Gestão Anastasia: Governo de Minas faz parceria para atender 40 municípios no Programa Travessia Renda

Objetivo é capacitar trabalhador desempregado dos vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte do Estado para que tenham mais chances de retornar ao mercado

O governador em exercício, Dinis Pinheiro, e o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, assinaram, nesta quarta-feira (9), no Palácio Tiradentes, Termo de Compromisso do Programa Travessia Renda com 40 municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), localizados nos vales do Jequitinhonha e Mucuri e no Norte do Estado. O objetivo é oferecer capacitação aos trabalhadores que estão desempregados nesses municípios, ampliando as chances de retorno ao mercado.

Para 2012, a meta do Governo de Minas é qualificar 3.200 trabalhadores nos 40 municípios. O Governo do Estado investirá R$ 8,6 milhões na execução do programa. No ano passado, 2.100 cidadãos mineiros de 43 municípios foram qualificados por meio do Travessia Renda.

Para o governador em exercício, deputado Dinis Pinheiro, as parcerias com os municípios fazem com que o Estado gere cada vez mais empregos de qualidade. “É importante ressaltar que ninguém faz nada sozinho. É preciso fazer parcerias, sobretudo, com os municípios, que conhecem como ninguém a realidade e as reivindicações da população. Minas Gerais demonstra, mais uma vez, essa consciência patriótica e responsável com a obstinação de gerar emprego, trabalho, promover inclusão social e, dessa forma, erradicar a miséria, elevar os indicadores sociais e construir um Estado mais solidário e muito mais feliz. Isso é compromisso do Governo de Minas”, disse.

Inclusão social e produtiva

O projeto Travessia Renda faz parte do Programa Travessia, lançado em 2008 com o objetivo de promover a inclusão social e produtiva da população pobre do Estado. Por meio do programa são desenvolvidas ações simultâneas e articuladas entre várias secretarias e órgãos públicos estaduais nas áreas de saúde, educação, saneamento, emprego e renda. Os cursos de qualificação, promovidos pelo Governo de Minas em parceria com a iniciativa privada, buscam atender a demanda dos municípios participantes do projeto.

O secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, explica que além de qualificar, o programa vai orientar os trabalhadores a obterem documentação básica e atuará para elevar o nível de escolaridade da população economicamente ativa.

“O Programa Travessia Renda tem três vertentes. A primeira é a parte da qualificação profissional dos nossos trabalhadores. A segunda é desenvolver o que chamamos de Mutirão da Cidadania, levando em conta que muitos trabalhadores ainda não têm carteira de trabalho, documento de identidade ou certidões. A terceira vertente diz respeito à elevação da escolaridade. Vamos iniciar o processo de aumento da escolaridade para que esses trabalhadores possam ter informações e, assim, participar com mais competitividade da disputa pelas vagas de empregos”, destacou Carlos Pimenta.

Em nome dos prefeitos dos municípios contemplados, Erival José Martins, prefeito de Montezuma, agradeceu o Governo de Minas por mais este convênio firmado. “Esse convênio traz para nosso município e região a qualificação de funcionários que há muito tempo necessitam. A população fica feliz com a oportunidade de ser capacitada profissionalmente. Representa mais uma oportunidade de desenvolver o Norte de Minas e também Montezuma, que tem melhorado muito nos últimos anos. Temos muito a agradecer ao Governo de Minas”, disse Erival.

Programas

Além do Travessia Renda, fazem parte do Programa Travessia os projetos “Porta a Porta”, responsável por identificar as reais necessidades da população pobre do Estado; o “Travessia Social”, que desenvolve ações para minimizar as privações sociais das famílias; o “Com Licença Vou à Luta”, que promove a inclusão social e econômica de mulheres com mais de 40 anos desempregadas e de baixa escolaridade; e o “Banco Travessia”, que visa incentivar o retorno e a inserção de pessoas aos estudos, com abertura de uma poupança para cada pessoa que retomar às salas de aula. Uma família pode receber até R$ 5 mil. Em 2012, serão repassados R$ 140 mil para as dez agências do Banco Travessia já em funcionamento.

A solenidade de assinatura do Termo de Compromisso do Programa Travessia Renda também contou com a presença do secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Cássio Soares.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-faz-parceria-para-atender-40-municipios-no-programa-travessia-renda/

Gestão em Minas: Setores do Comércio e Serviços atraem trabalhadores mineiros

Cada vez mais estes setores têm oferecido boas oportunidades no mercado de trabalho

SETE / Divulgação
Prestação de serviços e o comércio, juntos, representam 59% dos trabalhadores no mercado de trabalho mineiro
Prestação de serviços e o comércio, juntos, representam 59% dos trabalhadores no mercado de trabalho mineiro

A prestação de serviços e o comércio, juntos, representam 59% dos trabalhadores no mercado de trabalho mineiro, o que corresponde a cerca de 2,3 milhões trabalhadores atuantes. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, atualmente Minas Gerais conta com um universo de 4 milhões de trabalhadores com carteira assinada.

Ocupações como vendedores, demonstradores em lojas ou mercados, caixas e trabalhadores de cargas e descargas de mercadorias são destaques de empregabilidade no setor do comércio. Já no setor de serviços, as ocupações que mais empregam são escriturários em geral (agentes, assistentes e auxiliares Administrativos), trabalhadores nos serviços de manutenção de edificações e operadores de telemarketing. Além de ser o setor que mais emprega, juntamente com o de serviços, o setor comercial foi o que mais gerou oportunidades a jovens para o primeiro emprego colocando mais de 270 mil trabalhadores nas lojas de Minas Gerais.

Dos outros 41% dos trabalhadores empregados no Estado, 21% estão na Indústria de Transformação, 9% na construção civil e 7% na agropecuária (incluindo extrativismo, caça e pesca). Os outros setores (Extrativismo mineral, Administração Pública e Serviços Industriais de Utilidade Pública) representam 4% dos trabalhadores.

Para o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, o mercado de trabalho mineiro vem demonstrando que há ainda mais espaço para crescimento. “O crescimento destes setores demonstram que a vida dos mineiros e dos brasileiros tem melhorado. A renda está crescendo e isso permite que o cidadão tenha acesso a novos bens e serviços, ajudando assim a estimular e a desenvolver a economia”, enfatiza o secretário.

Geração de Empregos

Minas Gerais teve um saldo de mais de meio milhão de empregos formais nos últimos quatro anos. Foram aproximadamente 7,4 milhões de admissões contra 6,8 milhões de desligamentos.

Do saldo positivo de admissões, 960 mil pessoas obtiveram seu primeiro emprego. Dos jovens que ingressaram no mercado, 37% completaram o ensino médio, 16% possuíam diploma de Ensino Fundamental, 8% já tinham completado o ciclo da 5ª série (antiga 4ª série), apenas 1% de analfabetos e 5% possuíam ensino superior.

Mulheres no mercado de trabalho

Também em relação ao saldo positivo da geração de empregos dos últimos quatro anos, 2,5 milhões dos admitidos correspondem a mulheres, ou seja, 34,11% do total. O setor que mais empregou essas mulheres foi a administração pública, com 59,26%, seguido do comércio com 45,5%. Na construção civil, apenas 4,92% dos mais de 1,1 milhão de trabalhadores admitidos foram mulheres.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/setores-do-comercio-e-servicos-atraem-trabalhadores-mineiros/

Gestão em Minas: secretário Carlos Pimenta debate emprego e crescimento econômico na Assembleia

Evento reuniu empresários e trabalhadores, além de deputados e autoridades

Willian Dias / ALMG
Carlos Pimenta participou do Ciclo de Debates em Defesa da Produção e do Emprego, na ALMG
Carlos Pimenta participou do Ciclo de Debates em Defesa da Produção e do Emprego, na ALMG

O secretário de Estado de Trabalho e Emprego (SETE), Carlos Pimenta, participou do Ciclo de Debates em Defesa da Produção e do Emprego – Contra a Desindustrialização, promovido pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O evento reuniu empresários e trabalhadores e suas representações, além de deputados e outras autoridades e lideranças.

Durante o debate, o secretário Carlos Pimenta reforçou “o momento importante de crescimento brasileiro”, mas não se esqueceu de apontar os entraves para a consolidação deste quadro. “Não adianta nada o país crescer e tornar-se o quinto do mundo, se não se tiver a coragem de colocar o dedo em várias feridas”, afirmou.

Na opinião do secretário, as principais mazelas seriam, para as empresas, a invasão de produtos de outros países, sem medidas protecionistas para os empresários nacionais; e, para os trabalhadores, a baixa qualificação, “que dificulta a obtenção de melhores ganhos”.

O presidente da Assembleia, deputado Dinis Pinheiro, citou o pacote de medidas lançado pelo governo federal, no dia 3 de abril. “Temos que avaliar os efeitos destas medidas que visam a estimular investimentos públicos e privados, aumentar a competitividade da indústria e reduzir os custos tributários e financeiros”, declarou. “É na defesa da produção e do emprego, que alcançaremos o mais rápido possível a justiça, a dignidade para que o Brasil fique cada dia melhor”, concluiu.

Presente ao debate, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado Junior, defendeu a isonomia de mercado. “Temos certeza que, com redução dos juros, desoneração de impostos e da folha de pagamento e um câmbio adequado, a indústria estará apta para concorrer”, ressaltou.

Também participaram do evento, entre outras lideranças, o secretário regional da terceira Secretaria da Região Sudeste da Confederação Nacional dos Trabalhadores (CNT), José Reinaldo Inácio; o deputado estadual Celinho do Sinttrocel e a deputada federal Jô Moraes.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretario-carlos-pimenta-debate-emprego-e-crescimento-economico-na-assembleia/

Governo de Minas: secretaria de Trabalho traça metas para o cumprimento da Carta de Missões

Documento foi entregue pelo governador Anastasia ao secretário Carlos Pimenta

Wellington Pedro/Imprensa MG
Carta de Missão foi entregue pelo governador Anastasia a cada secretário de Estado
Carta de Missão foi entregue pelo governador Anastasia a cada secretário de Estado

O secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, assinou o Acordo de Resultados, junto ao governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, em solenidade no Palácio Tiradentes. Tal acordo, que garante o prêmio de produtividade pago, anualmente, a todos os servidores do Estado, funciona de forma a controlar e avaliar o cumprimento das metas traçadas.

Esse ano, além das metas estratégicas traçadas, o Acordo de Resultados se adapta à terceira geração do Choque de Gestão, a Gestão para a Cidadania, envolvendo o Estado em Rede. Além disso, para 2012, foi criada a Carta de Missão, documento entregue a cada secretário de Estado, estipulando as metas de cada pasta, que serão acompanhadas diretamente pelo governador.

“Temos como novidade a Carta de Missão, na qual colocamos também algumas entregas que são relevantes pela natureza mais operacional e mais voltada ao atendimento básico do cidadão. É bom lembrar que a filosofia do trabalho teve por amparo a terceira onda do Choque de Gestão, no sentido de apresentarmos, ao mesmo tempo, entregas concretas e, concomitantemente, temos condições de perceber hoje uma participação mais efetiva da sociedade na execução das políticas públicas”, afirmou o governador Antonio Anastasia, em solenidade no Palácio Tiradentes, no último dia 11.

A Carta de Missão entregue pelo governador ao secretário Carlos Pimenta contém alguns tópicos a serem cumpridos: objetivos estratégicos, desafio, e as missões da secretaria. Os três objetivos estratégicos definidos como primordiais para serem cumpridos pela SETE são: expandir o emprego e a renda; aumentar a qualidade e a produtividade do trabalho; e alcançar maior crescimento econômico do trabalho e da renda. Já o desafio lançado pelo governador à SETE foi o de aumentar a empregabilidade e as possibilidades de realização profissional.

“Durante o primeiro ano da SETE conseguimos nos consolidar como secretaria, idealizar e realizar várias ações e obter muitas conquistas. Uma delas foi a admissão de 84.533 trabalhadores no mercado de trabalho. Para 2012, nossa meta é ainda mais ambiciosa. Trabalharemos em equipe para alcançarmos os objetivos e vencer o desafio definido e pactuado com nosso governador Anastasia”, afirma o secretário Carlos Pimenta.

Metas

A Carta de Missão traz sete itens de suma importância traçados pelo Governo de Minas: o aumento da renda mediana do trabalho para R$889,00; o aumento da participação de Minas nas ocupações criadas e formalizadas no Brasil para 12%; 21.566 trabalhadores qualificados no Estado; a Resolução para a formalizar os critérios de gestão técnico-administrativa das unidades de atendimento do trabalhador Sine em Minas, desenvolvidas até 30 de setembro deste ano; 3.200 trabalhadores qualificados no Travessia Renda; 1.600 trabalhadores em turmas de elevação de escolaridade no Travessia Renda; e 30 postos de atendimento ao trabalhador e ao empregador com terminais de autoatendimento implantados.

Para o secretário Carlos Pimenta, a SETE está ultrapassando todas as barreiras. “Esse ano temos metas audaciosas e com muito trabalho e dedicação iremos alcançá-las. A secretaria está preparada para atingir a meta maior do Governo que é a de tornar Minas o melhor Estado para se viver”, destacou.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-trabalho-traca-metas-para-o-cumprimento-da-carta-de-missoes/

Governo Anastasia: taxa de desocupados na Região Metropolitana de Belo Horizonte cai para 4,7%

Rendimento médio do trabalhador mineiro apresentou crescimento, segundo dados do IBGE

Pesquisa Mensal de Emprego (PME), divulgada nesta quinta-feira (22), aponta taxa de desocupados na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) de 4,7%,  o que representa uma queda, comparado ao mesmo período do ano passado (6,3%). Em comparação ao mês de janeiro deste ano, a taxa apresentou relativa estabilidade, variando em 0,2% (4,5%).

A taxa de desocupação na RMBH apresentou aumento em relação ao mesmo período de 2011, passando de 56,1%, para 57,3% em fevereiro deste ano. Em relação ao rendimento médio real habitual, a taxa apresentou melhoria aos trabalhadores. O valor passou de R$ 1.487,95, em fevereiro de 2011, para R$ 1.592,00 no mesmo período deste ano.

“Estamos fazendo políticas públicas, incansavelmente, para que possamos levar mais e melhores empregos para a população mineira. Para este ano, a meta é qualificar cerca de 30 mil trabalhadores. Com isso, serão 30 mil pessoas com competência para realizar serviços nas mais diversas áreas para que possam ingressar no mercado de trabalho”, avaliou o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta.

Dados nacionais

A Pesquisa Mensal de Emprego (PME) é realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em seis regiões metropolitanas do Brasil, sendo elas Belo Horizonte, Porto Alegre, São Paulo, Recife, Rio de Janeiro e Salvador.

De acordo com os resultados da PME, apurada em fevereiro de 2012, no conjunto das seis regiões, o contingente de desocupados foi estimado em 1,4 milhão de pessoas, resultado considerado estável em relação a janeiro último. Quando comparado com fevereiro de 2011, essa estimativa recuou 8,6% (menos 130 mil).

A população ocupada, estimada em 22,6 milhões em fevereiro de 2012 no agregado das seis regiões, não se alterou frente a janeiro. No confronto com fevereiro de 2011 registrou aumento de 1,9%, o que representou uma elevação de 428 mil ocupados no intervalo de 12 meses.

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores, apurado em fevereiro de 2012 em R$ 1.699,70, no conjunto das seis regiões, subiu 1,2% em relação a janeiro último. Frente a fevereiro de 2011, o poder de compra dos ocupados aumentou 4,4%.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/taxa-de-desocupados-na-regiao-metropolitana-de-belo-horizonte-cai-para-47/

Governo de Minas: Estado assina convênio para instalação de unidade do Sine em Divinópolis

Criação de novos postos de trabalho está entre as prioridades do Governo de Minas

Divulgação/Sete
Secretário Carlos Pimenta assina convênio com o prefeito de Divinópolis, Vladimir de Faria Azevedo
Secretário Carlos Pimenta assina convênio com o prefeito de Divinópolis, Vladimir de Faria Azevedo

O secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, se reuniu com o prefeito de Divinópolis, Vladimir de Faria Azevedo, para a assinatura de um convênio para instalação de uma nova unidade do Sistema Nacional de Emprego (Sine) na cidade. No encontro, foi acordado que o município receberá, também, uma Diretoria Regional da secretaria.

A abertura da unidade do Sine e a instalação de uma Diretoria Regional da Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete), em Divinópolis, trarão importantes benefícios para os trabalhadores da região Centro-Oeste de Minas, a exemplo do que já ocorre, hoje, em outras regiões do Estado.

Durante solenidade de assinatura, o secretário Carlos Pimenta parabenizou o prefeito pelo trabalho realizado no município e lembrou que a unidade do Sine, instalada na Unidade de Atendimento Integrado (UAI) de Divinópolis, inseriu no mercado de trabalho cerca de 2.300 trabalhadores, apenas em 2011.

“A orientação do governador Antonio Anastasia é de que nós temos que fazer o possível para levar desenvolvimento e empregabilidade aos municípios e, em Divinópolis não vai ser diferente. Esse convênio para instalarmos uma nova unidade do Sine e a Diretoria Regional da Sete em Divinópolis vai abrir várias portas, como, por exemplo, no âmbito da qualificação profissional”, garante o secretário.

Participaram da assinatura, além do secretário Carlos Pimenta e do prefeito Vladmir Azevedo, o superintendente de Regionalização da Sete, Agostinho Magalhães; a superintendente de Política de Geração de Emprego, Lígia Lara; e o assessor Jurídico chefe, Rodolfo Compart.

Foco no emprego

As unidades de atendimento ao trabalhador do Sine prestam serviços totalmente gratuitos de intermediação de mão-de-obra (cadastro de empresas para oferta de vagas e cadastro e encaminhamento de trabalhadores para oportunidades de trabalho); habilitação e postagem do seguro-desemprego; cadastro e encaminhamento do trabalhador para programas de qualificação profissional e curso de competências básicas para o trabalho; além de emissão de Carteiras de Trabalho e Previdência Social.

Já as diretorias regionais da Sete têm por finalidade representar a secretaria em sua área de abrangência, prestar apoio técnico, acompanhar e supervisionar a execução das ações relativas às funções de trabalho, emprego e renda desenvolvidas pela secretaria, pelo Poder Executivo municipal e demais parceiros. Além da diretoria regional em Divinópolis, a Sete vai contar com outras nove diretorias regionais em Belo Horizonte, Ibirité, Ipatinga, Juiz de Fora, Lavras, Montes Claros, Salinas, Teófilo Otoni e Uberlândia.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: mulheres mineiras rompem barreiras e conquistam seu espaço no mercado de trabalho

Trabalhadoras não diferenciam ocupações como masculinas ou femininas e buscam qualificação nas mais diversas áreas

Divulgação/Sete
Em Minas, 27.649 mulheres foram colocadas no mercado de trabalho, em 2011, por meio das unidades do Sine
Em Minas, 27.649 mulheres foram colocadas no mercado de trabalho, em 2011, por meio das unidades do Sine

A luta das mulheres por igualdade vem de longa data. No âmbito do trabalho, o estudo, a qualificação, melhores salários e oportunidades, bem como o respeito profissional, são pontos primordiais para o gênero. Em Minas Gerais, no último ano, 27.649 mulheres foram colocadas no mercado de trabalho, por meio das unidades de atendimento ao trabalhador do Sistema Nacional de Emprego (Sine), o equivalente a 33,25% do total de colocados. Um número ainda modesto se comparado aos 56.138 homens na mesma situação.

“Dentro das metas do governador Antonio Anastasia de tornar Minas o melhor Estado para se viver e para trabalhar, estamos alcançando grande resultados também em relação às mulheres. Nas cinco conferências regionais do Emprego e Trabalho Decente tivemos participação expressiva do público feminino, que esteve também em grande número na estadual. Na etapa nacional, que vai acontecer ainda este ano, vamos levar as discussões sobre a maior participação da mulher no mercado de trabalho e a equidade salarial”, afirma o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta.

Para aumentar suas chances de inserção no mercado com qualidade as mulheres têm buscado, cada vez mais, a qualificação profissional. Visando atender essa demanda, a secretaria desenvolveu, durante o ano de 2011, dois programas que levaram aos trabalhadores mineiros conhecimentos teóricos, técnicos e operacionais, – o Plano Territorial de Qualificação (PlanteQ) e o Usina do Trabalho.

Nesses dois programas, 4.290 educandos foram qualificados em cursos, como o de motorista de caminhão, operador de carregadeira, pedreiro em alvenaria, pintor, eletricista e bombeiro hidráulico. Desse total de educandos, prevaleceu a participação do sexo feminino, com 2.415 educandas, correspondendo a 56,29% do número total, e 1.875 homens (43,71%).

Vencedoras

Para Maria Aparecida de Paula, 51 anos, as mulheres estão na busca por oportunidades e não deve haver diferenciação entre os gêneros na hora da conquista do emprego. “O que importa é a capacidade de exercer as atividades”, afirma. “Fiquei sabendo que as unidades dos Sines encaminhavam trabalhadores para cursos de qualificação quando fui fazer meu cadastro para ver se tinha alguma vaga com o meu perfil. Não encontrei a vaga, mas tive conhecimento dos cursos e realizei logo dois, pois conhecimento nunca é demais”, comemora Maria Aparecida que concluiu, no final do ano passado, os cursos de motorista de caminhão e operadora de escavadeira. “Ambos os cursos são taxados por serem de homens, mas encarei numa boa, pois tinha outras companheiras”, pontua.

A ex-representante comercial Ivanilda Aparecida Costa Nascimento, 39 anos, sempre gostou de dirigir veículos mais pesados. Em 2012, resolveu tirar a carteira D, matriculou-se em um curso de operadora de pá carregadeira e não parou mais. Logo após, fez o curso de motorista de caminhão oferecido pela secretaria e ainda outro de operadora de empilhadeira pela empresa em que está trabalhando desde agosto de 2011. “Nessa atual função, na empilhadeira, ganho um bom salário, com os benefícios. Mas essa ocupação é muito pesada e ainda tem muitos riscos. Preferia trabalhar em caminhão mesmo, que é o que gosto. Estou em busca de outra oportunidade”, declara.

Os cursos de qualificação são ofertados em todo o Estado e todo trabalhador mineiro pode participar, sendo dada prioridade ao público de baixa renda, de menor escolaridade e com maior dificuldade de acesso ao mercado de trabalho. Os cursos são gratuitos, possuem material didático e seus participantes recebem lanche e transporte (para os que se deslocam mais de dois quilômetros). A partir do mês de abril, estarão abertas as inscrições para as turmas de 2012 nas unidades de atendimento ao trabalhador do Sine, com previsão de qualificar mais de 30 mil trabalhadores.

Fonte: Agência Minas