Gestão em Minas: governador Antonio Anastasia comemora anúncio de consulado dos EUA

Secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, anunciou instalação de consulado em Belo Horizonte

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, comemorou o anúncio da instalação de consulado dos Estados Unidos em Belo Horizonte, feito nesta segunda-feira (9) pela secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton. Segundo o governador, a medida é resultado dos esforços empreendidos, nos últimos anos, pelo governo, entidades de classe, políticos e setores da sociedade civil do Estado.

A decisão mostra o reconhecimento da importância que Minas Gerais tem nas relações entre o Brasil e os Estados Unidos e facilitará o fluxo de pessoas, produtos e serviços de e para o Estado. “Minas Gerais é um parceiro importante para os Estados Unidos. Milhares de mineiros vivem no país ou o visitam a cada ano. O consulado é um novo patamar social e econômico para Minas Gerais”, comemorou o governador.

Em 2011, os Estados Unidos foram o terceiro principal destino dos produtores mineiros, atrás de China e Japão, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). As exportações mineiras somaram US$ 3,05 bilhões, 38% acima dos US$ 2,2 bilhões registrados em 2010. Com isso, o país norte-americano atingiu uma participação de 7,4% na pauta exportadora do Estado. Em relação às importações, os Estados Unidos foram o principal parceiro comercial dos mineiros, no ano passado. As importações de produtos “made in EUA” chegaram a US$ 2,17 bilhões.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-antonio-anastasia-comemora-anuncio-de-consulado-dos-eua/

Governo de Minas: Paraatletas de doze países se encontram em BH para campeonato de tênis

A competiçãon é promovida pela ONG Tênis para Todos, uma das entidades parceiras da Seej

Filipe Diniz/Seej
Adair José Salvador Siqueira, 24 anos, joga tênis na ONG há oito meses
Adair José Salvador Siqueira, 24 anos, joga tênis na ONG há oito meses

Cinquenta e dois paraatletas do Brasil, Argentina, Austrália, Canadá, Chile, Colômbia, Espanha, França, Inglaterra, Japão, Suécia e Uruguai participam, até domingo (1º), da sétima edição do TH Minas Weelchair Tennis Open. A competição, realizada na Avenida Otacílio Negrão de Lima, 7030, em Belo Horizonte, é promovida pela ONG Tênis para Todos, uma das entidades parceiras da Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude (Seej) na execução do programa Minas Olímpica Oficina de Esportes.

Um dos beneficiados pelo programa Oficina de Esporte que competem no torneio é Adair José Salvador Siqueira, 24 anos, que há sete perdeu as duas pernas num acidente e encontrou no esporte uma oportunidade de superação. Por cinco anos ele praticou basquete e há oito meses joga tênis na ONG Tênis para Todos. “Tenho uma vida bem independente, moro sozinho, cozinho, lavo e vou para os treinos de segunda-feira a sábado, das 9h às 16h. Pego por dia quatro ônibus mais o metrô para treinar e o esporte é a minha vida, meu refúgio”, disse o paraatleta.

Rafael Medeiros, de 21 anos, é o outro exemplo de força de vontade. A mãe, Marina Medeiros Gomes, conta que aos dois anos de idade Rafael perdeu a mobilidade das pernas. “Meu filho dormiu andando e acordou paralítico. Era como se estivesse num buraco, lá no fundo, fiquei desesperada”, relata a mãe, que descobriu que um cisto na coluna havia imobilizado o garoto. Daí pra frente Rafael passou por mais de vinte cirurgias, sendo a última em 2010, quando mais uma vez teve que ser operado. “Meu filho ficou entre a vida e a morte e só um milagre poderia salvá-lo e isso aconteceu”.

Há cinco anos Rafael conheceu o tênis em cadeira de rodas e não parou mais. Hoje ele é o segundo no ranking nacional e 44º no internacional. “Quando conheci o tênis foi amor a primeira vista e não consigo me imaginar sem praticá-lo. Estou batalhando pra conquistar uma vaga para as Paraolimpíadas de Londres e chegar pelo menos a uma final”, declara o jovem que conta com apoio integral da mãe. “Apoio e procuro estar aonde ele está. Meu filho é a minha via é o meu herói”.

O diretor técnico e de planejamento e gestão da ONG, Gerson Carlos de Souza, explica que este campeonato em cadeira de roda é o mais importante do segmento sulamericano. “O TH Minas Weelchair Tennis Open é o único torneio da América do Sul que pontua no Internacional Tennis Federation (ITF) na categoria de juniores e isso contribui para elevar o ranking dos jogadores”, destacou o diretor.

A competição acontece nas modalidades feminino, masculino e juniores- voltado a atletas entre 12 e 18 anos, e é divida nas chaves principal e secundária, com jogos no simples e no duplo. Em relação ao tênis convencional, a prova praticada por cadeirantes têm como principal diferencial a validade do quique duplo nas jogadas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/paraatletas-de-doze-paises-se-encontram-em-bh-para-campeonato-de-tenis/

Governo de Minas: experiência internacional em prevenção a desastres está à disposição dos municípios mineiros

Defesa Civil Estadual conclui curso de educação em prevenção a desastres naturais, realizado em parceria com agência japones

Renato Cobucci/Imprensa MG
Cerca de 300 participantes, de diversos municípios mineiros, receberam capacitação em estratégias de prevenção
Cerca de 300 participantes, de diversos municípios mineiros, receberam capacitação em estratégias de prevenção

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas (Cedec-MG) concluiu, nesta terça-feira (13), o Curso Internacional de Educação em Prevenção a Desastres Naturais, realizado em parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica). Os cerca de 300 participantes, de diversos municípios mineiros, receberam capacitação em estratégias de prevenção e, agora, estão aptos a atuar como multiplicadores em suas respectivas regiões.

Para o chefe do Gabinete Militar do Governador e coordenador estadual de Defesa Civil, coronel Luis Carlos Martins, o curso representou um importante reforço às ações que já vêm sendo desempenhadas no Estado. “Nosso objetivo maior é, sempre, o aprimoramento das medidas preventivas, com foco completamente voltado à preservação da vida. O Governo de Minas reitera, com este curso, sua constante estratégia de parceria e apoio aos municípios mineiros”, destacou.

O treinamento teve duração de dois dias, com a participação de agentes das Coordenadorias Municipais de Defesa Civil (Comdecs) e representantes de diversos órgãos do Governo de Minas, além de oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. “O Japão é a maior referência em enfrentamento a desastres naturais. Essa troca de experiência é fundamental para que possamos buscar respostas cada vez mais eficientes a situações de adversidades”, avaliou o secretário-executivo da Cedec-MG, tenente-coronel PM Fabiano Villas Bôas.

O curso foi ministrado pela professora Hiroko Kondo, especialista do Centro de Pesquisas de Mitigação de Desastres da Universidade de Nagoya, no Japão. “Este treinamento reafirma as relações diplomáticas entre o Brasil e o Japão. Em Minas Gerais, a prevenção é tratada com a devida seriedade, daí a nossa satisfação em estabelecermos essa troca de experiências”, disse a especialista ao destacar as ações desenvolvidas pela Escola Permanente de Defesa Civil da Cedec-MG.

Parceiro estratégico

A Jica é um órgão do governo japonês com atuação em mais de 150 países. Realizado no Auditório da Escola de Formação de Sargentos, no bairro Prado, em Belo Horizonte, o Curso Internacional de Educação em Prevenção a Desastres Naturais foi inédito no país. A agência realiza projetos de cooperação com foco em orientações técnicas de peritos e treinamentos especiais, objetivando a formação de pessoal capacitado e a criação de sistemas de enfrentamento a desastres naturais.

“Estamos convictos de que os municípios mineiros que participaram deste curso, por meio de seus representantes, estão mais preparados para enfrentar situações de adversidades naturais. É preciso ouvir e aproveitar as experiências desenvolvidas no Japão”, avaliou o tenente-coronel do Corpo de Bombeiros, Edgard Estevo da Silva, que, recentemente, participou de uma missão oficial no Japão.

Ao final do treinamento, os participantes receberam um certificado concedido pela Cedec-MG e pela Jica.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: curso internacional promove troca de experiências entre governos de Minas e do Japão

Capacitação envolve a Força Estadual de Defesa Civil e agentes de diversos municípios

Osvaldo Afonso/Imprensa MG
Yukari Hamada, coronel Fabiano Villas-Boas, coronel Martins, Hiroko Kondo e Chiaki Kobayaschi
Yukari Hamada, coronel Fabiano Villas-Boas, coronel Martins, Hiroko Kondo e Chiaki Kobayaschi

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas (Cedec-MG), em parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), promove, em Belo Horizonte, o Curso Internacional de Educação em Prevenção a Desastres Naturais. O treinamento é inédito no país. A cerimônia de abertura do curso foi realizada nesta segunda-feira (12), no Auditório da Escola de Formação de Sargentos, no bairro Prado.

O treinamento tem o objetivo de capacitar agentes de Defesa Civil para atuação em estratégias de prevenção. “É uma oportunidade ímpar de parceria. A Jica é uma das principais agências de cooperação do mundo. O Japão, ano após ano, se prepara cada vez mais para enfrentar catástrofes. A troca de experiências será fundamental para se somar às políticas públicas já empregadas pelo Governo de Minas”, avaliou o chefe do Gabinete Militar do Governador e coordenador estadual de Defesa Civil, coronel Luis Carlos Martins.

O Curso Internacional de Educação em Prevenção a Desastres Naturais é ministrado pela professora Hiroko Kondo, especialista do Centro de Pesquisas de Mitigação de Desastres da Universidade de Nagoya, no Japão. “Ações proativas, envolvendo comunidades, escolas e órgãos públicos, são o cerne das estratégias utilizadas no Japão. O modelo de prevenção é abordado em músicas, livros didáticos e artes. As crianças recebem treinamento já nas escolas. No Japão, a prevenção é uma política pública universalizada”, explicou a especialista.

A Jica é um órgão do Governo Japonês responsável pela implementação da Assistência Oficial para o Desenvolvimento – frente de trabalho internacional que apóia o crescimento e a estabilidade socioeconômica dos países em desenvolvimento. A agência possui atuação em mais de 150 países. “O planejamento é fator determinante para compensar a vulnerabilidade natural e evitar situações de colapsos. Apesar da grande extensão de Minas Gerais, o Governo do Estado vem desenvolvendo um trabalho exemplar de prevenção”, avaliou o pesquisador da Jica, Chiaki Kobayashi, que ministrou palestra na abertura do evento.

A agência realiza projetos de cooperação com foco em orientações técnicas de peritos e treinamentos especiais, objetivando a formação de pessoal capacitado e a criação de sistemas de enfrentamento a desastres naturais, além do desenvolvimento de pesquisas que identifiquem anormalidades climáticas e geológicas. A Jica é a maior referência mundial em enfrentamento a desastres naturais.

Para selar a cordialidade diplomática existente entre os dois países, no início da solenidade foram executados os hinos nacionais do Brasil e do Japão. Em reverência aos cerca de 14 mil mortos no terremoto e no tsunami que atingiram o Leste do Japão no dia 11 de março de 2011, foi observado um minuto de silêncio durante a cerimônia de abertura do curso.

Prevenção permanente

O curso integra as ações desenvolvidas pela Escola Permanente de Defesa Civil da Cedec-MG. A capacitação conta com mais de 300 participantes, entre agentes das Coordenadorias Municipais de Defesa Civil (Comdecs), representantes de diversos órgãos do Governo de Minas, além de oficiais que compõem a Força Estadual de Defesa Civil, como a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros. Os participantes se tornarão aptos a atuar como multiplicadores.

O tenente-coronel do Corpo de Bombeiros, Edgard Estevo da Silva, que, recentemente, participou de uma missão oficial no Japão, destacou a importância desta parceria firmada pela Cedec-MG. “A cooperação internacional cria novos mecanismos de resposta às situações adversas. É preciso ouvir e aproveitar as experiências desenvolvidas no Japão, que é um país propenso a danos naturais, em razão de inúmeras peculiaridades geográficas”, afirmou. O curso será encerrado nesta terça-feira (13), com a entrega de certificados aos participantes.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: maior agência mundial em prevenção a desastres naturais realiza curso em BH

Treinamento será realizado em parceria com a Defesa Civil Estadual
Jica/Divulgação
Curso objetiva capacitar agentes em programas e estratégias de prevenção a desastres naturais
Curso objetiva capacitar agentes em programas e estratégias de prevenção a desastres naturais

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas (Cedec-MG), em parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), promove, nos dias 12 e 13 de março, o Curso Internacional de Educação em Prevenção a Desastres Naturais. O treinamento inédito será realizado no Auditório da Escola de Formação de Sargentos, no bairro Prado, em Belo Horizonte.

O curso tem o objetivo de capacitar agentes de Defesa Civil e representantes de órgãos públicos de diversos níveis para atuação em programas e estratégias de prevenção a desastres naturais, como tempestades, abalos sísmicos e demais ocorrências adversas. Os participantes do curso se tornarão aptos a atuar como multiplicadores das práticas preventivas, com foco na percepção de situações de risco.

O treinamento leva em conta fatores diretamente ligados aos desastres naturais, como as alterações climáticas, o crescimento desordenado de áreas urbanas nas últimas décadas e as inúmeras situações de vulnerabilidade culturais, econômicas e sociais dos municípios. A Cedec-MG visa capacitar recursos humanos e otimizar os procedimentos a serem adotados pelos agentes estaduais e municipais.

O Curso Internacional de Educação em Prevenção a Desastres Naturais integra as ações desenvolvidas pela Escola Permanente de Defesa Civil da Cedec-MG. A capacitação contará com cerca de 300 participantes, entre agentes das Coordenadorias Municipais de Defesa Civil (Comdecs), representantes de diversos órgãos do Governo de Minas, além dos oficiais que compõem a Força Estadual de Defesa Civil, como a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros.

A Jica

A Jica é um órgão do Governo Japonês responsável pela implementação da Assistência Oficial para o Desenvolvimento – frente de trabalho internacional que apóia o crescimento e a estabilidade socioeconômica dos países em desenvolvimento. Com uma rede de escritórios que se estende por cerca de 100 países, a Jica presta assistência a mais de 150 nações de todas as partes do mundo, promovendo uma ampla integração por meio da troca de experiências.

A agência realiza projetos de cooperação com foco em orientações técnicas de peritos e treinamentos especiais, objetivando a formação de pessoal capacitado e a criação de sistemas de enfrentamento a desastres naturais, além do desenvolvimento de pesquisas que identifiquem anormalidades climáticas e geológicas. A Jica é a maior referência mundial em enfrentamento a desastres naturais, como tornados, tsunamis e terremotos.

O Curso Internacional de Educação em Prevenção a Desastres Naturais será ministrado pela professora Hiroko Kondo, especialista do Centro de Pesquisa de Mitigação e Prevenção de Desastres Naturais da Universidade de Nagoya, no Japão. A professora Kondo e considerada, atualmente, a principal autoridade internacional em Defesa Civil. O curso será ministrado em japonês e a Cedec-MG oferecerá tradução simultânea.

A abertura oficial do treinamento será feita pelo chefe de Gabinete Militar do Governador e coordenador estadual de Defesa Civil, coronel Luis Carlos Martins. Também haverá uma apresentação do tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Militar, Edgard Estevo da Silva, que, recentemente, participou de uma missão oficial no Japão, por meio do acordo de cooperação entre a Jica e o Governo de Minas Gerais. Haverá entrega de certificados aos participantes.

Serviço

Curso Internacional de Educação em Prevenção a Desastres Naturais

Datas: 12 e 13 de março de 2012.

Local: Auditório da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos, Rua Gordiano, 123, Prado, Belo Horizonte.

Horários: 8h às 16h45 (segunda-feira) e de 8h30 às 17h (terça-feira).

Informações: 3915-0274 (Escola de Defesa Civil) ou 9818-2500 (Major Edylan Arruda, Defesa Civil Estadual).

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: técnicos japoneses visitam BH para início de cooperação técnica em gestão de resíduos

Parceria com o Governo de Minas permitirá a troca de experiências entre especialistas dos dois países

Osvaldo Afonso/Imprensa MG
Agência Japonesa de Cooperação Internacional e Prefeitura de Kitakyushu conhecem iniciativas em gestão ambiental do Governo de Minas
Agência Japonesa de Cooperação Internacional e Prefeitura de Kitakyushu conhecem iniciativas em gestão ambiental do Governo de Minas

Teve início, nesta segunda-feira (5), a visita oficial à Secretaria de Estado Extraordinária de Gestão Metropolitana (Segem) e à Agência de Desenvolvimento da RMBH (ARMBH) de representantes japoneses da Agência Japonesa de Cooperação Internacional (Jica) e da Prefeitura de Kitakyushu, que vieram a Belo Horizonte para conhecer as iniciativas em gestão ambiental desenvolvidas na região metropolitana da capital, com ênfase em resíduos sólidos.

Esta é a primeira visita técnica da missão de cooperação acertada entre a ARMBH e a Jica para conhecer a estrutura de coleta, disposição e destinação de resíduos sólidos na RMBH. A comitiva é formada por técnicos especializados em análise de resíduos e engenheiros da Prefeitura de Kitakyushu, no Japão, que também apresentaram as ações desenvolvidas naquele país em relação à sua gestão.

Até a próxima quinta-feira (8), a comitiva vai participar de várias apresentações sobre o que está sendo feito na gestão de resíduos sólidos pelo Estado, ministradas na Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, além de visitar a cidade de Betim, onde a Jica já desenvolve uma parceria para identificar o tipo de lixo gerado no município. Ainda em Betim, os técnicos vão pesquisar a situação de tratamento de resíduos norteados por visitas à prefeitura municipal, às empresas de tratamento de resíduos Via Solo e Metalsider, e aos aterros sanitários de São Salvador, encerrado em dezembro de 2011; de Essencis, no bairro Morada do Trevo; e de Sabará, no bairro Nações Unidas.

A delegação japonesa também vai conhecer o laboratório de Análises Químicas da Universidade Federal de Minas Gerais, o Centro de Tratamento de Resíduos Sólidos na BR-040, e as instalações do Sistema de Lixo Urbano (SLU) e do Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR).

Na abertura da reunião, o diretor-geral da ARMBH, Camillo Fraga, ressaltou a importância da parceria com a Jica, lembrando a boa relação com a agência nos últimos meses. Falou, ainda, sobre o envio da técnica da ARMBH, Kelly Silva, ao Japão, por 35 dias, para conhecer e estudar a destinação final de resíduos sólidos naquele país. “Dando continuidade a essa cooperação, essa visita é mais um passo importante para que possamos e avaliar o que está sendo desenvolvido nessa área na RMBH”, afirmou.

Após coletarem as informações necessárias, os técnicos retornarão ao Japão no dia 09 de março, onde vão estudar e avaliar a melhor forma de tratamento dos resíduos sólidos na RMBH. O passo seguinte será a apresentação do tratamento sugerido aos técnicos do Estado, em outra visita a Belo Horizonte.

Cooperação

No dia 26 de janeiro de 2012, a coordenadora de projetos da Jica/Representação no Brasil, Kelly Nishikawa, veio a Belo Horizonte anunciar a aprovação de cooperação técnica com o Governo de Minas no projeto sobre análise de resíduos sólidos nos 48 municípios integrantes da RMBH e Colar Metropolitano.

A agência japonesa se comprometeu em subsidiar a capacitação de técnicos brasileiros, que ficarão responsáveis pelos estudos e análise dos resíduos sólidos na RMBH, identificando, principalmente, o seu poder calorífico com potencial para ser usado na geração de energia. É a primeira vez que a Jica estabelece uma cooperação técnica para projetos comunitários com o Governo de Minas e, apesar de não haver transferência direta de recursos, o projeto está orçado em cerca de R$ 400 mil. Durante os dois anos e meio de duração do projeto estão previstas duas visitas de peritos japoneses ao Brasil e uma, de técnicos brasileiros ao Japão.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: levantamento do Governo Federal indica que exportação de mel cresce em Minas Gerais

Jequitinhonha e Mucuri destacam-se como regiões produtoras. Estados Unidos são o principal destino.

Divulgação/CBA
Apicultura gera 13 mil empregos em Minas Gerais, grande parte em regime de economia familiar
Apicultura gera 13 mil empregos em Minas Gerais, grande parte em regime de economia familiar

Café, açúcar, carne e soja não foram os únicos produtos que se destacaram no cenário das exportações do agronegócio de Minas Gerais em 2011. De acordo com informações da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), com base nos dados do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior (MDIC), as exportações do mel vêm se destacando em Minas Gerais e somaram US$ 1,7 milhão em 2011, apontando um crescimento de 18% em relação ao  ano anterior. O volume de exportações também cresceu: foram 559 toneladas, o maior volume desde 2004, quando 290 toneladas do produto deixaram o país.

De acordo a assessora técnica da Seapa, Márcia Aparecida de Paiva Silva, a apicultura mineira é favorecida em decorrência ambiente natural propício para o desenvolvimento da atividade. “A atividade pode ser desenvolvida em consórcio com várias culturas agrícolas, como espécies de árvores frutíferas, silvicultura, café, dentre outros, que são beneficiadas pela polinização das abelhas”, avalia.

Segundo dados Federação Mineira de Apicultura (Femap), Minas Gerais produz quatro mil toneladas de mel por ano, que geram 13 mil empregos, grande parte em regime de economia familiar. São 4,5 mil apicultores, 85 associações e quatro cooperativas que garantem condições ideais para a produção de produtos de extrema qualidade.

“Os fatores positivos para o estado são a resistência e vitalidade das abelhas brasileiras aliadas à diversidade da flora, a abundância de recursos hídricos, o clima, a temperatura e a altitude adequadas”, destaca o presidente da Femap, Irone Martins Sampaio.

Jequitinhonha e Mucuri destacam-se na produção

Minas Gerais é o quinto maior produtor de mel do Brasil. A região que mais produz é Jequitinhonha/Mucuri, representando 22,7%, seguido por Central (15,2%), Sul de Minas (14,5%), Rio Doce (12,8%), Zona da Mata (11,3%), Norte de Minas (9,3%), Centro Oeste (6,4%), Triângulo (4,2%), Alto Paranaíba (2,3%) e Noroeste (1,2%).

Irone Sampaio, da Femap, destaca a orientação de entidades como a Emater e Idene que garantem qualificação junto aos produtores. “Esse auxílio contribui muito para a formação e capacitação dos apicultores. São pequenos produtores que trabalham com várias frentes de atividades rurais e precisam de alguém para mostrar a importância do conhecimento. Por isso estamos estimulando a criação de associações apícolas nas diversas regiões”, explica.

Estados Unidos são o principal destino

O mel brasileiro teve como principal destino o Estados Unidos. As compras americanas aumentaram 66,4% entre 2010 e 2011. O país comprou, em 2011, US$ 1 milhão, correspondendo 58,7% da produção exportada, totalizando 327,2 toneladas. O segundo maior comprador é o Reino Unido, com US$ 342,6 mil, o equivalente a 19,8% das exportações do produto. O terceiro lugar ficou com a Alemanha, com US$ 245,7 mil (14,2%). Os demais países importadores do produto mineiro são Bélgica, Canadá, Japão e Bolívia.

“O significativo consumo contribui para que os Estados Unidos se posicionem na liderança entre os principais importadores mundiais de mel, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO)”, comenta Márcia Paiva Silva, da Seapa.

Fonte: Agência Minas

Antonio Anastasia visita Festival do Japão em Minas 2012

O governador de Minas participou da cerimônia de encerramento do Painel Econômico Minas-Japão 2012 e da posse do novo cônsul-geral honorário do Japão em Belo Horizonte, Wilson Brumer
Gil Leonardi/Imprensa MG
O governador degustou comidas típicas e visitou estandes no Pavilhão I do Expominas
O governador degustou comidas típicas e visitou estandes no Pavilhão I do Expominas

O governador Antonio Anastasia participou, nesta sexta-feira (3), da cerimônia de encerramento do Painel Econômico Minas-Japão 2012, seminário econômico que integra a programação do Festival do Japão em Minas 2012. O evento, no Expominas, é promovido pela Associação Mineira de Cultura Nipo-Brasileira e Consulado Geral Honorário do Japão em Belo Horizonte. Na ocasião, o ex-presidente da Usiminas e ex-secretário de Desenvolvimento Econômico em Minas, Wilson Brumer, assumiu o posto de cônsul-geral honorário do Japão em Belo Horizonte.

O governador, acompanhado do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, do embaixador do Japão no Brasil, Akira Miwa, do cônsul-geral do Japão no Rio de Janeiro, Masaru Watabane, dentre outras autoridades, participou da cerimônia do Kagami Wari, tradicional em festividades no Japão, na qual se quebra o tampo de um barril de sakê, o que significa na cultura nipônica a abertura de caminhos e a busca de paz.

Anastasia também assistiu a uma apresentação artística japonesa, degustou comidas típicas e visitou estandes instalados no Pavilhão I do Expominas. Ao destacar as relações culturais e econômicas entre o Japão e Minas Gerais, Antonio Anastasia ressaltou que a presença do país asiático em Minas foi fundamental para o desenvolvimento do Estado.

“Apesar da presença mais numerosa da colônia japonesa, por exemplo, em São Paulo e no Paraná, a presença econômica do Japão em Minas Gerais foi decisiva para o nosso desenvolvimento, em diversos setores e, o mais importante, na tecnologia, tanto industrial como no campo rural”, disse o governador, em pronunciamento.

Anastasia aproveitou o momento para desejar sorte ao novo cônsul-geral honorário do Japão em Belo Horizonte, Wilson Brumer. Ele substitui Rinaldo Soares, falecido no ano passado. “Com a posse de Wilson Brumer, vamos adensar ainda mais as relações culturais entre Japão e o nosso Estado”, completou.

Relações comerciais

O Japão é o segundo principal parceiro comercial de Minas,considerando o valor das exportações em 2011. No ranking das importações feitas pelo Estado, o Japão é o sexto país. No ranking de estados brasileiros, Minas é o que mais exporta para o Japão e o quarto que mais importa.

A corrente de comércio em 2011 foi de US$ 3,75 bilhões, um aumento de 30,9% em relação a 2010. No ano passado, Minas Gerais exportou cerca de US$ 3,28 bilhões e importou US$ 474 milhões. O superávit comercial foi da ordem de US$ 2,8 bilhões.

No total, 200 empresas exportaram para o Japão em 2011. As principais foram a Vale, CBMM e Cenibra. Na outra ponta, 436 empresas importaram produtos japoneses com destaque para Usiminas, Fiat Automóveis, Vale e Sumidenso do Brasil.

Festival

Inédito em Belo Horizonte, o Festival do Japão em Minas, realizado até domingo (5), tem o objetivo de preservar, fomentar e divulgar a cultura japonesa para os mineiros, nipo-brasileiros e turistas. Em sua programação, concentrada no Pavilhão I do Expominas, será dada ênfase à diversidade cultural envolvendo apresentações de músicas instrumentais, danças e comidas típicas, exposições e oficinas de arte.

O evento conta com 24 apresentações culturais, incluindo grupos de Minas e São Paulo. O destaque são as atrações de músicas instrumentais, como o Taiko de Okinawa (tambores japoneses). O público terá oportunidade de visitar a exposição de calendários do Japão, preparada pelo Consulado Geral do Japão do Rio de Janeiro, e também de participar da tradicional arte da “Cerimonia do Chá”, promovida pelo Centro de Chado Urasenke do Brasil.

A área de artesanato reunirá 18 expositores com produtos típicos japoneses. O setor de gastronomia também será outra grande atração, oferecendo pratos tradicionais da culinária japonesa, tais como sushi, e os populares yakisoba e harumaki. Os ingressos custam R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada para menores de 21 anos, estudantes e idosos).

Participaram da solenidade os secretários de Estado Elmiro Nascimento (Agricultura e Pecuária), Adriano Magalhães (Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável), Dorothea Werneck (Desenvolvimento Econômico), Eliane Parreiras (Cultura), o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, o presidente da Fiemg, Olavo Machado Junior, e o presidente da Usiminas, Julian Eguren.

Governo de Minas: Fundação Hemominas implanta teste que torna doação de sangue mais segura

Lançamento oficial das atividades do Teste NAT nos hemocentros brasileiros será nesta sexta-feira, em Belo Horizonte

Será realizado nesta sexta-feira (3), às 11h, no Hemocentro de Belo Horizonte da Fundação Hemominas, o lançamento oficial das atividades do Teste NAT nos hemocentros brasileiros. O NAT é um teste para detecção de Ácido Nucleico, que já é aplicado nos Estados Unidos, países da Europa, Austrália e Japão.

A Fundação Hemominas já realiza o teste NAT na triagem dos doadores de sangue de suas unidades desde o final do ano passado, atendendo 100% da demanda da hemorrede pública do Estado de Minas Gerais. A Hemominas tem a maior rede hemoterápica do país.

O evento terá a presença do secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Helvécio Miranda Magalhães Júnior; do secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques, e da presidente da Fundação Hemominas, Júnia Cioffi.

NAT na Hemominas

Na Rede Hemominas, o NAT está sendo utilizado para detecção de Ácido Nucleico para o HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) e HCV (Virus da Hepatite C) e objetiva diminuir o risco transfusional causado por esses vírus. Com a implantação do NAT, o período de janela imunológica – que é o tempo em que o vírus permanece indetectável pelos testes, mas existe a possibilidade de transmissão de doenças – é reduzido de 22 para 10 dias, no caso do HIV, e de 35 para 12 dias, no caso do HCV. O NAT investiga a presença do material genético do vírus e não a de anticorpos contra o vírus.

Fonte: Agência Minas