Gestão da Saúde: SES promove pesquisa para mapear a saúde bucal da população do Estado

Exames clínicos e questionários vão permitir a caracterização do nível de utilização de serviços odontológicos e dos riscos à Saúde Bucal dos mineiros

links relacionados
Pedro Cisalpino
SB Minas Gerais mapeia a condição da saúde bucal da população mineira
SB Minas Gerais mapeia a condição da saúde bucal da população mineira

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) está realizando uma pesquisa que tem como objetivo mapear as condições de saúde bucal da população mineira, o SB Minas Gerais. Por meio do projeto, a SES-MG pretende identificar os problemas bucais mais frequentes na população, a fim de diagnosticar as necessidades e, formular ações que contemplem prevenção, tratamentos e reabilitação adequados à realidade das comunidades.

Desde o final de abril, moradores de 60 municípios mineiros estão participando do inquérito epidemiológico. Em cada município serão feitos cerca de 100 exames, totalizando, aproximadamente, seis mil exames no Estado. De acordo com a diretora de Saúde Bucal da SES-MG, Daniele Lopes Leal, a pesquisa vai fortalecer a Política de Saúde Bucal, que vem sendo delineada no estado.

“O SB Minas Gerais vai trazer como resultado o diagnóstico epidemiológico de Saúde Bucal da população mineira, a partir do qual serão formuladas ações que contemplem esta população com o desenvolvimento de programas de âmbito estadual”, explica.

Durante a pesquisa, além dos índices tradicionais de medição dos agravos bucais, será aplicado, também, um questionário aos indivíduos examinados.  Dessa forma, serão analisadas as condições de problemas como cárie, doença periodontal, oclusopatias, fluorose (intoxicação pelo flúor e seus derivados), dentre ouras, no sentido de se verificar, além da prevalência, a extensão da gravidade das doenças bucais.

Segundo a diretora, Daniele Leal, a Política Nacional de Saúde Bucal determina a realização de estudos epidemiológicos desse porte como parte componente da Vigilância em Saúde. “A nossa proposta é realizar pesquisas desse tipo a cada 10 anos, com o intuito de avaliar as alterações no quadro epidemiológico da população”, afirma.

O projeto terá financiamento da SES-MG, através da Diretoria de Saúde Bucal, no valor de R$168 mil, sendo que cada município participante vai receber R$ 2.800,00 para pagamento de pessoal e ressarcimento de despesas de deslocamento, além de receber todo o material para realização dos exames.

“Os municípios investem disponibilizando os profissionais para a pesquisa. E o Ministério da Saúde é parceiro no processo, uma vez que toda a metodologia do projeto é do Ministério”, acrescenta a diretora de Saúde Bucal, Daniele Leal.

Participação dos municípios

Para que houvesse representatividade em todo o território do estado de Minas Gerais, os municípios participantes do projeto SB Minas Gerais foram sorteados, seguindo um processo de amostragem probalística.

Nesse processo, foram considerados os grupos etários e o fator de alocação dos municípios, definidos a partir da associação dos índices de necessidade em saúde e de porte econômico, que levam em conta variáveis epidemiológicas e socioeconômicas, além da capacidade do município financiar, com recursos próprios, os cuidados com a saúde dos cidadãos.

Para execução do projeto, os municípios participantes contam com um examinador, um anotador e um coordenador municipal, sendo que os exames são realizados por Cirurgiões Dentistas e os anotadores são profissionais de nível médio, geralmente técnico em Saúde Bucal (TSB) ou auxiliar em Saúde Bucal (ASB), das Secretarias Municipais de Saúde dos próprios municípios.

“As equipes de campo foram treinadas, em oficina com duração de 24 horas, onde foi possível discutir a operacionalização das etapas do trabalho e as atribuições de cada participante, a fim de assegurar um grau aceitável de uniformidade nos procedimentos”, esclarece a diretora de Saúde Bucal da SES-MG.

Metodologia de pesquisa

Durante a pesquisa, o cirurgião dentista vai percorrer a cidade e examinar, em domicílio, o morador que se interessar em participar voluntariamente do Projeto, sendo aptas a participar da pesquisa, pessoas com idades de 05 e 12 anos, 15 a19 anos, 35 a 44 anos e 65 a74 anos.

O voluntário deverá, também, responder um questionário, composto por perguntas subjetivas que vão ajudar na compreensão do processo saúde/doença bucal. “O questionário vai contribuir para a avaliação das condições socioeconômica e de utilização dos serviços, sendo fundamental para a estruturação da Rede Assistencial em Saúde Bucal”, afirma Daniele Leal.

O projeto segue a metodologia do SB Brasil 2010, do Ministério da Saúde, e conta com a colaboração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), que vai avaliar os resultados através do Conselho de Ética em Pesquisa. Outra instituição a avaliar o resultado da pesquisa será o Comitê de Ética em Pesquisa cadastrado junto à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP).

Municípios Participantes

Guaxupé, Conselheiro Lafaiete, Capela Nova, Betim, Contagem, Itabirito, Sabará, Igarapé, Coronel Fabriciano, Pingo-D’água, Naque, Diamantina, Jenipapo de Minas, Serro, Divinópolis, Lagoa da Prata, Onça de Pitangui, Governador Valadares, Central de Minas, Peçanha, São José da Safira, João Monlevade, Virginópolis, Centralina, São Romão, Varzelândia, Juiz de Fora, Arantina, Cataguases, Simonésia, Pedra Bonita, Montes Claros, Janaúba, Monte Azul, Capitão Enéas, Padre Carvalho, Rio Pardo de Minas, Piumhi, Patos de Minas, João Pinheiro, Águas Vermelhas, Santa Maria do Salto, Santa Fé de Minas, Paula Cândido, Santa Rita do Sapucaí, Turvolândia, Piedade do Rio Grande, Sete Lagoas, Teófilo Otoni, Machacalis,Crisólita,Malacacheta, Ubá, Rosário da Limeira, Araxá, Perdizes, Uberlândia, Unaí, Boa Esperança e Varginha.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/ses-promove-pesquisa-para-mapear-a-saude-bucal-da-populacao-do-estado/

Gestão Anastasia: governo de Minas firma convênios para impulsionar mercado de trabalho

Secretário Carlos Pimenta renova parcerias para funcionamento do Sine na capital e interior

Divulgação/Sete
Secretário Carlos Pimenta e prefeito de Pará de Minas, Zezé Porfírio, assinam termo de cooperação
Secretário Carlos Pimenta e prefeito de Pará de Minas, Zezé Porfírio, assinam termo de cooperação

O secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, recebeu nesta quarta-feira (11) os prefeitos de Ibirité, Matozinhos, Pará de Minas, Pompeu e Sabará para renovação dos Convênios de Cooperação Técnica com estes municípios. O termo prevê a manutenção e o funcionamento das unidades do Sistema Nacional de Emprego (Sine) para o período de 2012 a 2013. Na oportunidade, o prefeito de Piumhi também assinou convênio com a Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete) para instalação de uma unidade na cidade.

Para o secretário Carlos Pimenta, as parcerias entre o Governo de Minas e as prefeituras são de suma importância para o funcionamento das 133 unidades do Sine no Estado. “Além dos espaços físicos das unidades, 95% dos nossos funcionários são cedidos pelas prefeituras. A colaboração e apoio dos municípios é que nos ajudam a alcançar grandes resultados na geração de emprego e renda no Estado e inserir tantos mineiros no mercado de trabalho”, afirma.

Nesta quinta-feira (12) outros convênios serão renovados para duas unidades do Sine na capital: com a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e também com a Câmara Municipal de Belo Horizonte. Ainda em 2012, a Sete vai firmar parcerias com outras 13 prefeituras mineiras para instalação de unidades de atendimento ao trabalhador do Sine.

Desenvolvimento regional

Na terça-feira (10), o secretário Carlos Pimenta cumpriu agenda oficial em Espinosa, município localizado no extremo Norte de Minas. Durante a visita, o secretário falou com lideranças regionais, como o prefeito de Espinosa, João Miranda, das cidades de Capitão Éneas, Reinaldo Teixeira, e de Lontra, Ildeu Reis, sobre a importância da qualificação profissional para o desenvolvimento regional.

“Emprego, salário e dignidade são itens de grande importância para o cidadão e nós, da Sete, juntamente a outras pastas do Governo de Minas, temos o compromisso de propiciar isso ao trabalhador mineiro. Mas, para essa conquista é imprescindível que haja qualificação profissional, e é por isso que estamos aqui, pois apostamos no crescimento, desenvolvimento e na geração de oportunidades e empregos no Norte de Minas”, afirmou o secretário Carlos Pimenta.

Para o prefeito de Espinosa, João Miranda, a visita de representantes da Sete é muito importante para o município. “É a primeira vez que um secretário de Estado vem até a prefeitura escutar os anseios da nossa cidade. É muito importante estarmos todos aqui reunidos para discutirmos o desenvolvimento da região por meio da geração de emprego e qualificação”, comemorou o prefeito.

Segundo Carlos Pimenta, diversas ações serão realizadas para estimular o desenvolvimento local. “O mercado de trabalho é dinâmico e para que os trabalhadores não saiam dos seus locais de origem para a busca de uma oportunidade, é necessário qualificá-los para que atendam as demandas dos empregadores. Vamos atender o município de Espinosa com o Projovem Trabalhador, que irá beneficiar 240 jovens com oito cursos. Outra iniciativa de destaque é a implantação do Núcleo de Inclusão Produtiva, que vai abranger também os municípios de Monte Azul e Mato Verde, elaborando planos de sustentabilidade e orientando quanto à implantação e à gestão de empreendimentos individuais, familiares e coletivos dos cidadãos”, garante o secretário.

Na oportunidade, a comitiva visitou duas das 73 fábricas de confecção do município, onde tiveram a oportunidade de conhecer o setor que mais gera empregos e auxilia no desenvolvimento econômico de Espinosa, fornecendo vestuário a 22 estados brasileiros. Participaram da reunião, além do secretário Carlos Pimenta e dos prefeitos, os secretários municipais de Espinosa; o diretor regional da Sete no Norte de Minas, Eliomar Reis; o coordenador do Sine de Espinosa, Gilberto Brases, e representantes comerciais de diversos setores.

Espinosa

Durante o ano de 2011, 868 trabalhadores foram admitidos em Espinosa. Desse total, 286 foram admitidos pela unidade do Sine. Já em janeiro e fevereiro de 2012, o município colocou 111 cidadãos no mercado de trabalho. Para 2012, já estão previstos dois cursos de qualificação profissional, de Pedreiro e de Eletricista, por meio do Usina do Trabalho/Travessia.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-firma-convenios-para-impulsionar-mercado-de-trabalho/

Governo de Minas dá mais um passo para construção de escolas técnicas no Triângulo

Assinado protocolo de intenção que prevê a construção das unidades pelo Programa Brasil Profissionalizado
Divulgação/SEE MG
Secretários Ana Lúcia Gazzola e Narcio Rodrigues firmam acordo com prefeitos de Tupaciguara e Sacramento
Secretários Ana Lúcia Gazzola e Narcio Rodrigues firmam acordo com prefeitos de Tupaciguara e Sacramento

Nessa terça-feira (31), a secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola, assinou com os prefeitos de Tupaciguara e Sacramento, protocolos de intenção para a construção de duas escolas técnicas nos municípios, por meio do Programa Brasil Profissionalizado, do Ministério da Educação. O secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, também participou da assinatura dos protocolos, já que a pasta atua como colaboradora da Educação na continuidade das ações.

A Secretaria de Estado de Educação (SEE) já assinou convênio com o MEC no valor de R$ 14 milhões para a construção das duas unidades. As prefeituras agora devem apresentar a documentação necessária para viabilizar a assinatura do convênio com a SEE, para que os recursos sejam liberados e as obras, iniciadas.

Segundo Ana Lúcia Gazzola, as escolas técnicas possibilitarão o desenvolvimento dessas regiões. “A assinatura desses protocolos firma a parceria com essas prefeituras, para que possamos iniciar a construção dessas escolas e atender melhor a demanda das comunidades locais”, completou.

As escolas seguem o padrão estabelecido pelo Programa Brasil Profissionalizado. O valor previsto para a construção é de R$ 7,2 milhões e cada unidade tem capacidade para 1.200 alunos. A previsão é de que as obras durem um ano e meio.

Narcio Rodrigues reforçou a importância das ações do programa em Minas. “A disponibilidade da SEE fez com que ela pudesse ser a protagonista do Brasil Profissionalizado, até porque a educação técnica está ligada à educação. Nós passamos a ser coadjuvantes e a participar com apoio tecnológico”, afirmou o secretário.

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) deu prioridade a 13 municípios para receberem as escolas técnicas, a partir das vocações e demandas locais. São eles: Bocaiúva, Brasília de Minas, Espinosa, Grão Mogol, Janaúba, Joaíma, Lagoa Santa, Manga, Monte Azul, Pompéu, Ibirité, Taiobeiras e Unaí.

“Uma escola com a proposta de aprimorar o ensino técnico é de extrema importância. É uma oportunidade de capacitação que possibilita que as pessoas ingressem no mercado de trabalho que está surgindo na nossa região”, avaliou o prefeito de Tupaciguara, Alexandre Berquó Dias. O prefeito de Sacramento, Wesley de Santi de Melo, também comemorou o acordo.

As duas cidades ficam no Triângulo Mineiro, sendo que Tupaciguara está mais próxima de Uberlândia e Sacramento, de Uberaba. O município de Tupaciguara vai sediar um dos polos aeronáuticos que integram o Complexo Aeronáutico de Minas Gerais, razão pela qual os cursos serão voltados para a aviação. O projeto é coordenado pela Sectes, com a parceria das Secretarias de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) e de Educação.

Brasil profissionalizado

A iniciativa repassa recursos do Governo Federal para que os estados invistam em suas escolas técnicas. Criado em 2007, o Brasil Profissionalizado possibilita a modernização e a expansão das redes públicas de ensino médio integradas à educação profissional, uma das metas do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). Os recursos do MEC podem ser empregados em obras de infraestrutura, desenvolvimento de gestão, práticas pedagógicas e formação de professores.

Fonte: Agência Minas