Rio+20: Governo de Minas dá exemplo em sustentabilidade

Rio+20: Governo de Minas dá exemplo. Graças ao trabalho iniciado por Aécio Neves em 2002, Minas já é referência em sustentabilidade.

Rio+20: Minas Sustentável

Fonte: Agência Minas

Minas assume protagonismo nos debates sobre desenvolvimento sustentável na Rio+20

Para o secretário de Meio Ambiente, Adriano Magalhães, “Minas é um resumo do Brasil”, referindo-se à biodiversidade que o Estado reúne

Minas assume debate sobre desenvolvimento sustentável

Minas assume debate sobre desenvolvimento sustentável

Rio+20 – As políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável, criadas pelo Governo de Minas, bem como as demais ações realizadas pelo Estado na área de preservação do meio ambiente, ganharam destaque durante a realização da Rio+20, a Conferência da Organização das Nações Unidas para Desenvolvimento Sustentável, que está sendo realizada no Rio de Janeiro.  O Governo de Minas assume um papel de protagonista dos principais debates em torno da sustentabilidade.

A delegação mineira presente no evento coordenou debates sobre a conservação de biomas, biodiversidade e recursos hídricos, bem como discussões sobre a implementação de medidas capazes de conter os efeitos das mudanças climáticas. Também vêm sendo abordadas pelos representantes do Governo de Minas interfaces relativas a outras áreas, como a chamada economia verde, o crescimento urbano e o desenvolvimento rural sustentável.

Minas integra a Delegação Brasileira da Rio+20 com representantes do Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema) e das Secretarias de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan), de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), de Trabalho e Emprego, de Desenvolvimento Regional Urbano (Sedru) e da Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa).

Órgãos vinculados ao Governo do Estado, como o Instituto Estadual de Florestas (IEF), a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), a Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam), o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e a Fundação Centro Internacional de Educação (Unesco HidroEX), também compõem o grupo.

A Delegação Brasileira da Rio+20 é um colegiado formado por órgãos públicos e instituições de diversos estados, com a responsabilidade de coordenar a conferência.

Estande com materiais recicláveis

O Governo de Minas conta com um dos maiores estandes da Rio+20, com 100 metros quadrados. O espaço foi desenvolvido com materiais sustentáveis, como o piso reciclado, feito com material composto por 70% de caixas de embalagens longa vida recicláveis, 30% de fibras vegetais, plástico e outros materiais reciclados, além da cobertura das paredes feita de pastilha de coco, obtida a partir da casca do coco.

De acordo com o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães Chaves, Minas desenvolve, desde 2002, um trabalho de aprimoramento da gestão pública onde foram incorporadas questões relacionadas à sustentabilidade. “O trabalho realizado no Estado serve de exemplo para iniciativas semelhantes em todo o país”, afirma. De acordo com o secretário que “Minas é um resumo do Brasil”, em função da grande diversidade de ambientes e condições que o Estado reúne.

“Minas sem lixões” é referência

As principais iniciativas ligadas à gestão ambiental em Minas são coordenadas pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema). A disposição adequada de resíduos sólidos é uma vertente da gestão ambiental em Minas, e o gerenciamento é feito pela Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam).

O trabalho teve início em 2001, quando menos de 20% da população do Estado era atendida por sistemas adequados. Após a criação do programa “Minas Sem Lixões”, em 2003, e a regulamentação da legislação estadual sobre a questão, aproximadamente 55% da população mineira passou a ter acesso a esse serviço.

Uma solução para a destinação de resíduos sólidos são os consórcios intermunicipais em resíduos sólidos, uma parceria da Feam com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional Urbano.  Entre 2007 e dezembro de 2011 foram formados 50 consórcios, atendendo 469 municípios.

Outra iniciativa pioneira do estado nessa área é Parceria Público Privada (PPP) de resíduos sólidos urbanos, que tem como objetivo fazer com que 100% dos resíduos sólidos da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) sejam eliminados de forma correta. Na última terça-feira (19), o governador Antonio Anastaia assinou convênio com 46 dos 48 municípios do Colar Metropolitano de Belo Horizonte para a gestão compartilhada dos serviços de transbordo, tratamento e disposição final de resíduos sólidos urbanos na região. Mais detalhes sobre esse projeto podem ser acessados aqui.

“Bolsa Verde” ajuda na conservação de biomas

O Instituto Estadual de Florestas (IEF) gerencia o projeto para conservação e recuperação dos biomas no Estado: a Mata Atlântica, o Cerrado e a Caatinga. A previsão é de que sejam aplicados R$ 9 milhões em 2012 em ações com a implantação de corredores ecológicos, recuperação de matas ciliares e implantação de unidades de conservação.

O programa “Bolsa Verde”, uma ação do Estado importante para o meio ambiente, garante a remuneração pela conservação de áreas com cobertura vegetal nativa. No ano passado, 978 proprietários e posseiros rurais foram beneficiados pelo programa, garantindo a preservação de 32 mil hectares de vegetação em todo o Estado.

Anunciada criação da maior unidade de conversação do Estado

Dentre as principais ações debatidas na Rio+20, o secretário Adriano Magalhães Chaves anunciou a criação, até 2013, de uma unidade de conservação que protegerá áreas dos biomas de Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica em Minas.

A unidade de conservação será a maior do Estado, com área estimada em até 500 mil hectares. “Os estudos estão sendo elaborados pela equipe do Instituto Estadual de Florestas na região do rio Carinhanha, na divisa do Estado com a Bahia”, afirmou Magalhães.

A criação dessa unidade de conservação é uma das medidas que Minas vem tomando para ampliar os mecanismos de proteção dos biomas do Estado.

Segundo o secretário de Meio Ambiente, outras ações importantes são os investimentos na prevenção e combate a incêndios florestais e o pagamento a proprietários rurais que conservam áreas de vegetação nativa que, em 2011, beneficiaram 978 famílias, com um investimento de R$ 6,8 milhões pela preservação de 32 mil hectares de vegetação em todo o Estado.

Sobre a Conferência Rio+20

A Rio+20 acontece entre os dias 20 e 22 de junho no Centro de Convenções Riocentro, no Rio de Janeiro. O evento tem a presença de chefes de Estado e de governos do mundo inteiro e marca o vigésimo aniversário da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento realizada no Rio de Janeiro em 1992 (Eco-92) e o décimo aniversário da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável promovida em Johanesburgo, em 2002.

Site mostra modelo mineiro de gestão sustentável

Desde a semana passada está no ar um  hotsite, com informações sobre as iniciativas do Estado alinhadas com os temas debatidos na Rio+20. Produzido pela elaborado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), o site apresenta o modelo de gestão sustentável desenvolvido por várias áreas do Governo de Minas Gerais. O endereço para acessá-lo é o seguinte:www.minasmais20.mg.gov.br.

Clique aqui para saber mais sobre ações voltadas à sustentabilidade desenvolvidas por órgãos do Governo de Minas.

 

 

Rio+20 : Minas Sustentável – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-assume-protagonismo-nos-debates-sobre-desenvolvimento-sustentavel-na-rio20/

Aécio: Eleições 2012 e a Rio+20

Aécio: Eleições 2012 e a Rio+20 – senador fala das eleições em Belo Horizonte e critica a posição do Governo Dilma em relação ao Código Florestal.

 Aécio Neves: entrevista do senador

Aécio: Eleições 2012 e a Rio+20

Aécio: Eleições 2012 e a Rio+20

Fonte: Assessoria de Imprensa do senador Aécio Neves

Assuntos: Eleições em BH, PSDB, PT, Rio+20

Sobre a sucessão municipal, o senhor aqui conversando com parlamentares do PR e também a definição do candidato a vice-prefeito em Belo Horizonte.

Aécio: Desde o início do processo de Belo Horizonte, dissemos de forma muito clara que a condução seria feira pelo Diretório Municipal do PSDB, respaldado pelo Diretório Estadual. É uma questão partidária. E o PSDB vem se manifestando há muito tempo em favor da candidatura de Marcio Lacerda, não agora, quando ele está na frente das pesquisas. No caso do PSDB, a nossa manifestação consciente e consistente, sem divisões, sem rachas, sem grupos internos, foi a favor de Marcio Lacerda desde a última eleição, quando ele sequer aparecia, sequer pontuava nas pesquisas eleitorais. E não vemos razão maior para que ele deixe de ter o nosso apoio.

O que esperamos é que cada vez mais a prática administrativa do PSDB, da meritocracia, com a qual ele tem muita afinidade, até porque conviveu conosco como meu secretário de Desenvolvimento Econômico, possa estar avançando na Prefeitura. Temos do ponto de vista administrativo algumas diferenças em relação ao que pratica o PT. Enquanto privilegiamos resultados, metas e a qualidade dos servidores, o PT caminha sempre na direção do aparelhamento da máquina pública e da ineficiência, que assistimos hoje, inclusive no plano federal. Mas, em relação a Belo Horizonte, o PT toma uma decisão, não sei ainda qual a decisão final do PSB, mas o deputado Miguel Corrêa é um nome qualificado. Isso não é para nós o mais relevante. O mais relevante é que o prefeito Marcio Lacerda possa ter como candidato a vice, independente de qual seja o partido, um aliado, e não um adversário, como ele teve nos últimos quatro anos.

A administração pública é complexa, os desafios são permanentes. Se você tem ao seu lado como vice-prefeito alguém que trabalha contra diuturnamente, como aconteceu com o último vice-prefeito do PT, é muito ruim para a cidade, para a administração. Cabe ao prefeito Marcio Lacerda dizer se ele está confortável, confiante na parceria agora indicada pelo PT. Somos a favor de Belo Horizonte. Não estamos nesse jogo político discutindo espaços, brigando por essa ou aquela secretaria, por esse ou aquele espaço político. Até porque considero Marcio Lacerda, o candidato a prefeito de Belo Horizonte, como um aliado político de primeiríssima hora. Até porque quem o trouxe de volta para a vida pública fomos nós, quando o convidei para ser o nosso secretário de Desenvolvimento Econômico e quando lançamos candidato à prefeitura de Belo Horizonte, com apoio do então prefeito Pimentel.

E essa conversa com o PR?

Aécio: Eu tenho com o PR uma aliança histórica. O PR está na nossa base de sustentação desde o meu primeiro mandato. Participamos juntos em eleições no estado inteiro. Aqui mesmo agora, recebo a visita do deputado Aracely que disputará me parece a eleição em Araxá. Vamos conversar com eles. Onde for possível, solidificarmos a nossa aliança, vamos fazer. A nossa base aliada, PSDB aliado aos partidos que nos dão sustentação, todos somados, venceremos cerca de 90% das prefeituras do estado de Minas Gerais nestas eleições.

Qual a expectativa do senhor sobre a Rio+20?

Aécio: Um pouco desorganizada, sobretudo, do ponto de vista do Brasil. O fato de não termos conseguido dar um fecho no Código Florestal é uma sinalização ruim que o Brasil dá para as outras partes do mundo. Já tenho dito, há muito tempo, que o Brasil pode ser, pelas circunstâncias da natureza, circunstâncias que o destino nos proporcionou ter, do ponto de vista da emissão de carbono, enfim, um país autossustentável, temos a matriz energética mais limpa do mundo, mas era preciso que houvesse do ponto de vista do governo, uma ação, a meu ver, mais coordenada e mais incisiva para que o Brasil assuma um papel de liderança e não seja apenas o hospedeiro, apenas o anfitrião, de um evento destas proporções. Na verdade, já começa haver uma divisão entre países desenvolvidos de um lado, pouco propensos a fazerem esforços do ponto de vista exatamente da emissão de gases estufa, enfim, de busca de matrizes energéticas mais limpas, em contraponto com os países em desenvolvimento. Só teremos avanços consistentes quando cada um, no limite das suas possibilidades, contribuir para a construção, não apenas nas próximas décadas, mas até mesmo no próximo século. É um momento importante, um marco importante, mas espero que o Brasil tenha uma posição mais ousada do que apenas de ser o anfitrião do evento.

Aécio Neves: Link da entrevista: http://www.aecioneves.net.br/2012/06/entrevista-do-senador-aecio-neves-sobre-a-rio20-e-outros/