Governo de Minas: Fundação João Pinheiro discute aplicação da inovação em políticas públicas

Especialistas e estudantes debatem a integração de tecnologias à administração pública

Com o objetivo de discutir aspectos e práticas inovadoras, o uso de tecnologias em diversas áreas e de políticas públicas relacionadas, o Centro de Pesquisas Aplicadas (CPA) da Fundação João Pinheiro (FJP) realiza nesta quinta-feira (10) mais uma edição do Seminário de Pesquisas Aplicadas.

O evento tem como tema “Inovação consequente e sua integração à formulação e gestão de políticas públicas” e será realizado às 15h, no Campus Pampulha da Fundação, Alameda das Acácias, 70, bairro São Luís, na Pampula.

Nesta edição, o palestrante convidado é o doutor em Ciência da Computação pela Universidade da Califórnia e co-fundador da Akwan – empresa de buscas on-line criada por um grupo de professores da UFMG –, Ivan de Moura Campos. Como debatedor, o Seminário recebe Mauro Araújo Câmara, mestre em Ciência da Informação e pesquisador do Centro de Pesquisas Aplicadas da Fundação João Pinheiro.

O debate é aberto ao público, com número de vagas limitado. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail cpa@fjp.mg.gov.br.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fundacao-joao-pinheiro-discute-aplicacao-da-inovacao-em-politicas-publicas/

Anúncios

Governo de Minas: Alunos de Administração Pública da Fundação João Pinheiro discutem cenário sociopolítico do país

Estudantes da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho têm como foco o engajamento cívico

Aliar o conhecimento à prática da gestão pública.  Este é o objetivo do I Prática Pública, evento organizado pelos estudantes do curso de Administração Pública da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro (FJP), que acontece nesta terça-feira (08), e na quarta-feira (09), no Auditório do Campus Brasil da Fundação João Pinheiro, Av. Brasil, nº 674, Santa Efigênia.

Com o objetivo de elevar o senso crítico e o engajamento cívico dos estudantes, o evento terá como foco questões pertinentes aos cenários social e político de Minas Gerais e do Brasil. Ao longo dos dois dias de programação,  serão discutidos os temas “Eficiência e Inovação no Legislativo”, “O terceiro setor e o engajamento para o serviço público”, “Webcidadania e espaços de participação social na internet”, “Empreendedorismo municipal” e “20 anos da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho”. As inscrições para o I Prática Pública custam R$ 25,00 e podem ser feitas pelo endereço http://www.praticapublica.com.br.

Programação:

Dia 8

09:00 Abertura

09:30 – Eficiência e Inovação no Legislativo

Debatedores: José Geraldo (Secretário-geral da Assembleia Legislativa de Minas Gerais) e Adelmo Leão (Deputado Estadual)

11:30 –  Almoço

13:00 – Empreendedorismo municipal

Debatedores: Wagner Dutra (prefeito de Miradouro) e Roberto Marinho (Centro de Pesquisas Aplicadas da Fundação João Pinheiro)

14:50 – Coffee Break

15:10 – Espaço interativo – Salas simultâneas

 

Dia 9

09:00 – 20 anos da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho

Debatedores: Luciana Raso (Diretora-geral da Escola de Governo) e representantes de outras Escolas de Governo em Minas Gerais

11:30 – Almoço

13:00 – O terceiro setor e o engajamento para o serviço público

Debatedor:  Diomar da Silveira (diretor da OSCIP Filarmônica de Minas Gerais)

14:30 Coffee Break

14:50 – Webcidadania e espaços de participação social na internet

Debatedores: Ricardo Poppi (Técnico em telecomunicações, cientista político e coordenador de análise legislativa do Ministério da Justiça) e Caio Werneck (Movimento Minas)

17:00 – Encerramento

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/alunos-de-administracao-publica-da-fundacao-joao-pinheiro-discutem-cenario-sociopolitico-do-pais/

Gestão em Minas: cooperação entre Fundação João Pinheiro e Tribunal de Contas irá subsidiar novas pesquisas

Parceria prevê o acesso mútuo às bases de dados sobre as finanças públicas do Estado e dos municípios mineiros

A Fundação João Pinheiro e o Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais reafirmaram parceria, iniciada em 2009, com a assinatura de um novo Termo de Cooperação Técnica. A iniciativa tem como objetivo o intercâmbio de informações públicas constantes dos bancos de dados de ambas as instituições.

O documento assinado prevê o acesso mútuo às bases de dados sobre as finanças públicas do Estado e dos municípios mineiros, bem como a capacitação de técnicos do Tribunal para a criação de índices e indicadores que demonstrem o desempenho da administração pública em Minas Gerais.

“O Tribunal de Contas dispõe de um valioso banco de dados, que precisa ser colocado à disposição da sociedade e conseguiremos fazer isto com o apoio da Fundação João Pinheiro”, observa o Conselheiro Presidente do Tribunal, Antônio Carlos Doorgal de Andrada.

O Termo de Cooperação visa também a criação de uma equipe multidisciplinar voltada para a realização de pesquisas científicas que irão abranger a criação de indicadores e índices de desempenho, além da implementação de ferramentas que facilitem a verificação do cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal e a obtenção de elementos para definição e análise das estruturas de receitas das Administrações Públicas Estadual e Municipais de Minas Gerais.

“A combinação de expertises dos técnicos das áreas finalísticas das duas instituições irá permitir a otimização das análises dos dados do acervo do Tribunal e, ao mesmo tempo, permitir que a Fundação tenha acesso a um extenso repositório de informações que irá complementar estudos como o Índice Mineiro de Responsabilidade Social (IMRS) e Lei Robin Hood, entre outros”, afirma a presidente da Fundação João Pinheiro, Marilena Chaves.

A parceria tem ainda como metas gerar informações sobre atividades empresariais do setor público municipal e estadual, realizar levantamentos cadastrais sistemáticos das entidades do setor público municipal e facilitar a fiscalização do cumprimento das leis que regem a distribuição da parcela da receita do produto da arrecadação do ICMS pertencente aos municípios (Leis Estaduais nº 13.803/2000 e nº 18.030/2009).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/cooperacao-entre-fundacao-joao-pinheiro-e-tribunal-de-contas-ira-subsidiar-novas-pesquisas/

Governo de Minas: taxa de desemprego na RMBH é a menor já registrada para o mês de março

Número de desempregados tem ligeira alta em relação a fevereiro, mas é o mais baixo desde 1996

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte passou dos 5,1% registrados em fevereiro para 5,4% em março. Apesar do acréscimo, o número é o menor relativo ao mês de março, de acordo com a série histórica iniciada em 1996. Os dados são parte da Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte (PED-RMBH) e foram divulgados nesta quarta-feira (25) pela Fundação João Pinheiro, Dieese, Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete) e Fundação Seade.

Entre as sete Regiões Metropolitanas avaliadas pela PED (Distrito Federal, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo), a de Belo Horizonte mantém a menor taxa de desemprego pelo 9º mês consecutivo.

O número de ocupados teve queda de 22 mil pessoas (1,0%) em relação a fevereiro e 15 mil pessoas deixaram de fazer parte do mercado de trabalho, o que resultou no acréscimo de 7 mil pessoas no número de desempregados (5,6%). No período, o tempo médio de procura por trabalho foi de 26 semanas, duas a menos em relação a fevereiro.

“Este também é o menor tempo médio de procura já registrado desde o início da série histórica. Em julho de 2004 chegamos a apresentar média de 70 semanas. Hoje, metade das pessoas que estão à procura de emprego encontram em apenas 13 semanas”, analisa a coordenadora da PED pelo Dieese, Gabrielle Selani.

Setores

Na comparação com o mês de fevereiro, o agregado “outros setores” registrou aumento de 3.000 mil empregos, enquanto que o contingente de ocupados na construção civil permaneceu estável. Em movimento contrário, comércio e indústria sofreram reduções de 10 mil vagas cada e o setor de serviços, de 5 mil.

Segundo a pesquisa, entre março de 2011 e março de 2012, houve acréscimo de 61 mil postos de trabalho no setor privado (4,9%). Foi registrada ainda relativa estabilidade no emprego público (alta de  0,3%) e o número de assalariados com carteira de trabalho assinada aumentou em 63 mil (5,7%). No período analisado, o número de empregados domésticos decresceu em 11 mil (7,0%).

“Os setores de serviços e da construção civil destacam-se com crescimentos significativos quando comparados a março do ano passado. São setores muito importantes para a economia da RMBH e ocupam atualmente cerca de 1,4 milhão de pessoas”, observa Selani.

Rendimentos

Em fevereiro, o rendimento real médio dos ocupados foi estimado em R$ 1.441, redução de 2,7% em comparação com janeiro. Já no setor privado, foi observado aumento no salário médio do comércio (2,7%) e reduções no setor de serviços (5,4%) e na indústria (3,8%).

Perspectivas

Para o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, os números apontados são um bom indicativo de que o desemprego vai permanecer estável. “Não podemos almejar taxas mais baixas, pois há jovens em busca do primeiro emprego ou trabalhadores que estavam inativos e estão retornando ao mercado de trabalho, por exemplo, e que sempre contarão na taxa de desemprego. Mas estamos realmente felizes por termos os melhores números em todo o país”, afirmou.

Gabrielle Selani também avalia que a atual taxa de desemprego da RMBH está bastante positiva, não há espaço para uma grande redução.  “É normal haver uma pequena elevação nos meses iniciais do ano e, caso não haja surpresas na economia ao longo de 2012, as taxas poderão, inclusive, diminuir no segundo semestre”, conclui.

Fonte: http:// www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/taxa-de-desemprego-na-rmbh-e-a-menor-ja-registrada-para-o-mes-de-marco/

Gestão da Educação: em Minas, primeiro contato com mercado de trabalho ocorre já no ensino médio

Em 2011, Minas Gerais foi o segundo Estado que mais contratou menores e jovens aprendizes no país

Divulgação/Sete
Durante a audiência na Assembleia, o secretário Carlos Pimenta ressaltou a relevância do debate
Durante a audiência na Assembleia, o secretário Carlos Pimenta ressaltou a relevância do debate

O secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, e o coordenador do Observatório do Trabalho da Sete, Igor Coura, participaram de uma audiência pública, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, que teve como objetivo a discussão da inclusão do estágio na grade curricular do ensino médio da rede pública de educação e a inserção dos estudantes no mercado de trabalho. O autor do requerimento desta discussão, realizada pela Comissão do Trabalho, da Providência e da Ação Social da Assembleia, foi o deputado estadual Doutor Viana. A sessão foi presidida pela deputada Rosângela Reis.

Durante a audiência, o secretário Carlos Pimenta ressaltou a relevância do debate. “Essa é uma temática de suma importância para ser discutida, pois trata dos nossos jovens, do mercado de trabalho e do desenvolvimento do Estado. A taxa de desemprego entre os jovens não é satisfatória, bem como o rendimento e o tempo médio que eles ficam em uma empresa. Todos esses dados são inferiores quando comparados aos números gerais. Temos que mudar esse cenário, e, para isso, o Governo de Minas desenvolve várias ações voltadas para esse público”, destacou. “A inserção do estágio na grade curricular do ensino médio é um desafio necessário, pois o mercado de trabalho é dinâmico e exigente. Esse primeiro contato com o mercado, por meio do estágio, pode abrir muitas portas”, completou o secretário.

Igor Coura apresentou os dados sobre desemprego e ocupação dos jovens, com idade entre 16 e 29 anos, no mercado de trabalho e destacou as principais ações do Governo de Minas voltadas para as pessoas desta faixa etária, como o ProJovem Trabalhador, da Sete; o Programa de Educação Profissional (PEP) e o Reinventando o Ensino Médio, da Secretaria de Estado de Educação (SEE); o Poupança Jovem, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese); o PlugMinas, da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), em parceria com a Secretaria de Estado de Esportes e Juventude (Seej); e o Aliança pela Vida, que têm ações coordenadas pela Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) e envolve diversos outros órgãos do Estado.

Destaque nacional

Minas Gerais foi o segundo Estado que mais contratou menores e jovens aprendizes no ano de 2011. Foram 32 mil admitidos. Configura-se como menor ou jovem aprendiz cidadãos com idade entre 14 e 24 anos que estejam matriculados, seja no ensino fundamental, médio ou algum outro curso de aprendizagem. Já em relação aos jovens que ingressaram no mercado de trabalho em seu primeiro emprego, o Estado admitiu cerca de 270 mil. O setor que mais contratou esse público foi o comércio, com 76.106 contratações, seguido pelo de serviços (70.510); indústria da transformação (66.673); construção civil (37.162).

De acordo com dados da Pesquisa por Amostra de Domicílios (PAD), da Fundação João Pinheiro, a taxa de desocupação entre os jovens, com idade entre 16 e 29 anos, no ano de 2009 (ano que foi realizada a última pesquisa com esse foco), foi de 12,8%, muito acima do índice de desemprego total apresentado no período que foi de 8%.

Já em relação ao rendimento desses jovens, pesquisa mais recente, divulgada pelo Ministério do Trabalho, por meio Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), em 2011, aponta que o valor médio pago por hora é de R$3,80, enquanto a média geral é de R$4,90.  A mesma pesquisa aponta que o tempo médio que os jovens ficam em determinada empresa é de 8,9 meses. Já o dado do mercado em geral é de 15 meses.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/em-minas-primeiro-contato-com-mercado-de-trabalho-ocorre-ja-no-ensino-medio/

Governo de Minas: Renata Vilhena receberá prêmio nacional de gestão pública nesta sexta-feira

Premiação valoriza ações de modernização do poder público no Brasil

secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, recebe nesta sexta-feira (23) o prêmio Guerreiro Ramos de Gestão Pública, concedido pelo Conselho Federal de Administração (CFA). A premiação é voltada a valorização de estudos e ações que contribuam para a modernização do poder público no Brasil.

Gestores públicos de todo o país concorreram ao prêmio e, neste ano, excepcionalmente, o comitê de julgamento decidiu agraciar dois destaques na gestão pública nacional: a secretária Renata Vilhena e o assessor especial da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos do Estado do Espírito Santo, Manoel Carlos Rocha. A cerimônia de certificação terá início às 19h, no auditório da Cidade Acadêmica do Pitágoras, Rua Madalena Sofia, 25, no bairro Vila Paris, em Belo Horizonte.

O presidente do comitê de julgamento e vice-presidente do CFA, Marcos Lael, destacou a alta qualidade dos trabalhos realizados. “É uma satisfação enorme presidir uma comissão que resgata o legado de Guerreiro Ramos. É impressionante a qualidade do material que recebemos. São estudos aprofundados, consistentes e de conteúdos respeitáveis”, destacou.

Premiação

Criado em 2010 pelo Conselho Federal de Administração, o prêmio faz homenagem a Alberto Guerreiro Ramos, professor que teve grande relevância política e acadêmica no Brasil e no mundo. Os trabalhos foram inscritos por meio de cada conselho regional do Estado de origem e os candidatos podem escolher a categoria em que disputarão o prêmio.

Formada em 1985, em Estatística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Renata Vilhena especializou-se em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro (FJP), em 1991. No Governo de Minas, Renata Vilhena participou da concepção e da implementação do “Choque de Gestão” no Estado, compreendido por medidas de reorganização e modernização administrativa, visando à redução de despesas, o aumento dos recursos para investimentos e a melhoria dos processos de gestão. Além disso, atuou na instituição de medidas voltadas ao aumento de produtividade do setor público, especialmente através da definição de critérios meritocráticos para avaliação e recompensa aos servidores.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/renata-vilhena-recebera-premio-nacional-de-gestao-publica-nesta-sexta-feira/

Governo de Minas: Fundação João Pinheiro lança primeiros volumes da série “Boletim PAD”

Publicações abordam indicadores de despesas domiciliares em Minas Gerais, segundo dados da Pesquisa por Amostra de Domicílios 2009

O Centro de Estatística e Informações (CEI) da Fundação João Pinheiro (FJP) lançou nesta terça-feira (20) os dois primeiros volumes da Série “Boletim PAD”, uma linha de publicações focada nos resultados da Pesquisa por Amostra de Domicílios de Minas Gerais (PAD-MG).

Os volumes I e II da série abordam indicadores de despesas domiciliares, segundo dados da primeira edição da pesquisa, realizada em 2009. A análise das informações contidas em ambas as publicações permite não só o conhecimento dos padrões de consumo da população mineira, como também a avaliação do nível de alcance e ramificação de políticas públicas e serviços implementados pelo Estado.

A Pesquisa por Amostra de Domicílios é desenvolvida pela fundação em parceria com o Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas e com apoio do Banco Mundial e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Realizado a cada dois anos, o estudo tem como objetivo conhecer em profundidade as características socioeconômicas, demográficas e culturais da população mineira.

“Este estudo é de fundamental importância para Minas Gerais, pois disponibiliza para a sociedade, instituições, governo e imprensa uma base de dados de alta qualidade, que pode subsidiar diversas outras pesquisas e estudos”, observou a presidente da Fundação João Pinheiro, Marilena Chaves.

Padrões de consumo

As publicações “Boletim PAD 2009 – Indicadores de Despesas Domiciliares”, partes I e II, descrevem os padrões de despesas relativos à habitação, educação, saúde e gastos coletivos do domicílio, como vestuário, artigos de higiene pessoal e limpeza da casa, recreação, cultura, alimentação, bebidas dentro e fora do domicílio, transporte, comunicação e imposto de renda.

“A PAD é uma pesquisa inédita, tanto em Minas Gerais quanto em outros estados do Brasil. A vantagem sobre outras pesquisas, como a do IBGE e a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), ambas realizadas pelo governo federal, é que a PAD possibilita a inclusão de novas informações e trabalha com dados regionais, sendo a única que analisa as sub-regiões”, explicou o diretor do Centro de Estatística e Informações da Fundação João Pinheiro, Frederico Poley.

“Além de mostrar os padrões regionais, esta pesquisa aponta como uma sociedade se organiza, quais são suas preferências e particularidades, pois seu nível de desagregação de dados é mais amplo”, completou a pesquisadora do Centro de Estatística e Informações, Karina Rabelo.

Principais resultados

Educação – Os domicílios mineiros têm um gasto médio mensal per capita com educação de R$ 67,28. Desse total, R$ 41,28 são destinados a mensalidade escolar, o que corresponde a 61,36% dos investimentos totais em educação. Na sequência, estão o custeio de transporte (R$ 8,11), merenda (R$ 4,94) e material escolar (R$ 4,46).

A Região Metropolitana de Belo Horizonte (R$ 85,13), a Zona da Mata (R$ 78,36), e o Triângulo Mineiro (R$ 70,35) são as regiões que apresentam maiores despesas com educação. As regiões Norte (R$ 33,14), Central (R$ 45,81) e Centro-Oeste (R$ 50,30) são as que registram os menores gastos com educação.

De acordo com a pesquisa, à medida que ocorrem acréscimos em anos de estudo na escolaridade dos chefes de família, há crescimento gradativo nas despesas com educação em Minas Gerais.

Saúde  – Em média, os domicílios mineiros gastam mais em saúde do que em educação. Do total de R$ 96,74 em despesas com saúde, mais da metade corresponde ao pagamento de plano ou seguro saúde (R$ 53,10), representando 54,89% das despesas neste segmento.

No Estado, domicílios chefiados por mulheres apresentam gastos com saúde superiores àqueles chefiados por homens: R$ 107,21 contra R$ 90,27, respectivamente.

Habitação e Gastos Diversos no Domicílio – Como ocorre com todas as despesas analisadas, em geral, gastos com habitação têm relação com a renda média mensal do domicílio: quanto maior o nível de renda, mais elevadas as despesas. No entanto, foram observados domicílios chefiados por mulheres que possuem menores níveis de renda e, mesmo assim, têm mais despesas com habitação (R$ 199,36) do que aqueles chefiados por homens (R$ 168,99).

A RMBH é a região que possui maior despesa per capita com habitação e gastos diversos no domicílio (R$ 244,51), representando um gasto 36,15% maior quando comparado com o total de Minas Gerais. A região Norte, por sua vez, apresenta resultado de despesa inferior a 41,67%, em relação ao total do Estado.

Alimentação – O total de gastos em alimentos e bebidas foi de R$ 57,87, menor que o valor gasto em educação (R$ 67,28) e saúde (R$ 96,74). Laticínios e panificados representam a maior parte dessas despesas (22,23%), seguidos por grãos, cereais, farinha, leguminosas e oleaginosas (15%). O consumo de carnes, aves, peixes e ovos também é parte significativa da despesa, representando 13,39% do total.

PAD 2011

Atualmente em sua segunda edição, os primeiros resultados da PAD 2011 serão apresentados em abril de 2012. A pesquisa obteve informações de cerca de 18 mil domicílios distribuídos por todo o Estado, em 1.200 setores censitários de áreas urbanas e rurais, incluindo a capital e Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A PAD-MG fornece os elementos necessários para o desenho das características da população, suas ações e posições no sistema de estratificação social e no mercado, e seus resultados são utilizados para originar novos estudos sobre temas específicos e subsidiar a elaboração, acompanhamento e avaliação de políticas públicas em Minas Gerais.

 

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fundacao-joao-pinheiro-lanca-primeiros-volumes-da-serie-boletim-pad/

Gestão da Educação: prazo de inscrições para especialização em Administração Pública da FJP é prorrogado

Cursos são oferecidos pela Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho

Foi prorrogado para 10 de abril o prazo de inscrições para o Programa de Especialização em Administração Pública (X PROAP), oferecido pela Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro. Este ano serão oferecidos cursos nas áreas de Gestão Pública, Gestão de Pessoas no Serviço Público, Gestão de Logística no Setor Público, Gestão Urbana e de Cidades, e Direito Administrativo. O Edital nº 008/101, que dispõe sobre o processo seletivo pode ser acessado no site www.eg.fjp.mg.gov.br.

O valor da taxa de inscrição é R$ 25,00 e o pagamento deve ser realizado por meio de Documento de Arrecadação Estadual – DAE. A solicitação de emissão deve ser encaminhada para o endereço dcf.tesouraria@fjp.mg.gov.br, informando nome, endereço completo e CPF.

Após pagamento da taxa, os candidatos devem entregar a documentação exigida pelo Edital na Secretaria de Registro e Controle Acadêmico da Escola de Governo (Alameda das Acácias, n° 70, São Luís – Pampulha), ou na Secretaria da Especialização do Campus Brasil da Fundação João Pinheiro (Avenida Brasil, 674, Santa Efigênia), de segunda a sexta-feira, entre 9h e 16h.

A prova de seleção será realizada no dia 14 de maio, no Campus Brasil da Fundação e o resultado preliminar divulgado no dia 25 de maio no site da Escola de Governo. O resultado final será publicado em 28 de maio. O candidato integrante do quadro da Administração Pública Estadual pode requerer bolsa de estudos junto ao órgão ou instituição de origem (Resolução Seplag nº 27, de 28 de junho de 2007).

Os cursos de especialização da Fundação João Pinheiro são destinados a profissionais de diferentes esferas de governo e demais interessados na área pública, que buscam subsídios teóricos e práticos para aprofundar o conhecimento sobre políticas públicas e gestão. O programa tem como objetivos qualificar quadros técnicos nas diversas áreas da gestão pública, refletir sobre as diferentes dimensões deste tipo de gestão, desenvolver e aperfeiçoar capacidades de interlocução e concepção de políticas, programas e projetos.

Melhor de Minas

A Escola de Governo da Fundação João Pinheiro foi considerada a melhor faculdade de Minas Gerais no Índice Geral de Cursos (IGC), divulgado pelo Ministério da Educação em novembro de 2011, alcançando o primeiro lugar no Estado. Entre as 27 instituições de ensino superior do país que alcançaram a nota máxima da avaliação, a Escola de Governo também ocupa posição de destaque com a nona colocação. Ao todo foram avaliadas 2.177 instituições de ensino, sendo 229 públicas e 1.947 privadas, entre universidades, centros universitários e faculdades.

Fonte: Agência Minas

Anastasia participa da entrega do Título de Cidadão Honorário de BH ao coronel Luis Carlos Dias Martins

A solenidade foi realizada nesta segunda-feira (13), na Câmara Municipal de Belo Horizonte.

Omar Freire/Imprensa MG
Antonio Anastasia, Alexandre Gomes, coronel Luis Carlos Dias Martins e Pablito
Antonio Anastasia, Alexandre Gomes, coronel Luis Carlos Dias Martins e Pablito

O governador Antonio Anastasia participou, nesta segunda-feira (13), na Câmara Municipal de BH, da solenidade de entrega do Título de Cidadão Honorário de Belo Horizonte ao chefe do Gabinete Militar e coordenador estadual de Defesa Civil de Minas Gerais, coronel Luis Carlos Dias Martins. Formado em Direito pela PUC Minas, coronel Martins integra os quadros da Polícia Militar há 29 anos. Tem especialização em Gestão Estratégica e Segurança Pública, pela Fundação João Pinheiro, e em Gestão em Segurança Pública, pela UFMG.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Fundação João Pinheiro abre inscrições para Programa de Especialização em Administração Pública

As inscrições vão até o dia 5 de março. O valor da taxa de inscrição é R$ 25,00

Estão abertas até o dia 5 de março as inscrições para o X Programa de Especialização em Administração Pública (PROAP), oferecido pela Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro.

Este ano serão oferecidos cursos nas áreas de Gestão Pública, Gestão de Pessoas no Serviço Público, Gestão de Logística no Setor Público, Gestão Urbana e de Cidades, e Direito Administrativo. O Edital nº 008/101, que dispõe sobre o processo seletivo pode ser acessado na página da Escola (www.eg.fjp.mg.gov.br).

Inscrições e seleção

O valor da taxa de inscrição é R$ 25,00 e o pagamento deve ser realizado por meio de Documento de Arrecadação Estadual – DAE. A solicitação de emissão deve ser encaminhada para o endereço dcf.tesouraria@fjp.mg.gov.br, informando nome, endereço completo e CPF.

Após pagamento da taxa, os candidatos devem entregar a documentação exigida pelo Edital na Secretaria de Registro e Controle Acadêmico da Escola de Governo (Alameda das Acácias, n° 70, São Luís – Pampulha), ou na Secretaria da Especialização do Campus Brasil da Fundação João Pinheiro (Av. Brasil, 674, Santa Efigênia), de segunda a sexta-feira, entre 9h e 16h.

A prova de seleção será realizada no dia 19 de março, no Campus Brasil da Fundação e o resultado preliminar será divulgado no dia 16 de abril no site da Escola de Governo. O resultado final será publicado em 20 de abril.

O candidato integrante do quadro da Administração Pública Estadual pode requerer bolsa de estudos junto ao órgão ou instituição de origem (Resolução Seplag nº 27, de 28 de junho de 2007).

Especialização

Os cursos de especialização da Fundação João Pinheiro são destinados a profissionais de diferentes esferas de governo e demais interessados na área pública, que buscam subsídios teóricos e práticos para aprofundar o conhecimento sobre políticas públicas e gestão. O programa tem como objetivos qualificar quadros técnicos nas diversas áreas da gestão pública, refletir sobre as diferentes dimensões deste tipo de gestão, desenvolver e aperfeiçoar capacidades de interlocução e concepção de políticas, programas e projetos.

Fonte: Agência Minas