Governo de Minas: Zona da Mata é beneficiada com a entrega de 14 veículos para vigilância sanitária animal e vegetal

Os veículos auxiliarão os trabalhos de fiscalização nos municípios e entornos de Bicas, Cataguases, Juiz de Fora, Lima Duarte, Muriaé, Ponte Nova, Rio Pomba, Ubá, Viçosa e Visconde do Rio Branco

Governo de Minas doou, nessa quinta-feira (22), 135 veículos para o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) para serem utilizados pelas coordenadorias regionais e escritórios seccionais do órgão. O objetivo é fortalecer os sistemas de vigilância sanitária animal e vegetal do Estado. O governador Antonio Anastasia fez a entrega simbólica da chave de um dos veículos ao diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto.

Para a Zona da Mata são 14 veículos. Eles auxiliarão os trabalhos de fiscalização nos municípios e entornos de Bicas, Cataguases, Juiz de Fora, Lima Duarte, Muriaé, Ponte Nova, Rio Pomba, Ubá, Viçosa e Visconde do Rio Branco. “Vamos, cada vez mais, levar infraestrutura para atuação dos órgãos estaduais no interior. Minas é um Estado muito vasto, com muitos municípios e a atuação do IMA é exemplar, por isso o instituto precisa de boa infraestrutura. Agradeço a parceria do governo federal e vamos trabalhar integrados exatamente para melhorar a qualidade do nosso rebanho e também da nossa produção vegetal”, ressaltou o governador.

Foram investidos R$ 6 milhões na aquisição de todos os veículos, sendo R$ 1,2 milhão do Governo de Minas e R$ 4,8 milhões do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.  Dos 135 veículos, 106 serão utilizados nos trabalhos do sistema de vigilância animal do IMA. Os demais serão destinados à área vegetal. Os veículos estão sendo distribuídos para todas as 20 coordenadorias regionais do IMA.

O Sistema de Vigilância Sanitária Animal do instituto tem o objetivo de prevenir, controlar e erradicar as doenças animais. São combatidas enfermidades como febre aftosa, peste suína clássica, brucelose e tuberculose, influenza aviária e raiva. Já o Sistema de Vigilância Sanitária Vegetal é responsável pela prevenção e controle de pragas, fazendo, também, a vigilância e fiscalização do trânsito interestadual de vegetais.

Municípios e veículos:

Coordenadoria de Juiz de Fora: Meriva / 2 Unos 1.4 / Ranger 4×4

Escritório Cataguases: Uno 1.4

Escritório Bicas: Uno 1.4

Escritório Lima Duarte: Uno 1.4

Escritório Ubá: Uno 1.4

Escritório Visconde do Rio Branco: Uno 1.4

Escritório Rio Pomba: Uno 1.4

Escritório Viçosa: 2 Unos 1.4

Escritório Muriaé: Ranger 4×4

Escritório Ponte Nova: Uno 1.4

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/zona-da-mata-e-beneficiada-com-a-entrega-de-14-veiculos-para-vigilancia-sanitaria-animal-e-vegetal/

Governo de Minas: região Centro-Oeste conta com 14 cachaças certificadas pelo IMA

Selo do Governo de Minas garante a procedência do produto. Estado é responsável por 50% da produção nacional

Divulgação/Cachaça Caipira
A Cachaça Caipira comercializa anualmente cerca de 40 mil litros da bebida
A Cachaça Caipira comercializa anualmente cerca de 40 mil litros da bebida

Governo de Minas, por meio do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), promoveu, desde 2008, a certificação de 221 marcas de cachaça de alambique. Na região Centro-Oeste, 14 cachaças são certificadas pelo órgão estadual. A expectativa para 2012 é que o número de estabelecimentos certificados em Minas aumente em pelo menos 10%.

De acordo com o Sebrae/MG, Minas Gerais possui cerca de 8,4 mil alambiques. O Estado produz, anualmente, cerca de 200 milhões de litros do produto, o que corresponde a aproximadamente 50% do mercado nacional. Na mesorregião Oeste, cerca de 220 estabelecimentos produzem cachaça, o equivalente a aproximadamente 2,6% do total produzido em todo o Estado.

O programa de certificação de produtos agropecuários e agroindustriais do IMA é voltado para produtores de cachaça artesanal, produzida com fermento natural e destilada em alambique de cobre. A certificação é de adesão voluntária e o interessado em participar desse processo pode procurar um dos escritórios do instituto para receber as orientações necessárias.

De acordo com a auditora do IMA, Miriam Alvarenga, o programa de certificação da cachaça foi criado devido ao fato da bebida ser um produto tradicional de Minas Gerais.

“Há um compromisso de governo de estabelecer políticas públicas para o setor, o que inclui a melhoria da qualidade do produto. A certificação visa alcançar mercados cada vez mais competitivos e temos tido um retorno bem positivo dos produtores que conseguem a certificação”, disse Alvarenga.

Certificação alavanca vendas

A cachaça Ferrador, produzida no município de Divinópolis, foi a primeira do Estado a obter o selo do Governo de Minas. De acordo com o proprietário da marca, Geraldo Maia da Silva, a cachaça é fabricada há 26 anos. “Minha família cultivava cana de açúcar desde a segunda metade do século 19. Meu bisavô levava rapadura e toucinho ao Curral Del Rei, arraial que veio a se tornar Belo Horizonte. Com o passar do tempo resolvemos sair do segmento de rapadura e açúcar. Aí começamos a produzir a cachaça de alambique e estamos no ramo até hoje”, informa Silva.

A cachaça Ferrador produz anualmente 3.500 litros da bebida, sendo que 40% do produto é enviado ao exterior, 35% é comercializado no Centro-Oeste mineiro e 25% segue para pontos de venda em estados como Bahia e Rio de Janeiro. De acordo com o produtor da cachaça, o selo do IMA facilita a comercialização do produto para outros países e outros estados da federação.

“A certificação do IMA foi muito importante, pois fez com que a nossa cachaça se tornasse mais desejada pelo consumidor. O selo dá ao cliente uma satisfação de segurança do produto a ser consumido”, destacao proprietário da Cachaça Ferrador.

Desde 1946, a cachaça Caipira é produzida no município de Itapecerica. Os proprietários, os irmãos Paulo César Lima e Guido Antônio Lopes, cresceram vendo o pai fabricar a cachaça de alambique e hoje vivem da fabricação do produto. Certificada pelo IMA em 2008, a fábrica de cachaça comercializa anualmente cerca de 40 mil litros da bebida e já foi exportada para países como a Suíça. Atualmente, a cachaça Caipira é comercializada principalmente na cidade de Itapecerica e nos municípios da redondeza.

“A certificação do IMA melhorou a nossa imagem no mercado. O selo nos leva a um público exigente e que não se importa em pagar mais por um produto de qualidade e que tem a garantia de um órgão estadual”, garanteo produtor Paulo César Lima.

Como obter a certificação

No momento de requerer a certificação, o produtor pode optar por três sistemas produtivos da cana: o sistema orgânico, o sem agrotóxicos e o sistema tradicional. No primeiro, a cana deve ser cultivada sem agrotóxico e adubo químico. No segundo, não pode haver aplicação de agrotóxicos e o uso do adubo químico é permitido. E no tradicional, é permitido o uso de agrotóxicos e adubos químicos indicados para esta cultura, dentro dos parâmetros agronômicos prescritos.

Além disso, o IMA é acreditado pelo Inmetro como Organismo de Certificação de Produtos para cachaça. A acreditação confere ao IMA credibilidade e maior notoriedade em âmbito nacional e internacional no processo de certificação de produtos agropecuários. Além da certificação conjunto junta ao Inmetro, o IMA também certifica pelo protocolo mineiro a cachaça de alambique e a cachaça orgânica de alambique.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/regiao-centro-oeste-conta-com-14-cachacas-certificadas-pelo-ima/