Governo de Minas: municípios mineiros produtores de café têm IDH acima da média

Estudo da Emater mostra que cultura está associada não apenas à geração, mas também à distribuição de renda

Divulgação/Seapa
Líder na produção de café no Brasil, Minas produziu, em 2011, 22,2 milhões de sacas
Líder na produção de café no Brasil, Minas produziu, em 2011, 22,2 milhões de sacas

Municípios mineiros que têm no café a base de suas economias registram Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) maior que a média do Estado. A conclusão faz parte de um estudo elaborado pela Emater-MG, abrangendo 100 municípios mineiros, com área plantada acima de 5 mil hectares. As análises da Emater indicam que o IDH médio dos municípios com tradição no cultivo do café está acima de 0,756, enquanto que o IDH médio no Estado é de 0,726, com base nos últimos dados divulgados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Segundo o gerente de Programas Especiais da Emater-MG, Leonardo Kalil, o tamanho da área plantada foi uma variável determinante para o levantamento, porque o café é uma cultura perene, associada à tradição dos municípios. “Não é uma lavoura que se forma de um ano para outro, e para que a cafeicultura atinja área suficiente para ter algum impacto na economia local é preciso tempo e, especialmente, estar associada à cultura da comunidade”, afirma.

Nos municípios pesquisados, ao se comparar o IDH com as áreas plantadas com café, ficou evidenciado que, quanto maior a área plantada, maior o IDH do município. “Isso não é apenas uma questão de preço e mercado”, analisa o gerente da Emater-MG. Segundo ele, o mercado vem passando por bons momentos, os estoques mundiais enfrentaram um período de baixa, o consumo individual vem aumentando, mas a cultura está associada não apenas à geração, mas também à distribuição de renda.  Os cinco municípios com a maior área plantada de café em Minas Gerais, em 2011, têm um índice superior à média do todo o Estado. São eles: Patrocínio (0,799); Três Pontas (0,733); Manhuaçu (0,776); Monte Carmelo (0,768) e Nepomuceno (0,747).

“É uma cultura que emprega muita mão de obra não apenas nas lavouras, mas na cadeia produtiva como um todo. Além disso, apresenta um faturamento por área muito bom, em comparação com outras atividades agropecuárias”, afirma. De acordo com seus cálculos, uma lavoura com produtividade média de 25 sacas por hectare pode render cerca de R$ 10 mil por hectare, se cada saca for comercializada ao preço médio atual de R$ 400. “É um bom retorno financeiro, se compararmos ao conseguido com o eucalipto, por exemplo, que na média do Estado gira em torno de R$ 2,28 mil por hectare ao ano”, compara.

Segundo o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Nascimento, o estudo evidencia a força da cultura no Estado. “O café lidera as exportações do agronegócio mineiro e mantém a condição de segundo produto da nossa pauta geral de exportação, depois do minério de ferro. Além de gerar emprego e renda, é um importante fator de inclusão social”, afirma.

Líder na produção de café no Brasil, responsável por 51% do total, Minas Gerais produziu, em 2011, 22,2 milhões de sacas, em uma área plantada de 1 milhão de hectares, distribuídos por mais de 600 municípios.

Índice de Desenvolvimento Humano

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa usada para classificar os países ou determinada região pelo seu grau de desenvolvimento humano, tendo como critérios de avaliação os índices de educação, longevidade e a renda per capta. O IDH é utilizado no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e seus valores variam entre 0,4999 (baixo), 0,5 a 0,799 (médio) e acima de 0,8 (alto). Quanto mais próximo de 1,0, melhor é o IDH de determinada região ou país.

Números do IDH

– IDH de MG: 0,726

– IDH médio dos municípios com mais de 5 mil hectares de café: 0,756

– Municípios com as maiores áreas plantadas de café em 2011 e o IDH:

1)Patrocínio – 29,9 mil hectares – IDH 0,799

2) Três Pontas – 18,5 mil hectares – IDH 0,733

3) Manhuaçu – 18,2 mil hectares – IDH 0,776

4) Monte Carmelo – 15 mil hectares – IDH 0,768

5) Nepomuceno – 14,2 mil hectares – IDH 0,747

Fonte: Emater-MG (com base nos dados do PNUD)

Governo de Minas: Secretário de Agricultura participa do 16º Simpósio sobre Cafeicultura de Montanha, em Manhuaçu

O encontro pretende reunir cerca de 1,2 mil produtores de café e as principais lideranças do segmento

O secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas, Elmiro Nascimento, participa nesta quarta-feira (21), às 9h, da solenidade de abertura do 16º Simpósio sobre Cafeicultura de Montanha, em Manhuaçu, na Zona da Mata.

O encontro pretende reunir cerca de 1,2 mil produtores de café e as principais lideranças do segmento para debater ações que garantam produtividade e mercado para a cafeicultura na região de montanha, com o objetivo de difundir conhecimento e promover troca de experiência no setor cafeeiro.

Manhuaçu é o maior produtor de café da Zona da Mata e ocupa a quarta colocação no ranking estadual. De acordo com o IBGE, a previsão de safra para o município neste ano é de aproximadamente 450 mil sacas.

O evento, que vai até sexta-feira (23), é realizado pela Associação Comercial, Industrial e Agronegócios de Manhuaçu (Aciam) e conta com o apoio da  Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), por meio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) e da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig).

Minas lidera produção

Minas Gerais ocupa a liderança na produção de café no país. Para 2012, a safra prevista deverá ficar entre 25,5 milhões e 27,1 milhões de sacas, o correspondente a 51,9%, da produção nacional. No ano passado, os cafeicultores mineiros exportaram o equivalente a US$ 5,8 bilhões, ou seja, 59,8% de toda a exportação do agronegócio mineiro (US$ 9,7 bilhões).

De janeiro a fevereiro de 2012, o café produzido em Minas Gerais obteve no mercado mundial a receita de US$ 828 milhões, segundo maior valor já registrado.

Os baixos estoques mundiais de café e a aceitação crescente do produto de Minas Gerais no exterior são comprovados pela alta cotação do grão. Entre janeiro e fevereiro deste ano, a tonelada do produto foi comercializada por US$ 4,9 mil, cotação 26,2% superior à registrada em idêntico período de 2011.

Serviço:

Abertura Oficial do 16º Simpósio sobre Cafeicultura de Montanha

Data: 21 de março

Horário: 9h

Local: Parque de Exposições Fernando Maurílio Lopes – Rodovia 262 – km 40 – Ponte da Aldeia – Manhuaçu/MG

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretario-de-agricultura-participa-do-16o-simposio-sobre-cafeicultura-de-montanha-em-manhuacu/

Governo de Minas: Anastasia participa de lançamento do livro “A Execução Penal à Luz do Método Apac”

Para governador, resultados da metodologia de recuperação são muito melhores do que os alcançados pelas instituições prisionais tradicionais

Omar Freire/Imprensa MG
Anastasia recebe livro das mãos do presidente do TJMG, desembargador Cláudio Costa
Anastasia recebe livro das mãos do presidente do TJMG, desembargador Cláudio Costa

O governador Antonio Anastasia participou, nesta sexta-feira (16), no auditório da Unidade Raja Gabaglia do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), do lançamento do livro A Execução Penal à Luz do Método APAC. Organizado pela desembargadora Jane Ribeiro Silva, a publicação tem prefácio do governador Anastasia, posfácio do desembargador Joaquim Alves de Andrade e artigos de 23 advogados, juízes, procuradores e desembargadores de Justiça.

O objetivo do livro é divulgar o método da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) para recuperar e ressocializar presos que cumprem pena nas penitenciárias do país e que se tornou referência para a Lei de Execução Penal brasileira. As Apacs se tornaram importantes instrumentos para desafogar o sistema prisional.

O presidente do TJMG, desembargador Cláudio Costa, entregou um exemplar do livro ao governador Anastasia. Também participaram da solenidade, o presidente do Conselho da Apac, juiz Paulo Antônio de Carvalho, o segundo vice-presidente do TJMG, Joaquim Herculano Rodrigues, entre outras autoridades.

Antonio Anastasia classificou como fato memorável a organização e publicação do livro. “Há alguns anos, muitos duvidavam das ações do método Apac. Hoje, pelo esforço da doutora Jane e dos autores deste livro, já temos uma doutrina do método Apac. Temos de apostar e investir em uma metodologia muito mais racional, com resultados muito melhores de recuperação do que os das instituições prisionais tradicionais. A publicação desta obra é o reconhecimento publico de que estamos no caminho certo com reconhecimento judicial e da sociedade”, afirmou.

Apac

As unidades Apac funcionam como albergues, em que os condenados são mantidos em regime semiaberto. As ações de recuperação e ressocialização são baseadas na participação da comunidade, no trabalho, religião, na assistência jurídica e de saúde, na valorização humana e no apoio da família.

Em Minas, existem 36 unidades Apac. A primeira experiência foi implantada em 1986, em Itaúna, e hoje é reconhecida nacionalmente como modelo na recuperação de condenados. Desde 2003, o Governo de Minas celebrou 36 convênios com as Apacs, sendo nove para construção e 27 para manutenção e despesas, totalizando 2.164 vagas mantidas com verbas do Estado. Cumprem pena em Apacs 1.556 recuperandos. Em 2011, o Governo de Minas investiu R$ 15,2 milhões na manutenção e construção de unidades. Este ano, a previsão de investimentos é de R$ 16 milhões.

As Apacs conveniadas estão localizadas nos municípios de Alfenas, Araxá, Arcos, Campo Belo, Caratinga, Frutal, Governador Valadares, Inhapim, Itajubá, Itaúna, Ituiutaba, Januária, Lagoa da Prata, Leopoldina, Machado, Manhuaçu, Nova Lima, Paracatu, Passos, Patrocínio, Perdões, Pirapora, Pouso Alegre, Rio Piracicaba, Sacramento, Santa Bárbara, Santa Luzia, Santa Maria do Suaçuí, São João del-Rei, Sete Lagoas, Uberlândia e Viçosa.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Epamig realiza três minicursos no 16º Simpósio de Cafeicultura em Manhuaçu

Tecnologias desenvolvidas pela empresa em cafeicultura serão apresentadas

Ana Cristina Ajub
Estande da Epamig foi um dos mais procurados no simpósio do ano passado
Estande da Epamig foi um dos mais procurados no simpósio do ano passado

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) vai ampliar a participação no 16º Simpósio sobre Cafeicultura de Montanha, que será realizado de 21 a 23 deste mês, no Parque de Exposições de Manhuaçu. Nesta edição, as tecnologias desenvolvidas pela empresa em cafeicultura serão apresentadas em três minicursos e difundidas por meio de estande, onde o público poderá ser atendido pelos pesquisadores e ter acesso às publicações da Epamig.

Considerado um dos mais importantes da Zona da Mata, o simpósio pretende reunir cerca de 1,5 mil produtores de café e as principais lideranças do setor para debater ações que garantam produtividade e mercado para a cafeicultura na região de montanha. A realização é da Associação Comercial, Industrial e Agronegócios de Manhuaçu (ACIAM), com o objetivo de difundir conhecimento e promover troca de experiências no setor cafeeiro.

A Epamig Regional Zona da Mata será responsável por três minicursos. No dia 21, às 14h, os pesquisadores Antônio Alves Pereira (Tonico), Felipe Lopes da Silva e Antônio Carlos Baião de Oliveira (Epamig/Embrapa) vão apresentar o tema “Cultivares de café para as montanhas de Minas”. Na quinta-feira (22), o tema “Boas práticas agrícolas para cafeicultura de montanha” será apresentado a partir das 9h pelo pesquisador Marcelo de Freitas Ribeiro; e, às 17h, o pesquisador Sérgio Maurício Donzeles vai apresentar o tema “Uso e tipos de secadores mecânicos para secagem e obtenção de café de qualidade vai abordar”. As inscrições poderão ser efetuadas nos estandes da ACIAM e da Emater.

A expectativa, segundo o chefe do Centro de Pesquisa da Epamig Zona da Mata, Trazilbo José de Paula Júnior, é tornar a empresa ainda mais atuante na região, considerada muito importante para o agronegócio cafeeiro de Minas Gerais. “Temos muitas tecnologias, incluindo cultivares de café, que respondem às demandas dos cafeicultores da região”, ressalta.

Foco na produtividade e no mercado

Com foco na produtividade e no mercado, as atividades desta edição do Simpósio sobre Cafeicultura de Montanha vão tratar das novidades e dos programas que vem sendo lançados pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), de forma a aproximar os produtores das estratégias para o desenvolvimento do setor. Segundo os organizadores, o simpósio evoluiu com a cafeicultura da região, que já apresenta um produto de melhor qualidade, com produtores mais preparados e com maior conhecimento da atividade. A programação completa pode ser conferida no site http://www.simposiodecafeicultura.com.br.

Fonte: Agência Minas

Blog do Anastasia – Gestão em Minas: depósito avançado do Governo de Minas é inaugurado na cidade de Pouso Alegre

 

POUSO ALEGRE (10/01/12) – Foi inaugurado nesta terça-feira (10), em Pouso Alegre, no Sul de Minas, mais um depósito avançado do Governo de Minas, montado pela Coordenadoria Estadual da Defesa Civil (Cedec/MG) em conjunto com o Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas). O depósito, construído no 20º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais, recebe e armazena material de ajuda humanitária e donativos adquiridos pela Cedec, distribuídos aos municípios que, eventualmente, são prejudicados com as fortes chuvas.

O secretário-executivo Estadual da Defesa Civil, coronel Eduardo César Reis, que representou o chefe da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais, coronel Luis Carlos Martins, explicou que, por meio dos depósitos avançados, é possível fazer com que os materiais de ajuda humanitária cheguem com mais rapidez às populações afetadas.

“A Cedec de Minas atua de forma descentralizada através de regionais de Defesa Civil que coincidem com as regiões da Polícia Militar. Temos 13 depósitos avançados que funcionam em instalações da Polícia Militar, para atender prontamente às demandas, além de ficarem mais próximos das comunidades afetadas. O município afetado faz a solicitação de ajuda humanitária pelo meio mais rápido possível, telefone, fax ou e-mail e, a partir daí, emitimos a autorização de retirada do material desses depósitos”, disse coronel Eduardo.

No depósito avançado da Cedec em Pouso Alegre, o primeiro do Estado construído com estrutura de PVC, já estão armazenados 400 cestas básicas, 400 colchões, 500 cobertores, 50 caixas com 70 copos d´água de 200 ml em cada uma e três bobinas de lona, de 400 m² cada. Este depósito já funcionava no município de forma provisória. O material estava armazenado em salas do 20º Batalhão da PM. O novo depósito tem 100 m² e 6 m de altura.

Com esse, são 13 os depósitos implantados, desde 2003, pelo Governo de Minas. Eles estão estrategicamente distribuídos por todas as regiões do Estado – Belo Horizonte, Barbacena, Diamantina, Governador Valadares, Lavras, Manhuaçu, Montes Claros, Passos, Pouso Alegre, Teófilo Otoni, Ubá, Uberaba e Uberlândia. Os de Montes Claros e Ubá já se encontram em fase de conclusão.

O prefeito de Pouso Alegre, Agnaldo Perugini (PT), agradeceu o apoio do Governo de Minas às cidades afetadas pelas chuvas e ressaltou a importância do trabalho da Defesa Civil no socorro às vítimas de enchentes. “Nosso agradecimento ao governador do Estado, Antonio Anastasia, ao vice-governador pelo empenho que eles têm tido em socorrer as nossas cidades quando os acionamos devido às tragédias. Quem está na administração sabe muito bem como a Defesa Civil tem lutado, a mando dos seus dirigentes, quer seja do prefeito, do governador, da presidenta da República, para socorrer as vitimas de enchentes. Então, tenham os senhores do Governo do Estado toda nossa solidariedade e o nosso compromisso neste trabalho”, destacou Agnaldo.

Distribuição

Desde outubro de 2011, já foram distribuídos quase 100 toneladas de alimentos, mais de quatro mil colchões, mais de dois mil cobertores, mais de nove mil telhas, além de kits de produtos de higiene pessoal, kits de limpeza, rolos de lonas e sacos com roupas. Já foram deslocadas para o abastecimento desses depósitos avançados mais de 20 equipes de transporte de ajuda humanitária. A construção dos depósitos avançados faz parte das ações de preparação da Defesa Civil Estadual para o período de chuvas.

O coronel Eduardo, também recebeu, em nome do chefe da Cedec-MG, coronel Luis Carlos Martins, homenagem da 17ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais pelos serviços desempenhados pela Defesa Civil em todo o Estado.

Também participaram da solenidade de inauguração do posto avançado de Pouso Alegre o comandante da 17ª Região da PMMG, coronel Robson Alves Campos; comandante da 18ª Região da PMMG, coronel Edílson Ivair Costa; comandante do 20º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Sérgio Soares; diretor-executivo da Associação Mineira de Municípios (AMM) e prefeito de Ipuiuna, Elder Cássio de Souza; além de inúmeros prefeitos e lideranças políticas da região.

Fonte: Agência Minas

Ao lado de Aécio Neves, Anastasia anuncia incentivos para o desenvolvimento da Zona da Mata

Antonio Anastasia garante que Zona da Mata terá áreas com incentivos para acelerar o desenvolvimento regional e geração de empregos

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Em visita a Muriaé e Manhuaçu, governador afirmou que novos empregos serão gerados nas cadeias do café e leite e na indústria, setores tradicionais na região

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, visitou Muriaé e Manhuaçu, na Zona da Mata, nesta quarta-feira (08/09) ao lado dos candidatos ao Senado da Coligação “Somos Minas Gerais”, ex-governador Aécio Neves e ex-presidente Itamar Franco. Anastasia garantiu que, reeleito, criará as Zonas de Desenvolvimento Regional na região da Zona da Mata para atrair mais empresas e empregos relacionados aos setores tradicionais da economia local, como a indústria pesada e as cadeias do leite e do café. Nas Zonas de Desenvolvimento Regional, empresas que se apoiam nas vocações econômicas específicas de cada região receberão incentivos do Governo do Estado.

O governador Antonio Anastasia destacou que, nos últimos anos, a preocupação do Governo do Estado foi com a modernização da infraestrutura da Zona da Mata, fundamental para a atração de novas empresas. De 2003 a 2009, o Governo de Minas aplicou R$ 11,8 bilhões na região, em investimentos em estradas, aeroportos; construção, reforma e modernização de escolas, hospitais e postos de saúde; cursos de ensino profissionalizante para jovens, além de ampliação dos serviços de tratamento de água e esgotamento sanitário.

“Temos a obsessão de trazer mais empregos de qualidade e, para isso, nosso programa de desenvolvimento regional que, certamente, vai beneficiar muito a Zona da Mata, não só agregando valor ao café – produto importantíssimo aqui da região -, como ao leite e, é claro, sempre trazendo indústrias que possam ser âncoras de uma cadeia produtiva, gerando empregos. A infraestrutura necessária para esse ambiente foi feita ao longo dos últimos anos, pelo governador Aécio e, agora, na minha continuidade, com o objetivo de trazer mais empregos para a região”, disse Antonio Anastasia, em entrevista, durante visita a Manhuaçu.

Fundo Estadual do Café
Anastasia também reafirmou que, reeleito, implantará em Minas o Fundo Estadual do Café para garantir a renda dos cafeicultores, evitando perdas provocadas pelo excesso de oferta e queda de preços do produto. Minas é o maior produtor (23 milhões de sacas neste ano) e exportador de café do Brasil, gerando 1,2 milhão de empregos diretos. A Zona da Mata responde por quase 30% da produção estadual de café. A cidade de Manhuaçu foi a 4ª maior produtora do Estado, em 2009.

“Vamos criar em Minas o Fundo Estadual do Café com recursos do Tesouro do Estado. O objetivo é exatamente ajudar o cafeicultor. Isso está no nosso Plano de Governo. Sabemos que o grosso da política é nacional, mas o Estado pode colaborar não só naquilo que já faz hoje, assistência técnica, tecnológica, mas também pode, com esse Fundo do Café, ajudar nas questões de garantia e do seguro. Ajudando, especialmente, no momento da queda do preço”, explicou Anastasia.

Continuidade dos avanços
Em Muriaé e Manhuaçu, Anastasia, Aécio e Itamar foram seguidos por milhares de apoiadores em carreatas e caminhadas que fizeram pelas duas importantes cidades da Zona da Mata. O ex-governador Aécio Neves destacou que a reeleição de Anastasia significa a continuidade dos avanços obtidos por Minas Gerais nas áreas econômicas e sociais nos últimos anos.

“Minas caminha para decidir não apenas uma eleição, mas o seu próprio destino. A política é a arte da solidariedade. E estamos aqui agora reafirmando esse nosso compromisso com toda a Zona da Mata, de continuar trazendo investimentos que busquem mais empregos de qualidade. Minas vem sendo, proporcionalmente, o estado que mais emprega no Brasil. Nosso PIB vem crescendo mais que a média. Voltamos a ter a melhor educação fundamental do Brasil, segundo o MEC. Há um conjunto virtuoso de ações ocorrendo em Minas que queremos que tenha continuidade com a eleição do governador Antonio Anastasia. Não podemos interromper esse ciclo tão positivo por que passa Minas”, disse Aécio Neves.
O ex-presidente Itamar Franco, tradicional líder político da Zona da Mata, pediu o voto dos mineiros dessa região para a reeleição de Antonio Anastasia. Para ele, o apoio da região é fundamental para que Anastasia saia vitorioso nas eleições de 3 de outubro.

“Ao longo de minha vida pública sempre estive aqui. Hoje, tenho a alegria de estar acompanhando Aécio e Anastasia. Dentro do plano geral, a candidatura está indo bem. Segundo pesquisas, já ultrapassou o outro candidato. Vamos nessa caminhada final, que dependemos muito da nossa região da Zona da Mata”, disse o ex-presidente.

Recepção nas ruas
A visita dos candidatos nesta quarta feira à Zona da Mata começou pela cidade de Muriaé. Logo que desembarcaram na cidade, Antonio Anastasia, Aécio Neves e Itamar Franco participaram de carreata, acompanhados do ex-ministro e ex-embaixador de Cuba, Tilden Santiago, segundo suplente de Aécio Neves na chapa ao Senado Federal.

Anastasia, Aécio e Itamar também fizeram caminhada pela rua Dr. Silveira Brum, onde moradores e comerciantes saíram às ruas para ver de perto os candidatos. Durante o percurso, eles pararam na lanchonete e restaurante Bate-Bocas. Eles tomaram água e refrigerante e brindaram à campanha da coligação “Somos Minas Gerais”. Em seguida, foram recepcionados na Praça João Pinheiro por cerca de 500 pessoas, de acordo com a Polícia Militar. Um grupo de crianças presenteou os candidatos com o artesanato local e soltou balões coloridos.

Depois da visita a Muriaé, os candidatos seguiram para Manhuaçu onde também tiveram uma recepção entusiasmada da população. Assim que saíram do aeroporto, Anastasia, Aécio e Itamar foram seguidos por dezenas de carros até a Praça 5 de Novembro, no Centro da cidade.  No quarteirão da rua Amaral Franco, eles fizeram caminhada com centenas de eleitores. Do alto dos prédios, os moradores promoveram uma chuva de pétalas de flores e papel picado em homenagem aos candidatos.

Lideranças Municipais
Os investimentos realizados pelo Governo de Minas na Zona da Mata foram destacados pelos prefeitos da região, inclusive de partidos que fazem parte de coligações adversárias. O prefeito de Miraí, Sérgio Luiz Resende (PMDB), afirmou que a principal razão para apoiar o governador Anastasia é a parceria desenvolvida entre o Governo do Estado e as prefeituras, sem distinção partidária.

“Estou com ele porque sei que estou trilhando o melhor caminho para os mineiros. Todos os municípios têm ligação asfáltica, telefonia celular, Programa de Saúde da Família (PSF). Não existe um município, dos 853 de Minas, que não teve apoio desse governo”, afirmou o prefeito.

O prefeito de Muriaé, José Braz (PP), também manifestou apoio à reeleição do governador para garantir a continuidade dos avanços obtidos nos últimos anos. “O melhor para Muriaé é Antonio Anastasia, com apoio de toda nossa população”, declarou.

O prefeito de Manhuaçu, Adejair Barros (PSDB), afirmou que a Zona da Mata reconhece o esforço de Aécio Neves e do governador Antonio Anastasia em trazer mais desenvolvimento para a região.

“Tudo que tem na nossa região vem do governo estadual e tudo que vem do governo estadual tem a mão de Aécio Neves e de Anastasia. Se você vai a Lajinha, Durandé, Luisburgo, todos os lugares da nossa região têm asfalto, um sonho que a gente não acreditava que um dia poderia ser realizado. Manhuaçu não fica atrás. Já temos um pacote de obras de R$ 3 milhões que veio do governo estadual. Com certeza, o desenvolvimento chegou e vamos ter muito mais ainda se elegermos novamente Anastasia para o Governo do Estado”, afirmou.

O prefeito de Martim Soares, Valdimir Roela da Silva Júnior (PSDB), disse que os prefeitos da Zona da Mata estão empenhados para levar as propostas de Antonio Anastasia à população. “Vamos arregaçar as mangas para eleger Anastasia. O que é bom tem que continuar. A gente vai trabalhar com muita força e vontade para o governador Anastasia. Se a gente ficar contra o Anastasia estaremos na contramão, porque ele e Aécio colocaram Minas Gerais nos trilhos”, afirmou.

O prefeito de Sericita, Antônio Sérgio da Cruz (DEM), destacou a competência administrativa do governador que se empenhou para garantir recursos para obras de infraestrututura dos municípios. “Anastasia representa o que há de mais moderno na administração pública. Homem competente, foi o braço direito de Aécio Neves e fez uma administração muito boa nos últimos oito anos. Se nós temos asfalto hoje agradecemos ao Proacesso, que beneficiou muitas cidades na Zona da Mata”, disse.