Presidente 2014: Aécio Neves e Campos reforçam campanha em Uberaba

Aecio e Campos: 2014 – Senador e governador de Pernambuco ensaiam futuro cenário em disputa contra o PT para a Presidência da República.

Aecio Neves: presidente 2014

Fonte: O Globo

Aecio Neves e Eduardo Campos se unem de olho em 2014

Prováveis adversários do PT em 2014, eles medem forças com a dupla Lula e Dilma Rousseff

Aecio e Campos se unem em Uberaba e antecipam 2014

Aécio e Campos se unem em Uberaba mirando 2014. Senador e governador de Pernambuco ensaiam futuro cenário em disputa contra o PT para a Presidência da República.

BRASÍLIA e UBERABA — Inflados pelas vitórias no primeiro turno de Marcio Lacerda, em Belo Horizonte, e de Geraldo Júlio, em Recife, os padrinhos das duas candidaturas, respectivamente Aecio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), prováveis adversários do PT em 2014, unem-se para medir forças com a dupla Lula e Dilma Rousseff neste segundo turno em capitais e grandes cidades. Mostrando um distanciamento cada dia maior de partidos da base aliada do governo e se firmando como terceira via, o presidente do PSB e governador de Pernambuco Eduardo Campos usou nesta sexta-feira um ato de campanha em Uberaba, cidade importante do Triângulo Mineiro, para estrear na campanha ao lado de Aecio, que também comemora o fato de ter conseguido polarizar com Dilma no primeiro turno em Belo Horizonte.

Tucanos dizem que a disputa em Uberaba entre Antonio Lerin (PSB) e Paulo Piau (PMDB) é o que menos conta na aparição da dupla, e que o mais importante é o simbolismo dos dois juntos. Isso porque essa parceria entre os dois netos de políticos famosos —Aecio, do ex-presidente Tancredo Neves, e Campos, do ex-governador Miguel Arraes — está deixando o PT de cabelo em pé. A eleição municipal deste ano, para o PSB, tem funcionado como o passaporte para o partido alcançar independência dentro da base e se firmar como alternativa em 2014. Ou negociar com o aliado histórico, o PT, protagonismo para 2018.

— Esse encontro de Aecio e Eduardo Campos em Uberaba tem repercussão nacional. Aecio mostra sua ampla circulação e Eduardo Campos reforça que não será sublegenda do PT, muito menos tutelado e patrulhado! Aecio e Eduardo são os dois maiores lideres da nova geração política — comemora o presidente do PSDB mineiro, deputado Marcus Pestana.

A aparição pública dos dois nesta sexta-feira em Uberaba foi mais modesta do que o esperado, mas ficou registrada a foto do momento. Campos e Aecio também apoiaram o candidato do PSB em Belo Horizonte, o prefeito reeleito Marcio Lacerda, mas o governador pernambucano não esteve na capital mineira.

Declarações cuidadosas

Aecio Neves chegou a Uberaba no meio da tarde de ontem e ficou na casa de um amigo, enquanto aguardava a chegada de Eduardo Campos, que aterrissou na cidade mineira por volta das 18h30m.

Os dois concederam uma breve entrevista no aeroporto, e evitaram dar maior significado à atuação política conjunta, principalmente no que se refere à sucessão de Dilma Rousseff, em 2014. Questionado sobre a presença no município mineiro, junto com Aecio, Campos disse que se limitava ao apoio ao candidato de seu partido.

— O único significado que tem aqui é o de eleger o candidato Lerin em 2012. Nossa energia está voltada para apoiá-lo. Ainda não há resultados nem mesmo da eleição, e vocês já estão falando em 2014 — desconversou Campos.

Aecio também limitou suas respostas à disputa eleitoral para as prefeituras.

— O PSDB tem muitas alianças. Todas elas para uma melhoria de políticas públicas, visando a uma qualidade de vida melhor para o povo — afirmou.

Além de Fortaleza, onde o PSDB apoia Roberto Cláudio (PSB), e Manaus, onde o PSB apoia Arthur Virgílio (PSDB) contra Lula, Dilma e a candidata Vanessa Graziottin (PCdoB), os partidos de Aecio e Campos fazem dobradinha em outras capitais e cidades importantes, como Campinas, neste segundo turno das eleições municipais.

O secretário nacional de Comunicação do PT, deputado André Vargas (PR), ironiza declarações de Eduardo Campos de que o PSB continua na base de Dilma, mas não será satélite do PT:

— A preocupação do PSB, do Eduardo Campos, é não ser satélite do PT. Mas ele tem que ter a mesma preocupação em não ser satélite do PSDB.

De uma forma ou de outra, fortalecido nas urnas, com PT ou PSDB, Eduardo Campos já avisou que o PSB estará no jogo em 2014:

— Esse movimento do PSB só deve preocupar o PT, porque representa uma fissura grande dentro da base. Nós, da oposição, vamos apresentar um projeto alternativo de poder em 2014. Se amanhã forças que hoje estão com o governo quiserem apoiar esse projeto serão muito bem vindas — disse Aecioao GLOBO.

Queixas de candidatos da base

Derrotado no primeiro turno em Manaus, Serafim Corrêa, do PSB, diz que o atropelamento do PT aos aliados está aproximando o PSB do PSDB. Ele conta que no primeiro turno procurou apoio de Dilma e do PT, mas foi informado que a cúpula já tinha se decidido por Vanessa Graziotin, do PCdoB, que pode ser derrotada pelo tucano, segundo as pesquisas.

— Eu era ou não era também candidato da base? O apoio que deram a Vanessa foi desproporcional. Foi uma sacanagem Lula e Dilma já fazerem uma opção no primeiro turno pela Vanessa! Agora, (o líder do governo no Senado) Eduardo Braga, que acha que é rei em Manaus, está colocando Lula e Dilma numa gelada. Estão trazendo a presidente aqui para ser sócia de uma derrota — disse Serafim Corrêa, lembrando que em 2008, quando o PSB ficou isolado, o PSDB apoiou o partido.

Serafim Corrêa conseguiu formalizar o apoio do PSB local ao tucano Arthur Virgílio, apesar das tentativas de Vanessa Graziotin de impedir. A presidente Dilma deve ir a Manaus na segunda feita, embora tenha dito, durante a campanha, que não entraria em eleição disputada por dois partidos aliados. Tática que foi deixada no primeiro turno.

Diante das ofensivas de Campos e da proximidade com o principal partido de oposição, o ex-presidente Lula também resolveu ignorar isenção em cidades onde aliados estão em disputa. Na próxima semana ele irá reforçar o palanque de Elmano Freitas em Fortaleza, onde o petista está empatado com o candidato do PSB, Roberto Cláudio.

(Colaborou Thereza Cristina Gonçalves Ferreira)

Aécio: 2014 – Link da matéria: http://oglobo.globo.com/pais/aecio-neves-eduardo-campos-se-unem-de-olho-em-2014-6465465#ixzz29noI8Zlk

PT: deputado defende Erundina e critica Maluf

PT: deputado defende Erundina e critica Maluf – Marina Silva também criticou aliança feita pelo ex-presidente Lula e afirmou que se trata do “dinheiro pelo dinheiro”.

PT: Lula, Maluf e Erundina

PT: deputado defende Erundina e critica Maluf

PT: deputado defende Erundina e critica Maluf

Fonte: O Globo

Deputado petista diz que Luiza Erundina agiu corretamente

Domingos Dutra (PT-MA) afirma que seria impossível deputada sorrir ao lado de Maluf

Parlamentar dos mais próximos de Luiza Erundina (PSB-SP) na Câmara, o deputado Domingos Dutra (PT-SP) criticou a proximidade de seu partido com Paulo Maluf em São Paulo e disse que a socialista agiu corretamente ao deixar a composição da chapa para disputar a prefeitura paulistana ao lado de Fernando Haddad (PT).

– Lamento que a campanha do Haddad tenha perdido uma militante com a qualidade da Erundina, que continua a mesma de seus tempos de PT. Não só por sua competência administrativa como ex-prefeita, mas também sua vinculação com os movimentos sociais, conhecimento dos problemas da cidade. A presença da Erundina na chapa era um sinal muito claro para os mais pobres, que haveria uma inversão das prioridades. Seria governar para os que mais necessitam – disse Domingos Dutra, que complementou:

– Sou solidário a ela porque, com a história que tem, sua luta pelos direitos humanos, a favor da punição daqueles que cometeram crimes na ditadura, o combate cerrado a favor da transparência e da honestidade, ficaria muito difícil ela ficar sorridente no mesmo palanque ao lado do Maluf. Ela agiu corretamente.

Dutra é presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, da qual Erundina também faz parte. A deputada, na comissão, preside o grupo que faz uma apuração paralela das violações dos direitos humanos ocorridas no regime militar, uma espécie de Comissão da Verdade paralela. Erundina ainda é autora de um projeto que previa a revisão da Lei de Anistia e defende o julgamento dos agentes de Estado que torturaram, mataram e desapareceram com corpos de militantes de esquerda naquele período.

Domingos Dutra criticou a ampliação da política de alianças do PT.

– Infelizmente na política nacional, todas as cercas foram puladas. O PT nasceu em 82 e não se coligava com ninguém. Era crime falar em coligação naquela época. A Beth Mendes (ex-deputada federal do PT) foi expulsa porque foi ao Colégio Eleitoral (votar em Tancredo Neves presidente da República). Em 86, foram permitidas coligações, mas só com partidos de esquerda. E chegamos agora, em 2012, sem cerca, sem limites. Tudo vale – disse Dutra.

O petista elogiou Haddad, quem chamou de “bom militante”, mas diz que sua campanha perde com a saída de Erundina.

Marco Maia diz que Erundina deveria rever decisão

No Rio de Janeiro, o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, disse nesta quarta-feira que a deputada Luisa Erundina deveria reavaliar a decisão dela de ter deixar a chapa do candidato do PT, Fernando Haddad, à Prefeitura de São Paulo.

– Ele deveria reavaliar a opinião dela. É o que eu sempre digo: é preferível que se faça um conjunto de alianças em cima de um projeto que permita ganhar a eleição para administrar bem para o povo do que se afastar dessa possibilidade e não fazer essas transformações na cidade de São Paulo – disse antes de participar da abertura oficial da Rio+20.

Segundo o presidente da Câmara, Erundina e o PSB precisam estar juntos do PT para fazer o que ele chamou de “transformação radical” em São Paulo.

– Precisamos fazer uma transformação radical na estrutura dessa cidade. E por isso, o PT precisa fazer as alianças necessárias que garantam essas mudanças e essas transformações. A Erundina e o PSB precisam estar juntos conosco neste projeto – afirmou Marco Maia.

Marco Maia diz que não vê problemas em fazer aliança com Maluf, já que o PT é coligado com o partido nacionalmente. Mas considerou lamentável a saída de Erundina da chapa.

– É obvio que é lamentável. A deputada é séria, comprometida com as questões sociais. Ela dialoga e muito com o projeto do PT. Já foi prefeita de São Paulo e tem uma base eleitoral fantástica.

Marina Silva diz que aliança PT e PP em SP é “dinheiro pelo dinheiro”

Ex-ministra do Meio Ambiente no governo Lula, a ex-senadora Marina Silva (sem partido) criticou nesta quarta-feira a aliança entre o PT do candidato a prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e PP do deputado federal Paulo Maluf. Ao ser questionada pelo GLOBO, na Rio+20, sobre o acordo entre os dois partidos e a imagem na qual aparecem Lula, Maluf e Haddad juntos, Marina afirmou que se trata do “dinheiro pelo dinheiro”.

– Vejo este cenário como o poder pelo poder. O dinheiro pelo dinheiro. É o que está prevalecendo.

PT, Lula e Erundina, Maluf – Link da matéria: http://oglobo.globo.com/pais/deputado-petista-diz-que-luiza-erundina-agiu-corretamente-5268367#ixzz1yuNlzP5k

PT: Aliança Lula-Maluf pode prejudicar partido

PT: Aliança Lula-Maluf pode prejudicar partido. Cientista político avalia que acordo pode provocar crise de imagem no PT e perda de votos.

PT: Maluf e Lula

PT: Aliança Lula-Maluf pode prejudicar partido

PT: Aliança Lula-Maluf pode prejudicar partido – Foto Agência Estado

Fonte: O Globo 

PT poderá mais perder do que ganhar com Maluf, diz analista

Professor da UNESP avalia que acordo com PP é uma ‘contradição’ à história dos petistas

A aliança do PT com o PP, de Paulo Maluf, na disputa eleitoral de São Paulo, representa uma contradição à postura histórica do partido e poderá trazer prejuízos à campanha de Fernando Haddad. A avaliação é do professor de ciência política da Universidade Estadual Paulista (UNESP) Marco Aurélio Nogueira, segundo o qual o acordo poderá gerar uma crise na imagem da legenda, que deverá conciliar o discurso da renovação com a expressão do retrógrado. O analista político considera ainda que a aliança com o PP dá mais uma justificativa para que Marta Suplicy se mantenha afastada da campanha petista.

O GLOBO: A aliança em São Paulo do PT com o PP, legenda de Paulo Maluf, contradiz o discurso histórico do partido?

MARCO AURÉLIO NOGUEIRA: O discurso do PT vem se ajustando nos últimos anos, mas é uma contradição. É o reconhecimento de que adversários do passado podem se tornar aliados a qualquer momento, dependendo dos interesses que estão em jogo. É uma mudança não só no discurso, mas na conduta prática do PT. É um reajuste no discurso e na cultura do partido, que pode ter prejuízos no curto prazo, porque uma boa parte da militância partidária não está pronta para isso, ainda não assimilou essa guinada.

O GLOBO: O acordo poderá trazer prejuízos para a campanha de Fernando Haddad?

NOGUEIRA: Pode haver, por um lado, um prejuízo de caráter eleitoral. O que o deputado federal Paulo Maluf trará de votos pode não ser compensado pelo que o PT poderá perder de votos. Por outro lado, pode haver uma crise na imagem do PT. O partido vai para a campanha com o slogan da renovação, mas um dos seus aliados é a expressão do que há de mais antigo e retrógrado na política brasileira, o que pode chamuscar um pouco a imagem do partido.

O GLOBO: A reação da deputada federal Luiza Erundina poderá ser acompanhada pela militância do partido durante a campanha?

NOGUEIRA: Eu acho que vai, sim. Ela vai tentar fazer o papel de consciência crítica do PT.

O GLOBO: A aliança deverá afastar de vez a ex-prefeita Marta Suplicy da campanha eleitoral?

NOGUEIRA: A Marta Suplicy já está afastada da campanha eleitoral. Agora, ela tem uma justificativa a mais para manter esse distanciamento.

O GLOBO: Como disse Paulo Maluf, a “eficiência” dos acordos eleitorais tem predominado hoje sobre as bandeiras da esquerda ou da direita?

NOGUEIRA: Com certeza. Esse fenômeno não é de hoje. Há uma espécie de tendência universal e que está sendo reforçada sistematicamente nos últimos tempos. Essa aliança eleitoral em São Paulo é apenas uma confirmação de que essa tendência é real. O PT nos últimos 20 anos reorganizou a sua conduta nessa direção. O pragmatismo é hoje uma grande variável de avaliação da conduta política dos partidos.

Paulo Maluf, Lula e o PT – Link da entrevista – http://oglobo.globo.com/pais/pt-podera-mais-perder-do-que-ganhar-com-maluf-diz-analista-5259301#ixzz1yuGcxO11

Maluf provoca Erundina por deixar campanha de Haddad

Maluf provoca Erundina por abandonar campanha.  Ex-prefeita de SP (PSB) deixou coligação com PT depois acordo de Lula com Paulo Maluf.

Maluf, Erundina e Lula

Maluf diz que Erundina desistiu de ser vice de Haddad por ciúmes

Maluf provoca Erundina por deixar campanha de Haddad

Maluf provoca Erundina por deixar campanha de Haddad

O deputado federal Paulo Maluf, presidente do PP no estado de São Paulo, disse nesta segunda-feira que a deputada federal Luiza Erundina (PSB) desistiu de ocupar o posto de vice na candidatura do petista Fernando Haddad à prefeitura de São Paulo por “ciúmes”.

Erundina desistiu de concorrer porque o ato de apoio do PP ao petista foi realizado na casa de Maluf com a presença de Haddad e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A deputada socialista chamou o líder do PP de “nefasto”.

– Isso não é um problema meu. Ele (Lula) tinha recomendação médica para não ir na convenção do PSB, essas coisas nós temos de respeitar. Ele está em tratamento de saúde. Agora se ele veio na minha casa, eu me sinto muito alegre. E se ele vier a segunda e terceira vez, a casa está aberta para o Lula.

Maluf destacou ainda que sempre recebeu em sua casa os presidentes da República.

– Amanhã, se a presidente Dilma (Rousseff) for na minha casa é bem-vinda. O presidente Fernando Henrique esteve em casa. O presidente Itamar Franco esteve em casa . Do (Fernando) Collor, eu fui padrinho do casamento – falou.

O líder do PP negou também que tenha exigido a presença do Lula em sua casa para fechar a aliança com Haddad.

– Quem pode exigir alguma coisa de um presidente da República. Quando o presidente da República vai à casa de alguém, vai porque quer.

Para Maluf, a visita de Lula não poderia deixar de ser registrada.

– Se lá estavam duas dúzias de fotógrafos, não tinha razão nenhuma para na saída não tirar a foto. Seria muito pior se escondessem a foto. Se ele for de novo, eu tiro dez vezes.

Depois de encerrada a entrevista na sede do PP em São Paulo, Maluf voltou à sala onde estavam os jornalistas para mostrar um calendário de 2012, que fez para distribuir para amigos e parentes, em que aparece em fotos, entre outros, com o Papa João Paulo II, com Pelé, Ayrton Senna e com os ex-presidentes americanos Bill Clinton, George Bush e Ronald Reagan.

– Tenho muito orgulho dessas fotos e tenho muito orgulho também da foto com o Lula.

Questionado se o calendário do próximo ano trará a foto do ex-presidente petista, o líder do PP não respondeu.

Maluf garantiu que não está participando das discussões da escolha do vice da chapa do PT em São Paulo e afirmou que a decisão sobre o substituto de Erundina caberá apenas a Haddad. Garantiu que não se opõe nem a um nome do PC do B.

– O governo do PT quando tomou posse em 2003 veio sob dúvidas como iria se comportar ideologicamente. E eu quero dizer em alto e bom tom que o PT se comportou à direita de Paulo Maluf. Eu perto do PT hoje sou comunista. Eles defenderam mais do que eu as multinacionais e os banqueiros – declarou Maluf.

Maluf e Lula – Link da matéria:  http://oglobo.globo.com/pais/maluf-diz-que-erundina-desistiu-de-ser-vice-de-haddad-por-ciumes-5308037#ixzz1yuALywaZ

PT e a leniência com a corrupção

PT e a leniência com a corrupção – Em 10 anos no poder o PT recheia as páginas da crônica policial com histórias de mal feitos e malfeitos.

Fonte: Instituto Teotônio Vilela

Instituto Teotônio Vilela

Instituto Teotônio Vilela

Um partido nas páginas policiais

Notícias sobre partidos costumam ser publicadas nas sessões dos jornais dedicadas à política. Mas, com o PT, esta prática está mudando: a legenda de Lula, Dilma e José Dirceu tem figurado, também, nas páginas policiais. Nunca antes na história se viu um partido tão envolvido em escândalos.

A profusão de falcatruas nas quais militantes petistas estão metidos é assustadora. Além do escândalo-mãe, o mensalão, gente ligada ao PT está sendo investigada, entre outros crimes, por corrupção, falsificação de documentos e desvio de recursos públicos para financiamento de campanhas. Vejamos alguns casos.

No último dia 14, o Ministério Público Federal de Mato Grosso denunciou nove pessoas que se envolveram no episódio que ficou conhecido como escândalo dos “aloprados”. Elas amealharam R$ 1,7 milhão nas eleições de 2006 para tentar prejudicar campanhas tucanas por meio de dossiês fajutos.

Seis dos acusados eram diretamente ligados à campanha à reeleição de Lula e ao hoje ministro Aloizio Mercadante, então candidato ao governo de São Paulo. Contra eles, pesam denúncias de crimes de formação de quadrilha, contra o sistema financeiro, de lavagem de dinheiro e declaração de informação falsa em contratos de câmbio.

A lista de delitos cometidos pelos aloprados assemelha-se à que pesa sobre os 36 réus enredados no mensalão: formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta. O maior escândalo de desvio de dinheiro público da história do país começa a ser julgado em 1° de agosto pelo Supremo.

O rol de petistas envolvidos em crimes ganhou mais alguns personagens recentemente. Ontem, a direção do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) foi toda afastada em meio a investigações sobre um rombo de R$ 100 milhões que, segundo a Polícia Federal, podem ter sido usados em campanhas do PT no Ceará.

O esquema cearense lembra muito o do mensalão. Entre 2009 e 2011, empréstimos concedidos a empresas teriam sido usados para irrigar o caixa dois de campanhas eleitorais petistas no estado. Não por coincidência, gente ligada aos mensaleiros também tem suas digitais no escândalo do BNB…

Os maus exemplos contaminam também administrações municipais petistas. O caso mais célebre continua sendo o do trágico assassinato do prefeito Celso Daniel em Santo André, sob grossa suspeita de que uma máfia comandada a partir da cúpula do PT desviava dinheiro de contratos de prestação de serviço na cidade para os cofres do partido.

Mas não é apenas no ABC paulista que prefeituras petistas estão sob investigação. Em Campinas, o prefeito foi defenestrado no ano passado por corrupção. Agora, os olhos se voltam para Maricá, cidade no estado do Rio abençoada por reservas – e polpudos royalties – de petróleo e amaldiçoada por ser administrada pelo PT.

Mas a atração do partido de Lula, Dilma e José Dirceu por quem tem contas a acertar com a Justiça transcende a jurisdição brasileira. Nas eleições de outubro, o partido andará de mãos dadas com o deputado Paulo Maluf, impedido de deixar o país por constar da lista de procurados internacionalmente pela Interpol.

Companhias que, para partidos e políticos éticos, deveriam causar incômodo já se tornaram comuns ao universo petista. Em sua insalubre estratégia de ampliação e manutenção de poder, o partido se juntou a Fernando Collor, José Sarney, Renan Calheiros e mais uma penca de políticos com extensa ficha corrida.

O partido que há quase dez anos governa o Brasil pratica um abjeto vale-tudo para perpetuar-se no poder. Produz, com isso, péssimos exemplos, que vão se disseminando pelo país afora. Quando tudo isso for passado, uma constatação terá lugar: a pior herança que o PT terá legado ao país será a sua leniência com a corrupção.

PT e a crônica policial – http://www.itv.org.br/web/noticia.aspx?c=3936


Lula e Maluf: artigo fala do encontro histórico

Artigo fala do encontro histórico de Lula e Maluf – Segundo Carlos Eduardo Leão o fato abriga o “que há de mais torpe na política nacional”.

Lula e Maluf

Fonte:  Carlos Eduardo Leão* – Publicado no site da Fundação Dom Cabral

De causar náusea

Deu causa náusea - Lula e Maluf
Está registrado nos anais do fotojornalismo um dos momentos mais repulsivos da política brasileiro

A fotografia jornalística talvez seja o mais claro e objetivo meio de informação da mídia em todos os tempos. Ela tem a imprescindível capacidade de transmitir, após um competente clic, todo um conjunto de informações, ricas em detalhes, conseguido através da sempre aguçada sensibilidade do fotógrafo que, na escolha correta do enquadramento, dará alma à notícia.

O fotojornalismo é, portanto, uma demonstração tácita do mais puro conceito de arte plástica a serviço da informação.

Quem não se lembra daquela personagem que virou símbolo da guerra do Vietnã, uma criança queimada, totalmente nua, correndo no meio de uma estrada que ligava o nada a lugar nenhum? Aquela fotografia resumiu toda uma guerra, suas atrocidades, suas consequências e, sobretudo, todo o sofrimento estampado no horror daquela imagem de dor e desesperança que marcou para sempre aquele rosto da infância vietnamita.

A fotografia de Neil Armstrong, naquele 20 de julho de 1969, quando pisava na Lua, marcou a história e todas as gerações a partir daquele momento. A frase “Um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade” dita por Armstrong no momento do clic, não precisaria ser dita. A fotografia falava por ela.

Outras fotografias, apenas para ilustrar esse pensamento, como a daquele avião-míssil  disparado contra o World Trade Center no fatídico 11 de setembro de 2001 ou ainda do famoso Concorde em chamas quando decolava do Aeroporto Charles de Gaulle em Paris para cair momentos depois, não precisavam de textos para explicar as suas tragédias. As imagens perfeitas obtidas pelas excelentes câmeras de notáveis profissionais mostraram com nitidez o perfeito enquadramento do desastre.

Entretanto, nenhuma dessas fotos teve efeito mais devastador, mais chocante, mais incrível, mais surrealista, mais desanimador do que a de Lula “in love” com Maluf, sob as bênçãos do medíocre Fernando Hadad, encenada nos jardins daquela famosa mansão paulistana, que abriga o que há de mais torpe na política nacional. A nitidez da fotografia mostra-nos com detalhes que ambos são idênticos no tocante à moralidade e à honestidade nos preceitos políticos, bem ao estilo “farinha do mesmo saco”.

Já o enquadramento revela dois semblantes de verdadeiros brincalhões que, naquele momento, parecem gozar com a fé de um povo que neles depositaram, por várias vezes, todas as suas esperanças, em lados, porém, totalmente opostos em pensamento, ideologia e, sobretudo, filosofia de linhagem política.

A acuidade da câmera foi definitiva para mostrar o oportunismo de dois inimigos figadais históricos que, em nome do vale-tudo, posam como verdadeiros amigos (e na realidade o são) em prol de interesses que maculam a honra e a ética, atributos raros em políticos que rezam nessa linha de pensamento.

E, por fim, o talento dos fotógrafos foi determinante para mostrar a decepção da natureza que enfeita os jardins da mansão. Parecia que ela entendia a tristeza daquele momento, ao ver ruir o que sobrou daquele outrora bastião da moralidade, sucumbindo aos baixios caminhos da politicagem que só trazem decepção, incredulidade e amargura.

Lembro-me também de uma fotografia que marcou a humanidade. A beleza da Terra focalizada da Lua, com matizes de azul misturadas ao branco, num fundo esverdeado, enfim, uma explosão de cores que seguirá para sempre enfeitando a imensidão.

Assim sendo, continuamos à espera da fotografia em que dois políticos brasileiros estarão abraçados pela honra e o bem de seu povo, não em defesa de interesses mesquinhos e vulgares. Mesmo que seja em preto e branco, esse flagrante será suficiente para transformar a referida foto numa explosão de cores de uma só tradução: Esperança. E quanto ao fotógrafo que imortalizar tal momento, com certeza será candidato ao World Press Photo Award, o “Oscar” do fotojornalismo.

*Carlos Eduardo Leão é médico e cronista

Lula e Maluf – link do artigo : http://www.domtotal.com/noticias/detalhes.php?notId=461284

Mensalão: PT deve acertar contas com a sociedade

Mensalão: PT deve acertar contas com a sociedade – PT continua pressão contra o STF e partidários têm dificuldade em conviver com o contraditório.

Mensalão do PT: chega a hora da verdade

Fonte: Instituto Teotônio Vilela

Instituto Teotônio Vilela

Instituto Teotônio Vilela

Hora de julgar o mensalão

Bastou o Supremo Tribunal Federal fazer o que dele a sociedade brasileira espera para o PT mostrar suas garras. O anúncio da data de julgamento do maior escândalo da história política do país deflagrou os arreganhos autoritários de sempre nos capas-pretas do partido. Como tudo o que cerca o mensalão, os convocados do PT para a “batalha” também têm muito a dever à Justiça.

Em 1° de agosto, desde já uma data histórica para o país, o STF começará a julgar o caso. Com o cronograma previsto, por volta de fins de setembro as sessões do julgamento terão terminado e o Brasil terá, enfim, passado o episódio a limpo, condenando quem merece a pagar pelo que fez e livrando quem nada deve.

Algo simples assim, pelo menos em democracias, está sendo tratado pelo PT quase como um golpe de Estado. É a velha dificuldade que os partidários de Lula, Dilma Rousseff e José Dirceu têm de conviver com o contraditório, dentro dos estritos marcos legais de um Estado democrático de Direito.

O primeiro a espernear foi o secretário de comunicação petista. “Infelizmente, as ações do Supremo não são cercadas da austeridade exigida para uma Corte Suprema“, disse o deputado André Vargas na quinta-feira a O Globo.

No sábado, foi a vez do ex-ministro Márcio Thomaz Bastos – o mesmo que, por R$ 15 milhões, defende o contraventor Carlos Cachoeira, envolvido em grosso desvio de dinheiro público no submundo da política. Em entrevista à BandNews, o advogado disse que a imprensa “tomou partido” contra os réus do mensalão.

Mas quem foi mais longe na afronta a um dos poderes da República foi, como sempre, o ex-ministro e deputado cassado José Dirceu. O chefe da “sofisticada organização criminosa” denunciada pelo Ministério Público Federal conclamou os militantes da UNE a ir para as ruas defendê-lo.

“Todos sabem que este julgamento é uma batalha política. E essa batalha deve ser travada nas ruas também porque se não a gente só vai ouvir uma voz, a voz pedindo a condenação. Eu preciso do apoio de vocês”, discursou Dirceu, conforme registrou O Globo Online na noite de sábado.

Dirceu é o mesmo que, nos idos dos anos 1990, incitou grevistas de escolas de São Paulo a fazer os governantes tucanos do estado “apanhar nas ruas e nas urnas”. Como se vê, os métodos truculentos continuam os mesmos, só os aliados da hora é que mudaram.

Os domesticados militantes da UNE, outrora protagonista de importantes ações em defesa da democracia e do Estado de Direito no país, agora precisam se ocupar em explicar como gastam em farra e bebedeira dinheiro público repassado para capacitação de estudantes e promoção de eventos culturais e esportivos.

Investigação feita pelo Ministério Público aponta irregularidades em convênios do governo federal com a UNE e a União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES) de São Paulo, que receberam R$ 12 milhões da União entre 2006 e 2010 e usaram notas frias para comprovar os gastos. São aliados desta natureza que Dirceu espera ter na sua “batalha” pela absolvição no Supremo.

“Ao analisar as prestações de contas do convênio do Ministério da Cultura com a UNE para apoio ao projeto Atividades de Cultura e Arte da UNE, o procurador [Marinus] Marsico constatou gastos com a compra de cerveja, vinho, cachaça, uísque e vodca, compra de búzios, velas, celular, freezer, ventilador e tanquinho, pagamento de faturas de energia elétrica, dedetização da sede da entidade, limpeza de cisterna e impressão do jornal da UNE. Além disso, encontrou diversas notas emitidas por bares”, mostrou O Globo na sexta-feira.

O escândalo do mensalão foi conhecido há sete anos e há cinco a denúncia foi apresentada ao Supremo. Neste ínterim, o então presidente Lula – que hoje diz que tudo não passa de uma “farsa” – chegou a pedir desculpas pelo malfeito. Já passa da hora de julgar o caso, algo que os ministros têm plena condição de fazer dentro dos estritos cânones do Direito.

O país só tem a perder com maiores delongas. Basta ver o que está acontecendo, novamente, no Banco do Nordeste. Lá, o mesmo grupo de petistas mensaleiros envolvido no folclórico episódio dos dólares escondidos em cueca está de novo enredado em escândalos e desvios de dinheiro público, como mostrou a edição da revista Época desta semana.

A reação irada de gente como José Dirceu à decisão do Supremo – tomada, aliás, por unanimidade pelos ministros da corte – deixa claro o horror que o PT tem do acerto de contas que terá de fazer com a sociedade brasileira por ter alimentado, durante anos, o maior duto de desvio de dinheiro público da história do país e que até hoje serve de inspiração para malfeitores ao redor do Brasil.

Mensalão do PT – Link da matéria: http://www.itv.org.br/web/noticia.aspx?c=3924


“Lula e Haddad deveriam sair algemados”

“Lula e Haddad deveriam sair algemados”, disse Augusto Nunes na Veja online ao comentar entrevista do ex-presidente no programa do Ratinho.

Lula faz campanha em programa do SBT

É de estranhar a aparição do ex-presidente Lula no programa do Ratinho no SBT. Seria coincidência ou homem do baú da felicidade retribuiu um favor político? Quem não se lembra que no apagar das luzes do Governo Lula, Silvio Santos foi com pires na mão pedir socorro para evitar uma quebradeira no Panamericano. A ajuda veio de pronto como o Governo foi benevolente com o uso de dinheiro público para salvar o banco.

Lula e Haddad deveriam sair algemados, disse Augusto Nunes na Veja online ao comentar entrevista do ex-presidente no programa do Ratinho.

Lula e Haddad deveriam sair algemados, disse Augusto Nunes na Veja online ao comentar entrevista do ex-presidente no programa do Ratinho.

Fonte: Coluna do Augusto Nunes – Revista Veja

Augusto Nunes: Lula e Haddad deveriam sair algemados

Num país sério, os estupradores da lei eleitoral sairiam algemados do SBT

A captura do achacador de juízes do Supremo libertou o atropelador da legislação eleitoral. Nesta quinta-feira, com a cumplicidade militante do apresentador do Programa do Ratinho, Lula deixou em casa o chantagista a serviço da quadrilha do mensalão para incorporar num estúdio do SBT, durante 40 minutos, o animador de palanque a serviço de si próprio e de companheiros do PT. O que se viu na tela foi mais que propaganda eleitoral antecipada. Foi um comício ilegal estrelado por um pecador sem remédio nem limites, permanentemente empenhado em desmoralizar as normas que regem eleições no Brasil.

Na primeira parte da afronta transmitida ao vivo, o protagonista do espetáculo do deboche deixou claro que transforma até câncer em instrumento de caça ao voto. O relato da temporada no hospital foi enfeitado por um fundo musical de teatrão, mensagens açucaradas, cenas do filme “Lula, o Filho do Brasil”, depoimentos lacrimosos e reportagens pautadas pela sabujice. “Ele foi um grande presidente para nós brasileiros, que o adoramos, o amamos”, derramou-se, por exemplo, o ex-jogador Ronaldo. Há poucos anos, o Fenômeno aposentado só achava que “ele  bebe pra caramba”.

Num dos vídeos que escancararam o crime premeditado, a locutora caprichou no fecho glorioso, ilustrado por imagens do herói que acabara de nocautear a doença: “Parecia a fênix renascendo das cinzas. O homem está de volta. E com a corda toda”. Ratinho deu-lhe mais corda ainda: por que a saúde não é tão boa?, quis saber o anfitrião da farra eleitoreira. Por culpa da oposição, garantiu Lula sem ficar ruborizado. Se o imposto do cheque não tivesse acabado, mentiu, os pacientes do Sírio Libanês hoje estariam morrendo de inveja dos fregueses do SUS.

Animado com a sintonia da dupla, Ratinho fez a proposta ao vivo: “Vamo montá um programa de entrevistas, Lula? Teve um monte de jornalista que bateu em você, vamo dá o troco neles”. O convidado gostou da ideia. ”Um dia desses vocês vão se surpriendê, que eu vou vir aqui trabalhá com o Ratinho”, ameaçou, olhando para a plateia. Foi a senha para o início da segunda parte do show repulsivo, concebida para resgatar Fernando Haddad do buraco dos 3% nas pesquisas.

“Por que você escolheu o Haddad?”, cochichou Ratinho. Close no ex-ministro da Educação, risonho na  fila do gargarejo. “Acho que São Paulo precisa do Haddad”, comunicou o palanque ambulante. Outro close na salvação dos paulistanos. “Vem pra cá, Haddad”, ordenou Ratinho, que retomou o tema que o preocupa enquanto o candidato se ajeitava na poltrona: o que pode fazer um prefeito para melhorar a saúde?

“As coisas que dependem do ex-presidente Lula e da presidenta Dilma, que é gerar emprego e distribuição de renda, isso está sendo feito”, declamou Haddad. Na maior cidade brasileira, ensinou, a saúde só não é de primeiro mundo porque o prefeito é do PSD e o governador é do PSDB. O padrinho aparteou o afilhado para jurar que nunca antes neste país houve um ministro da Educação tão competente. Quem construiu uma escola por dia é capaz de inaugurar um hospital por mês já no primeiro ano de governo.

Liquidada a questão municipal, começou a sucessão presidencial. Lula será candidato em 2014?, passou a bola Ratinho. “A única hipótese de eu sê candidato é a Dilma não querê se candidatá, eu não vô deixá que um tucano dirija esse país”, devolveu Lula.  “O Zé Serra tá ralado”, chutou Ratinho de bico. Só na prorrogação o apresentador pareceu lembrar que andou lendo alguma coisa sobre Lula e Gilmar Mendes. O que houve mesmo?, perguntou.

“Quem inventou a história que prove a história”, cortou o lobista dos mensaleiros. Ratinho completou de canela: “”Quem gosta de você, gosta de você. Quem não gosta de você, não gosta de você. Quem é indiferente, vai ser indiferente”. Tradução: quem tem chefe não pode deixar de aplaudi-lo mesmo que apareça nu no Parque do Ibirapuera, com uma carabina engatilhada e avisando aos berros que vai liquidar a tiros a herança maldita legada por FHC. Lula, é verdade, não fez isso. Fez coisas piores.

Num país sério, a dupla sairia algemada do SBT por determinação da Justiça eleitoral. Nestes trêfegos trópicos, o ex-presidente continua fazendo impunemente o que quer. A apresentação de Lula e Ratinho  começou com todo mundo cantando o hino do Corinthians. Deveria terminar com a chegada de um batalhão da polícia. Como isto é o País do Carnaval, só não terminou com a entrada de um batalhão de mulatas por falha da produção.

Link da matéria: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/num-pais-serio-os-tres-estupradores-da-lei-eleitoral-sairiam-algemados-do-sbt/

Leia também:  A farra bilionária do Banco Panamericano foi uma obra conjunta de Lula e Sílvio Santos

Veja também: Governo Lula compra Banco Panamericano de Silvio e ainda empresta dinheiro para fraude

Abaixo, vídeo mostra uma série de matérias sobre a visita de Silvio Santos ao Palácio do Planalto

Nunca na história desse país deu-se tanto dinheiro a banqueiro. Se o banco é de um amigo pessoal de Lula, está tudo bem, nem precisa pagar juros.

A Caixa Econômica Federal tinha acabado de comprar 49% do capital ordinário do Panamericano, o papel virou pó. O dinheiro do contribuinte, do FGTS, foi para o ralo.

Silvio deu um grande golpe no bolso do contribuinte.

Ele já é procurado na Europa por golpes. Para onde ele vai agora?

Alguém lembra quando o SBT minimizou o incidente de Serra no Rio de Janeiro?

Tudo quanto é “merda” tem os dedos de Lula no meio.

Quem não lembra do Silvio visitando o Palácio do Planalto dias atrás?

Agora o banco pega R$ 2,5 bi sem juros para pagar em 10 anos, com a primeira parcela para daqui a 3 anos.

Ainda bem que ele só tem nove dedos.

Banco PanamericanoAjuda bilionária ao banco do Grupo Silvio Santos (JN – 10/11/2010)

Governo compra Banco Panamericano de Silvio Santos, e depois de fraude, ainda empresta dinheiro a juros zero.

A Deloitte é a maior empresa de auditoria do mundo e não apontou os problemas que o PanAmericano tinha ao auditar o balanço de 2009. As auditorias não tem mais nenhuma credibilidade, depois de tantos casos de fraude.

Lula ganhou a retribuição de um grande favor.

FHC: Lula quer tapar o sol com peneira

FHC: Lula quer tapar o sol com peneira – Fernando Henrique Cardoso diz que ex-presidente insiste na tese de que o mensalão é uma farsa.

FHC critica Lula

FHC: Lula quer tapar o sol com peneira
FHC: Lula quer tapar o sol com peneira

Fonte: Fabiano Maisonnave – Folha de S.Paulo

Querer influenciar Supremo é tapar sol com peneira, diz FHC

Para tucano, se Lula tiver pedido para adiar julgamento do mensalão, é porque insiste na tese de que caso é uma farsa

Ex-presidente afirma que é preciso ‘guardar distância para que instituições tenham sua respeitabilidade’ 

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso  (FHC), 80, afirmou ontem que, se o seu sucessor, Luiz Inácio Lula da Silva, realmente tentou influenciar na escolha da data para o julgamento do mensalão, ele “está insistindo em tapar o sol com a peneira”.

“Ele tem a tese de que o mensalão é uma farsa. Ele fez aquela declaração em Paris [em julho de 2005] em que tenta minimizar o mensalão. Se ele fez isso – eu não posso afirmar, porque não tenho dados -, está insistindo na mesma tese, em tapar o sol com a peneira”, disse FHC em Pequim, onde participa de um seminário do banco Itaú.

A “Veja” revelou que Lula, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes e o ex-ministro da Defesa Nelson Jobim se reuniram em abril. Segundo Mendes, o petista disse que o julgamento deveria ocorrer após as eleições deste ano. Lula e Jobim negam esse relato.

“Como presidente, você não pode pressionar o tribunal. É até mais ilegítimo como presidente. Como cidadão, tem até mais liberdade. Ainda assim, acho que a gente deve guardar a distância necessária para que as instituições tenham a sua respeitabilidade. Mas eu não quero entrar [na discussão].”

FHC ressaltou que é preciso “ter calma, deixar que os acontecimentos tomem a sua dimensão verdadeira” e que está confiante num julgamento correto pelo STF.

“Eu acho que o Brasil amadureceu”, disse. “Esse episódio não vai contaminar as decisões [do STF].” Para FHC, “tentativas de tumultuar uma decisão dessa, de qualquer dos lados, não ajuda”.

Questionado sobre a economia, FHC disse que ajustes têm de ser feitos sem mudar o rumo e que não é recomendável abaixar as taxas de juros “a qualquer custo”.

“Temos de olhar as consequências. Não dá pra você ter reduções definidas, que a taxa de juros não tem importância, tem de abaixar a qualquer custo. Não é a qualquer custo. O custo é a inflação.”

FHC critica Lula – Link da matéria: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/46223-querer-influenciar-supremo-e-tapar-sol-com-peneira-diz-fhc.shtml

Aécio Neves acusa Lula de ameaçar a democracia

Aécio Neves acusa Lula de ameaçar a democracia: “Ninguém está acima da lei e ninguém pode tudo num país que preze a democracia”, criticou.

Aécio Neves defende atitude democrata

Aécio Neves acusa Lula de ameaçar a democracia

Aécio Neves acusa Lula de ameaçar a democracia

Fonte: Christiane Samarco – O Estado de S.Paulo

PSDB diz que ex-presidente ameaça a democracia

cúpula do PSDB fez ontem duras críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por causa do encontro que ele teve com o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). O presidente nacional do partido, deputado Sérgio Guerra (PE), e o senador Aécio Neves (PSDB-MG) acusaram Lula de ameaçar a democracia, ao tentar interferir em outro Poder para adiar o julgamento do processo do mensalão no STF.

“Ninguém está acima da lei e ninguém pode tudo num país que preze a democracia”, criticou Aécio, ao se declarar surpreso com a ação de Lula que, antes de deixar o cargo, anunciava que iria mostrar como deve se comportar um ex-presidente, contrapondo-se ao antecessor Fernando Henrique Cardoso.

“Vivemos um momento grave, uma crise institucional. O Lula e o PT ameaçam o STF e o Procurador-Geral da República, o que nunca aconteceu na história do País”, emendou Guerra.

O senador entende que “há algo de veracidade” nos relatos do ministro Gilmar. Para o presidenciável tucano, se confirmada, a conversa entre eles é algo “triste para a democracia e grave do ponto de vista das instituições”.

Aécio ressaltou que a existência, no Brasil, de instituições “absolutamente sólidas que saberão enfrentar esse “início de crise institucional” o tranquiliza. Mas insistiu que, a seu ver, houve um excesso de Lula que será julgado pela população.

Guerra e Aécio participaram na capital federal de um encontro com pré-candidatos do PSDB às prefeituras das cem maiores cidades brasileiras,

Em São Paulo, durante sabatina no SBT, o ex-governador e pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, também comentou o caso: “Está tendo um problema entre as instituições, sem dúvida alguma. Por outro lado, a presidente Dilma não pode dizer outra coisa (em nota do Planalto, ela negou risco de crise institucional). Ela tem que contribuir para a estabilidade. Se ela diz que tem risco de instabilidade ela contribui para isso.” / COLABOROU FELIPE FRAZÃO

Aécio Neves – Link da matéria: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,psdb-diz-que-ex-presidente-ameaca-a-democracia-,880292,0.htm