Oposição: Aécio é duro com claque do PT

Oposição: Aécio diz que PT tenta tirar foco da opinião pública sobre operação para eleger Renan Calheiros à presidência do Senado.

Oposição: Aécio Neves

Fonte: Jogo do Poder

Líder da oposição: Aécio Neves explica ataque da claque do PT

Líder da oposição: Aécio Neves explica ataque da claque do PT no episódio da eleição de Renan Calheiros à presidência do Senado

 Oposição: Aécio é duro com claque do PT

Oposição: Aécio diz que PT tenta tirar foco da opinião pública

Maior líder da oposiçãoAécio Neves tem sido bombardeado pela claque do PT nos últimos dias, numa clara tentativa de desviar o foco da operação montada pela presidente Dilma Rousseff e pelo seu partido para eleger Renan Calheiros (PMDB) como presidente do Senado Federal.

Em entrevista ao jornal O Globo, publicada na edição desta sexta-feira (08/02), Aécio Neves voltou a mostrar que sua posição frente à eleição no Senado foi firme e transparente. Foi dele a primeira voz da Casa a ir a público e se posicionar contra a candidatura de Renan Calheiros.

A posição de Aécio Neves como líder da oposição foi até seguida, dias depois, por outros partidos como o PSB, conforme revelou na entrevista o próprio senador mineiro:

“Tomei a decisão que achei correta. Comecei a semana falando contra a eleição do Renan, pedindo que abrisse mão da candidatura. Fiquei muito feliz que 48 horas depois, na quarta-feira, os senadores do PSB, que não tinham se manifestado, acompanharam-nos nessa posição. Lamento profundamente que alguns senadores do PSDB não seguiram a orientação da bancada, apesar do apelo enfático que fiz. Eu conversei pessoalmente com o Renan e disse que ele ficasse à vontade em relação ao cargo na Mesa, que era irrelevante. Quando a eleição estava garantida, o Eduardo Braga me encontrou no plenário e disse que perderíamos a Primeira Secretaria. Eu respondi: me façam esse favor!”.

Após a vitória de Renan Calheiros, o que se vê agora é o uso eleitoral do episódio. De um lado, o PT busca, de todas as formas, desviar o foco de sua responsabilidade por ter eleito o senador alagoano, denunciado pelo Ministério Público Federal por suposto uso de notas frias. Do outro, o PSB tentando pegar carona na atitude do senador mineiro para preparar seus primeiro voos como legenda de oposição. Ambas, cada a uma a seu modo, tentam angariar louros sobre a atitude firme, transparente e antecipada do líder da oposição, Aécio Neves.

Biografia: Aécio Neves

Biografia: Aécio Neves – Como presidente da Câmara de Deputados criou o pacote ético e no governo de Minas o Choque de Gestão.

Biografia: Aécio Neves – trajetória

Fonte: Turma do Chapéu

BiografiaAécio Neves da Cunha, senador por Minas Gerais e apontado como provável candidato a presidente da república, tem a boa política e a competência na gestão no sangue. Mineiro de Belo Horizonte e crescido no Rio de Janeiro, Aécio aprendeu com seu avô Tancredo Neves a importância da ética, da eficiência e das articulações políticas.

Desde cedo, Aécio se destacou, seja acompanhando Tancredo ou na Câmara dos deputados. Como presidente dessa casa legislativa, implantou o pacote ético, que acabou com a imunidade parlamentar para crimes comuns.

O sucesso da sua gestão o levou ao governo do estado de Minas Gerais, onde se notabilizou com programas como o Choque de Gestão, que equilibrou as contas do estado, os avanços nas políticas sociais, programas como o Proacesso, que conectou com boas estradas os municípios mineiros mais remotos, e a redução das tarifas de energia para as famílias mais carentes, com isenção de ICMS.

Confira no vídeo acima, produzido na sua campanha para o senado e disponível em http://aecioneves.com.br/videos-aecio-neves/, um pouco da biografia desse importante líder da oposição.

Aécio: 2014 – a nova geração e a renovação do PSDB

Aécio: 2014 – Senador que abrir espaço para a renovação do partido. Proposta é percorrer o país na defesa da gestão eficiente.

Aécio: 2014

 Aécio: 2014 e a nova geração do PSDB

Aécio: 2014senador concorda e acha indispensável pôr a mão na massa e o pé na estrada. Montar um “novo time” quando da mudança da executiva nacional do PSDB em maio, abrindo espaço para a nova geração de prefeitos e parlamentares.

Fonte: Artigo Dora Kramer – O Estado de S.Paulo

Mão na massa

O senador Aécio Neves não se declara candidato à Presidência da República em 2014, mas é assim que se vê. É dessa perspectiva que analisa o panorama e é para se consolidar como “candidato natural” da oposição que se movimenta.

A estrada é longa – há o ano que vem todo para atravessar, um discurso a construir e muitos cacos a juntar no PSDB -, mas o alento do tucano é que o caminho não é tão deserto quanto ele mesmo supunha nem o lobo mau anda tão perto a ponto de representar um obstáculo intransponível.

“O resultado da eleição municipal mostrou que não há cidadelas inexpugnáveis, que a popularidade de Dilma e Lula não é garantia de vitória e que a oposição não está morta”, diz, afastando a hipótese de estar sendo artificialmente otimista, já que a mais oPT derrotou o PSDB em São Paulo, a mais importante das cidadelas.

Prejuízo grande? “Enorme. Em boa parte devido à ação deletéria de Gilberto Kassab, que conseguiu projeção nacional no espaço aberto para o PSDB, dizimou o DEM, construiu suas pontes com o governo e agora é nosso adversário.”

Dano irrecuperável? “Nem de longe. Continuamos com os governos de São Paulo e Minas. Ganhamos as três últimas presidenciais no Sul e Centro-Oeste e agora conquistamos inserção importante no Norte e no Nordeste, de onde havíamos sido praticamente varridos.”

Uma surpresa. Meses antes da eleição os tucanos achavam que no Nordeste a oposição só ganharia em Aracaju, com o veteraníssimo João Alves, do DEM.

Por isso, o saldo de vitórias na parte do País onde o governo federal fincara sólidas bandeiras é visto com festejo: Salvador, Teresina, Maceió, Manaus, Belém e Aracaju. Inclui Fortaleza e Recife, conquistas do PSB em confronto com o PT, para dizer que a invencibilidade de Lula é um mito e a boa avaliação de Dilma não resulta necessariamente em influência de voto.

“A presidente se empenhou pessoalmente em cinco cidades, (Belo Horizonte, Campinas, São Paulo, Manaus, Salvador) e perdeu em quatro.”

Mas só isso não faz do PSDB uma opção competitiva nem é suficiente nem para abalar a aliança em torno da reeleição de Dilma Rousseff.

Aécio concorda e acha indispensável pôr a mão na massa e o pé na estrada. Montar um “novo time” quando da mudança da executiva nacional do PSDB em maio, abrindo espaço para a nova geração de prefeitos e parlamentares.

“Depois disso, tenho uns seis meses para viajar pelo País.” A ideia é falar nas Assembleias Legislativas, nas universidades, nas emissoras locais, aproveitando todo tipo de oportunidade para levar ao eleitorado temas como saúde, segurança, penúria dos municípios, aparelhamento do Estado, eficácia de gestão, ética na política e mais quais forem os temas escolhidos pelo partido.

E o tom desse discurso, será ameno ou de embate com o Palácio do Planalto?

O senador é criticado dentro e fora do PSDB por ter tido uma atuação frustrante diante da expectativa de que seria o grande líder da oposição depois de deixar o governo de Minas.

“Sei disso. Às vezes penso que talvez tivesse sido melhor não ter ido para o Senado, onde a oposição não tem destaque e o ambiente é de subserviência absoluta.”

Daí o plano de atuar mais fora do Parlamento em 2013. Candidatura para valer – “se for o caso”, acrescenta a título de precaução – só na virada do ano eleitoral.

Anuncia que assumirá gradualmente posições mais contundentes, embora dentro de um limite: “Não acho que vá ganhar a eleição quem se dedique exclusivamente a dar pancada no governo. Se eu tivesse feito isso, teria sido pior, estaria mais desgastado”.

Preservando-se para pescar nas águas governistas?

“Tenho trânsito em todos os partidos, mas no momento a preocupação é outra: cumprir uma agenda que faça do PSDB uma expectativa viável de poder, porque sem esse ativo não vamos atrair ninguém.”

Aécio: 2014 – Link do artigo – http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,mao-na-massa-,958762,0.htm

Aécio vai apoiar Virgílio em Manaus

Aécio: Virgílio recebe em Manaus senador e possível candidato do PSDB à Presidência da República em 2014, Aécio Neves (MG).

Aécio: eleições 2012 e presidente 2014

Aecio: Facebook – visite a página: O endereço do perfil é http://www.facebook.com/AecioNevesOficial

 Aécio: senador vai a Manaus apoiar Virgílio

Aecio: Virgílio recebe em Manaus senador e possível candidato do PSDB à Presidência da República em 2014,Aécio Neves (MG).

Fonte: Estado de S.Paulo

Manaus será maior vitória do PSDB, afirma Virgílio

Líder nas pesquisas na capital do Amazonas, ex-senador que liderou oposição a Lula diz que, ‘confirmada derrota de Serra’, seu eventual êxito será simbólico

Aécio e Virgílio – O candidato do PSDB à prefeitura de Manaus, Artur Virgílio, afirmou que, se vencer no 2.º turno – ele lidera as pesquisas de intenção de voto -, esse será o resultado mais simbólico para os tucanos nas eleições deste ano. Em entrevista ao Estado, o ex-senador e líder da oposição nos oito anos do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lamentou uma eventual derrota do candidato tucano em São Paulo, José Serra.

“Se for confirmada a derrota do Serra, (a minha vitória) é a mais simbólica para o partido”, afirmou Virgílio anteontem. “Digo isso com pesar porque tenho uma consideração muito grande pelo Serra, tenho respeito, pessoal e intelectual, por ele. Carinho também. Mas são os aprendizados que a história de um povo oferece. São Paulo precisa disso, talvez. Ameaçou ir de (Celso) Russomanno (candidato derrotado do PRB), está indo agora de (Fernando) Haddad. ‘Meno male’, né?”, afirmou o candidato do PSDB em Manaus.

De acordo com sondagens realizadas pelo Ibope e outros institutos locais na semana passada, o ex-senador lidera a disputa e venceria a eleição com 70% dos votos válidos, em média. Sua adversária, segundo essas pesquisas, a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B), ficaria na faixa dos 30%. Na noite de segunda-feira, a candidata do PC do B contou com o reforço da presidente Dilma Rousseff, que esteve em Manaus para participar de um comício que reuniu cerca de 40 mil pessoas, conforme estimativa dos organizadores. A Polícia Militar estimou em 30 mil pessoas o público do comício.

Aécio. Com liderança folgada nas pesquisas, o tucano recebe hoje para um comício o senador e possível candidato do PSDB à Presidência da República em 2014, Aécio Neves (MG). Antes, o tucano mineiro visita São Luís, no Maranhão, onde o partido disputa o segundo turno com João Castelo.

Aécio tem rodado o País para fazer campanha com candidatos aliados e, consequentemente, tornar-se mais conhecido do eleitorado de fora de Minas Gerais para suas pretensões em 2014.

De acordo com Virgílio, a presença do presidenciável mineiro em Manaus é o reconhecimento do partido da importância de sua vitória. Algo que, segundo ele, não ocorreu em 2010.

Nas eleições daquele ano, Virgílio foi derrotado em sua tentativa de se reeleger ao Senado. Perdeu justamente para Vanessa e para o ex-governador e principal líder político do Amazonas atualmente, Eduardo Braga (PMDB) – líder do governo no Senado. Um dos principais críticos do governo Lula no período em que estava no Congresso, o tucano atribui à atuação do ex-presidente a responsabilidade pela sua derrota.

“A vinda do Aécio não é apenas para agregar. Trata-se mais de o partido participar de uma eleição que tem um peso simbólico muito forte. Algo que não foi compreendido muito bem em 2010″, afirmou o candidato tucano. “Naquela ocasião, era simbólico para o Lula me derrotar e não foi simbólico para o partido me preservar”, lamentou Virgílio.

Mágoa. De acordo com ele, a derrota em 2010 “azedou” sua relação com a direção do partido. “Acho que depois de todo mundo fazer esforço e o resultado ser negativo, tudo bem. Mas tratar a candidatura do líder da oposição por oito anos, que tinha sido líder do governo e secretário-geral daPresidência da República do governo tucano, que tinha sido secretário-geral do partido por três anos, como algo sem importância, não dá para entender”, reclamou o candidato.

Aécio: presidente 2014 – Link da matéria http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,manaus-sera-maior-vitoria-do-psdb-afirma-virgilio–,950006,0.htm

Aécio Neves: Senado aprova TRF de Minas

Aécio Neves: Senado aprovação em 1º turno, no Senado, da PEC que cria o TRF da 6ª Região, para atender exclusivamente Minas Gerais.

Aécio Neves: Líder da Oposição

Fonte: Jogo do Poder

 Aécio Neves: Senado aprova TRF de Minas

Aécio Neves: Senado aprovação em 1º turno, no Senado, da PEC que cria o TRF da 6ª Região, para atender exclusivamenteMinas Gerais.

Entrevista senador Aécio Neves

“Conseguimos, felizmente, hoje, no plenário do Senado Federal, depois de um embate duro com o líder do governo no Congresso, o senador do PT , José Pimentel, aprovar em primeiro turno a criação do Tribunal Regional Federal de Minas Gerais.

Na verdade, hoje, o tribunal que atende Minas Gerais, que é o da 1ª Região, atende outros 13 estados. Isso significa que aquele cidadão, sobretudo o mais desprotegido, que tem um recurso para ser analisado, está demorando não anos, mas décadas para que o recurso seja julgado, já que o acúmulo é enorme nesse tribunal regional do qual faz parte Minas Gerais.

Desses 13 estados, Minas responde por quase 50% das demandas. Portanto, nada mais natural que se crie o tribunal de Minas Gerais porque vai garantir um alívio processual, uma agilidade maior aos processos referentes aos mineiros e também, de algum forma, atende esses outros 13 estados, porque terão, obviamente, também a pauta aliviada.

Tivemos aqui um embate desde o início desse ano em torno dessa proposta e esperamos que o segundo turno definitivo no Senado, seja votado até o dia 12 do mês de setembro.

Portanto, um projeto que atende uma demanda não apenas da Justiça Federal, mas dos cidadãos mineiros que, ao apresentarem seus recursos, esperam que eles sejam decididos, a favor ou contra.

O que nós estamos fazendo é garantir agilidade, serviços judiciais céleres, rápidos, ágeis aos mineiros.

É uma proposta do senador Clésio, que eu tive o privilégio de relatar e, repito, apesar da objeção do líder do governo do Congresso, que defendeu a não aprovação da proposta, venceu o bom senso e venceu Minas Gerais.”

Aécio Neves: Líder da Oposição – Site do senador: http://www.aecioneves.net.br

Aécio Neves: líder da oposição renegocia dívidas dos estados

Líder da oposição, o senador Aécio Neves defende problema, até então, sem solução: a renegociação das dívidas dos estados com o Governo Federal.

Fonte: JPSDB-MG

O senador Aécio Neves, líder da oposição, vem chamando a atenção do país para um grande problema que parece não ter solução: a dívida dos estados com a União.

Aécio Neves defende que o governo federal altere o índice atual de correção das dívidas, o IGP-DI, para o IPCA, índice oficial de inflação. Ao longo dos últimos 14 anos, o IGP-DI cresceu muito, elevando a dívida dos estados, contraídas até 1997, sem que suas receitas registrassem aumento sequer.

Aécio Neves, principal líder da oposição no Brasil, considera um absurdo os estados já terem realizado pagamentos substantivos e o valor nominal das dívidas ainda ser, hoje, maior do que era no início do financiamento.

O senador faz duras críticas ao governo federal do PT pelo fato de fazer vistas grossas ao problema dos estados e não rever a correção das dívidas. Ao contrário disso, oferece taxas subsidiadas pelo BNDES para financiar a iniciativa privada.

Realmente, não há justificativa aos estados, responsáveis por investimentos em saúde, educação e segurança, serem penalizados pelo governo com encargos financeiros nas alturas. Alguém está ganhando com isso, e esse alguém só pode ser o governo federal que tem comemorado sucessivos recordes de arrecadação.

Para Aécio Neves, o líder da oposição, a renegociação seria um importante passo para “tirar os estados do sufoco” e evitar um verdadeiro “dominó de falências” e a “morte anunciada” do federalismo nacional

Aécio Neves: líder da oposição renegocia dívidas dos estados

Líder da oposição, o senador Aécio Neves defende problema, até então, sem solução: a renegociação das dívidas dos estados com o Governo Federal.

Fonte: JPSDB-MG

Aécio Neves: líder da oposição

O senador Aécio Neves, líder da oposição, vem chamando a atenção do país para um grande problema que parece não ter solução: a dívida dos estados com a União.

Aécio Neves defende que o governo federal altere o índice atual de correção das dívidas, o IGP-DI, para o IPCA, índice oficial de inflação. Ao longo dos últimos 14 anos, o IGP-DI cresceu muito, elevando a dívida dos estados, contraídas até 1997, sem que suas receitas registrassem aumento sequer.

Aécio Neves, principal líder da oposição no Brasil, considera um absurdo os estados já terem realizado pagamentos substantivos e o valor nominal das dívidas ainda ser, hoje, maior do que era no início do financiamento.

O senador faz duras críticas ao governo federal do PT pelo fato de fazer vistas grossas ao problema dos estados e não rever a correção das dívidas. Ao contrário disso, oferece taxas subsidiadas pelo BNDES para financiar a iniciativa privada.

Realmente, não há justificativa aos estados, responsáveis por investimentos em saúde, educação e segurança, serem penalizados pelo governo com encargos financeiros nas alturas. Alguém está ganhando com isso, e esse alguém só pode ser o governo federal que tem comemorado sucessivos recordes de arrecadação.

Para Aécio Neves, o líder da oposição, a renegociação seria um importante passo para “tirar os estados do sufoco” e evitar um verdadeiro “dominó de falências” e a “morte anunciada” do federalismo nacional