritários, incluindo as alianças para que senador Aécio seja o candidato a presidente”, entende o governador.O presidente estadual doPSDB, deputado federal Marcus Pestana, garante que a oposição terá candidato. “É da democracia a alternância de poder”, afirma. Para o deputado, 9,9 entre 10 tucanos “olham para 2014 e veem o retrato de Aécio”. O que é preciso administrar é o tempo do lançamento da candidatura.

Pestana cita frases do avô de Aécio, o ex-presidente Tancredo Neves. “É preciso deixar a onda bater várias vezes antes de apurar o que tem na espuma”, destaca o deputado. Outra expressão usada por Tancredo e repetida por Pestana é: “Candidato não pode ficar muito tempo exposto no sereno”.

PRÓXIMOS PASSOS Apesar de pregar cautela, Pestana disse que o PSDB já precisa pensar em organizar a ação de comunicação, com a contratação de um marqueteiro e de um instituto de pesquisa para traçar os passos de Aécio Neves no caminho dacandidatura à Presidência. Outra ideia defendida por Pestana e que foi lançada pelo ex-governador do Ceará, Tasso Jeiressati, é de que Aécio se torne presidente nacional do partido, substituindo o deputado federal pernambucano Sérgio Guerra, que deixa a legenda em maio do próximo ano.

Para Pestana, a possibilidade do Aécio se tornar presidente da legenda está colocada e será observada no tempo certo, ou seja, até abril, pouco antes da convenção partidária que definirá o novo presidente da legenda. Um dos objetivos dos partidários dessa tese é destacar Aécio na propaganda televisiva a que o PSDB tem direito. No primeiro semestre o partido terá direito a 40 inserções de 30 segundos e mais um programa de 10 minutos.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defende no partido uma discussão para definir qual será a visão de futuro para o país. Outra estratégia da bancada mineira para fortalecer o projeto da candidatura de Aécio foi abrir mão da liderança da bancada na Câmara dos Deputados. “A liderança da bancada caberia a Minas Gerais e os deputados Domingos Sávio e Paulo Abi-Ackel abriram mão. Provavelmente, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) será o futuro líder”, antecipa Pestana sobre a votação que ocorrerá na semana que vem.

RECLAMAÇÕES Os prefeitos reclamaram muito da distribuição de recursos da União. A principal queixa é em relação ao veto da presidente Dilma Rousseff, que limitou a distribuição dos royalties do petróleo e tirou a oportunidade de os municípios mineiros arrecadarem até R$ 500 milhões a mais por ano. O prefeito de Lambari, Sérgio Teixeira (PSDB), reclama que a cidade no Sul de Minas tem uma carência grande na saúde e precisa construir uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) orçada em R$ 1,2 milhão.

Em Itamarandiba o prefeito eleito, Erildo Gomes (PSDB), já contava com o dinheiro para reformar o mercado municipal e pavimentar algumas ruas. A cidade no Vale do Jequitinhonha é considerada a capital brasileira do eucalipto.

Aécio: presidente: Link da matéria: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/12/05/interna_politica,334495/mineiros-engrossam-o-coro-para-candidatura-de-aecio-a-presidente-da-republica.shtml

Aécio e Anastasia definem apoios do PSDB para o 2º turno em Minas

PSDB: eleições 2012 – Tucanos vão apoiar Carlin Moura (PCdoB) em Contagem, Bruno Siqueira (PMDB), em Juiz de Fora eLerin (PSB), em Uberaba.

PSDB: eleições 2012

Fonte: Estado de Minas

PSDB sobe em três palanques

Tucanos confirmam apoio no segundo turno a Bruno Siqueira (PMDB) em Juiz de Fora, Carlin Moura (PCdoB) em Contagem e Lerin (PSB) em Uberaba

 PSDB define apoios para o 2º turno em Minas

Eleição 2012: Tucanos vão apoiar Carlin Moura (PCdoB) em Contagem, Bruno Siqueira (PMDB), em Juiz de Fora eLerin (PSB), em Uberaba.

O PSDB anunciou apoio às candidaturas de Carlin Moura (PCdoB), à Prefeitura de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte; a Bruno Siqueira (PMDB), em Juiz de Fora, na Zona da Mata, e a Lerin (PSB), emUberaba, no Triângulo Mineiro, na briga pelo segundo turno em 28 de outubro. Os partidos que terão a adesão dos tucanos pertencem à base de Dilma Rousseff no governo federal. Os candidatos do PSDB nas duas primeiras cidades ficaram em terceiro lugar na disputa de primeiro turno. Já em Uberaba, o partido se dividiu e acabou em quinto lugar, no apoio a Fahin Sawan (PTB). Os posicionamentos foram definidos ontem em reuniões dos três candidatos com o governador Antonio Augusto Anastasia (PSDB), o senador Aécio Neves (PSDB) e o presidente do partido em Minas Gerais, deputado federal Marcus Pestana.

Além de Contagem, Juiz de For a e Uberaba, haverá segundo turno também em Montes Claros, onde o PSDB ficou em terceiro lugar, com o apoio a Jairo Ataíde (DEM).

Em Juiz de Fora, com a derrota do prefeito Custódio Mattos (PSDB), que tentava a reeleição, o caminho natural era o apoio a Bruno Siqueira (PMDB), já que a outra opção seria a união com Margarida Salomão, do arquirival PT. O que dificultava a negociação era o fato de PSDB ter considerado duros demais os ataques dos peemedebistas a Custódio no primeiro turno. O que também poderia levar o partido a não declarar apoio – formal, pelo menos – ao PMDB, são os altos índices de rejeição de Custódio na cidade. Em suas articulações, Siqueira se movimentava no sentido de ter Anastasia e Aécio ao seu lado, mas não Custódio. Depois da reunião de ontem, no Palácio das Mangabeiras, Pestana disse que o partido já prepara a participação em atos de campanha do peemedebista. “O primeiro já deve acontecer na sexta-feira”, informou o parlamentar.

Sem polarização A definição em Contagem pode ter sido ainda mais drástica. O partido teve que optar entre o PT e o mais tradicional aliado do partido da estrela, o PCdoB. Os comunistas, no entanto, antes mesmo da confirmação do segundo turno, já adotavam discurso para atrair os tucanos. “Nosso projeto é de todos os que querem o bem de Contagem”, afirmou Carlin Moura na confirmação do segundo turno, no dia 7. O rival do PCdoB na cidade é Durval Ângelo (PT). Pelo lado dos tucanos, o concorrente foi Ademir Lucas. “Estamos produzindo uma carta com pontos que vamos adotar junto com a coligação no segundo turno”, afirmou Pestana ao final da reunião com Carlin. A presidente estadual do PCdoB, Jô Moraes, afirmou que não se pode nacionalizar a eleição em Contagem, colocando em lados opostos o PT e o PSDB, os dois partidos que deverão disputar o governo federal em 2014. “Na união pela cidade aceitamos todos os votos que vierem”, defendeu a dirigente partidária.

Em Uberaba, apesar do apoio definido ontem pelos caciques a Lerin (PSB), o PSDB enfrenta um problema interno. Os diretórios estadual e municipal se estranharam na discussão sobre o lançamento de candidatura própria ou o apoio a nome de outro partido. O comando da legenda na cidade decidiu lançar Fahin Sawan (PSDB), enquanto o diretório estadual optou pelo apoio ao deputado estadual Lerin (PSB), que disputará o segundo turno com Paulo Piau (PMDB). Com a falta de apoio do próprio partido, Sawan ficou em quinto lugar na disputa e agora precisará ser adulado para fazer campanha para o rival. “Nossa expectativa é que o diretório municipal se alinhe ao estadual”, diz o vice-presidente do PSDB em Minas, deputado federal Domingos Sávio.

PSDB: eleições 2012 – Link da matéria: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/10/16/interna_politica,323662/psdb-sobe-em-tres-palanques-mineiros.shtml

Aécio: senador e as eleições 2012 em Belo Horizonte

Aécio: decisão de apoio do senador de indicar candidato à prefeitura de Belo Horizonte terá forte influencia no voto do eleito em Belo Horizonte.

Aécio: eleições 2012

Senador Aécio Neves: eleições 2012

Senador Aécio Neves é o principal influenciador de votos nas eleições 2012 em 2012

Aécio é o político que mais influencia o voto do eleitor

PSDB dá ultimato ao prefeito Marcio Lacerda (PSB) para indicar candidato a vice

O senador Aécio Neves (PSDB) é o principal cabo eleitoral em Belo Horizonte. É o que revela pesquisa encomendada pelo diretório municipal tucano para medir a influência do ex-governador na disputa pela prefeitura. Segundo o levantamento, registrado na Justiça Eleitoral com o número 48/2012, para 55% dos eleitores da capital, a opinião de Aécio é importante na hora de escolher o candidato a prefeito. O governador Antonio Anastasia (PSDB) aparece em segundo lugar, com 12%, seguido pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (PT). O ex-senador Hélio Costa (PMDB), que perdeu a disputa para o governo do estado para Anastasia, em 2010, ficou na quarta colocação, com 3%.

De acordo com a sondagem, 16% dos eleitores não levam em consideração nenhuma opinião e 4% não responderam ao questionamento. A pesquisa foi feita pelo Instituto Vox Populi entre 19 e 20 de abril, com 500 pessoas. A margem de erro é de 4,4% para mais ou para menos.

No cruzamento por sexo, idade, escolaridade, renda familiar e atividade econômica, o apoio do senador é importante para mais da metade dos entrevistados. Esse patamar só não é atingido no levantamento feito com eleitores que têm entre 16 e 24 anos e nos detentores de renda familiar entre três e cinco salários mínimos, ficando entre 48% e 49%, respectivamente. Os dados mostram também que 36% dos entrevistados votariam com certeza no candidato apoiado pelo senador e 20% no nome que contasse com o aval do governador Anastasia. Pimentel influencia 15% dos belo-horizontinos e Hélio Costa, 7%.

A pesquisa vai embasar as negociações que vêm sendo feitas entre PSDB e PSB para a campanha pela reeleição de Marcio Lacerda (PSB). Em troca do apoio ao prefeito, os tucanos querem se coligar com o PSB na chapa dos candidatos a vereador, sem a presença do PT, ou então indicar o vice. O presidente do PSDB mineiro, Marcus Pestana, foi enfático ao dizer que os tucanos não aceitam que o PT indique o vice e ainda se coligue com o PSB na proporcional. “É uma coisa ou outra”, afirma. A principal condição do PT para se aliar ao PSB é a aliança na proporcional. O deputado disse que a pesquisa deixa claro a força do PSDB na capital e que a legenda não pode ser prejudicada pelo PT, segundo ele, um partido secundário.

A discussão sobre qual partido indicaria o companheiro de chapa havia sido superada depois do acordo fechado pelo PSB com os petistas, mas a possibilidade de Lacerda disputar o governo em 2014, com o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para garantir um palanque forte para a reeleição da presidente Dilma Rousseff, pode mudar o quadro e atrapalhar os planos de Aécio de disputar a Presidência. A candidatura de Lacerda ao governo pode garantir também o retorno do PT à Prefeitura de Belo Horizonte, caso Lacerda seja reeleito tendo um petista como vice. Esse cenário não favorece uma eventual candidatura do senador em 2014 e atrapalha os planos dos apoiadores de Anastasia de lançar o vice-governador Alberto Pinto Coelho (PP) candidato ao governo do estado.

Terceira via Nos últimos meses, azedaram as relações entre o senador e Lacerda. Diante disso, crescem as especulações de que Aécio pode vir a apoiar a candidatura a prefeito do deputado estadual Délio Malheiros (PV). Mesmo que o PSDB permaneça na chapa do PSB, o deputado verde vai contar nos bastidores com a simpatia do senador e de seus aliados. Malheiros já tem também a garantia de apoio financeiro à sua candidatura.

O presidente do diretório municipal do PSDB, João Leite, desconversou quando questionado sobre a possibilidade de seu partido apoiar formal ou informalmente a candidatura do PV. Segundo ele, o senador assumiu o compromisso com o PSB nacional de apoiar a reeleição de Lacerda, mas delegou ao partido a palavra final sobre o assunto. “Não está nada certo ainda com o PSB. Estamos aguardando uma posição do partido sobre nossas reivindicações, a coligação na proporcional sem o PT e a indicação do candidato a vice na chapa de Lacerda”, afirmou. João Leite argumentou que o PSDB não tem como barrar o desejo de outros partidos de lançarem nomes para a disputa. “Todas as candidaturas são legítimas, Não temos como barrar nomes ligados ao senador Aécio Neves, hoje a maior liderança em Minas, como ficou claro nessa pesquisa e na eleição de 2010, quando ele transferiu votos para Anastasia, que acabou eleito no primeiro turno”, ponderou.

Aécio: eleições 2012 – Link da matéria: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/05/06/interna_politica,292699/aecio-e-o-politico-que-mais-influencia-o-voto-do-eleitor.shtml

Senado: revisão da dívida dos estados provoca racha

Senador Aécio Neves (PSDB) sugeriu a adoção do IPCA ou IGP-DI. Guerra fiscal dos portos e operações de comércio eletrônico não tem consenso.

Senadores impõem dificuldades a plano do governo de rever dívidas

Diante da resistência, a proposta para mudar o indexador das dívidas dos Estados com a União pode ser revista

Fonte: Ricardo Britto – O Estado de S.Paulo

A julgar pela disposição dos senadores, especialmente da base aliada, não será fácil para o governo federal aprovar os projetos que elegeu como prioritários para reforçar o pacote de estímulo à economia lançado na semana passada. Ontem, foram adiadas sob protestos as votações de duas propostas: a que acaba com a guerra fiscal dos portos e a que tributa as operações de comércio eletrônico no País. Diante da chiadeira de aliados e governadores, o projeto que mudaria o indexador das dívidas dos Estados com a União para a Selic pode até ser modificado sem nem sequer ter sido apresentado.

A primeira batalha ocorreu na Comissão de Constituição e Justiça. Após mais de três horas de intensos debates, a comissão aprovou, com sete votos contrários, o parecer que considera constitucional a proposta que uniformiza a alíquota do ICMS interestadual para produtos importados.

Ainda na CCJ, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), apresentou um voto a uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que, na prática, garante ao Estado onde mora o comprador da mercadoria adquirida de forma eletrônica o direito a ficar com a maior fatia do ICMS da transação comercial. A distribuição sugerida por Renan ficará em torno de 60% no Estado destino e 40% no de origem. Atualmente, não há regra para fazer esse rateio do imposto.

Na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), a discussão do projeto da guerra fiscal dos portos foi mais rápida, já que, diante das queixas de governadores e senadores, era dado como certo que se concederia vista coletiva da matéria. Participaram da reunião os governadores do Espírito Santo, de Santa Catarina e de Goiás, Renato Casagrande (PSB), Raimundo Colombo (PSD) e Marconi Perillo (PSDB), estados que perderiam com a alteração. Os três fizeram um périplo pelo Senado e em conversas com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para tentar garantir compensações. A votação da proposta ficou para terça-feira.

Dívida. Também ontem, o governo foi alvo de críticas de governadores e senadores da base e da oposição por sugerir a aprovação de uma proposta em que a Selic se torne o indexador da dívida dos Estados com a União. A maior queixa é quanto à volatilidade do fator de correção, historicamente usado para combater a inflação no País.

senador Aécio Neves (PSDB) sugeriu a adoção do IPCA ou do IGP-DI mais taxa de juros anual de 2% como fator de correção. Atualmente, o índice adotado é o IGP-DI somado a taxas que vão de 6% a 9% ao ano. “A flexibilidade da aplicação de um ou de outro índice terá como objetivo adotar uma regra que possa neutralizar possíveis mudanças conjunturais no cenário econômico, como ocorreu ao longo dos últimos anos, que acabem por tornar este ou aquele índice mais gravoso”, disse Aécio.

O governo defende a mudança tendo como teto a Selic, que atualmente, com sinalização do governo que está caindo, está em 9,75% por ano.

Link da matéria: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,senadores-impoem-dificuldades-a-plano-do-governo-de-rever-dividas–,860014,0.htm