Governo de Minas: Fhemig alerta sobre os cuidados com picadas de escorpião

É preciso buscar atendimento rápido, pois o veneno pode ser fatal, principalmente em crianças

Gleisson Mateus
No ano passado, foram registrados 1.254 atendimentos envolvendo escorpiões no João XXIII
No ano passado, foram registrados 1.254 atendimentos envolvendo escorpiões no João XXIII

O Serviço de Toxicologia do Hospital João XXIII, da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), alerta as vítimas de picadas de escorpiões para que busquem atendimento imediato e que não percam tempo ao se dirigirem para a unidade hospitalar, pois o veneno pode ser fatal, principalmente em crianças.

No ano passado, foram registrados 1.254 atendimentos no João XXIII. Entre 2009 e 2010, houve 2.512 ocorrências envolvendo escorpiões. Referência para o tratamento de agressões por animais peçonhentos, o hospital é a única instituição que possui o soro antiescorpiônico em Belo Horizonte.

Segundo o coordenador do Serviço de Toxicologia, Délio Campolina, são realizados, no João XXIII, em média, 100 atendimentos mensais de vítimas de picadas de escorpião nos períodos de maior incidência de casos, os meses de setembro e outubro. Embora este número caia para 60 nos demais meses, é preocupante a frequência com que acontecem, a cada ano, acidentes envolvendo escorpiões.

“Sintomas como vômito, mal estar, falta de ar, agitação, sonolência e prostração não devem ser ignorados. Nos casos mais graves, a pessoa pode evoluir para uma arritmia cardíaca, insuficiência respiratória e até mesmo um edema agudo de pulmão. Quando isso ocorre, além do soro, é preciso que a vítima receba suporte de UTI para os controles cardíaco e pulmonar”, destaca Délio Campolina.

Cuidados

O escorpião deve ser combatido com a manutenção de ambientes limpos e com a eliminação de entulhos, pedras e madeiras. As pessoas devem ter atenção e sempre procurar balançar roupas e toalhas antes de serem usadas. O mesmo cuidado deve ser tomado com os calçados.

Predadores

As galinhas e os sapos são predadores naturais dos escorpiões. Enquanto as galinhas têm hábitos diurnos, os sapos, assim como os escorpiões, são animais noturnos e são mais eficazes para eliminar esses aracnídeos, uma vez que são capazes de comer vários.

Ao manusear entulhos e lixos ou limpar terrenos e esgotos, a pessoa deve, obrigatoriamente, proteger-se com luvas e botas. É aconselhável, inclusive, ter galinhas por perto para que elas comam o animal peçonhento. Também são inimigos naturais diversas espécies de aranhas, pássaros, lagartos, corujas, seriemas e macacos.

Clique aqui para obter a lista dos hospitais de referência para animais peçonhentos em Minas Gerais (Arquivo Excel).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fhemig-alerta-sobre-os-cuidados-com-picadas-de-escorpiao/

Gestão da Saúde: Fhemig abre Processo Seletivo Público Simplificado para contratação de profissionais

As inscrições poderão ser feitas somente pela internet

Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) informa que se iniciam às 9h do dia 26 de março, com encerramento às 17h do dia 2 de abril, as inscrições para o cadastramento de currículos para a contratação de profissionais em várias funções e em diversas cidades. As inscrições poderão ser feitas somente pela internet no endereçowww.fhemig.mg.gov.br  Processo Seletivo – Área do candidato.

As vagas destinam-se às funções de Engenheiro de Segurança do Trabalho (Patos de Minas); Terapeuta Ocupacional (Betim); Técnico em Farmácia (Barbacena, Belo Horizonte, Betim, Juiz de Fora, Patos de Minas e Sabará); Técnico em Contabilidade (Barbacena); Técnico em Patologia Clínica (Barbacena, Belo Horizonte, Betim, Juiz de Fora, Patos de Minas e Sabará); Técnico em Informática (Belo Horizonte, Betim, Juiz de Fora, Patos de Minas e Ubá); Técnico em Segurança do Trabalho (Belo Horizonte e Patos de Minas).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fhemig-abre-processo-seletivo-publico-simplificado-para-contratacao-de-profissionais/

Governo de Minas: sistema estadual de Transporte em Saúde humaniza atendimento no Campo das Vertentes

População de 28 municípios da região já está sendo beneficiada com melhoria do serviço

Marco Evangelista/Imprensa MG
Maria Eterna utiliza o transporte do Sets pela segunda vez
Maria Eterna utiliza o transporte do Sets pela segunda vez

Não são nem sete horas da manhã quando o micro-ônibus do Sistema Estadual de Transporte em Saúde (Sets) estaciona em frente à Unidade Básica de Saíde (UBS) da cidade de Desterro do Melo, no Campo das Vertentes. O veículo leva pacientes do município para atendimentos de média complexidade em Barbacena, que fica a 34 km da cidade, e foi doado pelo Governo de Minas para o Consórcio Intermunicipal de Saúde do Alto das Vertentes (Cisalv), do qual Desterro do Melo participa.

No total foram doados pelo Estado 10 micro-ônibus ao Consórcio, que já estão atendendo, além do município, às cidades de Alto Rio Doce, Antônio Carlos, Barbacena, Capela Nova, Carandaí, Ibertioga, Paiva, Santana do Garambéu e Senhora dos Remédios. Em Desterro do Melo, o Sets entrou em funcionamento em fevereiro e já realizou cerca de oito viagens.

A dona de casa Maria Eterna Duarte já utilizou o transporte por duas vezes. Na primeira, ela foi a uma consulta no ortopedista e retornou para fazer o raio-x do braço. “O transporte é muito bom, muito confortável e a viagem é tranquila. O ônibus espera a nossa consulta e o motorista e a agente de viagem tratam a gente muito bem”, elogia.

Já a aposentada Maria Augusta Amaral de Melo precisou do transporte apenas uma vez e também já tem boa impressão. “É ótimo, pois agora temos conforto e organização”, destaca ela, que foi a Barbacena para consulta com ortopedista.

Mais frequência nos tratamentos

O trabalhador autônomo Walney da Silva Vieira está entre os pacientes que usam o micro-ônibus do sistema desde o início das atividades na cidade. “Já tinha um transporte, mas agora ficou mais confortável. Com certeza, está sendo válido para todos da cidade”, diz. Ele faz tratamento devido ao uso de álcool no Hospital-Dia em Barbacena e viaja até três vezes por semana para receber o atendimento que, inclusive, se tornou mais frequente desde o início dos serviços do Sets.

O Hospital-Dia integra o Centro Hospitalar Psiquiátrico de Barbacena (CHPB), da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), e oferece tratamento contra álcool e outras drogas. Entre as atividades desenvolvidas na instituição, oficinas de artesanato e palestras, Walney se dedica à produção de obras de arte feitas com jornal. “É muito bom. A gente ocupa a mente. Gosto muito de fazer artesanato, acho que sou artista desde que nasci”, comenta, enquanto mostra o cesto que fez e hoje é usado para guardar matéria-prima.

Economia para municípios e humanização do atendimento

O motorista do micro-ônibus que transporta os pacientes, Adélio Barbosa da Silva, considera o transporte um benefício tanto para a prefeitura da cidade quanto para os usuários. “Gera uma economia para o município, já que antes era preciso deslocar mais de um carro. Agora vai apenas o micro-ônibus, pois cabe mais gente. Além disso, o ônibus é muito confortável e acompanhamos os pacientes até a clínica ou hospital, porque eles têm dificuldades às vezes, e a gente pode ajudar. É coisa de primeiro mundo. Nem particular faz isso”, destaca.

A agente de viagem de Desterro do Melo é Amasílis Heveline. Técnica em enfermagem, ela reforça a visão de Adélio: “Melhorou muito para os pacientes. O ônibus consegue atender a uma demanda maior e com mais humanização, e isso é muito importante para essas pessoas que precisam”, conclui.

A especialista em gestão pública da Superintendência Regional de Saúde de Barbacena, Maria Angelina dos Santos, também ressalta a humanização e organização do atendimento a partir do Sets. “O atendimento passou a ser humanizado, já que o cidadão é acolhido e orientado. O procedimento é melhor articulado, não fica um paciente sem estar presente na consulta, pois é feito o controle do processo de agendamento. Além de otimizar os gastos públicos”, avalia Maria Angelina.

Carlos Henrique Machado, secretário executivo do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Alto das Vertentes, sediado no município de Ressaquinha, aponta a importância do programa para as populações das cidades atendidas. “O Sets é de extrema importância, pelo fato de garantir às populações mais carentes o acesso às clínicas e hospitais, inclusive a população do meio rural, que é bastante beneficiada. Hoje, os cidadãos têm não somente um transporte de qualidade, como também a orientação do agente de viagem, que acompanha os pacientes, indica o local, a sala, dá atenção, enfim, valoriza o paciente”, ele garante.

Sistema atende população de 28 municípios da região

No final de janeiro, o Governo de Minas realizou a entrega de 24 micro-ônibus para a região das Vertentes, com previsão de atender a uma população total de 441 mil habitantes, em 28 municípios das microrregiões de Conselheiro Lafaiete/Congonhas e Barbacena.

O objetivo do programa é melhorar a vida da população residente em cidades pequenas que precisam se deslocar para as cidades-polo para tratamento de saúde através de um transporte eficiente e humanizado.

Para a Micro Conselheiro Lafaiete/Congonhas, foram entregues 14 micro-ônibus, que beneficiarão as cidades de Caranaíba, Casa Grande, Catas Altas da Noruega, Congonhas, Conselheiro Lafaiete, Desterro de Entre Rios, Entre Rios de Minas, Itaverava, Jeceaba, Lamim, Ouro Branco, Piranga, Queluzito, Rio Espera, Santana dos Montes, São Brás do Suaçuí e Senhora de Oliveira.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/sistema-estadual-de-transporte-em-saude-humaniza-atendimento-no-campo-das-vertentes/

Gestão da Saúde: Fhemig alerta para as doenças típicas do outono

As doenças comuns nessa época são as gripes, alergias respiratórias, pneumonias, otites e resfriados

Com a chegada do outono, a falta de chuvas e ventos aumenta a poluição do ar, a temperatura diminui e o tempo fica mais seco. Esses fatores são suficientes para as crianças, principalmente, começarem a reclamar de coceira na garganta, nariz escorrendo e sensação de dores pelo corpo, alerta a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig). As doenças comuns nessa época são as gripes, alergias respiratórias, pneumonias, otites (infecção de ouvido), resfriados, sinusites, asma, entre outras.

Outra infecção típica no período de outono e com sintomas muito parecidos com os de uma gripe comum, o vírus RSV (sigla em inglês para Vírus Respiratório Sincicial), é recorrente em crianças até os três anos de idade. No entanto, os médicos alertam para os cuidados com a evolução desses sintomas, que podem chegar a casos graves de pneumonia e asma, internações e em alguns casos pode levar ao óbito.

Principais doenças respiratórias

Resfriado

Inflamação e infecção aguda do nariz e garganta, causadas por vírus. O contágio pode se dar através de tosse, espirro ou contato pessoal com um doente. A baixa resistência do organismo pode predispor ao contágio.

Gripe

Também causada por vírus, a gripe é uma infecção mais grave do que o resfriado. Provoca dores musculares, tosse, corrimento nasal, dor de garganta, febre alta e inflamação das vias respiratórias. É contagiosa e dura em média de quatro a dez dias. Entre as complicações estão a bronquite e a pneumonia.

Laringite

Trata-se de uma inflamação da laringe, geralmente causada por vírus ou bactéria. Os sintomas são febre baixa ou moderada, rouquidão, tosse seca e dor de garganta. Pode fazer parte de vários tipos de viroses.

Asma

Doença pulmonar cujos sintomas são chiado e dificuldade para respirar. Geralmente ocorre um estreitamento das vias respiratórias decorrentes da exposição ao fumo, poluentes, ar muito frio ou substâncias que causam alergia, como o pólen, certos alimentos, perfumes e outros.

Bronquite

Inflamação dos brônquios, com maior incidência no inverno. Os sintomas são tosse persistente com expectoração de catarro. Ocorre nas formas aguda ou crônica, sendo que a primeira surge repentinamente e tem curta duração. Os casos de bronquite crônica persistem durante anos. Os sintomas podem ser parecidos com os da asma.

Pneumonia

Doença aguda que pode atingir um ou ambos os pulmões, que ficam inflamados. Causa febre, dificuldades para respirar, tosse com expectoração e dores no peito, palidez e comprometimento do estado geral. Geralmente é provocada por vírus ou bactérias.

Bronquiolite

Inflamação dos bronquíolos, de origem viral, apresenta-se com tosse, chiados e dificuldade respiratória. Os sintomas são parecidos com os da asma e acomete as crianças de baixa idade na maioria dos casos. O Vírus Respiratório Sincicial – VRS, com alta prevalência entre março e junho, é uma causa importante da bronquiolite.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fhemig-alerta-para-as-doencas-tipicas-do-outono/

Governo de Minas: Programa de Educação Profissional abre portas para jovens da Zona da Mata

Governo de Minas já formou mais de 9.500 alunos na região

Divulgação/Senac Juiz de Fora
O programa tem como objetivo principal oferecer educação profissionalizante gratuita de qualidade
O programa tem como objetivo principal oferecer educação profissionalizante gratuita de qualidade

Dival Ribeiro Netto Rezende, de 26 anos, hoje é técnico em enfermagem, concursado da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), e trabalha em uma unidade da rede, o Hospital Regional João Penido, em Juiz de Fora. A carreira na área da saúde teve início quando ele se inscreveu para o Programa de Educação Profissional (PEP) e passou na prova.“Um amigo me falou sobre o PEP. Antes mesmo de eu terminar o curso, fiz o concurso da Fhemig e passei. Depois que me formei, fui chamado para o Hospital João Penido”, conta.

Dival classificao papel do curso como determinante para seu direcionamento profissional. “O programa é muito bom, incentivador. Para as pessoas jovens, que não têm condições de pagar, é uma oportunidade para a conquista do emprego. Aprendi bastante, fiz estágio pelo curso, trabalhei em uma casa de idosos. A prática leva a uma maior experiência. Com certeza foi um dos pontos que me ajudou a passar no concurso”, avalia.

Segundo o coordenador do programa, Roberto Guerra, “o PEP potencializa o desenvolvimento do Estado, buscando promover formação profissional, atendendo a demandas regionais, necessidades de mão de obra, qualificando o cidadão, formando técnicos em vários segmentos e contribuindo para o desenvolvimento”.

Tânia Maria Fonseca Hermes Zuquin Alves, diretora do Centro Educacional Conceição Ferreira Nunes (Cecon), que oferece cursos do PEP em Juiz de Fora, destaca o papel transformador do programa. “Para vários alunos ocorreram mudanças radicais. Muitos chegaram aqui perdidos, sem expectativas, e hoje estão atuando no mercado de trabalho, bem empregados”, destaca.

O PEP é um programa mantido pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Educação (SEE), e tem como objetivo principal oferecer educação profissionalizante gratuita de qualidade, criando, para seus participantes, oportunidades reais no mercado de trabalho. Criado em 2007, o programa é desenvolvido em todas as regiões do Estado. Na Zona da Mata, já foram beneficiados 9.553 alunos.

Da eletromecânica para a enfermagem

MarceloGonçalves, de 27 anos,também se formou técnico em enfermagem pelo PEP em Juiz de Fora, no Cecon. A primeira opção era a eletromecânica, mas o curso não era ministrado no período noturno. “Eu precisava continuar trabalhando, então fui para a minha segunda opção, a enfermagem, gostei e não me arrependo. Tudo que tenho foi a enfermagem que me deu”, afirma.

Ele lembra o primeiro estágio, indicado pelo curso. “Fui encaminhado pelo PEP para uma clínica, me destaquei e fui contratado antes mesmo de me formar”, comenta.

Hoje, Marcelo possui dois empregos como técnico em enfermagem e só tem boas referências do programa. “Não tenho do que reclamar, ao contrário, o curso me encaminhou para um bom estágio, os professores foram muito bons, assim como a estrutura. A minha turma era grande e posso dizer que, hoje, 90% dos colegas estão empregados na área”, ressalta.

Contratação garantida

De atendente de telemarketing para técnica em contabilidade. Steicy da Silva Pandolfi, de 19 anos,ainda não concluiu o curso do PEP ministrado no Senac, mas já faz estágio em um escritório de contabilidade em Juiz de Fora. Ela foi informada de que será contratada assim que se formar, em junho próximo. “Saí do telemarketing e estou gostando muito do trabalho, pois complementa o curso. Está sendo tão bom que vou também fazer vestibular no final do ano na mesma área”, afirma.

Wagner Isaías Toledo de Oliveira, de 20 anos, é mais um aluno do PEP no Senac e que pretende cursar o nível superior. Da turma de técnico em contabilidade, ele faz estágio remunerado em um banco de crédito popular, vaga conquistada por meio do curso. “Fiz a inscrição no último dia, fiz a prova e passei. Estou adorando, o estágio ajuda muito no entendimento das disciplinas, a prática é importante”, frisa ele, que recomenda o PEP para amigos e familiares sempre que fica sabendo que as inscrições estão abertas.

Sexta edição do programa deve ter início ainda neste mês

Ainda em março, está previsto o início das aulas da sexta edição do Programa de Educação Profissional nos municípios de Além Paraíba (60 vagas), Cataguases (140), Juiz de Fora (410), Leopoldina (90), Muriaé (195), Pirapetinga (70), Ponte Nova (70), Santos Dumont (60), Ubá (275) e Viçosa (350), totalizando 1.720 vagas na região.

Os alunos da Zona da Mata terão acesso aos seguintescursos técnicos: Automação Industrial, Comércio, Design de Móveis, Eletromecânica, Eletrônica, Eletrotécnica, Enfermagem, Farmácia, Higiene Dental, Informática, Logística, Mecânica, Meio Ambiente, Nutrição e Dietética, Radiologia e Segurança do Trabalho.

Em todo o Estado, são 30 mil vagas apenas neste ano. Desde o início do programa, mais de 200 mil alunos já foram atendidos e o investimento total do Estado chega a R$ 569 milhões.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/programa-de-educacao-profissional-abre-portas-para-jovens-da-zona-da-mata/

Gestão da Saúde: Fundação Hospitalar de Minas Gerais abre inscrição para o 3º Fórum Científico

Encontro é voltado para pesquisadores que queiram publicar seus trabalhos

Estão abertas as inscrições para o 3º Fórum Científico da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) para participantes e pesquisadores que queiram submeter seus trabalhos para publicação. O prazo para inscrições e envio de resumos vai até 9 de abril, mas os participantes podem se inscrever até 28 de maio aqui . O fórum acontece nos dias 29 e 30 de maio.

O tema desta edição será “Integração, Ensino e Pesquisa” e vai reunir pesquisadores e especialistas da fundação, além de convidados de outras instituições, como Ministério da Saúde, Secretaria de Estado e de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Será apresentada a produção científica recentemente desenvolvida na Rede Fhemig e discutidos temas relacionados à pesquisa, ensino e inovação tecnológica.

Atualmente, são quase 300 profissionais da Fhemig, de vários níveis de formação, que estão atuando nas linhas de investigação nos 25 grupos de pesquisa certificados pelo CNPq, nas mais diversas áreas da saúde. A fundação possui, ainda, o Núcleo de Inovações Tecnológicas – INOVA, que monitora as pesquisas realizadas na instituição com vistas ao potencial de registro de propriedade intelectual, e o Núcleo de Apoio ao Pesquisador.

“Todo este ambiente possibilita a formação em pesquisa, inovação e a transferência de tecnologias que realimenta estas atividades. Para isso, são valorizadas a interdisciplinaridade, a cooperação interinstitucional e a participação de estudantes, graduados e residentes”, afirma o gerente de Ensino e Pesquisa, da Diretoria de Gestão de Pessoas, Roberto Marini Ladeira.

Marini acrescenta que estas iniciativas fortalecem o papel do Estado no cenário nacional do ensino, pesquisa e inovação tecnológica, ao mesmo tempo em que torna a Fhemig um ambiente atrativo e capaz de reter talentos. “E, principalmente, permite que as pesquisas desenvolvidas resultem em aumento na qualidade do atendimento prestado à população”, diz.

Avaliação

Os novos trabalhos inscritos serão avaliados pela Comissão Científica do Fórum e os melhores serão premiados. Como a terceira edição deste fórum aconteceria em setembro do ano passado, muitos resumos já foram inscritos e avaliados. Para continuar a participar, os autores precisam confirmar e aprovar sua publicação pelo e-mail marcelo.abrantes@fhemig.mg.gov.br (orientações no endereço http://www.fhemig.mg.gov.br/pt/ensino-e-pesquisa/pesquisa/forum-cientifico). A não confirmação implica em não publicação.

O 3º Fórum Científico faz parte da programação dos 35 anos da Fhemig, a serem completados em 3 de outubro deste ano. O incentivo à pesquisa é uma das mais importantes facetas desta instituição, que é considerada a maior rede de hospitais públicos do país.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: Hospital Alberto Cavalcanti participa de mutirão para reconstrução mamária

As cirurgias acontecem durante toda a semana

Divulgação/Fhemig
Equipe de médicos que particpa do mutirão no Hospital Alberto Cavalcanti
Equipe de médicos que particpa do mutirão no Hospital Alberto Cavalcanti

Na semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o Hospital Alberto Cavalcanti (HAC), da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), realiza cirurgias de reconstrução mamária, em sistema de mutirão, destinadas a retirar da fila de espera do Sistema Único de Saúde (SUS), mulheres que foram submetidas à mastectomia e que aguardam, há vários meses, serem contempladas pelo procedimento.

As cirurgias acontecem desde o dia 5 de março e se estendem até a próxima sexta-feira (9), quando a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) pretende somar 350 cirurgias no país. A participação do HAC insere-se no mutirão nacional convocado pela SBCP e que contempla, em Minas Gerais, cinco cidades, dentre elas a capital, num total de 11 hospitais participantes. Em Belo Horizonte, além do Hospital Alberto Cavalcanti, outras sete instituições compõem a força tarefa mineira que irá atender cerca de quarenta mulheres até o dia 08 de março.

A complexidade do procedimento leva-se em torno de seis horas para se realizar cada cirurgia, que requer a presença de, no mínimo, três cirurgiões plásticos. Assim, em todo o país, terá lugar uma verdadeira maratona que irá consumir algo em torno de duas mil horas de trabalho.

O cirurgião plástico Cláudio Salum Castro, médico do quadro efetivo do HAC e presidente da SBCP (regional Minas Gerais) salienta que a “causa” da reconstrução mamária figura em sua pauta de prioridades desde 1993 e que a realidade da fila para esse tipo de cirurgia muda de estado para estado. “Em Minas Gerais, ela não é tão grande quanto em outras unidades da federação. É muito gratificante contribuir para a diminuição da fila, uma vez isso implica na diminuição do sofrimento de um número significativo de mulheres”, pondera Cláudio Salum.

Responsabilidade

Ainda segundo o presidente da SBCP/MG, a participação dos cirurgiões plásticos em campanhas visa, também, inserir os profissionais no contexto da responsabilidade social que a entidade está envolvida. “Sabemos da importância da cirurgia plástica reconstrutora e das dificuldades que o paciente mais carente encontra para realizá-la”, comenta.

Desde o início do programa, da SBCP, em 2010, foram realizadas 700 intervenções cirúrgicas em todo o país. No estado, nos últimos dois anos, contabilizam-se 186 procedimentos nas modalidades de câncer de pele, pálpebra (blefaroplastia) e redução de mama.

Contemplada pelo mutirão, Shely Bueno de Souza, 51, aguarda a cirurgia de reconstrução no HAC, onde está internada desde o último domingo (4).  Curada do câncer de mama há oito anos, ela considera a reconstrução tão importante quanto a cura. “Somente uma mulher pode entender o que significa a perda de uma mama. Vou sair daqui feliz e continuar minha vida normalmente. Esta cirurgia é um presente para mim”, garante. Ela aguarda há um ano no fila do SUS.

Personalidade

A recepcionista Ilza Maria da Silva, de 45 anos, foi submetida a uma mastectomia total do seio esquerdo em 2005. Ela conta que se tornou uma verdadeira “personalidade pública” na cidade de Raul Soares, na Zona da Mata, que tem pouco mais de 23 mil habitantes. “Na minha cidade, as pessoas nem falam o nome da doença. Toda vez que eu saía de casa, era abordada por várias mulheres que vinham me perguntar sobre o câncer de mama e as suas consequências”, revela Ilza que, assim como Shely, aguardava a sua vez na fila do SUS.

O relato de Ilza da Silva ilustra bem o estigma que ronda o câncer, resultante, dentre outras razões, da falta de informação sobre a doença. Apesar das numerosas campanhas promovidas por diversos órgãos de saúde, ainda é grande o número de mulheres que nunca se submeteram à mamografia ou que, sequer, realizam o autoexame. Felizmente, este não é o caso de Ilza. Foi durante a rotina do autoexame que ela percebeu que havia algo de errado com o seio esquerdo e procurou um médico.

Quando se restabelecer da reconstrução mamária, a primeira coisa que Ilza vai fazer será colocar um biquíni e ir ao clube com suas amigas. “Depois que perdi o seio, nunca mais coloquei um biquíni. Quando retornar para minha cidade, toda a minha família estará me esperando para comemorarmos essa nova fase de minha vida”, conta.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: cuidados na limpeza doméstica previnem intoxicações, alerta Fhemig

A mistura dos produtos químicos de limpeza pode trazer riscos à saúde

A mistura dos produtos químicos de limpeza comumente utilizados na higienização dos cômodos, em particular do banheiro, pode trazer riscos à saúde de quem os utiliza, alerta a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig). Em 2011, o Hospital João XXIII teve 816 casos de intoxicação por agentes químicos, na maioria quadros de irritação das vias aéreas, crises de asmas, irritação dos olhos e intoxicações graves.

De acordo com o coordenador do Serviço de Toxicologia do Hospital João XIII, Délio Campolina, o ideal é usar apenas um produto, proteger as mãos com luvas e, em evitar contato com os olhos. “Para se proteger dos possíveis riscos, recomenda-se evitar contato das mãos com os olhos nas faxinas, sempre utilizar luvas e fazer a dosagem correta para a solução de limpeza. Ao sentir sintomas de intoxicação ou irritação da pele ou dos olhos, a pessoa deve procurar, imediatamente, o posto de saúde mais próximo para receber orientações e/ou ser encaminhada para atendimento”.

Substâncias como a água sanitária (também conhecida como barrela) que é muito utilizada devido a sua função bactericida e de clareamento de superfícies, têm em sua fórmula o hidróxido de sódio, além de ser reativa quando combinada a outros produtos à base de amoníaco. Se misturada a detergentes, causa uma perigosa reação química que libera gases tóxicos prejudiciais ao organismo humano.

Por serem, individualmente, substâncias voláteis, inflamáveis ou muito tóxicas, o seu uso associado pode produzir gases nocivos às vias respiratórias, bem como queimaduras na garganta e nos olhos. Outro fator que pode ser visto como um agravante do problema é o tamanho dos banheiros, uma vez que a ventilação desses locais é limitada e pode acelerar a intoxicação da pessoa.

Esses acidentes também podem ocorrer com crianças, caso os produtos de limpeza estejam em local de fácil acesso. O mais recomendável é guardar-los em locais altos ou que possam ser trancados. Alguns casos graves podem ocorrer com produtos utilizados para fins estéticos, como a amônia (usada para a retirada de esmalte) e a água oxigenada de uso generalizado na descoloração de pelos.

Produtos Perigosos

Muitas vezes, as pessoas exageram na dosagem dos produtos de limpeza e, dependendo da concentração dos componentes desses agentes químicos, as consequências podem ser graves. “As substâncias muito utilizadas para a limpeza de pisos de pedra ou de banheiros podem causar lesões na pele, problemas respiratórios e crises asmáticas nos pacientes, pois libera o ácido clorídrico (HCl)”, enfatiza Délio Campolina.

No rol das substâncias químicas de uso generalizado para a limpeza e que podem agredir a saúde de quem as utiliza, também figura o hipoclorito de sódio ou o “cloro puro”. Muito utilizado para a limpeza de pedras, por seu alto poder clareador, ele apresenta uma concentração de 18% de ácido muriático, bem maior que a água sanitária (de 0,5% a 1%). Na mesma situação encontram-se a soda cáustica e o nitrato de potássio (popularmente conhecido como “Diabo Verde”). Usados para limpar fornos, desentupir pias ou ralos são extremamente tóxicos.

Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: Fhemig orienta sobre cuidados necessários com crianças durante o Verão

Nesta época do ano, em que os dias são bem mais quentes, as crianças são mais suscetíveis à desidratação

As altas temperaturas não têm dado trégua nesse Verão. Belo Horizonte registrou, nos meses de fevereiro e março, recordes de temperatura, que tem passado dos 30 graus. Nesta época do ano, Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig) alerta para os cuidados com as crianças em dias tão quentes, já que são mais suscetíveis à desidratação e estão entre os que mais sofrem.

De acordo com a diretora do Hospital Infantil João Paulo II, Helena Francisca Valadares Maciel, a quantidade de líquido corporal na criança, comparada a sua massa corpórea, é menor que no adulto, fazendo com que elas se desidratem com maior facilidade. “A criança pode perder a mesma quantidade de água que um adulto e ficar desidratada. Já o adulto, nem percebe a perda”, afirma. Ela ressalta que os pequenos devem ter um cuidado especial, que começa com a importância da hidratação e da não exposição ao sol. Portanto, deve-se oferecer água com frequência para a criança, pelo menos três ou quatro vezes ao dia.

O cuidado com os recém-nascidos deve ser ainda maior, uma vez que eles desidratam com maior facilidade e é mais difícil identificar quando isso acontece. Como nas crianças mais velhas, eles manifestam sede e desidratação com irritabilidade, sendo necessário que os pais fiquem mais atentos nesta época do ano.

Além disso, os bebês costumam manifestar hipertermia, que é um aumento da temperatura do corpo, diferente da febre. Vesti-los com roupas mais leves e confortáveis também é importante para que problemas posteriores sejam evitados. Helena Maciel reforça que a prevenção é de grande importância, lembrando que o número de crianças internadas no Hospital Infantil João Paulo II com problemas causados pelo calor excessivo sempre aumenta durante o Verão.

Desidratação

Os pais também devem observar a irritabilidade de seus filhos, que pode ser um sinal de desidratação, já que crianças com sede costumam ficar irritadas. Além disso, é importante a observação da urina, que deve ser clara e abundante, uma vez que urina escura e em pouca quantidade pode indicar falta de água no corpo.

Quanto à exposição ao sol, deve-se tomar um cuidado especial no período de maior radiação solar, que vai das 10h às 16 horas. Nesse horário, é importante não deixar a criança exposta. Para serem mais efetivos, os cuidados também devem ser seguidos nas escolas. Assim, é necessário evitar deixar as crianças em locais onde fiquem expostas ao sol por muito tempo, como no período do recreio. O uso do protetor solar é outro importante aliado durante o Verão, no entanto, o fator de proteção não deve passar de 30, pois “acima de 30 a eficiência do produto não é grande e pode haver efeitos colaterais na criança”, diz Helena Maciel.

Prevenção

Ainda segundo a diretora, a prevenção deve orientar todas as ações (tanto dos pais quanto dos professores), para que problemas causados pelas altas temperaturas não ocorram. No entanto, nos casos de queimaduras causadas pelo sol, é indicado banho com água fria. Nos casos mais graves, o hospital oferece atendimento, mas a diretora lembra que, em Belo Horizonte, há o Hospital João XXIII, que é referência no tratamento de queimaduras.

Comida contaminada

Outra ocorrência comum no Verão são as doenças causadas pela comida contaminada. Por isso, é preciso bastante cuidado ao permitir que as crianças se alimentem fora de casa. Primeiro, porque os alimentos costumam ser muito gordurosos e pesados para a digestão. Além disso, com o calor, as chances de deterioração são muito maiores, o que pode levar a uma intoxicação alimentar.

Em casa, a comida deve ficar sempre protegida para evitar a contaminação por moscas e outros insetos. Outro cuidado é deixar na geladeira os alimentos que requerem refrigeração para que a proliferação de bactérias seja evitada. De acordo com a diretora do hospital, viroses e infecções bacterianas intestinais estão entre as doenças mais comuns que atingem as crianças nesta época do ano.

Nos casos de contaminação, Helena Maciel indica o uso do soro, que deve ser oferecido com frequência e em pequenas quantidades. “Cinquenta ml (ou três colheres de sopa) de soro, devem ser dados para a criança a cada perda decorrente de vômito ou diarréia”, orienta. É indicado que a alimentação seja leve e feita aos poucos. Em casos mais graves, a ajuda médica também é necessária. “Se a intensidade do vômito for grande, é importante que se leve a criança ao pronto atendimento”, alerta.

Fonte: Agência Minas

Gestão da Saúde: abertas as inscrições para designação e cadastro de reserva para médicos

Secretaria de Estado de Saúde recebe inscrições até 16 de março

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) abre, nesta quinta-feira (16), inscrições para o processo de seleção interna para a designação de servidores e cadastro de reserva para médicos.

Para participar, o candidato precisa ser ocupante de cargo de provimento efetivo ou função pública, lotado em órgão ou entidade integrante do Sistema Estadual de Gestão da Saúde: SES-MG, Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Fundação Ezequiel Dias (Funed), Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Minas Gerais (Hemominas) e Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), ou, ainda, ser ocupante de cargo de provimento efetivo ou detentor de função pública de órgão ou entidade municipal, estadual ou federal integrante do Sistema Único de Saúde (SUS).

As inscrições estão disponíveis até 16 de março, no site http://www.saude.mg.gov.br, e os cargos são para coordenador Estadual e Médico Plantonista, ambos na área de Regulação de Assistência à Saúde da SES.

Atribuições

Dentre as atribuições a serem exercidas pelo coordenador Estadual, estão: zelar pelo cumprimento de rotinas, protocolos técnicos e operacionais; monitorar o conjunto de indicadores de atendimento e demandas pendentes; avaliar a capacidade/habilidade das equipes das Centrais de Regulação, identificando a necessidade de orientação, capacitação e remanejamento, etc. A remuneração é de R$ 5.500, para uma carga horária de 40 horas semanais.

Já os médicos plantonistas irão decidir no âmbito de sua macrorregião o destino ambulatorial ou hospitalar do paciente, baseado na planilha de hierarquias pactuada, disponível para a região e nas condições de atendimento nos serviços de assistência à saúde; acionar o médico plantonista da macrorregional mais apropriada nos casos em que não houver possibilidade de atendimento em sua macrorregião, devendo esta impossibilidade ser atestada pelo médico plantonista responsável, entre outras. A carga horária é de 24 horas semanais, e a remuneração de R$ 3.300 reais.

A seleção será realizada em três etapas. Na primeira será feita a análise de requisitos e títulos. A segunda será uma entrevista e a terceira, curso de Formação. O candidato poderá alcançar no máximo 100 pontos, sendo 40 pontos para certificados e experiência profissional, e 60 para entrevista.

Fonte: Agência Minas