Palavra do Governador: Anastasia apresenta medidas do Governo de Minas para se proteger da crise econômica mundial

Governador Antonio Anastasia fala sobre as medidas contra a crise adotadas em Minas Gerais

Em entrevista para o programa “Palavra do Governador”, Antonio Anastasia apresenta as medidas que enviou para a análise da Assembleia Legislativa que objetivam proteger Minas da crise econômica mundial.

As propostas incluem aumento do ICMS de cigarros e bebidas, redução da alíquota de produtos populares, criação do Fundo de Erradicação da Miséria e da Taxa de Fiscalização de Recursos Minerais.

O programa pode ser visto aqui.

Anúncios

Antonio Anastasia anuncia PIB mineiro recorde de 10,9%

Fonte: Agência Minas

O governadorAntonio Anastasia anunciou, nesta quarta-feira (16), no Palácio Tiradentes, resultados recordes do Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais no ano de 2010, que apresentaram crescimento real médio de 10,9% em relação ao mesmo período de 2009, superando em 3,4 pontos percentuais o resultado nacional, que foi de 7,5%.

Avaliado pelo Centro de Estatística e Informações da Fundação João Pinheiro (FJP), a taxa de expansão do PIB mineiro de 2010 é a maior da série histórica iniciada em 1995 pela Fundação. Trata-se do melhor resultado de crescimento econômico do Estado dos últimos 15 anos. Até então, o recorde foi verificado em 2004, quando a economia mineira cresceu 5,9%.

O governador ressaltou que o resultado atesta a recuperação da atividade econômica do Estado, ante a crise financeira internacional que teve início no final de 2008, destacando a expressividade dos números frente ao crescimento nacional e até mesmo ao de países reconhecidos por apresentarem taxas de crescimento elevadas.

“Tenho a satisfação de informar aos mineiros e ao Brasil que o crescimento do nosso PIB foi de 10,9%. É um resultado extraordinário, superior, inclusive, aos padrões dos países que têm tido forte dinamismo econômico, como a China e Índia, e bem superior ao do Brasil, que foi de 7,5%. Isso sinaliza a retomada efetiva da economia do Estado e vamos continuar trabalhando para que tenhamos crescimento econômico sempre superior à média brasileira. Os últimos resultados demonstram o dinamismo da economia de Minas Gerais e o acerto da nossa política econômica”, afirmou Antonio Anastasia.

O governador anunciou o PIB mineiro acompanhado da secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico, Dorothéa Werneck, da presidente da Fundação João Pinheiro, Marilena Chaves, e do diretor do Centro de Estatística e Informações da FJP, Frederico Poley.

Fatores de crescimento

O estudo da Fundação João Pinheiro avalia que a expansão do emprego, da massa salarial e da oferta de crédito no Estado, ao impulsionarem o mercado interno, foram fundamentais para o intenso crescimento do nível de atividade econômica de Minas Gerais em 2010.

A equipe técnica do Centro de Estatística e Informações da FJP, durante apresentação do PIB, destacou ainda que o contínuo aumento da demanda internacional por produtos da pauta de exportações mineira, junto com a valorização de produtos siderúrgicos, commodities agrícolas e minério de ferro, também contribuíram para o desempenho positivo da economia mineira em 2010.

A secretária Dorothéa Werneck destacou que o crescimento expressivo da economia terá impacto positivo na geração de emprego e renda e no aumento da qualidade de vida. “Todos comemoraram a taxa de crescimento do Brasil em 7,5% e estamos anunciando 10,9%, crescimento maior do que a China (10,3%) e maior do que a Índia (8,6%). Estamos vivendo em um Estado que está com um crescimento muito acima da média e isso significa para nós, mineiros, melhor qualidade de vida através da geração de mais empregos, mais renda, através de um potencial de maior consumo ainda em nosso Estado”, comentou a secretária.

No quarto trimestre de 2010, em comparação com o mesmo período do ano anterior, a taxa de crescimento do PIB estadual foi de 6,7%. O valor adicionado bruto da economia mineira aumentou 9,7% em 2010, enquanto, no país, o crescimento foi de 6,7%.

O estudo completo do PIB de Minas Gerais 2010 está disponível no site da FJP (http://www.fjp.gov.br/index.php/component/docman/doc_download/591-informativo-cei-pibmg-2010-iv).

Desempenho por setor

Em Minas Gerais, o desempenho do valor adicionado na produção industrial superou amplamente o observado no âmbito nacional ao longo de todo o ano, encerrando 2010 com crescimento de 15,6%. No Brasil, a taxa foi de 10,1%. A diferença de 5,5 pontos percentuais pode ser atribuída principalmente à forte expansão da indústria extrativa mineral. No quarto trimestre de 2010, em comparação com o mesmo período de 2009, a indústria mineira cresceu 8,1%, enquanto a nacional registrou crescimento de 4,3%. “Destacaram-se a indústria extrativa-mineral e a indústria de transformação”, afirmou a presidente da FJP, Marilena Chaves.

Na atividade serviços, o aumento de 7,1% da produção mineira em 2010 também foi maior que o resultado anual para o Brasil (5,4%). No último trimestre de 2010 o valor adicionado bruto estadual dos serviços cresceu 6,2% e o brasileiro, 4,6%.

Marilena Chaves ainda ressaltou os bons resultados obtidos no setor de serviços, citando o comércio (10,6%), transportes (13,4%), aluguel (3,6%) e administração pública (4,1%).  Marilena Chaves disse que os valores positivos na agricultura foram puxados pelos acréscimos nas safras de café (25,9%).

A agropecuária foi a única atividade em que variações nos valores adicionados estadual e nacional apresentaram resultados praticamente similares no acumulado de 2010: 6,4% e 6,5%, respectivamente. No comparativo trimestral, entretanto, observa-se retração de 4,7% da agropecuária de Minas no quarto trimestre de 2010, enquanto, no Brasil, a atividade registrou pequeno acréscimo (1,1%).

No acumulado de 2010, a agricultura cresceu 8,5% e a pecuária, apenas 1,0%. No quarto trimestre de 2010, relativamente ao mesmo trimestre do ano anterior, a agropecuária estadual teve retração de 4,7%. No mesmo período, a produção vegetal apresentou queda de 6,6% e a produção animal caiu 6,5%.

 

Governador Anastasia defende reforma tributária e cria comitês para ampliar interlocução com a sociedade civil

Anastasia: “Temos duas emergências maiores – redistribuir o bolo tributário sem aumentar a carga e rediscutir o pagamento dos royalties minerais”
O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB), principal aliado do senador eleito Aécio Neves (PSDB-MG) em sua pretensão de ser o candidato presidencial da sigla em 2014, espera negociar um consenso dentro do partido a respeito da reforma tributária, na reunião que os oito governadores tucanos terão em março em Belo Horizonte. Os governadores oposicionistas já estiveram antes da posse, em dezembro, em uma reunião em Maceió. Para Anastasia, a reforma tributária é um tema que pode ser transformado em um dos eixos da atuação do PSDB, uma vez que a insatisfação com o modelo tributário atual atinge também os aliados do governo federal.

Por meio de uma lei delegada aprovada pela Assembleia Legislativa mineira no mês passado, Anastasia tenta construir um diferencial entre a sua gestão e a anterior, de Aécio. O governador começou a estruturar comitês de discussões de temas de modo a estabelecer uma ligação direta entre o governo estadual e o que chama de “sociedade civil”. Já está decidida a criação de comitês de discussão com cafeicultores e produtores de leite e um comitê de assuntos sindicais, que deve contar com a participação das centrais. O governador irá pessoalmente coordenar as reuniões. Anastasia nega a inspiração no modelo criado pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva, que instituiu o chamado “Conselhão”, uma câmara de debates que participou das reformas constitucionais no primeiro mandato do petista.

Em seu gabinete na Cidade Administrativa, o complexo de edifícios reunindo a administração do Estado que se tornou a principal obra do governo anterior, Anastasia concedeu a seguinte entrevista ao Valor:

Valor: Quantos são e por que foram criados os comitês em seu governo que vão reunir empresários e sindicalistas?
Antonio Anastasia: Serão vários, formados de acordo com a necessidade dos assuntos sociais e sindicais, com os relativos às questões econômicas. Por qual motivo? Para que eu tenha interlocução permanente com a sociedade civil, de maneira extremamente ágil, não burocrática, sem ser um grande conselho. Uma forma de o governador receber, permanentemente, ideias, sugestões. Em alguns deles, principalmente os da área social, vamos criar laboratórios de ideias.

Valor: A inspiração é o Conselhão do Lula?
Anastasia: É muito diferente. O Conselhão era uma questão formal muito grande. Os nossos serão leves, ágeis, com um número muito menor de pessoas. No máximo, oito, nove, dez pessoas. Isto começou dentro da campanha quando iniciamos a discussão sobre a questão do café. O governo estadual não tem muitos instrumentos para atuar na política do café, mas algumas ideias podem surgir. E o café, junto com o leite, tem importância fundamental em Minas no sentido de gerar riqueza descentralizada. Aí surgiu a ideia de criar comitês com produtores de café e do leite em um primeiro momento.

Valor: Qual o propósito do Comitê de Assuntos Sindicais? É o primeiro passo para o governo do Estado estruturar um salário mínimo regional ou o objetivo é melhorar a relação com o funcionalismo?
Anastasia: Eu recebi aqui a visita das principais centrais sindicais. Combinamos de começar a discutir. A geração de empregos é nossa prioridade absoluta e temos que saber das lideranças dos trabalhadores quais são as ideias boas. O salário mínimo regional é muito difícil em Minas, há muitas dificuldades nas prefeituras, porque Minas não é um Estado homogêneo. Nós temos que ter cautela em relação a isso. Podemos criar ali concentração de qualificação de mão de obra em uma determinada região com a participação dos sindicatos ou a criação de incentivos fiscais. Há várias ações em que os sindicatos podem ter um papel de liderança e eles devem ser procurados como aliados.

Valor: E quem coordenará esses comitês?
Anastasia: O próprio governador. Eu serei o presidente dos comitês quando se fizerem as reuniões.

Valor: Esse tipo de interação com a sociedade civil pode ser uma das bandeiras novas no PSDB dentro da refundação do partido que o ex-governador Aécio Neves e o senhor defendem?
Anastasia: Quando a ideia surgiu, em uma visita da campanha eleitoral à região dos cafeicultores no sul de Minas, eu não vislumbrava este alcance, mas se for um projeto exitoso, e eu espero que seja, não deixará de ser uma referência do governo mineiro, não chegaria a dizer do PSDB.

Valor: A ideia dos comitês é a marca que o senhor busca para este mandato?
Anastasia: Acho que o diferencial será esta proximidade que estou buscando com a sociedade. Não há precedente no Brasil.

Valor: Uma série de ações desenvolvidas no governo Lula não são precedentes?
Anastasia: O governo federal tem seus méritos, mas definitivamente não tem nos métodos de gestão e na questão administrativa a sua grande vitrine, muito pelo contrário.

Valor: Em relação ao PSDB, de que forma o partido vai começar a fazer oposição ao governo? Porque ainda não começou a fazer…
Anastasia: Oposição a governos no Brasil se faz na ação parlamentar, e o Parlamento ainda não reabriu. Então o partido ainda não teve tempo para se reposicionar. Sabemos que não haverá, como nunca houve no passado, enfrentamento entre chefes de governos. Isso não é da tradição política brasileira.

Valor: Quando se fala em refundar o PSDB, estamos falando em uma troca de guarda ou em uma questão maior, de reformular propostas e de mudar a imagem pública do partido?
Anastasia: Esta questão da refundação reflete a necessidade permanente de se recriar. Dizem que nós próprios, humanos, precisamos nos reinventar a cada dia, quanto mais um partido político. O PSDB acabou de passar por três eleições presidenciais seguidas com três derrotas, então naturalmente é uma questão de pensar porque é que não ganhamos. São diversos fatores. O PSDB tem seus pontos fortes e também tem seus pontos fracos, que precisam ser identificados. Tenho certeza que isto será feito ao longo dos próximos anos.

Valor: E quais são esses pontos fortes e pontos fracos?
Anastasia: Os pontos fortes são as marcas da gestão do governo Fernando Henrique Cardoso, que envolveram um determinado padrão de ética, de profissionalização e de meritocracia. Outra marca é a das parcerias com o setor privado. Pontos fracos, cito dois. Um de imagem, que é o tema das privatizações, que pegou uma alcunha muito negativa. O outro, de natureza política, é a necessidade ainda não atendida de se ter um discurso mais inclusivo do ponto de vista social e de fortalecer quadros partidários fora do eixo Minas-São Paulo.

Valor: O que seria uma nova bandeira partidária?
Anastasia: A primeira que eu cito é de uma reforma tributária que prestigie a Federação. Ainda mais porque temos oito governadores no PSDB e é uma responsabilidade nossa discutirmos este assunto, para desconcentrar a política tributária. O PSDB precisa discutir incentivos às políticas de industrialização. Temos ouvido alertas sobre os riscos de uma desindustrialização.

Valor: Dentro do partido já existe a compreensão sobre o fato de o grupo do ex-governador Aécio Neves ter transferido votos para o senhor e para candidatos a prefeito e a senador nas últimas eleições e não transferir votos para presidente?
Anastasia: Para mim sempre esteve perfeitamente claro que a transferência de votos se dá em um nível horizontal e não vertical. Isto aconteceu em relação às eleições de 2006 e 2010. Eu percebi isso conversando com as pessoas durante a campanha. E as transferências têm sempre um limite. Eu acredito que esta percepção é geral dentro do partido. Isto já ficou muito claro.

Valor: Existe uma impressão, sobretudo depois da reunião dos governadores tucanos em Maceió em dezembro, de que Minas ficou um pouco isolada nesta proposta de relançamento do PSDB.
Anastasia: Estive na reunião de Maceió e ali o que se discutiu não foi isso, mas ações políticas conjuntas de outra natureza, quais sejam o comportamento dos governadores diante do governo federal e projetos administrativos comuns. Isto ficará mais nítido na próxima reunião dos governadores tucanos, que será aqui em Belo Horizonte. Projetos comuns dos governadores como forma de unificar o partido.

Valor: É de se prever então que a reforma tributária seja o tema óbvio desta reunião.
Anastasia: Assim espero. Temos duas emergências maiores: redistribuir o bolo tributário sem aumentar a carga e rediscutir o ressarcimento da Lei Kandir e o pagamento dos royalties minerais. Temos que apresentar ao governo federal um posicionamento claro sobre a necessidade de se fazer a reforma tributária.

Valor: Dentro do próprio PSDB as posições e os interesses não são muito divergentes entre os governadores?
Anastasia: Bom, é impossível que saiam todos 100% satisfeitos, mas o consenso ganha chances maiores com o estabelecimento de prazos de carência para mecanismos entrarem em vigor. É possível o consenso partidário. Mas esta questão vai transcender partidos. Não conheço ninguém satisfeito com a situação presente: nenhum empresário, nenhum partido, nenhum cidadão. Estão todos infelizes.

Valor: Sobre a questão da política industrial, o senhor foi surpreendido com o anúncio feito no mês passado pela Fiat de construir uma unidade em Pernambuco?
Anastasia: A surpresa que ocorreu foi para o Brasil inteiro. Foi uma medida provisória que surgiu com nome, endereço e data certa. Criada especificamente para atender àquela situação. Naturalmente não vou criticar a expansão de outros Estados, mas o que não pode haver é a participação da União na guerra fiscal.

Valor: Então o senhor considera que a decisão envolvendo a Fiat foi eminentemente política?
Anastasia: Sim. Quanto a isso não há dúvida alguma. A medida provisória foi criada só para isso.

Valor: O senhor acha que foi uma maneira de o governo federal consolidar a relação com o PSB, partido do governador pernambucano Eduardo Campos?
Anastasia: Esta é uma ilação um pouco além da necessária. Acho que não. Acho que era um compromisso pessoal do ex-presidente com seu Estado de origem.

Valor: Durante o governo Aécio a relação com o governo federal foi muito boa, mas agora a chance de ele se tornar o candidato da oposição em 2014 aumentou em relação à que existia em 2010. Isto não pode tornar a parceria com o Planalto mais difícil?
Anastasia: Minas Gerais é o segundo Estado da Federação e ninguém cogita que Minas e São Paulo possam ser preteridas em alguma coisa por qualquer motivo que seja. Acredito piamente em um relacionamento harmonioso e republicano. A presidente é nascida aqui em Minas. Não acredito em nada diferente do que aconteceu nos últimos anos, até porque a eventualidade na candidatura presidencial do senador Aécio, que conta com todo o nosso apoio, se dará mais adiante, não agora. Na semana que vem mesmo receberemos a visita do ministro da Justiça [José Eduardo Martins Cardozo], que virá conversar sobre um assunto que nos é muito caro, que é o combate às drogas. E esta também é uma prioridade do ministro.

Valor: O senhor decidiu manter a diretoria da Cemig, com uma única modificação, que foi a criação de uma diretoria jurídica. Nada muda no planejamento estratégico da empresa?
Anastasia: A Cemig ganhou muito valor de mercado, é de capital aberto e por necessidade do próprio processo capitalista global teve que se expandir. A diretoria jurídica foi criada tendo justamente em vista estes processos de fusões, aquisições, coligações, compras e subsidiárias. A Cemig já devia ter este grupo mais qualificado na área jurídica há mais tempo. Mas outras modificações serão feitas oportunamente na gestão da empresa. A situação é dinâmica. Eu cobro permanentemente da Cemig questões até como a dos cortes de energia em função de raios e quedas de árvores. Tive uma reunião relativamente longa com a diretoria da Cemig sobre isso. Há necessidade da Cemig melhorar o atendimento dentro de Minas. Ela tem um nome muito bom no mercado, mas há uma impressão forte de que ela tem que melhorar a prestação de serviços aqui em Minas.

 

Fonte: Valor Econômico – César Felício

Aécio Neves prega oposição ”firme” e alfineta Lula, senador criticou processo que levou fábrica da Fiat para PE

Aécio prega oposição ”firme” e alfineta Lula

Fonte: Eduardo Kattah – O Estado de S.Paulo

No dia em que foi diplomado senador, tucano critica processo que levou Fiat a decidir por fábrica em Pernambuco

O senador eleito Aécio Neves (PSDB-MG) reiterou ontem a promessa de uma oposição “firme”, mas “qualificada” ao governo Dilma Rousseff no Congresso. No entanto, ao chegar para a cerimônia de diplomação, não deixou de alfinetar o presidente Lula, a presidente eleita e o PT mineiro ao criticar o processo que levou a Fiat a decidir por instalar uma nova fábrica em Pernambuco.

“Não sei se foi o último presente do presidente Lula a Minas ou se foi o primeiro presente da presidente Dilma”, ironizou Aécio. “Mas o que me parece mais surpreendente de todo esse processo é o silêncio da bancada do PT de Minas, o silêncio dos que estão próximos da atual presidente.”

A montadora receberá incentivos fiscais para a instalação e o governo mineiro alega que não foi informado sobre a negociação. O anúncio gerou, durante a semana, manifestações de revolta na Assembleia deMinas.

Aécio reforçou o discurso pragmático, ressaltando que pretende no Senado defender o diálogo com o governo federal em torno de uma agenda de reformas. Mas recusou o rótulo de líder natural da oposição no Congresso.

 

Aécio Neves e Antonio Anastasia os brasileiros mais influentes de 2010

ÉPOCA 100 – Os brasileiros mais influentes de 2010 – Aécio Neves

Fonte: Revista Época

Líderes, construtores, heróis e artistas: confira quem, do país, exerce mais influência

Qualquer um que queira entender as transformações por que o Brasil vem passando deve olhar com cuidado para a lista que publicamos nas próximas páginas. Nelas estão 100 pessoas que se destacaram pelo exercício do poder, pela construção de um projeto, pela inspiração, pelo talento. Por meio de seus perfis, é possível entender melhor os caminhos, as apostas, os desafios do país.

Este é o quarto ano em que publicamos a lista – e produzi-la é uma tarefa árdua. O trabalho envolveu praticamente toda a redação de ÉPOCA, com a valiosa colaboração de milhares de leitores (que fizeram suas indicações pelo site) e de especialistas nas diversas áreas. Para escrever os perfis, convidamos 99 personalidades (um dos textos é sobre um casal) que tivessem afinidade com o homenageado ou com a área. São a garantia de fornecer a você, leitor, um olhar privilegiado, diverso, atual sobre nossa realidade.

Líderes
Quem são os líderes mais influentes de 2010
As 100 pessoas que se destacaram em 2010 pelo exercício do poder, pela construção de um projeto, pela inspiração, pelo talento, foram classificadas em quatro grupos: líderes, construtores, heróis e artistas. Por meio de seus perfis, é possível entender melhor os caminhos, as apostas, os desafios do país.

Aécio Neves

O grande vencedor da oposição elegeu o sucessor em Minas e terá no Senado uma poderosa tribuna nacional

Admiro o senador Aécio Neves por sua liderança, capacidade administrativa, habilidade política e sensibilidade, que é muito forte. É um político extremamente carismático. Eu o acompanhei durante estes oito anos, como secretário de Estado e depois como vice-governador, e mais intensamente agora, nacampanha eleitoral de 2010 em Minas Gerais.

Percorremos juntos todo o Estado por duas vezes, neste ano. A primeira, no primeiro turno, na campanha que resultaria em minha eleição para o governo do Estado e na de Itamar Franco e do próprio Aécio para o Senado. Depois, no segundo turno, com o candidato à Presidência José Serra. Nós percebemos no governador Aécio, na relação que tem com as pessoas, uma força extraordinária: é naturalmente uma pessoa bem-humorada, de bem com a vida. É muito bom conviver com ele. É um líder único, pois conjuga capacidade de gestão e habilidade política, sempre atento às necessidades da população e das pessoas mais carentes.

Por Antonio Anastasia – Governador eleito (PSDB) de Minas Gerais


ÉPOCA 100 – Os brasileiros mais influentes de 2010 – Antonio Anastasia

O mago da gestão pública de Minas Gerais triunfa nas urnas e alça voo na política

Uma semana após a eleição de Aécio Neves para seu primeiro mandato de governador, em 2001, recebemos, eu e o professor José Godoy, a visita do professor Antonio Anastasia. Ele chegou lá pelas 5 horas da tarde e ficamos conversando até as 9 da noite. Ali, juntos, traçamos o que poderia ser feito de nossa parte para ajudar a resolver o problema de 12% de déficit do Estado de Minas Gerais. Combinamos também como participaríamos da transição.

Sob a liderança de Anastasia, então secretário de Planejamento e Gestão, trabalhamos duro, enfrentando muitas dificuldades. Um ano e meio depois, ogovernador Aécio Neves nos convidou e aos empresários patrocinadores para um almoço no Palácio das Mangabeiras quando, de surpresa, anunciou o tão almejado equilíbrio fiscal. Foi uma festa! Mal sabíamos nós que se iniciava naquela hora um movimento muito positivo no Brasil de engajamento dos políticos na linha da gestão, pelo exemplo de Minas Gerais.

Nós, brasileiros, devemos isso ao governo do Aécio Nevese em particular ao trabalho firme, entusiasmante e dedicado de nosso amigo Antonio Anastasia.

Por Vicente Falconi – Professor, consultor de grandes grupos empresariais brasileiros e orientador técnico do Instituto de Desenvolvimento Gerencial (INDG)

 

Governo Anastasia apoia iniciativa cultural: Muro vira painel de arte na Escola Nossa Senhora do Belo Ramo, em Belo Horizonte

As aulas de artes na Escola Estadual Nossa Senhora do Belo Ramo, em Belo Horizonte, não se limitam à sala de aula. Os alunos aproveitam a disciplina para deixar mais bonito o próprio espaço da escola. Com o projeto “Dos Muros Sai Vida”, a professora Vilma Oliveira Coelho ensina técnicas de artes aos estudantes e ainda aproveita para revitalizar os muros da Belo Ramo. Com técnicas de pintura e modelagem em concreto, a professora e os estudantes já coloriram os muros com vários desenhos e fizeram desse espaço um verdadeiro cartão de visitas. “Estamos desenhando girassóis, cujas pétalas são todas em alto-relevo, e colocando um pouco de cor nos muros da escola”, explica Vilma.

Participam da revitalização do muro apenas estudantes do projeto Escola de Tempo Integral, que aproveitam a atividade no contraturno para mudar a cara da escola. São estudantes do 6º ao 9º ano, que fazem ao menos uma visita ao muro por semana e já colheram diversos elogios de funcionários e moradores da região. “A escola ganhou cor, ganhou vida e a pintura está causando um impacto enorme. A população toda se manifestando. Quase todos os dias eu recebo elogios dos vizinhos da escola, das pessoas que passam e até dos demais colegas”, conta Vilma. A professora contou também com a ajuda de pintores voluntários, que se prontificaram a fazer a pintura de partes mais altas do muro.

Dentro da escola a revitalização influenciou outros profissionais. Segundo Vilma Coelho, professores e funcionários de outras áreas já estão de olho em formas de melhorar seus ambientes de trabalho. “O trabalho mudou mesmo a energia das pessoas, todo mundo se mostrou mais interessado em melhorar a escola. O professor de Educação Física aproveitou que a gente estava mexendo com o muro e cuidou da tela da quadra. A bibliotecária também já me propôs um projeto para melhorar o espaço”, conta Vilma, que também estuda um projeto de horta e um projeto de paisagismo para a escola. “Os estudantes também estão gostando muito. Ficaram muito animados com a oportunidade de enfeitar a escola”, completa.

Projeto possível

O projeto “Dos Muros Sai Vida” foi idealizado pela professora Vilma, mas sua realização foi possível por meio de recursos liberados pela Secretaria de Estado de Educação (SEE). A professora apresentou a proposta à equipe do projeto Escola Viva, Comunidade Ativa, que aprovou e liberou cerca de R$ 15 mil para viabilizar a revitalização dos muros. “Se o projeto tiver uma boa justificativa, for bem elaborado e estiver bem elaborado a gente consegue a aprovação. A SEE sempre tem esse interesse em apoiar projetos que auxiliem a educação”, aconselha a professora.

O trabalho no muro segue até o final de outubro e deve terminar somente no início do mês seguinte. A direção da escola já está planejando uma festa de inauguração para comemorar o término do trabalho. A professora vai manter um portfólio com as fotos de todas as etapas da revitalização para servir de arquivo e orientação nas futuras intervenções no espaço da escola.

Endereço da escola

Escola Estadual Nossa Senhora do Belo Ramo

Rua Sebastião de Barros, nº 151, bairro Nova Granada, Belo Horizonte

Anastasia aos eleitores no Debate da Globo: comparem propostas e julguem avanços de Minas

Aécio, Anastaia e Márcio Lacerda

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

 

Em debate da Rede Globo, governador alerta eleitores sobre falsas promessas feitas às vésperas das eleições

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, pediu aos mineiros ainda indecisos sobre o voto para governador do Estado que aproveitem os últimos dias de campanha eleitoral para comparar as propostas dos candidatos e julgar tudo que foi feito nos últimos anos pelo Governo do Estado. Anastasia participou do debate promovido pela Rede Globo de Televisão, na noite desta terça-feira (28/09), quando mostrou com clareza seus compromissos para manter os avanços sociais e econômicos conquistados por Minas Gerais durante o seu governo e do ex-governador Aécio Neves.

“É o eleitor mineiro soberano, autônomo, com base na sua história e trajetória que de maneira livre vai decidir o nosso futuro. Compare as propostas, julgue o que fizemos ao longo dos últimos oito anos e tenho certeza que, lá dentro, você vai perceber que Minas avançou muito. E vai avançar mais ainda”, disse Anastasia.

O governador Antonio Anastasia também aproveitou o último debate antes das eleições do próximo domingo (03/10) para agradecer o imenso apoio que ele e seus candidatos ao Senado, Aécio Neves e Itamar Franco, vêm recebendo dos mineiros. Mesmo na liderança em todas as pesquisas eleitorais, Anastasia voltou a pedir o voto dos mineiros pela sua reeleição.

“Quero agradecer a você que me recebeu na sua cidade de maneira tão carinhosa e amiga. Juntamente com Aécio e Itamar Franco corremos toda Minas, mostrando as nossas ideias, as nossas propostas, o que fizemos. O nosso estímulo, agora, nessa candidatura à reeleição, é continuar avançando, continuar fazendo por Minas Gerais aquilo que sentimos que é a grande necessidade. É o avanço fundamental nas diversas políticas sociais, econômicas e de infraestrutura. Por isso mesmo, peço seu voto, seu voto de confiança para Minas e pelo Brasil”, disse Anastasia.

Avanços conquistados

Durante o debate, o governador mostrou ser o candidato mais preparado para colocar em prática propostas e programas com o objetivo de acelerar o crescimento econômico e as melhorias sociais do Estado. Nestes últimos anos, durante os governos de Anastasia e Aécio, Minas Gerais apresentou crescimentos na geração de emprego, no Produto Interno Bruto (PIB) e nas exportações acima da média nacional. A redução da mortalidade infantil, da desnutrição infantil e da pobreza em Minas também foi maior do que no restante do país.

“Isso demonstra que estamos no caminho certo. Não podemos retroceder, não podemos voltar para trás. Temos que continuar avançando e, por isso mesmo, nesse avanço é que estamos apresentando essas novas ideias, sabendo que muito foi feito, mas ainda há muito o que fazer. Por isso, eu espero sempre a confiança dos mineiros para continuar a bela obra realizada em Minas pelo governador Aécio Neves e por toda a nossa equipe”, afirmou Anastasia.

Falsas promessas e má fé

O governador também alertou sobre a tentativa de outros candidatos de lançarem falsas promessas na tentativa de iludir o eleitorado mineiro. Anastasia também lamentou a postura de candidatos que se utilizam da má fé para desrespeitar o que foi feito pelo Governo do Estado nos últimos anos.

“As candidaturas não podem querer destruir, porque só podemos pensar na boa política se percebermos o avanço positivo e não criticando, destruindo, porque a crítica demasiada, ela desqualifica quem o faz, ela torna, na verdade, a inverdade uma realidade. É desconhecimento misturado com a má fé de tentar iludir as pessoas nesse momento eleitoral. Mas eu confio nos mineiros, porque eles conhecem a verdade e sabem o que foi feito”, afirmou.

Competência comprovada

O governador Antonio Anastasia relembrou que o seu governo e de Aécio Neves demonstraram, nos últimos anos, competência na gestão dos recursos, de programas sociais e nas obras públicas. Segundo ele, isso credencia o Governo do Estado a propor alternativas ao governo federal para tirar do papel obras paralisadas, como a duplicação da BR-381, a recuperação do Anel Rodoviário de Belo Horizonte e a retomada do metrô da capital, todas de responsabilidade exclusiva da União.

“Temos aqui a responsabilidade de todos os mineiros, da bancada federal, do governador do Estado, de apresentarmos as propostas e as alternativas. No caso do Anel Rodoviário, por exemplo, houve um problema recente na licitação, por parte do DNIT. Imediatamente, como governador de Minas, fiz contato com o ministro dos Transportes, oferecendo que o Estado possa fazer a licitação. Porque mostramos competência, fizemos a Linha Verde, a Cristiano Machado, a Antônio Carlos, o Boulevard Arrudas, tudo de acordo com as melhores técnicas e em pouco tempo. Então, temos condições de fazê-lo”, explicou Anastasia.

Novas propostas para as estradas

Em relação à BR-381, conhecida como a “rodovia da morte”, de responsabilidade do governo federal, o governador afirmou que continuará cobrando a sua duplicação, mas já colocou em seu Plano de Governo propostas alternativas.

“Lamentavelmente, o governo federal ainda não conseguiu apresentar o modelo adequado. A licença ambiental, por exemplo, foi concedida pelo Estado há três anos e estamos ainda aguardando o início das obras. Coloquei em meu plano de governo, inclusive, a possibilidade de termos estradas estaduais alternativas, enquanto essa obra federal não se realiza”, ressaltou.

Anastasia também fez um balanço das obras do Estado nas rodovias mineiras e apresentou propostas para melhorar ainda mais a qualidade da malha viária sob responsabilidade do Governo de Minas.

“Temos estradas federais e estaduais. Nas estaduais, ao longo dos últimos anos, com o governador Aécio Neves e, agora comigo, fizemos uma verdadeira revolução. Fizemos o Proacesso, que levou pavimentação a 200 municípios que não tinham ainda ligação por asfalto. E fizemos o Pro-MG, para a recuperação das estradas estaduais em toda Minas. Ao mesmo tempo, estamos preparando agora o Caminhos de Minas, para interligar todo o Estado”, ressaltou.

Avanços sociais

Durante o debate, Anastasia também aproveitou para apresentar suas propostas nas áreas sociais e apontar os avanços conquistados nos últimos anos. Segundo ele, melhorar os indicadores da saúde, educação, segurança e saneamento será o grande desafio para os próximos quatro anos.

“Esse é o grande desafio. Agora, é bom lembrar que tudo isso se fez sob a égide do social, o social verdadeiro, o social que apresenta resultados, com ousadia, com metas, com programa bastante efetivo. E não o social do discurso, que aparece agora na hora da campanha”, afirmou.

O governador destacou que nos últimos anos o Estado aumentou em 700% os recursos alocados na saúde. Ele lembrou que este aumento de investimento possibilitou a reforma de 130 hospitais regionais, o aumento na distribuição gratuita de remédios, a construção de unidades básicas de saúde e resultados como a redução da mortalidade infantil em 22%.

“Vamos continuar evoluindo bastante. A saúde é prioridade máxima do nosso governo. Foi de Aécio, é minha e será minha também no próximo mandato. Sabemos que podemos e vamos continuar avançando. O nosso processo de descentralização já avançou demais. Vamos continuar fazendo as parcerias com as prefeituras, construindo os hospitais regionais e municipais, que vão atender de maneira muito efetiva a população, para permitir que as pessoas tenham a saúde mais próxima de sua casa”, propôs.

Geração de empregos

Anastasia voltou a defender a geração de empregos de qualidade como a melhor forma de conquistar avanços sociais. Segundo ele, durante o seu governo e de Aécio Neves, o primeiro passo foi feito: dotar Minas Gerais de “infraestrutura social”.

“Temos que gerar uma infraestrutura social, econômica e física. Estradas, aeroportos, toda estrutura necessária de saneamento, de habitação. Melhorar as escolas, a saúde, a segurança. O que já estamos fazendo. Os resultados estão aí e os mineiros acompanham e aplaudem o que foi feito no governo Aécio e, agora, no meu governo. Ou seja, criamos um ambiente propício e, agora, vamos dar um passo avante”, detalhou.

Narcio desmente adversários

Fonte: Matheus Jasper Nangino – O Tempo

Presidente do PSDB dispara: candidato do PMDB ao governo inventa números e exercita a mentira. “Anastasia só ficou mais conhecido com o horário eleitoral”, analisa deputado

O presidente do PSDB em Minas, deputado Narcio Rodrigues, defendeu ontem o governo de Aécio Neves (PSDB) e a candidatura de Antonio Anastasia (PSDB), contra as acusações do candidato do PMDB, Hélio Costa. Para o deputado, o peemedebista inventa números e ignora a realidade. “O Hélio aprendeu a lidar com números como criança que brinca com espaçonave. Ele inventa números em um exercício da mentira. Se nós tivéssemos feito a campanha assim como ele diz, não teríamos a dificuldade que tivemos para dar a Anastasia a vantagem nas pesquisas”.

O deputado se referia à afirmativa de Hélio Costa de que hoje é feito no Estado uma “política mais coronelista do que há 20 anos atrás” e que o governo atual é bem avaliado “porque gastou R$ 1,2 bilhão em publicidade”. As declarações de Hélio foram dadas durante sabatina realizada pelo jornal O TEMPO.

Segundo Nárcio, Anastasia entrou em desvantagem no processo eleitoral exatamente por causa do alto grau de desconhecimento da população em relação a seu nome. Segundo o presidente do PSDB, só a partir do momento em que Anastasia ficou conhecido (por meio do horário eleitoral), começou a crescer.

“Foi só igualar as oportunidades que passamos à frente. Até então, quem vinha gastando dinheiro era o governo Lula que nunca deixou de investir em sua candidata”, afirmou Nárcio, rebatendo Hélio, segundo o qual a máquina do Estado exerce enorme influência nessas eleições a favor de Anastasia. Nárcio afirmou que o PSDB só colocou as eleições nas ruas, depois que foi aberto o período eleitoral, ao contrário de Dilma Rousseff (PT), candidata à Presidência apoiada por Lula que, segundo ele, teve um processo de divulgação muito maior antes mesmo de se tornar oficialmente candidata. “Falou-se que as eleições eram irreversíveis, mas, com o horário eleitoral, colocamos o nosso candidato (Anastasia) em condição de disputa, mostrando as qualidade que ele tem”, afirmou.

Para o presidente tucano, Anastasia é o mais preparado para conduzir o Estado e dar continuidade ao governo que fez Aécio Neves.Já Hélio estaria se mostrando “um cara que não sabe lidar com as adversidades, com os fatos reais”. “Mostra que não tem preparo para governar Minas, porque não aceita a derrota. Ele tem lutado contra um projeto que agrada o Estado. As suas aventuras não conseguiram dominar a população”, disse.

Governo

Despachos. Ontem, Anastasia reservou o dia para se ocupar com a agenda de governo. Ele realizou diversas audiências e despachos com secretários de Estado. À noite, ele participou do debate promovido pela TV Globo.

“Aécio vai se firmar grande líder nacional”

“Sem dúvida, o resultado vai consolidar Aécio como o grande líder nacional, protagonista do jogo político a partir do ano que vem, independente do resultado para a Presidência”. Essa é a opinião do presidente do PSDB em Minas, deputado Nárcio Rodrigues. Segundo ele, as eleições deste ano serão determinantes para colocar o ex-governador Aécio Neves como “ator principal” no cenário nacional.

Além de Antonio Anastasia como sucessor de Aécio, o presidente tucano espera que a coligação eleja a maior bancada de deputados estaduais e federais, “Isso vai fazer com que Aécio exerça influência positiva na nova agenda nacional. Independente do cargo que ocupar, ele terá papel preponderante”, afirmou Nárcio. (MJN)

Leia no original: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdEdicao=1803&IdCanal=1&IdSubCanal=&IdNoticia=152352&IdTipoNoticia=1

Folha: Anastasia lembra que ministério de Patrus Ananias apontou Minas como o Estado líder na implementação do Sistema Único de Assistência Social

Convergência e afirmação de Minas

Fonte: Folha de S. Paulo

No centro da inovação do nosso modelo está a ideia-força da gestão de qualidade, com planejamento rigoroso e qualidade nos gastos públicos

A ampla aliança que se formou em Minas em apoio ao nosso projeto político não nasceu ontem, apenas para atender a urgência ou as circunstâncias da disputa eleitoral em curso. Não é fruto de intervenções de cúpula, vetos partidários ou imposições travestidas de entendimento, para atender a interesses estranhos a Minas e que nada têm a ver com a vida dos mineiros.

A nossa aliança resulta de grande convergência em torno de um governo sério, solidário, ousado e transformador, que conquistou, nesses últimos anos, com Aécio Neves à frente, a maior aprovação de toda a nossa história, e que agora, se assim os mineiros decidirem nas urnas, terei o desafio de continuar e fazer avançar ainda mais.

Nesse tempo, firmamos parcerias com todos os governos, principalmente com o governo federal, sem qualquer constrangimento político; governamos com todas as prefeituras, mesmo as que estão sob a responsabilidade de prefeitos de oposição; e soubemos compartilhar trabalho, recursos e esforços com múltiplos segmentos da nossa sociedade organizada.

Por isso avançamos tanto.

O amplo reconhecimento sobre a gestão de Minas é ainda mais substantivo porque está respaldado por instituições e autoridades que não estão no nosso campo político. O governo federal, por exemplo, reconheceu a excelência da educação pública de Minas, quando posicionou o Estado em 1º lugar em educação básica, segundo o Ideb.

Na área de assistência social, lembra, enquanto o ranking nacional existiu.

Diversas unidades da Federação buscaram aqui ideias e projetos inovadores, testados e aprovados, como solução para antigos problemas ainda renitentes Brasil afora.

No plano internacional, fomos o único Estado subnacional do mundo convidado a apresentar o nosso modelo de gestão na reunião anual de governança do Banco Mundial.

No centro da inovação do nosso modelo está a ideia-força da gestão de qualidade, com planejamento rigoroso, austeridade fiscal, qualidade nos gastos públicos; ação integrada e efetivo controle de resultados. O ponto de chegada nunca foi outro se não o de governar para melhorar a vida das pessoas.

Por isso, nesse período, tiramos o compromisso com a equidade do papel e do discurso e investimos três vezes mais por habitante nas regiões mais pobres. Os investimentos em educação cresceram 277%; em segurança, 500%; em saúde, 732%. A pobreza caiu 46%; a mortalidade infantil, 22%; e a desnutrição caiu pela metade.

Estamos tirando do isolamento mais de 200 cidades ainda ligadas por estradas de terra; o saneamento subsidiado alcança comunidades que nunca contaram com a efetiva presença do Estado; a energia alcança todo o interior, as localidades mais distantes; a telefonia celular não é mais privilégio apenas das grandes cidades.

A economia mineira cresceu quase sempre acima da média nacional e geramos proporcionalmente mais empregos que a média brasileira. Já alcançamos cinco das oito metas do milênio. E o Ipea projeta que vamos erradicar, três anos antes do país, a pobreza extrema.

Esses são resultados de governo e projeto que têm os pés no presente e preparam o futuro sem se afastar, um só instante sequer, dos nossos valores e da nossa história. Tenho convicção de que esta Minas autônoma, altiva e próspera, senhora do seu destino, pode contribuir muito mais com a construção do Brasil do nosso tempo.

ANTONIO ANASTASIA, 49, advogado, é governador de Minas Gerais e candidato à reeleição pelo PSDB.

Em Uberlândia, Anastasia destaca que ele, Aécio e Itamar trabalham com a verdade

Anastasia destaca que ele, Aécio e Itamar trabalham com a verdade em suas propostas e no programa eleitoral

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Em visita a Uberlândia, o governador falou de suas propostas para a saúde e segurança pública

O governador Antonio Anastasia afirmou, nesta segunda-feira (27/09), que desde o início do processo eleitoral, as campanhas à sua reeleição e a de Aécio Neves e Itamar Franco ao Senado trabalharam com a verdade tanto nas propostas apresentadas aos mineiros quanto nos programas eleitorais e nos apoios políticos que receberam nestes últimos três meses. Em Uberlândia (Triângulo Mineiro), ao lado do ex-governador Aécio Neves, Anastasia disse que os eleitores estão reconhecendo a forma sincera e limpa com que os candidatos da Coligação “Somos Minas Gerais” estão trabalhando durante a campanha eleitoral.

“Vamos manter a mesma estratégia traçada desde o início da campanha. Estamos trabalhando sempre com a verdade. Na propaganda eleitoral, com nossos apoios, entre os candidatos a deputado estadual e federal, andando Minas com Aécio e Itamar. Com nossas lideranças políticas, prefeitos, vice-prefeitos, ex-prefeitos, vereadores, de maneira muito verdadeira, carinhosa e otimista. Estamos tendo o reconhecimento das pessoas. As pessoas que estão vendo exatamente o que foi feito ao longo do governo, nestes últimos anos”, afirmou Anastasia.

Após passar por Coromandel e Araguari, Anastasia se surpreendeu com a grande festa preparada para recebê-lo em Uberlândia. Ainda no aeroporto, o governador comentou os resultados das pesquisas que o colocam na liderança e com boa vantagem sobre o segundo colocado.

“Estou muito feliz e continuo com esse compromisso com Minas Gerais, para fazermos um trabalho firme, dando sequência ao que o governador Aécio Neves fez ao longo dos últimos anos. Agora, primeiro, vamos vencer as eleições. Estamos com muito pé no chão, com muita realidade, otimismo, mas também com muita humildade para continuarmos trabalhando firmes para que no dia 3 de outubro, no próximo domingo, possamos ter a vitória eleitoral”, afirmou.

A pesquisa Ibope divulgada também na noite de hoje, traz Anastasia com 46% das intenções de voto contra 33%, do segundo colocado. Segundo o Ibope, Antonio Anastasia seria eleito no primeiro turno com 57% dos votos válidos.

A nova pesquisa Ibope foi realizada entre os dias 23 e 25 de setembro. Foram entrevistados 2.002 eleitores em Minas. A margem de erro é de dois pontos percentuais. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG) com o número 74106/2010.

Segurança
Em Uberlândia, Anastasia falou das propostas para a segurança pública previstas em seu Plano de Governo. Entre as ações está o aumento dos efetivos das polícias Militar e Civil, o reforço do programa Cinturão de Seguranças nas cidades de divisa com outros estados e a implantação do programa Segurança no Campo.

Anastasia lembrou que, Minas, em relação ao orçamento, foi o estado que mais investiu em segurança entre todos os estados brasileiros. O governador cobrou, ainda, a participação do governo federal nos investimentos em segurança pública.

“Conseguimos tornar Minas Gerais o estado que mais investe em segurança pública em relação ao seu orçamento de todos os estados brasileiros. Conseguimos iniciar um processo de integração das polícias, que é um modelo. Vamos fortalecer um projeto que já existe, de cinturão de segurança, e mais uma vez cobrar do governo federal uma ação mais incisiva na segurança pública. Até o momento, lamentavelmente, nada foi feito por parte da esfera federal, inclusive a não alocação dos recursos do Fundo Penitenciário e do Fundo de Segurança”, disse.

Hospital Municipal
Anastasia também ressaltou os investimentos em saúde realizados pelo Governo do Estado em Uberlândia. Segundo ele, com a entrada em operação do Hospital Municipal, que está sendo construído numa parceria entre Estado e município, o Hospital das Clínicas, da Universidade Federal de Uberlândia, terá mais condições para atender as demandas regionais. O Governo do Estado está investindo R$ 28 milhões na construção do Hospital Municipal e compra de equipamentos.

“Uberlândia, portanto, terá uma cobertura total de saúde pública. Terá equipes de programa de saúde da família, equipes intermediárias de unidades básicas de saúde, unidades de pronto atendimento e terá dois grandes hospitais. Um hospital regional, que é o hospital das clínicas, já existente, em parceria com o Governo do Estado e da universidade e um grande hospital, o municipal, o mais moderno hospital público de Minas Gerais e um dos melhores do Brasil”, afirmou.

Em Uberlândia, Anastasia e Aécio Neves, acompanhado do prefeito Odelmo Leão e de lideranças políticas, participaram de carreata e fizeram uma caminhada no centro da cidade. Lá, visitaram o terminal central de ônibus, onde cumprimentaram lojistas. Durante a caminhada, eles foram cumprimentados por um grupo de surdos e mudos.

Educação
Em Coromandel, os candidatos tiveram a grata surpresa de ouvir as palavras de agradecimento de Vera Lúcia Guimarães, diretora da escola Osório de Morais, considerada a melhor escola estadual de ensino fundamental de Minas Gerais, de acordo com o Índice de Desenvolvimento da Educação Fundamental (Ideb), do Ministério da Educação (MEC). A diretora da escola, que tem turmas de primeira à quinta-série do Ensino Fundamental, estava acompanhada de dois alunos, Kauane e Bernard, que entregaram um presente ao governador.

“Temos muito o que agradecer ao Governo de Minas pela colaboração que tem dado às escolas estaduais, principalmente, a nossa escola. A Escola Osório de Morais sempre recebeu o apoio do Governo de Minas e temos todo esse mérito graças ao esforço de Aécio Neves e Anastasia. Nós só temos que caminhar numa trajetória que já deu certo”, afirmou a diretora.

Em Coromandel, Anastasia e Itamar foram recepcionados pela prefeita Dione Maria Peres (PMDB) e lideranças locais. Os candidatos foram saudados por um buzinaço e saíram do aeroporto em carreata, formada por pelo menos 100 veículos.

Ao longo de todo o percurso, os candidatos eram cumprimentados pela população que acenava e gritava palavras de apoio. Anastasia fez um discurso de improviso para agradecer a recepção calorosa dos moradores de Coromandel.

Araguari
Em Araguari, Anastasia e Itamar encontraram-se com o ex-governador Aécio Neves. Sob forte chuva, os candidatos foram recebidos pelo prefeito da cidade, Marcos Coelho (PMDB), e por 200 pessoas, entre apoiadores e lideranças municipais.

O prefeito de Araguari, Marcos Coelho (PMDB), mesmo sendo de partido de oposição, ressaltou os inúmeros investimentos realizados pelo Governo de Minas nos últimos anos e destacou a parceria firmada com o Estado.

“Tenho muito respeito pelo Anastasia. Temos um bom relacionamento de amizade e ele tem contribuído sobremaneira para o município. Asfaltamento, obras de infraestrutura e essa parceria tem se mostrado forte nesses últimos oito anos”, afirmou o prefeito.

Do aeroporto, Antonio Anastasia, Aécio Neves e Itamar Franco seguiram até o Mercado Municipal da Avenida Afonso Pena, no centro da cidade para uma pequena caminhada, onde a todo o momento eram parados pelos eleitores que cumprimentavam os candidatos e pediam para tirar fotos.