PSDB 2014: FHC explica renovação do partido

PSDB: FHC explica renovação do partido para 2014. “O eleitor mostrou que não tem donos”, advertiu o ex-presidente.

PSDB: 2014

Aécio: Facebook – visite a página: O endereço do perfil é http://www.facebook.com/AecioNevesOficial

 PSDB: FHC explica renovação do partido

PSDB: FHC explica renovação do partido para 2014. “O eleitor mostrou que não tem donos”, advertiu o ex-presidente.

Fonte: Gabriel Manzano – O Estado de S.Paulo

PSDB precisa de discurso convincente, avalia FHC

Após defender renovação do partido, ex-presidente agora diz que ideias novas são mais importantes que troca de gerações na legenda

O PSDB precisa, daqui por diante, de “um discurso convincente, afim com os problemas atuais do País“. Mas esse novo discurso não significa que o partido deva necessariamente sair à cata de nomes novos. “Juventude, em si, não produz ideias novas”, adverte. “O mais importante são as ideias, não necessariamente novas mas renovadas para fazer frente às conjunturas”.É com essas palavras que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso define os horizontes do tucanato depois das eleições de domingo, em que o partido teve vitórias a festejar mas amargou uma derrota na batalha mais importante.

A entrevista do ex-presidente ao Estado se segue às declarações do candidato derrotado José Serra, segundo o qual falar em mudanças no PSDB seria um modo de se submeter à estratégia do PT. Antes dessa fala de Serra, FHC havia dito que o momento “é de mudança de gerações”, mas “isso não quer dizer que os antigos líderes vão desaparecer, eles têm de empurrar os novos para a frente”.

Nesta entrevista, FHC discorda de várias análises feitas sobre o futuro do partido. Uma delas é que o PSDB paga o preço por ser uma sigla muito “paulista”. Outra, detecta domínios regionais ou eleitorados cativos. “O eleitor mostrou que não tem donos”, advertiu o ex-presidente.

Há um nascente debate, dentro e fora do tucanato, sobre as perspectivas do PSDB depois das eleições de domingo. O que é prioritário no momento? Nomes novos ou um discurso novo?
Fernando Henrique CardosoO mais importante é um discurso convincente, afim com os problemas atuais do País e do povo e transmitido com linguagem simples e moderna. Claro que sempre é necessário abrir as portas da carreira política aos mais jovens. Mas juventude, em si, não produz ideias novas e o importante são ideias, não necessariamente novas, mas renovadas para fazer frente às conjunturas.

O PSDB paga o preço hoje por não ter reagido em outros tempos, quando o PT “roubou” sua mensagem?
Fernando Henrique CardosoSem dúvida o PSDB poderia ter sido mais enérgico na defesa do que fez e em desmascarar a apropriação indébita e a propaganda enganosa. Mas águas passadas não movem moinhos.

Uma das críticas ao partido, partida de tucanos não paulistas, é que o PSDB teria se concentrado demais em São Paulo. Foi um erro? Como sair dessa situação?
Fernando Henrique Cardoso – O partido nunca esteve concentrado apenas em São Paulo. Não se esqueça de que ele governa também Minas e o Paraná, além de Goiás, Alagoas, Tocantins e Roraima. E agora ganhou nas principais capitais do Norte, Belém e Manaus, e em algumas do Nordeste. A noção de que se trata de um partido “paulista” é irmã gêmea da outra, de que ele é um partido que defende “os ricos”. Estigmas plantados por adversários, que se repetem como se fossem verdades.

O que o eleitor ensinou aos políticos nestas eleições?
Fernando Henrique Cardoso – O eleitor mostrou que não tem “donos”. Votou contra Lula no Amazonas, no Recife, em Campinas, etc., assim como derrotou os tucanos em São Paulo. O eleitorado reage às mensagens e aos candidatos que lhe são propostos, dando pouca atenção aos padrinhos – e mesmo aos partidos. Naturalmente tanto estes como aqueles têm certo peso, mas convém não exagerar.

PSDB: 2014 – Link da matéria: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,psdb-precisa-de-discurso-convincente-avalia-fhc,954084,0.htm

Anúncios

Aécio: PSDB busca renovação com a liderança do senador

PSDB busca renovação com Aécio e Alckimin. Partido deve passar por mudanças de olho em 2014.

PSDB: Aécio 2014 e eleições 2012

Fonte: O Estado de S.Paulo

Aecio: Facebook – visite a página: O endereço do perfil é http://www.facebook.com/AecioNevesOficial

Derrota cria nova polarização entre São Paulo e Minas

Revés na capital projeta Alckmin como a maior liderança do PSDB-SP; governador agora divide influência com Aécio, nome natural para 2014

A derrota do candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, cria uma nova polarização no principal partido de oposição, protagonizada pelo governador paulista, Geraldo Alckmin, e o senador mineiro Aécio Neves, ambos potenciais presidenciáveis.

O enfraquecimento político de Serra, que nos últimos anos disputou espaço na legenda com Aécio, projeta Alckmin, ex-adversário de Serra em São Paulo, como a maior liderança do PSDB paulista. O governador passa agora a dividir a influência na legenda com Aécio, considerado o candidato natural para concorrer à Presidência em 2014.

A tendência hoje é que Alckmin dispute a reeleição daqui a dois anos. Nesse cenário, poderia apoiar a candidatura de Aécio ou trabalhar por uma aliança em torno do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, presidenciável do PSB. A aliança nacional com os socialistas interessa aos aliados de Alckmin, que querem o apoio do PSB em São Paulo. O paulista pretende esperar 2018 para concorrer ao Planalto.

Com a derrota, os tucanos avaliam não haver mais espaço para Serra concorrer à Presidência – mesmo que ele queira, hipótese que alguns aliados também não descartam. A tese defendida no PSDB, que já começara a se esboçar nesta eleição municipal em São Paulo, é a de renovação. Para os tucanos, seria natural agora Serra disputar o Senado em 2014 e abrir espaço para outra geração, com Aécio, Alckmin e o governador do Paraná, Beto Richa.

 PSDB busca renovação com Aécio

Aécio: PSDB busca renovação com Aécio e Alckimin, Partido deve passar por mudanças de olho em 2014.

Apesar do clima pró-mudança, o tucano não deve sair da cena política. Pode repetir o roteiro de 2010, quando perdeu a eleição presidencial e tentou aumentar a influência no partido, pleiteando a presidência doPSDB.

Em maio, o PSDB terá de escolher um novo presidente. O estatuto do partido não permite mais a reeleição de Sérgio Guerra (PE). O grupo de Aécio, com quem Serra é rompido politicamente, já trabalha para fazer a indicação, que poderia ser o próprio senador ou um aliado, como o secretário-geral da legenda, deputado Rodrigo de Castro.

Ontem, questionado se a presidência do PSDB seria uma opção para Serra, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse: “Ele é que tem de decidir, é uma questão muito pessoal. Agora, a presidência doPSDB não está em aberto, temos um presidente em exercício, e isso não está em discussão agora”.

Para o deputado Walter Feldman, um dos coordenadores da campanha tucana, “Serra tem muita bagagem e muita experiência para não encontrar um novo projeto”. “O partido tem de se abrir a todas as lideranças, inclusive a ele”, afirmou o senador Álvaro Dias (PR).

Renovação. Vice-presidente do PSDB, o ex-governador Alberto Goldman afirma que é cedo falar sobre o futuro de Serra, que foi alvo de especulações sobre uma eventual saída do PSDB após a derrota na disputa presidencial de 2010. Para o tucano, o partido não errou ao não apostar na renovação. “Uma série de condições nos levou à derrota. Qualquer candidato do PSDB teria a mesma dificuldade que Serra.”

Porta-voz do antipetismo, Serra foi candidato à Presidência duas vezes, ministro, prefeito e governador. Disputou a Prefeitura de São Paulo pela quarta vez – venceu em 2004, quando derrotou o PT, de Marta Suplicy. O tucano entrou na disputa após apelo da direção do PSDB, que alegava não ter candidato competitivo e preferiu não arriscar um nome novo – Alckmin foi defensor da tese de lançar Serra, temendo o impacto de uma derrota na sua reeleição. Para Serra, a disputa era uma maneira de tentar reverter o isolamento no partido.

Setores do PSDB defendiam a renovação. Desde 1996, os candidatos a prefeito da sigla são Serra e Alckmin. A legenda chegou a organizar prévia para escolher o candidato a prefeito, com Andrea Matarazzo, Bruno Covas, José Aníbal e Ricardo Tripoli. Mas, durante o processo, Serra decidiu disputar. Matarazzo e Covas desistiram em favor do ex-governador, que acabou vencendo a prévia com 52% dos votos.

Serra ouviu críticas sobre a decisão de concorrer. O próprio marqueteiro, Luiz Gonzalez, avaliava que a eleição era difícil. Antes de entrar na corrida, o tucano comparava a eleição municipal a um funeral político, já que seu objetivo era concorrer à Presidência novamente em 2014. Em caso de vitória, seria um velório com direito a festa. Em caso de derrota, um funeral de indigente.

PSDB: Eleições 2012 – Link da matéria: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,derrota-cria-nova-polarizacao-entre-sao-paulo-e-minas-,952595,0.htm

Aecio 2014: êxito em BH garante candidatura presidencial sustentável, diz artigo

Aecio 2014: êxito em BH garante candidatura sustentável. Artigo comenta cenário político com realinhamento das novas forças políticas.

Aecio 2014: presidente

 Aecio 2014: êxito em BH garante candidatura sustentável

Aecio 2014: êxito em BH garante candidatura sustentável

Fonte: Folha de S.Paulo

O realinhamento continua

André Singer

Prevalece a tendência de os pobres votarem no lulismo e os ricos optarem pela oposição

Até 28 de outubro o balanço é provisório, pois tudo pode mudar na última hora, mas, mantidos os indicadores atuais, o realinhamento de 2006 se mostrará influente no próximo domingo.

Não se trata apenas das conquistas que o lulismo deverá colher em prefeituras com perceptível peso político, mas da continuidade, para além das siglas partidárias, do tipo de divisão social que as eleições têm expressado.

Prevalece, desde então, a tendência de os pobres votarem nos candidatos lulistas e de os ricos optarem pela oposição.

O caso de São Paulo é emblemático. Até sexta passada, na periferia do extremo leste, para cada morador disposto a escolher Serra encontravam-se quase quatro inclinados a sufragar o nome de Haddad, mostrando para onde migrou o voto conservador de Russomanno. Já nas regiões oeste e sul 1, as mais ricas, o tucano tinha maioria.

Mas não apenas em São Paulo – que com 8,6 milhões de eleitores desequilibra o quadro nacional – o sufrágio está polarizado pela renda.

Tal como ocorreu com Dilma em 2010, as camadas de baixo ingresso impulsionaram em Campinas outro candidato sem passagem anterior pelas urnas. Independentemente do placar final, que se prevê apertado, a competitividade do professor Marcio Pochmann (PT) deu-se pela força do lulismo na periferia campineira.

Do mesmo modo, em Curitiba, o ex-oposicionista Gustavo Fruet (PDT) tenta uma arriscada associação com o lulismo para ser ajudado pelos votos dos bairros populares, os quais, no primeiro turno, ficaram com Ratinho Junior.

Há muitos exemplos, mas nada disso significa que a oposição esteja ameaçada de extinção nem muito menos, como vai se falar caso esse cenário se confirme. O êxito de Aecio Neves (PSDB) em Belo Horizonte aponta para uma candidatura presidencial sustentável em 2014.

No entanto, salvo inesperada deterioração das condições econômicas, ele terá que falar a linguagem imposta pelo realinhamento se quiser ser, além de viável, competitivo.

ANDRÉ SINGER, 54, é professor do Departamento de ciência política da USP e autor de “Os sentidos do lulismo” (Companhia das Letras).

Aecio: 2014 – Link da matéria: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/73422-o-realinhamento-continua.shtml

Eleições 2014: Diálogo entre Aécio e Campos fortalece o Nordeste

Eleições 2014: de olho na sucessão de Dilma, governador de pernambucano colhe vitórias expressivas

Eduardo Campos avisa: “PSB está no jogo”

Fonte: Autor(es): JOÃO VALADARES Correio Braziliense

De olho na sucessão de Dilma, Eduardo Campos avisa: "PSB está no jogo"

De olho na sucessão de Dilma, governador pernambucano colhe vitórias expressivas, vê PSB crescer e mantém boas relações políticas

Testado e aprovado pelas urnas após o primeiro turno das eleições municipais, com o crescimento do PSB em Pernambuco, no Nordeste e no Brasil, o governador Eduardo Campos, em meio à festa da vitória, deixou uma frase no ar: “Em 2014, o PSB está no jogo.” Mas qual o real tamanho do poderio do pernambucano? Cientistas políticos ouvidos pelo Correio atestam que, atualmente, Campos tem apenas um protagonismo político consolidado no quintal de casa. É como se ele ainda caminhasse num estrada de terra. Para pavimentar o caminho, é preciso muito mais.

O cientista político da PUC de São Paulo Rafael Cortez avalia que o segundo turno em São Paulo é uma oportunidade para o governador aumentar sua popularidade. “Ele pode se expor para aumentar o seu capital político. É uma possibilidade de ser mais conhecido fora da sua região”. Os movimentos ousados de Eduardo Campos no Recife, como se aliar a um inimigo político histórico, o senador do PMDB Jarbas Vasconcelos, para acabar com a hegemonia de 12 anos do PT na cidade, deixam lideranças petistas desconfiadas.

Reservadamente, alertam que é preciso cautela quando se trata de Eduardo Campos. “Entendemos que o quadro do Recife é pontual, no entanto, não podemos encher muito o balão dele. Os movimentos do governador recomendam prudência. Sabe aquela história da cobra? Você a alimenta e, no final, é picado por ela. Ele ainda não tem uma imagem consolidada no Brasil e sabe que uma das formas de se colocar nacionalmente é subindo nas costas do nosso partido”, ironizou um desses interlocutores do PT.

Túlio Velho Barreto, cientista político da Fundação Joaquim Nabuco, em Pernambuco, discorda e argumenta que a base do governador para o salto maior é bastante sólida. “Dos 184 prefeitos do estado, 170 são de partidos da base de apoio do governador. Ele tem uma aprovação superior a 80%.” O acadêmico alega que há outro ponto positivo que aumenta a munição eleitoral de Campos para um voo mais alto. “Ele é presidente nacional do PSB. O capital político que acumula em razão disso chama a atenção.”

Outro fator destacado para aumentar a estatura política do governador é o trânsito livre em vários campos políticos. “No PT, tem uma relação consolidada com Lula e Dilma. No PSDB, há um diálogo bastante natural com o senador Aécio Neves. No PMDB, se aliou a uma figura de destaque nacional, que é o senador Jarbas Vasconcelos. Essas relações o cacifam”, analisa Túlio.

Elogios a FHC
Ontem, um dia após o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) defender a importância da aproximação dos tucanos com os socialistas, Eduardo devolveu o elogio. “(FHC) deixou um legado que foi importante para o Brasil, inclusive para o êxito do governo Lula.” Mas ressalvou que as divergências entre tucanos e socialistas são conhecidas e que não é hora de discutir 2014. “Nenhum partido deve fazer isso agora.”

Na mesma entrevista, dada na sede provisória do governo do estado, Eduardo Campos avaliou que o resultado das eleições de ontem mostrou que a polarização entre PT e PSDB “está superada”.

A força eleitoral do governador de Pernambuco, até o momento, é quantificada no Recife. Lá, conseguiu eleger o candidato Geraldo Julio (PSB) — até então um ilustre desconhecido — no primeiro turno. Mostrou muita força ao “levar no colo” um candidato que nunca havia disputado uma eleição. Geraldo Julio entrou na disputa com apenas 4% das intenções de voto e conseguiu se eleger com maioria absoluta de 51,15% dos votos.

“Em suas declarações antes do pleito, o governador sempre dizia que o PT iria apontar o candidato para disputar a eleição no Recife. Pouco antes das convenções, ele lançou uma candidatura. É por isso que, se em 2014 Dilma não estiver bem avaliada ou a economia brasileira estiver atravessando um mau momento, não será surpresa a candidatura dele”, comentou Túlio Barreto.

O deputado petista Paulo Teixeira minimizou a possibilidade de Eduardo Campos usar o segundo turno das eleições em São Paulo como uma vitrine da própria candidatura para a Presidência da República. “Acho que o Eduardo estará conosco em 2014. Ele tem dito isso. O jogo é a Dilma”, cravou o deputado.

Crescimento do PSB
Número de prefeitos 2008 2012

Brasil 310 434
Nordeste 205 262
Pernambuco 50 58

“No PT, tem uma relação consolidada com Lula e Dilma. No PSDB, dialoga com Aécio Neves. No PMDB, se aliou a uma figura de destaque, o senador Jarbas Vasconcelos. Essas relações o cacifam”
Túlio Velho Barreto, cientista político da Fundação Joaquim Nabuco

“(FHC) deixou um legado que foi importante para o Brasil, inclusive para o êxito do governo Lula”

Eduardo Campos,governador de Pernambuco

José Serra: prefeitura de S.Paulo é um ‘grande desafio’

José Serra: em entrevista a O Estado de S.Paulo o tucano dispara comenta sobre as eleições 2012 e diz que 2014 não está nos planos.

José Serra: Eleições 2012

José Serra: Eleições 2012

José Serra nas Eleições 2012

Fonte: Alberto Bombig, Bruno Boghossian – O Estado de S.Paulo

‘SOU CANDIDATO PARA IMPEDIR DESCONTINUIDADE DRAMÁTICA EM SÃO PAULO’

Tucano diz que ‘gosto’ e ‘necessidade política’ motivaram sua décima candidatura

A cinco semanas da convenção que vai oficializar sua candidatura à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB, o economista José Serra, de 70 anos, ainda seca as feridas de sua última disputa nas urnas, quando foi derrotado por Dilma Rousseff (PT) na eleição presidencial. Ele reconhece o peso do ex-presidente Lula no processo e assume a frustração: “Eu entrei efetivamente com a expectativa de vencer e perdi”.

O tucano ainda dispara uma infinidade de dados sobre “problemas nacionais”, mas passou a coletar números sobre a capital paulista e diz estar pronto para sua décima disputa em 26 anos. “Eu não sou dependente químico de eleição, mas eu gosto de campanha.” Na quinta-feira, Serra recebeu o Estado em sua casa para uma entrevista exclusiva, na qual defende a gestão de Gilberto Kassab (PSD), e diz que sua campanha de 2010 influencia decisões do governo Dilma. “Cópia, se bem feita, é uma virtude.” Segundo ele, voltar a disputar a Presidência em 2014 não está nos planos.

Depois de ser prefeito, governador, senador e ministro, por que tentar voltar à Prefeitura agora?

Criou-se uma necessidade política, no âmbito do partido e de aliados, de ter uma opção forte para a Prefeitura. E por gosto, porque é algo que me agrada bastante. São Paulo é uma cidade com receitas de município e problemas nacionais. É sempre um grande desafio.

Que motivação política foi essa?

É importante ter uma opção com grande chance de vitória e impedir uma descontinuidade dramática nos rumos da cidade. Levo em conta que, nos últimos oito anos, nós arrumamos São Paulo do ponto de vista fiscal. É claro que os problemas continuam, mas o fato é que é muito importante manter São Paulo no rumo, e numa articulação estreita com outra prefeitura, que é o governo do Estado.

A solução para o trânsito de São Paulo está apenas no transporte sobre trilhos?

O problema da mobilidade na cidade jamais será equacionado, o que não significa que a gente não possa melhorar. São Paulo tem que ter uma teia de aranha de trilhos por baixo da cidade. Isso não desmerece a importância de obras viárias e corredores de ônibus, mas sempre tendo em mente que o ônibus tem, em última análise, que servir ao transporte de trilhos.

A Prefeitura pode resolver o problema da cracolândia no centro da cidade?

São duas questões. Uma é o fenômeno da droga, que está relacionado ao contrabando. As fronteiras abertas para o tráfico levam a uma capacidade de oferta da droga a preços baixos, o que é desastroso. Isso está fora do âmbito da cidade e mesmo do Estado, até certo ponto. É uma tarefa federal, onde não se teve avanço nenhum nos últimos anos. As outras dimensões são a educação e o tratamento. É preciso desenvolver com relação ao crack uma campanha educacional mais intensa da que fizemos contra o cigarro. O governo federal é hesitante.

O senhor pretende aplicar o modelo das organizações sociais (OS)?

A OS não é um modelo para toda a saúde. É um modelo para certas unidades e funciona bem. A saúde continua sendo o assunto número um e o aspecto mais chocante é o encolhimento relativo do governo federal, que chegava a cobrir 60% das despesas com fontes federais e hoje se aproxima de 40%. Em São Paulo, de 2004 a 2012, o orçamento mais que triplicou. Do ponto de vista quantitativo, a saúde deu saltos.

A pesquisa Ibope desta semana mostra alta rejeição do prefeito Gilberto Kassab. Qual a sua avaliação da gestão?

Acho que é uma boa gestão e que o fato de ele ter se envolvido na criação de um partido criou para alguns a sensação de que ele estava desligado da cidade. Digamos: você está num engarrafamento de trânsito e liga o rádio, que diz: “Gilberto Kassab esteve em Alagoas vendo a questão do PSD e tal”. Você fala: “Eu aqui no trânsito e o prefeito cuidando de partido”. Mas é uma sensação, porque, de fato, o Kassab trabalha muito na administração da cidade. Ele deu continuidade à nossa gestão e tem realizações positivas.

Sua própria rejeição (35%, segundo pesquisa do Ibope) o preocupa?

Não. Eu avalio que minha rejeição é normal. Eu sou o mais conhecido e as pessoas têm uma posição mais definida. Eu acabei de disputar uma eleição presidencial: todo mundo me conhece, eu ganhei aqui no 1.º e no 2.º turnos, mas foi uma eleição dividida.

O sr. acredita que já ganhou a eleição?

Não, de forma nenhuma. Todo político que disputa eleição tem de ser um pouco paranoico. Se não for, perde. Todo político tem que olhar a eleição com humildade e achar que não é fácil. Eu me lembro de uma história do Juscelino (Kubitschek), que é verdadeira. Ele era capaz de parar numa estrada para ver um eleitor. Eu faço isso. Eu às vezes paro por causa de uma pessoa. Cada voto é um voto. Além do que, eu tenho gosto também nisso. Eu vou dizer a vocês: eu não sou dependente químico de eleição, mas eu gosto de campanha eleitoral, principalmente do contato com as pessoas.

Padrinhos políticos como a presidente Dilma entrarão na campanha?

Eu acho que os políticos nacionais vão procurar influenciar a campanha em São Paulo, principalmente do lado do PT. Mas outra coisa é a influência que isso possa ter. A influência eleitoral é sempre menor quando é fora do âmbito da esfera de governo da personalidade política. Se você é presidente, influencia mais na eleição para presidente. Se você é governador, idem, e, se você é prefeito, idem. Mas essa influência vai ser exercida, eu não tenho dúvida nenhuma. Se for dentro de certos padrões de decoro, é normal.

O sr. acha que o debate sobre costumes (religião, aborto, casamento gay) deve fazer parte da campanha?

A minha questão não é se deve ou não deve. A minha questão é que a própria imprensa e os próprios setores da sociedade interessados nessas questões as introduzem na campanha. E você não vai proibir. São questões de valores espirituais ou de ética que são postos. Não se trata de misturar religião com política. São coisas diferentes. Religião é opção individual, não é uma opção partidária.

Como o sr. reagirá, caso seja eleito prefeito, se em 2014 surgir um clamor para que o sr. se candidate à Presidência? Já pensou sobre isso?

Eu não pensei nisso porque eu estou com o propósito de me eleger prefeito e governar os quatro anos. Não creio que vá haver (um clamor).

Que avaliação o sr. faz de 2010?

É pouco tempo para avaliar. Eu entrei efetivamente com a expectativa de vencer e perdi. Tem eleições que eu não tinha uma expectativa tão forte de ganhar. O porquê, isso ainda vai ser debatido por muitos anos.

O partido se dividiu na disputa?

(Isso) não teve nenhuma importância. Pode ter tido uma ou outra frouxidão regional com relação à campanha, mas não teve dimensão para afetar o resultado. Efetivamente, quando começou o 2.º turno, havia um empate. No fim, eu acredito que o peso da popularidade do Lula foi decisivo. Isso é opinião mais superficial, que precisa ser analisada.

O senhor tem boa relação com o senador Aécio Neves (PSDB-MG)?

Com o Aécio? Tenho. Relação cordial. Eu não sou de conviver em situações de atrito, de levar uma relação na base do atrito. Boa parte das coisas que existem, aliás, é folclore.

O sr. ficou com alguma mágoa da campanha de 2010?

Não. Eu preferia ter ganhado, mas… Em eleição, você tem que ter um mínimo de preparação para assimilar resultados, porque a decisão não é você que toma. A decisão é das pessoas, milhões de pessoas. Pode parecer frase feita, mas faz parte. A derrota é um ingrediente importantíssimo de uma eleição quando você vai para a disputa. Por outro lado, eu acredito que, nas duas eleições (presidenciais), a minha campanha condicionou muito o próprio desempenho do governo posterior. Agora, muitas das coisas que o governo faz, sem dúvida nenhuma, foram resultado da minha campanha.

O sr. fala especificamente da política de juros do governo Dilma?

Juros, infraestrutura, mesmo a defesa da liberdade de imprensa… Uma série de questões variadas. Dar exemplos sempre é ruim. Sem dúvida nenhuma, o grosso das teses que nós defendemos em 2010 eram corretas e o governo incorporou muitas delas. É normal que isso aconteça. Eu não acho que, na vida pública, cópia seja plágio. Cópia, se bem feita, de maneira honesta e não eleitoreira, é uma virtude.

José Serra – Eleições 2012 – Link da entrevista: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,sou-candidato-para-impedir-descontinuidade-dramatica-em-sao-paulo-,872240,0.htm

Gestão da Educação: Fórum de educadores avalia o panorama do ensino médio noturno no país

Grupo de trabalho formado para discutir e planejar ações para o ensino médio noturno se reúne em Brasília

Os coordenadores do ensino médio nos estados brasileiros e Distrito Federal estão reunidos em Brasília, nesta sexta-feira (11), para uma apresentação das ações desenvolvidas em cada estado com foco no ensino médio noturno. Os educadores compõem o grupo de trabalho criado pelo Ministério da Educação para planejar ações com foco nesse nível de escolaridade. Formado no ‘Fórum Técnico de Ensino Médio’, realizado em abril. A representante da região sudeste é a superintendente de Desenvolvimento do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, Audrey Regina Carvalho Oliveira.

“Nós, coordenadores do ensino médio na região sudeste do Brasil, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo, faremos uma apresentação das ações desenvolvidas em nossos estados que têm sido bem sucedidas”, adianta Audrey Regina.

Discutir para aprimorar

A ideia do grupo de trabalho é que ao final do ano seja feito um relatório com as ações e os encaminhamentos voltados para o ensino médio no noturno. Essas medidas integram o ‘Ensino Médio Inovador’, programa do Ministério da Educação, que busca fortalecer o desenvolvimento de propostas curriculares inovadoras nas escolas de ensino médio, como a capacitação de educadores. Minas Gerais fará adesão ao projeto em 2013 e ele será complementar às ações desenvolvidas pelo Estado como foco no ensino médio.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/forum-de-educadores-avalia-o-panorama-do-ensino-medio-noturno-no-pais/

Governo de Minas: obras do BRT alteram pontos do transporte coletivo no Centro de Belo Horizonte

No total, 94 linhas gerenciadas pela Setop e 67 pela BHTrans terão seus itinerários alterados

Em função das obras do BRT, Transporte Rápido por Ônibus, na área central de Belo Horizonte, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), em ação conjunta com a BHTrans, realizará alteração dos pontos das linhas metropolitanas que trafegam pela avenida Santos Dumont, entre as ruas da Bahia e São Paulo. As alterações entrarão em funcionamento a partir da próxima terça-feira (15).

Noventa e quatro linhas gerenciadas pela Setop e 67 pela BHTrans terão seus itinerários alterados. As linhas metropolitanas que antes trafegavam pela Santos Dumont, no sentido entre a Rodoviária e a Praça da Estação passarão, agora, pelas ruas São Paulo e Caetés.

As linhas metropolitanas que circulavam pela Avenida Santos Dumont, no sentido inverso, entre a Praça da Estação e a Rodoviária, passarão a circular pelas ruas Guaicurus e São Paulo, retornando para a Avenida Santos Dumont.

Todos os pontos de embarque e desembarque localizados na Avenida Santos Dumont, entre as ruas da Bahia e São Paulo, deixarão de operar. As calçadas permanecerão inalteradas, possibilitando o deslocamento dos pedestres e o acesso ao comércio.

Informações

Os usuários do sistema metropolitano serão informados sobre as alterações por meio de cartazes, que serão afixados nos pontos de embarque e desembarque e no interior dos ônibus, onde também receberão informativos. As dúvidas poderão ser obtidas pelo telefone 155, opção 6.

Os locais das alterações serão sinalizados com faixas de tecido para orientação aos condutores. Agentes da Unidade Integrada de Trânsito, BHTrans, Polícia Militar de Minas Gerais e Guarda Municipal irão operar o tráfego na região.

Para mais detalhes sobre as alterações nos itinerários das linhas de ônibus gerenciadas pela Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas clique aqui (arquivo PDF).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/obras-do-brt-alteram-pontos-do-transporte-coletivo-no-centro-de-belo-horizonte/

Gestão Antonio Anastasia: Governo de Minas atrai investimentos de R$ 80 milhões para o Vale do Jequitinhonha

Secretaria de Desenvolvimento Econômico assina protocolo de intenções com a empresa Magnesita para implantação de um complexo minerador em Almenara

Renato Cobucci / Imprensa MG
Gil Pereira, Dorothea Werneck, o presidente do Indi, Frederico Álvares, e o diretor da Magnesita, Afonso Celso de Rezende
Gil Pereira, Dorothea Werneck, o presidente do Indi, Frederico Álvares, e o diretor da Magnesita, Afonso Celso de Rezende

A secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico, Dorothea Werneck, assinou com os diretores da Magnesita Refratários S/A, Vinícius Silva, Sandio Pereira e Afonso Celso Rezende, protocolo de intenções para implantação do Complexo Minerador de Grafita, em Almenara, no Vale do Jequitinhonha.

Por meio desta iniciativa do Governo de Minas, serão investidos R$ 80 milhões na implantação de uma unidade industrial para a produção de 40 mil toneladas por ano de produtos de grafita em Almenara. “O nosso trabalho começa com essa assinatura. A partir de agora teremos a responsabilidade de contribuir para que o projeto seja colocado em prática”, afirmou Dorothea Werneck.

Com unidades em oito países, a fabricante mineira, líder na produção de refratários na América do Sul, irá gerar 200 novos postos de trabalho, contribuindo com o desenvolvimento de uma das regiões mais carentes do Estado. Para o secretário de Estado de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas (Sedvan), Gil Pereira, que também esteve presente na solenidade, “esse é um projeto que traz uma excelente perspectiva de crescimento para o Norte de Minas”.

O diretor da Magnesita responsável pelo projeto Grafita, Vinicius Santos Silva, acrescentou que o projeto é extremamente importante e estratégico para a empresa. “O potencial transformador desse projeto para a região do Vale do Jequitinhonha é enorme”, disse.

O Complexo Minerador está em fase de licenciamento ambiental. De acordo com o cronograma do projeto, iniciado em janeiro de 2011, a exploração de grafita deve começar em 2014, quando a capacidade de produção da empresa irá atingir 40 mil toneladas por ano.

Segundo a companhia, a reserva está estimada em 57 milhões de toneladas de grafita, com vida útil de 50 anos. “Esse volume garantirá a autossuficiência em grafita, além de adicionar um mineral estratégico ao nosso portfólio, tendo em vista o desequilíbrio de oferta e demanda pela relativa escassez de mineral de qualidade e uma demanda que é esperada crescer significativamente puxada por novas aplicações de energia móvel como baterias para carros elétricos”, completa o diretor.

A Magnesita é uma empresa privada dedicada à mineração, produção e comercialização de extensa linha de materiais refratários: são mais de 13 mil tipos diferentes, de materiais monolíticos e tijolos convencionais a cerâmicas nobres, para revestir equipamentos que operam em altas temperaturas. Os produtos são utilizados, principalmente, pelos fabricantes de aço, cimento e vidro.

A companhia se beneficia de uma das maiores e melhores reservas de magnesita, dolomita e talco do mundo. Além disso, prospecta outros depósitos minerais em todo o mundo.

Atualmente, a empresa opera 28 unidades industriais e de mineração, sendo 16 no Brasil, três na Alemanha, três na China, uma nos Estados Unidos, duas na França, uma na Bélgica, uma em Taiwan e uma na Argentina, com capacidade de produção de refratários superior a 1,4 milhão de toneladas por ano. A Magnesita é o terceiro maior produtor de refratários no mundo e líder em soluções integradas em refratários.

Juiz de Fora

Outros três protocolos foram assinados pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, totalizando o valor de R$ 30,5 milhões com geração de mais de 400 empregos entre diretos e indiretos, nas áreas de medicamentos, colchões e eletrodomésticos, na Zona da Mata, no Sul do Estado e na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A Medquímica Indústria Farmacêutica anunciou investimentos da ordem de R$ 23 milhões, que serão aplicados na expansão da unidade industrial de fabricação de medicamentos da empresa em Juiz de Fora, na Zona da Mata. O empreendimento deverá ser responsável pela geração de 100 empregos diretos deverá estar concluído até dezembro de 2013.

De acordo com o presidente da empresa, Jorge Lages de Oliveira, “o principal objetivo do projeto é triplicar a atual capacidade de produção, além de ampliar a área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). A nossa expectativa é lançar novos produtos tanto de uso contínuo, como de genéricos”.

A Medquímica foi criada em 1975, com atuação em todo o território nacional e atualmente é considerada uma das maiores produtoras de Dipirona Gotas do Brasil, com a produção de 2,5 milhões de unidades por mês. Para a secretária Dorothea Werneck, o projeto está em linha com as prioridades do Estado, que busca atrair cada vez mais empresas neste segmento.

Contagem

Com investimento de R$ 3,6 milhões, a Contagem Indústria e Comércio de Espumas (Colchões Ortobom) iniciou a expansão da fábrica de colchões, travesseiros, espuma laminada/espuma torneada, blocos e flocos de espuma. A previsão é de que a produção anual atinja, até o final de 2013, a capacidade adicional de 27 mil colchões, 110 toneladas de espuma e 530 mil metros de espuma torneada por ano. O projeto que deverá ser concluído em 2013 deverá gerar 75 novos empregos diretos e 142 novos empregos indiretos.

Fundada há 40 anos em São Paulo, a Ortobom iniciou suas atividades no ramo metalúrgico, fabricando camas e mesas para televisão. Com o passar dos anos a empresa começou a comprar blocos de espuma para a confecção de colchões. Em 1975 inaugurou, no Rio de Janeiro, uma fábrica especializada em colchões, desativando a produção de camas.

Hoje a Ortobom tem 16 fábricas espalhadas pelo Brasil, com produção superior a cinco milhões de colchões por ano. Conta com mais de 1.400 lojas franqueadas e mais de 15 mil pontos de venda, tendo mais de cinco mil pessoas envolvidas no processo.

Varginha

Já a Cellini Comércio Importação de Eletrodomésticos Portáteis Ltda. irá transferir de São Paulo para Varginha, Sul de Minas, sua fábrica de eletrodomésticos portáteis, destinados preferencialmente à nova classe C. O projeto, que deverá ser concluído em 2013, irá gerar 18 empregos diretos e 70 indiretos.

Com investimento de R$ 3,9 milhões, a empresa irá implantar, além da unidade industrial, um centro de distribuição que irá comercializar a produção de partes de aparelhos importados, que serão montados na nova unidade. Os aparelhos são ferro a vapor, torradeiras, sanduicheiras, miniprocessadores, hand mixer, cafeteiras, fornos elétricos e grill. Já a fabricação da Cellini em Varginha compreenderá ventiladores, liquidificadores, ferro elétrico, batedeira, espremedor de frutas.

Durante a assinatura do protocolo, o diretor-executivo da Cellini, Walter Kufel Júnior, informou que a opção por Varginha foi feita em função do município possuir um porto seco e por sua localização. “Em termos logísticos, Varginha reúne todas as condições que a empresa buscava”, enfatizou.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-atrai-investimentos-de-r-80-milhoes-para-o-vale-do-jequitinhonha/

Gestão em Minas: cobertura do Novo Mineirão começa a ser montada

Com as obras mais avançadas do Brasil, estádio será referência na Copa do Mundo de 2014

Sylvio Coutinho/Divulgação
Material, feito de dióxido de titânio, permite melhor passagem de luz natural
Material, feito de dióxido de titânio, permite melhor passagem de luz natural

Os trabalhos de modernização do estádio da Pampulha avançam com a recente chegada da estrutura metálica da cobertura do novo Mineirão. As novas treliças tubulares de aço vão receber uma membrana translúcida e auto-limpante em sua parte superior. O material, feito de dióxido de titânio, permite melhor passagem de luz natural e oferece maior resistência contra intempéries, além de ser mais econômico.

A cobertura está sendo instalada para proporcionar maior segurança e conforto a todos os visitantes da nova arena. A estrutura atual será expandida em 26 metros com a instalação das treliças para proteger os assentos mais próximos ao gramado. As cerca de 500 peças em fabricação vão totalizar aproximadamente mil toneladas. O projeto da nova cobertura foi concebido pela empresa Engserj, de renomados acadêmicos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). As treliças, fabricadas em São Paulo, são empregadas também no estádio de Durban, África do Sul, e em outros de futebol americano dos EUA.

Iniciado em outubro de 2011, o trabalho de reforço da estrutura atual deu início à preparação para instalação da nova cobertura. Nessa etapa, foi construída a estrutura que hoje recebe os chamados tirantes, que são cabos de tração com a finalidade de sustentar o peso da cobertura. Esses cabos serão tensionados à uma força equivalente ao peso de 5 mil toneladas. Foi necessário, inclusive, fazer reforço na fundação do estádio.

O trabalho será executado por cerca de 100 operários especializados, incluindo profissionais com formação em montanhismo. Tem previsão de término para novembro deste ano. “Será uma nova cobertura feita com estruturas mais leves, material com alto desempenho, além de esteticamente agradáveis”, conclui José Severiano Braga da Silva, gerente de operações da obra.

Estágio avançado

Esta semana, a obra atingiu o pico máximo de trabalhadores, com 2.000 operários em campo, e a marca de 58% dos trabalhos concluídos. Cerca de 80% das peças da esplanada já foram instaladas ao redor da fachada 100% já tratada. Na parte interna, 30% da arquibancada inferior está instalada e 80% dos bares e banheiros já receberam acabamento (reboco e piso) com instalação de bancadas e divisórios de granito (50%).

As instalações do novo fosso de segurança também estão em fase final, com 90% de execução. Seguem em andamento as atividades de infraestrutura elétrica, hidráulica e de drenagem, além da execução dos pisos da esplanada e do estacionamento coberto. Serão disputadas no novo estádio três partidas durante a Copa das Confederações, em 2013, e outros seis jogos na Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 (quatro na primeira fase, um na oitava de final e outro na semifinal).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/cobertura-do-novo-mineirao-comeca-a-ser-montada/

Gestão Antonio Anastasia: instalação de consulado dos EUA em Minas é o tema do Palavra do Governador

“É o reconhecimento ao nosso desenvolvimento econômico. Uma vitória da sociedade, dos empresários, da classe política e especialmente do povo de Minas Gerais”, diz Anastasia

links relacionados

No Palavra do Governador desta semana, Antonio Anastasia fala sobre a decisão, por parte do governo dos Estados Unidos, de instalar um consulado em Belo Horizonte.

“É o reconhecimento ao nosso desenvolvimento econômico. É uma vitória não só do governo, mas da sociedade, dos empresários, da classe política e especialmente do povo de Minas Gerais”, afirma Anastasia.

Na última segunda-feira (16), o governador de Minas se reuniu com a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, durante um evento na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília, quando agradeceu a deferência.

Anastasia destaca as facilidades que o novo consulado vai trazer para a população mineira. Entre elas, o fato de que turistas, empresários e estudantes não terão mais que se deslocar para Brasília, Rio ou São Paulo para obter o visto de entrada nos Estados Unidos como ocorre hoje.

Outra vantagem, segundo o governador, é que o consulado vai ajudar a estreitar as relações comerciais entre Minas e o país norte-americano. “Os Estados Unidos é o terceiro destino das nossas exportações e é o país de quem mais compramos”, ele lembra.

Anastasia destaca também o recente reconhecimento, pelo governo norte-americano, de que somente as cachaças produzidas no Brasil poderão ser comercializadas com o nome cachaça nos EUA. “E nós sabemos que no Brasil as grandes cachaças são feitas em Minas Gerais”, conclui o governador.

O Palavra do Governador pode ser reproduzido por qualquer veículo de imprensa, sem ônus e de forma espontânea. O programa é disponibilizado todas as quintas-feiras nas modalidades texto (para jornais impressos e online), áudio (para rádio e pudicas/web) e vídeo (em qualidade HD).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/instalacao-de-consulado-dos-eua-em-minas-e-o-tema-do-palavra-do-governador/