Gestão em Minas: Governador em exercício preside assinatura de acordo com o CNPq

Acordo prevê a liberação de bolsas de estudo para o Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas

O governador em exercício, Dinis Pinheiro, presidiu, nesta sexta-feira (04), no Palácio Tiradentes, solenidade de assinatura de acordo de cooperação entre o Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas (Unesco-Hidroex), a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Instituto de Educação para as Águas da Unesco (IHE). O acordo autoriza a liberação de um edital do programa Ciência sem Fronteiras voltado para as águas.

O plano de trabalho firmado com o Ciência sem Fronteiras prevê a oferta de 68 bolsas de estudos a estudantes brasileiros e pesquisadores estrangeiros, que se interessarem em desenvolver atividades no IHE, em Delft (Holanda), e na Cidade das Águas, em Frutal, no Triângulo Mineiro.

“Esse acordo prevê o que é preconizado pelo governador Antonio Anastasia que é o de qualificar cada dia mais o nosso povo e buscar o aprimoramento do ser humano. Por meio do conhecimento, buscaremos dias melhores e assim elevaremos o desenvolvimento da nossa sociedade. Não há desenvolvimento sem atitudes e sem a educação do nosso povo. Somente o conhecimento nos apresentará novos rumos”, afirmou o governador em exercício, Dinis Pinheiro.

Para o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), Nárcio Rodrigues, Minas sai na frente ao realizar parceria com governo federal por meio do programa Ciência sem Fronteiras.

“Tivemos a preocupação, ao elaborar a nossa proposta, de escolher a água, que é um tema universal, a gestão de recursos hídricos, o tratamento da água como elemento de vida e conseguimos realizar uma parceria internacional muito importante com a Unesco”, enfatizou o secretário.

O Ciência sem Fronteiras é um programa do governo gederal que fomenta a internacionalização da ciência e tecnologia brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. Ele foi criado pelos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e Educação (MEC), por meio do CNPq e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC.

O acordo de cooperação vai agilizar o intercâmbio de técnicos, estudantes, professores e pesquisadores do Brasil para áreas de excelência em águas no exterior, bem como de especialistas de outros países para a Cidade das Águas, em Minas Gerais.

O diretor do CNPq, Paulo Sérgio Beirão, ressaltou que o acordo de cooperação com o Governo de MInas traduz o objetivo do programa Ciência sem Fronteiras que é o de trabalhar com áreas que são de interesse estratégico do país, no caso a água. “O acordo é importante para o país e principalmente para Minas Gerais”, pontuou Beirão.

Reitor do Instituto de Educação para as Águas da Unesco (IHE), András Szöllösi-Nagy, destacou a importância do intercâmbio de conhecimento previsto no programa. “A ciência e a água não têm fronteiras, temos que compartilhar conhecimentos”, disse Nagy.

Cidade das Águas

Com inauguração prevista para 2014, a Cidade das Águas Unesco-Hidroex é uma iniciativa do Governo de Minas frente ao desafio de conservação da água. Em setembro de 2011, o vice-governador Alberto Pinto Coelho lançou oficialmente o projeto durante a inauguração da nova sede do Unesco-Hidroex em Frutal.

O Unesco-Hidroex foi criado em 2009 pelo Governo de Minas, com o objetivo de planejar, coordenar, executar, controlar e avaliar programas e projetos de defesa e preservação do meio ambiente, relativos à gestão das águas e dos recursos hídricos. Também se dedica à capacitação de recursos humanos e à prestação de serviços de interesse público.

Os governos mineiro e federal já investiram R$ 80 milhões na elaboração de projetos, intercâmbios e na infraestrutura do Hidroex e do campus da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) em Frutal, que já atende aproximadamente 1.500 alunos.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-em-exercicio-preside-assinatura-de-acordo-com-o-cnpq/

Governo de Minas: Cidade das Águas Unesco-Hidroex abre programação no Fórum Mundial da Água

Evento reúne delegações de mais de 140 países em busca de soluções para a gestão e preservação dos recursos hídricos

A resposta do Governo de Minas ao desafio de conservação da água – a Cidade das Águas Unesco-Hidroex – abriu nesta terça-feira (13) a programação do Pavilhão Brasil dentro do 6º Fórum Mundial da Água, em Marselha (França). No evento que deve mobilizar cerca de 30 mil pessoas até o próximo sábado (17), o Unesco-Hidroex apresentou a Educação para as Águas como grande solução para a melhoria da gestão dos recursos hídricos no planeta.

“Nós viemos mostrar o que estamos fazendo em Minas, começando pelo município de Frutal, onde a Cidade das Águas está nascendo, ancorada no Unesco-Hidroex. Apresentamos no Fórum uma experiência concreta de Educação para as Águas a partir do ensino fundamental, em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (SEE) e a Fundação Cousteau. Trata-se de uma ação inovadora que mobiliza a escola a participar do processo de recuperação do Ribeirão Frutal. Nós colocamos a criança em contato com um problema real do seu cotidiano”, destacou o presidente do Unesco-Hidroex, Octávio Elísio, acompanhado do seu vice, Alexandre Saad.

Assista ao vídeo de apresentação da Cidade das Águas e conheça todas as ações desenvolvidas pelo Unesco-Hidroex.

Segundo a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que inaugurou o Pavilhão Brasil nesta segunda (12), a Educação para as Águas é uma das frentes prioritárias que devem ser trabalhadas no país. “Dentre os desafios que nós temos hoje na governança da água, o maior é conseguir a participação social e o engajamento das populações, não só em torno dos problemas da água, mas também na busca de soluções. A educação é um instrumento poderoso para mudar o comportamento e influenciar decisões, e o Unesco-Hidroex tem trabalhado de maneira dedicada esta agenda. A iniciativa do Unesco-Hidroex de Educação para as Águas é concreta e coloca todos juntos em ações que influenciam a qualidade de vida do mundo”, disse a ministra.

Além de abordar a educação, o presidente do Unesco-Hidroex anunciou na sessão de abertura da programação, a aprovação, pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da proposta do Hidroex, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), de criar editais do programa “Ciência sem Fronteiras” voltados especificamente para a excelência em águas.

De acordo com Octávio Elísio, o objetivo é agilizar o processo de enviar os melhores técnicos, estudantes, professores e pesquisadores do Brasil para áreas de excelência no exterior, e trazer grandes especialistas para trabalhar na Cidade das Águas. A diretoria do Unesco-Hidroex se reune com o CNPq na próxima semana para acertar os detalhes do edital.

O “Ciência sem Fronteiras para Excelência em Águas” será possivel por meio da criação de um campus global em água, liderado pelo Institute for Water Education (IHE) da Unesco, localizado em Delft (Holanda), que orienta as ações pedagógicas de implantação do Hidroex e irá coordenar os outros 25 centros da Unesco dedicados ao estudo dos recursos hídricos no mundo.

Brasil entra na disputa para sediar a 8ª edição do Fórum

2018 pode ser o ano da água no Brasil. Durante a cerimônia de inauguração do Pavilhão Brasil, o diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, anunciou a posição da presidente Dilma Rousseff e da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, de defender o nome do país para sediar o 8º Fórum Mundial da Água. E o Brasil parece ser um candidato forte.

A delegação brasileira, composta por cerca de 80 integrantes, é a maior presente no 6º Fórum Mundial das Águas. Para o diretor do Conselho Mundial da Água, Loic Fouchon – responsável pela realização do fórum – o tamanho e a diversidade da delegação, que conta com representantes da indústria, do setor agropecuário, financeiro e de P&D, representa o compromisso do Brasil com a busca de soluções para os problemas de escassez e mau uso da água.

Fonte: Agência Minas

Governo Antonio Anastasia: Instituto Mineiro de Gestão das Águas recebe missão holandesa

Objetivo foi a troca de experiências e informações no que se refere aos sistemas de enchentes e alertas dos países

Divulgação/Igam
Os holandeses ressaltaram a parceria com países vizinhos para troca de informações entre si
Os holandeses ressaltaram a parceria com países vizinhos para troca de informações entre si

O Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), entidade que compõe o Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) recebeu, nessa quinta-feira (8), integrantes de comitiva holandesa para uma visita técnica. O objetivo foi a troca de experiências e informações com vistas a um futuro intercâmbio, principalmente no que se refere aos sistemas de enchentes e alertas.

Por meio de um termo de cooperação técnica firmado entre a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Instituto de Meio Ambiente e Estradas da Holanda, os representantes da missão estão visitando diversas instituições brasileiras. As visitas visam colaborar com o Brasil na temática de enchentes e alertas, em particular nos aspectos de articulação institucional para uma maior eficácia no gerenciamento de desastres. “Estamos estudando o que a missão tem para oferecer, para uma possível troca de conhecimentos”, disse o representante da ANA, Márcio Tavares Nóbrega.

Ferramentas

A equipe da Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Monitoramento das Águas (DPMA) do Igam apresentou aos integrantes da comitiva holandesa como funciona o Sistema de Meteorologia e Recursos Hídricos de Minas Gerais (Simge) e como são emitidos os alertas de enchentes.

Os técnicos exibiram as ferramentas utilizadas para a realização do trabalho de monitoramento e vigilância atmosférica, tais como imagens de satélite, sistemas de detecção de raios, dados observados por meio de Plataformas de Coleta de Dados (PCDs) automáticas e pluviométricos convencionais. Mostraram, ainda, o funcionamento do radar meteorológico, recentemente adquirido pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e operado pelo Igam, que, agregado às outras ferramentas, possibilita a emissão mais rápida dos alertas meteorológicos. O radar faz o monitoramento de 324 municípios em um raio de 200 quilômetros.

Parceria

O chefe do departamento de adaptação climática e risco da Holanda, Cees Van de Guchte, explicou como funciona o sistema de alerta a enchentes na Holanda, bem como as ferramentas tecnológicas usadas para fazer as medições e evacuações. Ele ressaltou a parceria com países vizinhos para a troca de informações entre si e os modelos desenvolvidos por eles para a realização do trabalho.

“Esperamos com essa visita ao Brasil, realizar um intercâmbio de ideias e experiências, e ter um campo aberto para a troca de experiência em assuntos comuns entre os dois países, como por exemplo, como vocês lidam com os deslizamentos de terras”, disse Cees Van de Guchte.

De acordo com o representante da ANA, Márcio Tavares da Nóbrega, está previsto para os próximos anos, a realização de três workshops entre Brasil e Holanda, com a participação de órgãos gestores de Minas e outros estados brasileiros, para que sejam colocados em discussão os itens considerados importantes para a realização do intercâmbio entre os dois países.

Fonte: Agência Minas