Gestão Anastasia: governo de Minas investe em solução tecnológica para garantir segurança à população

Programa Agentto, que tem Uberaba como primeira cidade a ser atendida, permitirá que pessoas expostas a situações de risco possam ser socorridas rapidamente

Divulgação/Sectes
Secretário Narcio Rodrigues faz pronunciamento durante lançamento do Programa Agentto
Secretário Narcio Rodrigues faz pronunciamento durante lançamento do Programa Agentto

Você imaginou ter o seu smartphone (celular com funcionalidades avançadas) trabalhando pela sua segurança? Isso já está em fase de implantação no Brasil, especialmente em Uberaba, Triângulo Mineiro. Na região, foi lançado na última sexta-feira (9) do Programa Agentto, por meio de acordo de cooperação técnica do qual participa o Governo de Minas. Nessa primeira fase, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) vai investir R$2,2 milhões.

Desenvolvida por um grupo de 60 especialistas com recursos da Finep/MCT (Financiadora de Projetos), o Agentto visa a uma evolução da tecnologia associada à solidariedade para deixar o cidadão mais seguro no seu dia a dia. O programa, que terá Uberaba como a primeira cidade a ser atendida, é considerado uma solução integrada de segurança, pois vai permitir que as pessoas expostas a situações de risco possam ser atendidas rapidamente, principalmente pela Polícia Militar.

A fase ainda é de programa-piloto, mas os uberabenses que têm smartphone poderão se cadastrar a partir de 10 de abril. O software do programa permitirá que movimentos suspeitos sejam detectados e o socorro seja viabilizado com o auxílio do sistema de localização. A parceria envolve também a Prefeitura de Uberaba e a Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Uberaba (ACIU).

Para o secretário de Planejamento do município, Karim Abud, a insegurança é um problema mundial, por isso a importância das parcerias para buscar soluções tecnológicas. Uberaba, com cerca de 300 mil habitantes, terá até 60 mil cadastrados no sistema que captará movimentos estranhos e permitirá que a PM, rede de amigos e familiares possam tomar as providências necessárias a uma situação de emergência.

Segundo o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, o Agentto chegará a 600 mil mineiros em Uberaba, Uberlândia, Montes Claros, Governador Valadares e Grande BH. “Queremos também levar o programa para as escolas, utilizando os computadores físicos para combatermos a presença nociva e ameaçadora das drogas e do narcotráfico”, assegurou Narcio.

Memorial da Imprensa de Uberaba

Ainda na sexta-feira, o Governo de Minas, por meio do secretário Narcio Rodrigues, assegurou recursos de R$ 2 milhões por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) para a instalação do Memorial da Imprensa de Uberaba. O projeto tem a parceria da prefeitura, que está finalizando as adaptações do local onde será erguido o Complexo Estação Memória com diversos espaços culturais e a sede da Academia de Letras do Triângulo Mineiro.

A cidade é uma das mais tradicionais no que se refere à produção jornalística iniciada ainda no século 19. A verba será aplicada na compra de equipamentos para realizar a microfilmagem dos principais jornais da cidade, desde o extinto Lavoura e Comércio, que chegou a 100 anos, até os diários atuais, como Jornal da Manhã e Jornal de Uberaba. Também terá um acervo com equipamentos e maquinários antigos utilizados no passado pela imprensa uberabense. Todo o trabalho de estruturação será desenvolvido em parceria com empresários de comunicação.

Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: setor hoteleiro investirá R$ 1 bilhão até a Copa em Belo Horizonte

Número de leitos deve aumentar em 85% até o Mundial em 2014

O número de leitos no setor hoteleiro na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) pode aumentar 85% até a Copa do Mundo Fifa 2014. Estão em construção na capital 34 hotéis, outros 17 empreendimentos estão na reta final do processo de licenciamento e na região metropolitana serão mais 24 hotéis até a Copa. Com isso, a Grande BH terá 75 hotéis a mais, que acrescentarão 25.438 leitos.

Dois novos hotéis padrão três estrelas já estão em funcionamento em Belo Horizonte. Dos 34 que estão em obras, um tem classificação cinco estrelas; 13, quatro estrelas; 18, três estrelas e um de uma estrela. Em fase de licenciamento, há mais cinco hotéis cinco estrelas.

Atualmente, são 30.194 leitos distribuídos em 314 meios de hospedagem situados a, no máximo, 100 quilômetros de Belo Horizonte. A taxa de ocupação média é de 80%, mas de terça à quinta-feira facilmente chega-se perto de 100%. Para 2014, projeta-se um total de 55.632 leitos para a região de BH até 2014.

“Essa taxa tão alta de ocupação, o crescimento econômico de Minas e a projeção do Estado devido à Copa só comprovam a necessidade de mais hotéis em Belo Horizonte. O calendário de eventos ficará mais movimentado, e esses novos leitos serão fundamentais para aliviar a demanda atual e também para consolidar a vocação de Belo Horizonte como capital de turismo de negócios”, explica o secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo, Sergio Barroso.

Convenções

Com a expansão do número de leitos em Belo Horizonte, a capital terá ampliada também a oferta de espaços para convenções. Quinze novos empreendimentos em construção na cidade, por exemplo, terão capacidade de acomodar aproximadamente 6.600 pessoas no total, variando cada um suas dependências de pequeno (100 pessoas), médio (500) e grande (2.000) porte.

Fonte: Agência Minas

Gestão Antonio Anastasia: força-tarefa agiliza projetos para recuperação de danos causados pelas chuvas

Minas buscar obter liberação, pelo governo federal, de R$ 2 bilhões em investimentos para drenagem, contenção de encostas, esgotos, estudos e planos de redução de riscos

Divulgação/Sedru
Força-tarefa formada pelo governador Anastasia se reúne para apressar projetos para recuperação de estragos
Força-tarefa formada pelo governador Anastasia se reúne para apressar projetos para recuperação de estragos

A força-tarefa do Governo de Minas, encarregada pelo governador Antonio Anastasia de captar recursos para obras de prevenção de riscos e de recuperação dos estragos causados pelas chuvas no Estado, intensifica os trabalhos para obter liberação, pelo governo federal, de cerca de R$ 2 bilhões em investimentos para drenagem, contenção de encostas, esgotos, estudos e planos de redução de riscos.

Comandada pelo secretário de Estado de Desenvolvimento Regional e Polícia Urbana, Bilac Pinto, a força-tarefa discutiu esta semana, na Cidade Administrativa, detalhes das obras emergenciais, já em análise pelo Ministério do Planejamento, em Brasília, abrangendo de imediato R$ 1,05 bilhão para projetos de drenagem, R$ 330,4 milhões para contenção de encostas, R$ 590,4 milhões para redes de esgotos, R$ 31 milhões para estudos e R$ 6 milhões para planos de redução de riscos. Além de ações preventivas, o documento contempla projetos estruturantes de saneamento básico em municípios de todas as regiões mineiras.

Além de especialistas da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru), a força-tarefa é integrada por dirigentes e técnicos da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), da Companhia de Habitação de Minas Gerais (Cohab Minas), da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) e do Escritório de Prioridades Estratégicas.

O maior volume de recursos, de R$ 481 milhões, está previsto para o sistema integrado de contenção de cheias na Bacia do Rio Sapucaí nos municípios de Itajubá, Santa Rita do Sapucaí e Pouso Alegre, já com projetos de engenharia concluídos. O objetivo é a construção de um dique em Pouso Alegre e de três barragens de contenção nos rios Sapucaí, Vargem Grande e Lourenço Velho. Além disso, o projeto de R$ 27 milhões prevê a construção de um dique e de galerias em Pouso Alegre, para evitar que as águas do Rio Mandu invadam casas e ruas durante as chuvas.

Ribeirão Arrudas

A proposta prevê ainda a aplicação de R$ 147 milhões em obras na Bacia do Ribeirão Arrudas em Belo Horizonte e Contagem, já com projetos de engenharia concluídos. Um deles, de R$ 127,2 milhões, prevê obras de contenção de cheias no Córrego Riacho das Pedras, tributário do Córrego do Ferrugem, em Contagem. Outro, no valor de R$ 16,3 milhões, é destinado a requalificação urbana e ambiental de aglomerados, estando previstos ainda R$ 3,41 milhões para complementação de obras no PAC no Arrudas.

Estão incluídos, ainda, R$ 99,2 milhões para recuperação e ampliação de calha de drenagem no Rio Betim, na Grande BH, já com projeto básico de engenharia concluído. Projeto de engenharia já finalizado prevê implantação de um sistema de contenção de cheias nos rios Muriaé e Preto, na Zona da Mata, com remoção de rochas, ampliação de calhas, construção de muros-dique, avenidas sanitárias e barragens de retenção, num valor total de R$ 300 milhões. “A importância da participação da Cohab Minas é, principalmente, a de contribuir com sua experiência, a exemplo do que aconteceu na execução do Proacesso, no qual foi necessário um trabalho muito grande na remoção e reassentamento das famílias”, afirmou o presidente da Cohab Minas, Octacílio Machado.

De acordo com a proposta, apenas para a contenção de encostas e obras de prevenção são solicitados R$ 256 milhões. Para a Bacia do Rio Paraopeba, está prevista a aplicação de R$ 112 milhões para ampliação de esgotamento sanitário em Betim, Bonfim, Contagem, Esmeraldas, Juatuba e Sarzedo, beneficiando mais de 690 mil pessoas. Na Bacia do Rio das Velhas, os projetos contemplam com esgotamento sanitário os municípios de Nova Lima, Ribeirão das Neves e Vespasiano, num total de 208 milhões.

Também já está com projeto de engenharia concluído a despoluição da Bacia do Rio Grande, envolvendo a implantação de esgotamento sanitário nos municípios de Barbacena, Botelhos, Campanha, Congonhal, Guaxupé, Tiradentes e Três Corações, no valor total de R$ 176 milhões. Recursos de R$ 51 milhões estão previstos para esgotamento sanitário nas bacias dos rios Paraíba do Sul e Paraná, envolvendo os municípios de Além Paraíba, Camanducaia e Patos de Minas e beneficiando população de 165 mil pessoas. Foram ainda incluídos no documento a liberação de R$ 43,5 milhões para projetos de esgotamento sanitário em 14 municípios às margens do Lago de Furnas.

Para a contratação de projetos emergenciais de recuperação dos estragos das chuvas, a Sedru reivindica R$ 31 milhões, sendo R$ 6 milhões para a Região Metropolitana de Belo Horizonte; R$ 10 milhões para Além Paraíba, Cataguases, Dona Euzébia, Guidoval, Governador Valadares, Jeceaba, Ouro Preto, Ponte Nova e Ubá; e para ações nas bacias dos rios Doce, Itabapoana e Paraíba do Sul. O Estado pretende aplicar ainda R$ 6 milhões em planos municipais de redução de riscos de 38 municípios assolados pelas cheias.

Fonte: Agência Minas