Lacerda diz que Escola Plural de Patrus produziu analfabetos

Lacerda: Para o candidato do PSB à prefeitura de Belo Horizonte, Escola Plural do PT levou milhares de jovens ao analfabetismo.

Lacerda: Escola Plural

 Lacerda diz que Patrus produziu analfabetos

Lacerda diz que Patrus produziu analfabetos

Fonte: Daniel Camargos – Estado de Minas

Ataque à Escola Plural

Lacerda acusa política educacional implantada pelo PT de levar centenas de milhares de jovens ao analfabetismo e se orgulha do resgate do boletim

Durante encontro com dirigentes de entidades esportivas no Salão de Festas do Minas Tênis Clube (MTC), ontem, o prefeito Marcio Lacerda (PSB), candidato à reeleição, criticou a Escola Plural, modelo pedagógico adotado durante a gestão de seu principal adversário, Patrus Ananias (PT). ”Levou centenas de milhares de jovens para o analfabetismo na nossa cidade nos últimos 20 anos”, acusou Lacerda. A frase foi dita quando o prefeito explicava a intenção de ampliar as competições esportivas entre as escolas municipais.

Lacerda explicou que quando a Escola Plural foi implantada a ideologia era não comparar as pessoas medindo o rendimento escolar. O prefeito disse, ironicamente, que não iria explicar melhor, pois a ideia era complicada. “Acabaram com as competições esportivas, pois não podia ter competição no esporte. Imagina a loucura que é isso?”, questionou Lacerda. O prefeito relembrou que a Escola Plural foi implantada na administração Patrus. “No governo do (Fernando) Pimentel (PT) começou a acabar e eu acabei de vez. A opção por ampliar as competições esportivas escolares ficou para depois, pois o primeiro objetivo foi retomar o boletim. “Os pais não sabiam o rendimento do filho“, frisou Lacerda.

Por meio da assessoria de imprensa, a campanha de Patrus respondeu às declarações de Lacerda. “Quando foi prefeito de Belo Horizonte, Patrus criou 20 mil vagas nas escolas municipais e conseguiu colocar todas as crianças na escola. Reduziu a repetência, que era superior a 50%, e a altíssima evasão escolar, que deixava as crianças na rua”, diz a nota. “Só é possível implantar o boletim escolar porque as crianças estão na escola, o que não ocorria antes de Patrus”, ressalta o texto, que reafirma que se o petista for eleito o boletim será mantido.

Questionado sobre problemas no transporte coletivo, Lacerda afirmou: “Quem usa ônibus em horário de pico nunca vai ter transporte de qualidade“. Não foi a primeira vez na campanha que Lacerda cobrou uma mudança de hábito dos passageiros. Em outra sabatina, quando questionado sobre veículos lotados, ele afirmou: “Isso acontece, muitas vezes, porque as pessoas não querem esperar o próximo ônibus”. Foi a nona edição do evento “Encontro com candidatos”, promovido pelo MTC. Na quarta-feira será a vez de Patrus participar. Lacerda apresentou propostas para a área de esporte e lazer.

Protesto Uma pessoa na plateia, com a camiseta da Ocupação Eliana Silva, no Barreiro, se levantou em protesto por não haver perguntas sobre moradia. No mesmo horário da sabatina acontecia na Câmara Municipal uma audiência pública para debater o movimento. O prefeito admitiu que na habitação a prefeitura não avançou “tanto quanto gostaria”, mas prometeu entregar 7,5 mil unidades de moradias populares até o final do ano, o que corresponde a pouco mais de 10% do déficit habitacional. Lacerda foi enfático ao dizer que considera as ocupações um retrocesso que leva a “favelização” da cidade. “Movimentos como esse trazem pessoas de outras cidades da região metropolitana e até de outros estados. São organizações políticas bem estruturadas, até com apoio internacional, que estão aqui para se colocar contra a política de habitação”, pontuou o prefeito.

Aécio: senador e as eleições 2012 em Belo Horizonte

Aécio: decisão de apoio do senador de indicar candidato à prefeitura de Belo Horizonte terá forte influencia no voto do eleito em Belo Horizonte.

Aécio: eleições 2012

Senador Aécio Neves: eleições 2012

Senador Aécio Neves é o principal influenciador de votos nas eleições 2012 em 2012

Aécio é o político que mais influencia o voto do eleitor

PSDB dá ultimato ao prefeito Marcio Lacerda (PSB) para indicar candidato a vice

O senador Aécio Neves (PSDB) é o principal cabo eleitoral em Belo Horizonte. É o que revela pesquisa encomendada pelo diretório municipal tucano para medir a influência do ex-governador na disputa pela prefeitura. Segundo o levantamento, registrado na Justiça Eleitoral com o número 48/2012, para 55% dos eleitores da capital, a opinião de Aécio é importante na hora de escolher o candidato a prefeito. O governador Antonio Anastasia (PSDB) aparece em segundo lugar, com 12%, seguido pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (PT). O ex-senador Hélio Costa (PMDB), que perdeu a disputa para o governo do estado para Anastasia, em 2010, ficou na quarta colocação, com 3%.

De acordo com a sondagem, 16% dos eleitores não levam em consideração nenhuma opinião e 4% não responderam ao questionamento. A pesquisa foi feita pelo Instituto Vox Populi entre 19 e 20 de abril, com 500 pessoas. A margem de erro é de 4,4% para mais ou para menos.

No cruzamento por sexo, idade, escolaridade, renda familiar e atividade econômica, o apoio do senador é importante para mais da metade dos entrevistados. Esse patamar só não é atingido no levantamento feito com eleitores que têm entre 16 e 24 anos e nos detentores de renda familiar entre três e cinco salários mínimos, ficando entre 48% e 49%, respectivamente. Os dados mostram também que 36% dos entrevistados votariam com certeza no candidato apoiado pelo senador e 20% no nome que contasse com o aval do governador Anastasia. Pimentel influencia 15% dos belo-horizontinos e Hélio Costa, 7%.

A pesquisa vai embasar as negociações que vêm sendo feitas entre PSDB e PSB para a campanha pela reeleição de Marcio Lacerda (PSB). Em troca do apoio ao prefeito, os tucanos querem se coligar com o PSB na chapa dos candidatos a vereador, sem a presença do PT, ou então indicar o vice. O presidente do PSDB mineiro, Marcus Pestana, foi enfático ao dizer que os tucanos não aceitam que o PT indique o vice e ainda se coligue com o PSB na proporcional. “É uma coisa ou outra”, afirma. A principal condição do PT para se aliar ao PSB é a aliança na proporcional. O deputado disse que a pesquisa deixa claro a força do PSDB na capital e que a legenda não pode ser prejudicada pelo PT, segundo ele, um partido secundário.

A discussão sobre qual partido indicaria o companheiro de chapa havia sido superada depois do acordo fechado pelo PSB com os petistas, mas a possibilidade de Lacerda disputar o governo em 2014, com o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para garantir um palanque forte para a reeleição da presidente Dilma Rousseff, pode mudar o quadro e atrapalhar os planos de Aécio de disputar a Presidência. A candidatura de Lacerda ao governo pode garantir também o retorno do PT à Prefeitura de Belo Horizonte, caso Lacerda seja reeleito tendo um petista como vice. Esse cenário não favorece uma eventual candidatura do senador em 2014 e atrapalha os planos dos apoiadores de Anastasia de lançar o vice-governador Alberto Pinto Coelho (PP) candidato ao governo do estado.

Terceira via Nos últimos meses, azedaram as relações entre o senador e Lacerda. Diante disso, crescem as especulações de que Aécio pode vir a apoiar a candidatura a prefeito do deputado estadual Délio Malheiros (PV). Mesmo que o PSDB permaneça na chapa do PSB, o deputado verde vai contar nos bastidores com a simpatia do senador e de seus aliados. Malheiros já tem também a garantia de apoio financeiro à sua candidatura.

O presidente do diretório municipal do PSDB, João Leite, desconversou quando questionado sobre a possibilidade de seu partido apoiar formal ou informalmente a candidatura do PV. Segundo ele, o senador assumiu o compromisso com o PSB nacional de apoiar a reeleição de Lacerda, mas delegou ao partido a palavra final sobre o assunto. “Não está nada certo ainda com o PSB. Estamos aguardando uma posição do partido sobre nossas reivindicações, a coligação na proporcional sem o PT e a indicação do candidato a vice na chapa de Lacerda”, afirmou. João Leite argumentou que o PSDB não tem como barrar o desejo de outros partidos de lançarem nomes para a disputa. “Todas as candidaturas são legítimas, Não temos como barrar nomes ligados ao senador Aécio Neves, hoje a maior liderança em Minas, como ficou claro nessa pesquisa e na eleição de 2010, quando ele transferiu votos para Anastasia, que acabou eleito no primeiro turno”, ponderou.

Aécio: eleições 2012 – Link da matéria: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/05/06/interna_politica,292699/aecio-e-o-politico-que-mais-influencia-o-voto-do-eleitor.shtml

Eleições 2014: Aécio tenta aproximação com PSB para formação de aliança

Fonte: Marcelo Portela – Estado de S.Paulo

Aécio fala em aliança com PSB em 2014

Embora reconheça que sigla seja aliada do governo federal petista, senador tucano diz que ‘as coisas podem estar diferentes’ até a eleição

O senador Aécio Neves (PSDBMG) admitiu ontem a possibilidade de o partido tentar uma aproximação com o PSB para a corrida pela Presidência da República em 2014. Cotado como um dos principais nomes do tucanato para disputar a sucessão presidencial, o senador lembrou que os socialistas atualmente integram a base do governo, mas ressaltou que “em 2013 ou em 2014 as coisas podem estar diferentes”.

O PSB tem ganhado espaço no cenário nacional e conseguiu eleger seis governadores no ano passado, sendo quatro deles no Nordeste, região em que o PSDB tem dificuldade de penetração e que deu expressiva votação para o expresidente Luiz Inácio Lula da Silva e para a atual presidente Dilma Rousseff. E o presidente nacional socialista, o governador Eduardo Campos (PE), também é tido como um nome que pode ter peso decisivo na balança da sucessão presidencial.

Aécio ressaltou que é preciso “respeitar a posição” do PSB,hoje um partido aliado do Palácio do Planalto, mas lembrou que o PSDB já tem proximidade com os socialistas em várias cidades, como em Belo Horizonte, onde os tucanos devem reeditar a coligação em torno da reeleição do prefeito Marcio Lacerda (PSB), cuja vitória em 2008 também teve apoio do PT. Para expandir essa aliança ao cenário nacional, porém, o senador acredita que os tucanos precisam apresentar “um projeto que signifique expectativa de poder, um modelo novo para o Brasil”.

“Vamos definir cinco ou seis grandes bandeiras que vão emoldurar as nossas candidaturas, inclusive nas eleições municipais”, afirmou Aécio. “O PSDB tem que ir definindo, clareando essas suas ideias e, em 2013, vamos ver aqueles que queiram se unirem torno desse projeto. E o PSB tem conosco relações importantes em vários Estados. Temos de dar tempo ao tempo. O PSB hoje participa da base de governo, mas em 2013 ou em 2014 as coisas podem estar diferentes”, observou.

O tucano voltou a defender a realização de prévias para a escolha do nome que disputará a Presidência pelo PSDB, daqui a menos de três anos. “Ninguém é candidato de si próprio. Acho que o PSDB tem nomes colocados e, lá na frente, vamos definir quem é o melhor.”

Municípios. Apesar de ser considerado um dos principais nomes da oposição, Aécio afirmou ontem que não pretende atuar diretamente na costura de candidaturas nas eleições municipais de São Paulo e Belo Horizonte. Em relação à capital paulista, o senador mineiro declarou-se favorável ao lançamento de um nome tucano para “fortalecer o PSDB”,”trazendo o maior número de aliados possíveis”, mas afirmou que ficará ” na torcida”,sem se envolver diretamente.

“O PSDB de São Paulo não só tem a autonomia. Tem a capacidade, a liderança necessária para construir essa aliança. No nosso caso, ficamos à disposição para ajudar a consolidação da candidatura do PSDB. Nada além disso”, disse o senador.

Após encontro com o governador de Minas, Antonio Anastasia (PSDB), na manhã de ontem, Aécioafirmou que adotará a mesma posição em relação à sucessão na capital mineira. Apesar de classificar como “natural” a reedição da aliança com o PSB de Lacerda, o senador disse que a “negociação vai ser conduzida pela direção municipal” do partido, já que a parte majoritária do PT mineiro, que também defende a coligação com os tucanos em torno do socialista, reivindica a indicação do vice, como ocorreu em 2008.

Perspectivas
AÉCIO NEVES SENADOR (PSDB-MG)Aécio 
“O PSDB tem que ir definindo, clareando suas ideias e, em 2013, vamos ver aqueles que queiram se unir em torno desse projeto. Temos de dar tempo ao tempo. O PSB participa da base do governo, mas em 2013 ou em 2014 as coisas podem estar diferentes”