Governo de Minas: Fundação João Pinheiro discute aplicação da inovação em políticas públicas

Especialistas e estudantes debatem a integração de tecnologias à administração pública

Com o objetivo de discutir aspectos e práticas inovadoras, o uso de tecnologias em diversas áreas e de políticas públicas relacionadas, o Centro de Pesquisas Aplicadas (CPA) da Fundação João Pinheiro (FJP) realiza nesta quinta-feira (10) mais uma edição do Seminário de Pesquisas Aplicadas.

O evento tem como tema “Inovação consequente e sua integração à formulação e gestão de políticas públicas” e será realizado às 15h, no Campus Pampulha da Fundação, Alameda das Acácias, 70, bairro São Luís, na Pampula.

Nesta edição, o palestrante convidado é o doutor em Ciência da Computação pela Universidade da Califórnia e co-fundador da Akwan – empresa de buscas on-line criada por um grupo de professores da UFMG –, Ivan de Moura Campos. Como debatedor, o Seminário recebe Mauro Araújo Câmara, mestre em Ciência da Informação e pesquisador do Centro de Pesquisas Aplicadas da Fundação João Pinheiro.

O debate é aberto ao público, com número de vagas limitado. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail cpa@fjp.mg.gov.br.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fundacao-joao-pinheiro-discute-aplicacao-da-inovacao-em-politicas-publicas/

Governo de Minas: Alunos de Administração Pública da Fundação João Pinheiro discutem cenário sociopolítico do país

Estudantes da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho têm como foco o engajamento cívico

Aliar o conhecimento à prática da gestão pública.  Este é o objetivo do I Prática Pública, evento organizado pelos estudantes do curso de Administração Pública da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro (FJP), que acontece nesta terça-feira (08), e na quarta-feira (09), no Auditório do Campus Brasil da Fundação João Pinheiro, Av. Brasil, nº 674, Santa Efigênia.

Com o objetivo de elevar o senso crítico e o engajamento cívico dos estudantes, o evento terá como foco questões pertinentes aos cenários social e político de Minas Gerais e do Brasil. Ao longo dos dois dias de programação,  serão discutidos os temas “Eficiência e Inovação no Legislativo”, “O terceiro setor e o engajamento para o serviço público”, “Webcidadania e espaços de participação social na internet”, “Empreendedorismo municipal” e “20 anos da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho”. As inscrições para o I Prática Pública custam R$ 25,00 e podem ser feitas pelo endereço http://www.praticapublica.com.br.

Programação:

Dia 8

09:00 Abertura

09:30 – Eficiência e Inovação no Legislativo

Debatedores: José Geraldo (Secretário-geral da Assembleia Legislativa de Minas Gerais) e Adelmo Leão (Deputado Estadual)

11:30 –  Almoço

13:00 – Empreendedorismo municipal

Debatedores: Wagner Dutra (prefeito de Miradouro) e Roberto Marinho (Centro de Pesquisas Aplicadas da Fundação João Pinheiro)

14:50 – Coffee Break

15:10 – Espaço interativo – Salas simultâneas

 

Dia 9

09:00 – 20 anos da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho

Debatedores: Luciana Raso (Diretora-geral da Escola de Governo) e representantes de outras Escolas de Governo em Minas Gerais

11:30 – Almoço

13:00 – O terceiro setor e o engajamento para o serviço público

Debatedor:  Diomar da Silveira (diretor da OSCIP Filarmônica de Minas Gerais)

14:30 Coffee Break

14:50 – Webcidadania e espaços de participação social na internet

Debatedores: Ricardo Poppi (Técnico em telecomunicações, cientista político e coordenador de análise legislativa do Ministério da Justiça) e Caio Werneck (Movimento Minas)

17:00 – Encerramento

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/alunos-de-administracao-publica-da-fundacao-joao-pinheiro-discutem-cenario-sociopolitico-do-pais/

Gestão Anastasia: governador participa de lançamento do Banco de Empregos

Ferramenta disponibilizada na internet pelo Sistema Fecomércio tem o objetivo de facilitar processos de seleção para empresas e pessoas que buscam trabalho

Osvaldo Afonso/Imprensa MG
Para Antonio Anastasia, iniciativa da Fecomércio coincide com esforço do Governo de Minas na geração de empregos
Para Antonio Anastasia, iniciativa da Fecomércio coincide com esforço do Governo de Minas na geração de empregos

O governador Antonio Anastasia participou, nesta sexta-feira (13), do lançamento do Banco de Empregos do Sistema Fecomércio Minas, Sesc, Senac e Sindicatos Filiados. Trata-se de uma plataforma on line de cadastramento de currículos de profissionais que procuram vagas nas empresas dos segmentos comerciais de bens, serviços e turismo em todo o Estado.

O Banco de Empregos foi criado pelo Senac e já começou a funcionar pelo endereço  www.bancodeempregos.org.br. O serviço vai ajudar as empresas a encontrar os profissionais de que precisam, de forma mais dinâmica e segura. Também contribuirá para a geração de empregos no comércio das cidades mineiras.

“Essa iniciativa da Federação do Comércio, de lançar esse Banco de Empregos, é muito positiva porque está permitindo o acesso a informação, inclusive, nos municípios pequenos, onde não tem jornais locais e as pessoas, às vezes, nem ficam sabendo das oportunidades de emprego. Hoje, o mundo virtual é muito grande, é uma ferramenta de muito auxílio”, destacou Anastasia, lembrando que a geração de empregos é a prioridade absoluta do governo dele.

O funcionamento do Banco de Empregos é semelhante a um banco de currículos, via internet, e gratuito, tanto para os profissionais que buscam uma oportunidade, quanto para os empresários. Os candidatos cadastram seus currículos e optam por uma ou mais ocupações de seu interesse. As informações dos candidatos são disponibilizadas para consulta das empresas, que poderão pré-selecionar candidatos e convidá-los a participar de seus processos seletivos. As empresas ativas do segmento do comércio de bens, serviços e turismo poderão visualizar os currículos, de acordo com a área de interesse.

“Fico muito feliz em perceber que esse instrumento vem coincidir com esse grande esforço que estamos fazendo em Minas Gerais, governo, empresários, sociedade civil, para gerar empregos de qualidade. São esses empregos que vão possibilitar a inclusão social plena, a paz social, as possibilidades cada vez maiores de desenvolvimento. A Fecomércio tem sido uma parceira fundamental, excepcional, do povo de Minas Gerais”, afirmou o governador.

O presidente do Sistema Fecomércio Minas, Lázaro Luiz Gonzaga, acredita que a nova ferramenta vai facilitar processos não só para quem está em busca de trabalho, mas também para as empresas, que poderão ter economia de tempo e dinheiro em seus processos de seleção. “Aproveitando a tecnologia, estamos estendendo o banco para todo o Estado, o que antes era oferecido apenas para os alunos do Senac”, disse.

Emprego em Minas

Minas possui 750 mil microempresas e empresas de pequeno porte, que correspondem a 99% do total de organizações existentes no Estado. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, nos dois primeiros meses deste ano, foram criados, no Estado, 40.488 novos postos de trabalho (o que corresponde a um crescimento de 1% em relação ao mesmo período do ano passado).

Em 2011, o Estado gerou proporcionalmente mais empregos que a média do país, segundo o Caged. O saldo entre número de admissões e demissões foi de 206.402 postos, com crescimento de 5,42%.

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte permanece em 5,1%, mesmo resultado de janeiro. É o menor índice da série histórica desde 1996. Também é o menor índice entre as sete regiões metropolitanas pesquisadas – Belo Horizonte, Distrito Federal, Fortaleza, Recife, Porto Alegre, Salvador e São Paulo, segundo pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), realizada pela Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete), Fundação João Pinheiro (FJP), Dieese e Fundação Seade.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-participa-de-lancamento-do-banco-de-empregos/

Gestão Anastasia: governo de Minas cria núcleo para preservação da memória de Paulo Neves de Carvalho

A Fundação João Pinheiro estabelecerá as diretrizes e critérios para organização da memória e disponibilização de acervos do núcleo

O governador Antonio Anastasia editou decreto que cria o Núcleo de Referência da Memória do Professor Paulo Neves de Carvalho. Ligado à Escola de Governo da Fundação João Pinheiro (FJP), que também tem o nome do jurista, o núcleo vai desenvolver atividades de resgate, discussão, produção, preservação e divulgação, nas dimensões humana, científica, acadêmica, profissional, institucional e social do jurista, considerado um dos maiores especialistas do Direito Administrativo no Brasil.

“Mais do que a homenagem a um dos maiores especialistas do país em Direito Administrativo, o Núcleo será um espaço para a reflexão sobre um importante ramo do Direito. O professor Paulo Neves de Carvalho, pelas diversas atividades que desenvolveu ao longo de sua vida, deixou um legado muito grande para todos os profissionais que militam nessa área e para a sociedade em geral”, afirmou o governador Anastasia.

De acordo com o Decreto nº 45.937, de 23 de março de 2012, o Núcleo deverá  elaborar projetos interdisciplinares e eventos, propor parcerias ou ações compartilhadas para integração de fontes de estudos, pesquisa e recursos públicos e privados, institucionais ou de pessoas físicas.

Para a secretária de Estado de Casa Civil e Relações Institucionais, Maria Coeli Simões Pires, “o Núcleo de Referência da Memória de Paulo Neves de Carvalho resgata a trajetória de reconstrução de um Direito e de uma Gestão Pública comprometidos com a realidade e com a diversidade das formas sociais cotidianas. A iniciativa é, também, um tributo ao mestre que se tornou referência simbólica da doutrina administrativa brasileira, com seu paradigma para a reflexão da Ciência Jurídica, da Administração Pública e da Sociologia de Educação”.

A FJP estabelecerá as diretrizes e critérios para organização da memória e disponibilização de acervos do núcleo, por meio de ato a ser publicado em  resolução conjunta das secretarias de estado de Casa Civil e de Relações Institucionais (Seccri),  de Planejamento e Gestão (Seplag),  de Cultura (SEC), e de Ciência e Tecnologia e Ensino Superior (Sectes).

Segundo a presidente da FJP, Marilena Chaves, é uma honra para a fundação estar à frente do núcleo. “Nossa equipe está compromissada e motivada a realizar este trabalho que irá marcar o registro da atuação daquele que é uma das referências do direito administrativo do Brasil e que dá nome à nossa Escola de Governo”, afirmou.

Medalha e comemoração

A criação do núcleo faz parte das comemorações dos 20 anos da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho da FJP, iniciadas em fevereiro de 2012. Dentre as diversas atividades está a criação da Medalha Professor Paulo Neves de Carvalho, destinada a homenagear cidadãos mineiros que tenham desempenhado papel de relevância, atuado de maneira notável ou realizado trabalhos e pesquisas que contribuam com a gestão e a administração pública.

A Escola de Governo tem o objetivo de contribuir para a melhoria e modernização da gestão pública por meio da formação e capacitação de quadros técnicos, desenvolvimento de pesquisas e assessoria a órgãos e entidades governamentais na formulação, implementação, monitoramento e avaliação de políticas públicas.

O jurista

Natural de São João del-Rei, Paulo Neves de Carvalho foi sócio-fundador e primeiro presidente do Conselho Superior do Instituto Mineiro de Direito Administrativo e Inspetor Federal de Ensino. Foi professor da Universidade Federal de Minas Gerais por mais de 50 anos, tendo lecionado na Faculdade de Ciências Econômicas e na Escola de Engenharia, onde ensinou Direito Administrativo. Estudou e lecionou na Universidade da Califórnia do Sul, em Los Angeles (EUA), que lhe concedeu, primeiro, o título de Master of Science in Public Administration, e, em seguida, o grau de Doutor, ou PHD, em 1954. Notabilizou-se na Administração Pública atuando na Prefeitura de Belo Horizonte.

No Governo de Minas, foi um dos idealizadores da Copasa, consultor-chefe da Assessoria Técnico-Consultiva do Governador do Estado, supervisor e diretor dos trabalhos da Reforma Administrativa durante o governo de Magalhães Pinto e criador e primeiro titular da Secretaria de Estado de Administração.

Prestou serviços à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MG), à Associação Médica de Minas Gerais, ao Tribunal de Contas, a Junta Comercial. Foi consultor da Comissão Constituinte da Assembleia Legislativa em 1989 e o autor intelectual e redator final de muitos dos preceitos inovadores da vigente Carta de Minas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-cria-nucleo-para-preservacao-da-memoria-de-paulo-neves-de-carvalho/

Governo de Minas: Renata Vilhena receberá prêmio nacional de gestão pública nesta sexta-feira

Premiação valoriza ações de modernização do poder público no Brasil

secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, recebe nesta sexta-feira (23) o prêmio Guerreiro Ramos de Gestão Pública, concedido pelo Conselho Federal de Administração (CFA). A premiação é voltada a valorização de estudos e ações que contribuam para a modernização do poder público no Brasil.

Gestores públicos de todo o país concorreram ao prêmio e, neste ano, excepcionalmente, o comitê de julgamento decidiu agraciar dois destaques na gestão pública nacional: a secretária Renata Vilhena e o assessor especial da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos do Estado do Espírito Santo, Manoel Carlos Rocha. A cerimônia de certificação terá início às 19h, no auditório da Cidade Acadêmica do Pitágoras, Rua Madalena Sofia, 25, no bairro Vila Paris, em Belo Horizonte.

O presidente do comitê de julgamento e vice-presidente do CFA, Marcos Lael, destacou a alta qualidade dos trabalhos realizados. “É uma satisfação enorme presidir uma comissão que resgata o legado de Guerreiro Ramos. É impressionante a qualidade do material que recebemos. São estudos aprofundados, consistentes e de conteúdos respeitáveis”, destacou.

Premiação

Criado em 2010 pelo Conselho Federal de Administração, o prêmio faz homenagem a Alberto Guerreiro Ramos, professor que teve grande relevância política e acadêmica no Brasil e no mundo. Os trabalhos foram inscritos por meio de cada conselho regional do Estado de origem e os candidatos podem escolher a categoria em que disputarão o prêmio.

Formada em 1985, em Estatística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Renata Vilhena especializou-se em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro (FJP), em 1991. No Governo de Minas, Renata Vilhena participou da concepção e da implementação do “Choque de Gestão” no Estado, compreendido por medidas de reorganização e modernização administrativa, visando à redução de despesas, o aumento dos recursos para investimentos e a melhoria dos processos de gestão. Além disso, atuou na instituição de medidas voltadas ao aumento de produtividade do setor público, especialmente através da definição de critérios meritocráticos para avaliação e recompensa aos servidores.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/renata-vilhena-recebera-premio-nacional-de-gestao-publica-nesta-sexta-feira/

Governo de Minas: Fundação João Pinheiro lança primeiros volumes da série “Boletim PAD”

Publicações abordam indicadores de despesas domiciliares em Minas Gerais, segundo dados da Pesquisa por Amostra de Domicílios 2009

O Centro de Estatística e Informações (CEI) da Fundação João Pinheiro (FJP) lançou nesta terça-feira (20) os dois primeiros volumes da Série “Boletim PAD”, uma linha de publicações focada nos resultados da Pesquisa por Amostra de Domicílios de Minas Gerais (PAD-MG).

Os volumes I e II da série abordam indicadores de despesas domiciliares, segundo dados da primeira edição da pesquisa, realizada em 2009. A análise das informações contidas em ambas as publicações permite não só o conhecimento dos padrões de consumo da população mineira, como também a avaliação do nível de alcance e ramificação de políticas públicas e serviços implementados pelo Estado.

A Pesquisa por Amostra de Domicílios é desenvolvida pela fundação em parceria com o Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas e com apoio do Banco Mundial e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Realizado a cada dois anos, o estudo tem como objetivo conhecer em profundidade as características socioeconômicas, demográficas e culturais da população mineira.

“Este estudo é de fundamental importância para Minas Gerais, pois disponibiliza para a sociedade, instituições, governo e imprensa uma base de dados de alta qualidade, que pode subsidiar diversas outras pesquisas e estudos”, observou a presidente da Fundação João Pinheiro, Marilena Chaves.

Padrões de consumo

As publicações “Boletim PAD 2009 – Indicadores de Despesas Domiciliares”, partes I e II, descrevem os padrões de despesas relativos à habitação, educação, saúde e gastos coletivos do domicílio, como vestuário, artigos de higiene pessoal e limpeza da casa, recreação, cultura, alimentação, bebidas dentro e fora do domicílio, transporte, comunicação e imposto de renda.

“A PAD é uma pesquisa inédita, tanto em Minas Gerais quanto em outros estados do Brasil. A vantagem sobre outras pesquisas, como a do IBGE e a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), ambas realizadas pelo governo federal, é que a PAD possibilita a inclusão de novas informações e trabalha com dados regionais, sendo a única que analisa as sub-regiões”, explicou o diretor do Centro de Estatística e Informações da Fundação João Pinheiro, Frederico Poley.

“Além de mostrar os padrões regionais, esta pesquisa aponta como uma sociedade se organiza, quais são suas preferências e particularidades, pois seu nível de desagregação de dados é mais amplo”, completou a pesquisadora do Centro de Estatística e Informações, Karina Rabelo.

Principais resultados

Educação – Os domicílios mineiros têm um gasto médio mensal per capita com educação de R$ 67,28. Desse total, R$ 41,28 são destinados a mensalidade escolar, o que corresponde a 61,36% dos investimentos totais em educação. Na sequência, estão o custeio de transporte (R$ 8,11), merenda (R$ 4,94) e material escolar (R$ 4,46).

A Região Metropolitana de Belo Horizonte (R$ 85,13), a Zona da Mata (R$ 78,36), e o Triângulo Mineiro (R$ 70,35) são as regiões que apresentam maiores despesas com educação. As regiões Norte (R$ 33,14), Central (R$ 45,81) e Centro-Oeste (R$ 50,30) são as que registram os menores gastos com educação.

De acordo com a pesquisa, à medida que ocorrem acréscimos em anos de estudo na escolaridade dos chefes de família, há crescimento gradativo nas despesas com educação em Minas Gerais.

Saúde  – Em média, os domicílios mineiros gastam mais em saúde do que em educação. Do total de R$ 96,74 em despesas com saúde, mais da metade corresponde ao pagamento de plano ou seguro saúde (R$ 53,10), representando 54,89% das despesas neste segmento.

No Estado, domicílios chefiados por mulheres apresentam gastos com saúde superiores àqueles chefiados por homens: R$ 107,21 contra R$ 90,27, respectivamente.

Habitação e Gastos Diversos no Domicílio – Como ocorre com todas as despesas analisadas, em geral, gastos com habitação têm relação com a renda média mensal do domicílio: quanto maior o nível de renda, mais elevadas as despesas. No entanto, foram observados domicílios chefiados por mulheres que possuem menores níveis de renda e, mesmo assim, têm mais despesas com habitação (R$ 199,36) do que aqueles chefiados por homens (R$ 168,99).

A RMBH é a região que possui maior despesa per capita com habitação e gastos diversos no domicílio (R$ 244,51), representando um gasto 36,15% maior quando comparado com o total de Minas Gerais. A região Norte, por sua vez, apresenta resultado de despesa inferior a 41,67%, em relação ao total do Estado.

Alimentação – O total de gastos em alimentos e bebidas foi de R$ 57,87, menor que o valor gasto em educação (R$ 67,28) e saúde (R$ 96,74). Laticínios e panificados representam a maior parte dessas despesas (22,23%), seguidos por grãos, cereais, farinha, leguminosas e oleaginosas (15%). O consumo de carnes, aves, peixes e ovos também é parte significativa da despesa, representando 13,39% do total.

PAD 2011

Atualmente em sua segunda edição, os primeiros resultados da PAD 2011 serão apresentados em abril de 2012. A pesquisa obteve informações de cerca de 18 mil domicílios distribuídos por todo o Estado, em 1.200 setores censitários de áreas urbanas e rurais, incluindo a capital e Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A PAD-MG fornece os elementos necessários para o desenho das características da população, suas ações e posições no sistema de estratificação social e no mercado, e seus resultados são utilizados para originar novos estudos sobre temas específicos e subsidiar a elaboração, acompanhamento e avaliação de políticas públicas em Minas Gerais.

 

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fundacao-joao-pinheiro-lanca-primeiros-volumes-da-serie-boletim-pad/

Blog do Anastasia – Modelo de Gestão para a Cidadania já colhe frutos no Rio Doce e no Norte de Minas

BELO HORIZONTE (28/12/11) – Em 2011, os representantes da sociedade civil organizada do Rio Doce e do Norte de Minas definiram 20 prioridades para suas regiões, a partir das estratégias propostas pelo Governo de Minas. Nos dias 17 e 18 de agosto, em Governador Valadares (Leste do Estado), e em 17 e 18 de outubro, em Montes Claros (Norte), foram realizados os encontros regionais, em que o Governo de Minas compartilhou as propostas apontadas no Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG), que prevê ações para o desenvolvimento de Minas Gerais até 2015, e também no Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI), cujas metas estão previstas até 2030.

Esses encontros integram o Estado em Rede, idealizado para viabilizar o modelo de Gestão para a Cidadania – a terceira geração do Choque de Gestão – que busca dar continuidade aos avanços já alcançados, integrando a sociedade no planejamento das ações do Estado. O novo modelo de gestão pública busca a aproximação da estratégia central com as necessidades e particularidades regionais, por meio da Gestão Regionalizada e Gestão Participativa.

Após os encontros regionais, que inserem a sociedade civil no processo, são realizados, a cada três meses, os comitês regionais, compostos por representantes do governo, e os fóruns regionais, com a presença do governo e os representantes da sociedade civil organizada. Nos comitês são discutidos problemas e soluções para as demandas locais, com a proposição de metas para o alcance das estratégias regionais traçadas. E nos fóruns, a sociedade civil escolhe cinco prioridades, dentre as 20 eleitas no encontro regional, para fazer parte de um caderno de prioridades estratégicas, com acompanhamento intensivo nas instâncias governamentais.

No Rio Doce e no Norte do Estado, a implementação do modelo foi iniciada em forma de projeto-piloto. A escolha dessas regiões obedece a algumas particularidades: o Rio Doce congrega as disparidades regionais representativas de Minas Gerais, enquanto que o Norte de Minas concentra as principais carências sociais do Estado.

Em cada encontro regional foram discutidos projetos nas seguintes redes transversais de desenvolvimento: Saúde; Cidades; Ciência; Tecnologia e Inovação; Defesa e Segurança; Desenvolvimento Econômico Sustentável; Desenvolvimento Rural; Desenvolvimento Social e Proteção; Educação e Desenvolvimento do Capital Humano e também Identidade Mineira e Infraestrutura.

Além da definição das 20 prioridades (duas por rede), cada grupo de rede transversal de desenvolvimento também elegeu um representante, que acompanhará a implementação das estratégias escolhidas nas instâncias governamentais.

Em Governador Valadares, a secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, destacou o início da implementação do programa. “Minas inova, chamando toda a sociedade civil organizada para trabalhar conosco na definição dessas estratégias. O governador Antonio Anastasia tem nos incitado a ousar, sempre com responsabilidade. Que então nós possamos, aqui, ousar para construir essa agenda comum, para que a voz dos mineiros possa ser implementada em todas as nossas ações, buscando o desenvolvimento econômico e social do Estado”, disse.

Na etapa seguinte, a reunião da Câmara Multissetorial analisou as demandas regionais priorizadas. Formada pelos secretários-adjuntos, a Câmara discute e busca soluções para os problemas apontados; garante o alinhamento estratégico entre as instâncias de desenvolvimento regional; produz e divulga informações e dados regionais para os comitês e público geral. Os encontros ordinários são trimestrais.

Resultados

Os resultados do projeto piloto foram encaminhados ao governador de Minas, Antonio Anastasia, em reunião do Comitê Estratégico, formado pelos secretários das pastas representadas na rede. Suas atribuições incluem: definição da estratégia governamental e seus reflexos para as regionais e deliberação sobre as demandas regionais.

A Gestão Regionalizada leva em conta as dez regiões de planejamento, indicadas pela Fundação João Pinheiro (FJP). Também são dez os comitês regionais: Central; da Mata; do Rio Doce; do Jequitinhonha e Mucuri; do Norte de Minas; do Noroeste de Minas; do Alto Paranaíba; do Triângulo; do Centro-Oeste de Minas; do Sul de Minas. Além da adoção da divisão territorial do Estado em dez regiões de planejamento, a regionalização incorpora também as 66 microrregiões de Minas Gerais identificadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A coordenação técnica dos comitês regionais, a elaboração da metodologia de trabalho e a condução da experiência piloto são de competência conjunta da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), da Secretaria de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais (Seccri), da Secretaria de Estado de Governo (Segov) e da Ouvidoria-Geral do Estado (OGE). O Estado em Rede será estendido a todo o Estado. Em 2012, está prevista a formação de comitês regionais para as demais regiões.

Fonte: Agência Minas