Governo Anastasia garante apoio a vítimas da seca

Minas: governo Anastasia apoia vitimas da seca em Minas. Foram destinados R$ 11 mi em compras de cestas básicas e outras ações.

Governo de Minas: seca norte de Minas

Fonte: Marcos de Moura e Souza – Valor Econômico

Pecuária e frutas padecem com a seca no norte de MG

 Minas: governo Anastasia garante apoio à seca

Governo de Minas garante apoio às vitimas da seca. Foram destinados R$ 11 mi em compras de cestas básicas, caminhões-pipas e outras ações.

Mais de 100 municípios na região norte do Estado de Minas Gerais estão em estado de emergência por causa da seca. O governo do Estado e o Exército fazem o abastecimento emergencial de água com caminhões-pipa. Na zona rural, uma imagem que está se tornando mais frequente é a de bois e vacas mortos de sede e fome – e suas carcaças abandonadas no que um dia foi pasto.

O estrago da estiagem na economia local se estende pela produção de frutas e de leite e no deslocamento de gado para outras regiões. Muitos pequenos produtores que não têm um pasto alternativo estão vendendo seu gado, apesar dos preços baixos. Diversos municípios estão sem chuva desde o início do ano e decretaram emergência em fevereiro e março. As chuvas devem começar somente em outubro. Hoje são 122 em emergência por causa da seca, concentrados no norte do Estadoe parte deles no nordeste e noroeste. A perspectiva do governo era que neste ano o número ficasse em 114.

“Essa é uma das piores dos últimos 30 anos e que está atingindo Minas, Bahia e outros Estados do Nordeste“” diz Reinaldo Nunes, coordenador técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão do Estado de Minas Gerais (Emater) em Montes Claros, maior cidade do norte de Minas. O rebanho de gado nessa área é de aproximadamente 2,5 milhões de cabeças e o problema maior é a alimentação, diz Nunes.

Sem pasto e sem água, um dos resultados imediatos na economia da região foi a queda abrupta na produção de leite. “A produção normal é de 600 mil litros por dia e por causa da seca houve uma redução de 40% a 50%. O prejuízo por mês é de R$ 5,4 milhões”, calcula Nunes. A maioria dos pequenos sitiantes e produtores com mais terras na região têm no leite uma renda adicional e diária.

A safra de grãos teve uma redução ainda maior. Segundo a Emater, o chamado veranico (período de 20 e poucos dias de estiagem em meio ao período chuvoso) durou do início de janeiro a até março em vários municípios. Foi num período crítico de plantio de arroz, feijão, milho, sorgo e outros grãos pelos produtores rurais mineiros. “A expectativa era de colher só nessa região norte 500 mil toneladas de grãos, mas perdemos 70% disso, um prejuízo de R$ 180 milhões”, diz o técnico da Emater.

Governo de Minas: seca do norte de Minas – Link da matéria: http://www.valor.com.br/empresas/2801944/pecuaria-e-frutas-padecem-com-seca-no-norte-de-mg

Quem investe e vive da produção de frutas também está em dificuldades. Gurutuba e Lagoa Grande, dois grandes projetos irrigados no norte do Estado, cujas áreas somam 6,5 mil hectares e onde predomina a fruticultura, são os que mais sentem. “Os produtores estão sendo afetados porque dependem de uma barragem que está com o nível bastante comprometido”, afirma Pierre Santos Vilela, coordenador da assessoria técnica da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg). A entidade informa representar quase 400 mil pequenos, médios e grandes produtores rurais.

Segundo Faemg e Emater, produtores, especialmente os menores, estão vendo parte de seu plantel de gado morrer. Há uma corrida para vender os animais mesmo abaixo do peso e mesmo com preços depreciados pela grande oferta. Sem ter como manter o gado, produtores acabam se descapitalizando porque o que recebem agora pelos animais não permitirá que eles reponham seu rebanho daqui a alguns meses, diz Reinaldo Nunes, técnico da Emater.

O governo do Estado prevê alocar um total de R$ 11 milhões em compras de cestas básicas, caminhões-pipas e outras ações. Além disso, o governo federal, por meio do Ministério da Integração Nacional, enviou mais R$ 10 milhões, que estão sendo usados para reforço das compras de alimentos, galões de água mineral e também para a distribuição de cisternas, disse o tenente coronel Fabiano Villas Bôas, secretário executivo da coordenadoria estadual da Defesa Civil. Em alguns municípios, como Catuti, não há mais água para consumo humano. E, paradoxalmente, em locais abastecidos por caminhões-pipa o desafio das famílias é armazenar essa água. O governo do Estado ainda conta com R$ 4 milhões este ano para a abertura de poços artesianos em locais públicos.

Villas Bôas diz que o que diferencia esta seca das anteriores é a duração. Enquanto geralmente os municípios do norte de Minas começam a decretar situação de emergência em abril e maio, neste ano isso aconteceu em fevereiro e março. Muitos dos decretos já foram prorrogados.

Minas: Governo seca do norte de Minas – Link da matéria: http://www.valor.com.br/empresas/2801944/pecuaria-e-frutas-padecem-com-seca-no-norte-de-mg

Anel Rodoviário: Dilma firma parceria com Anastasia

Anel Rodoviário: Depois das suspeitas lançadas pelo TCE sobre o DNIT, Governo Anastasia assume elaboração do projeto executivo.

 Anel Rodoviário: novo projeto de reformulação

Fonte: Agência Minas 

Governador AOpçõesnastasia e presidente Dilma assinam acordo para elaboração do projeto de revitalização do Anel Rodoviário

Projeto contemplará a revitalização da pista; parceria entre Estado e União também trará investimentos para outras rodovias mineiras
Anel Rodoviário: Dilma firma parceria com Anastasia

Anel Rodoviário: Dilma firma parceria com Anastasia

O governador Antonio Anastasia e a presidente Dilma Rousseff presidiram, nesta terça-feira (12), no Palácio da Liberdade, a cerimônia de assinatura de termo de compromisso para a elaboração do projeto executivo das obras de reformulação e modernização do Anel Rodoviário de Belo Horizonte. O documento, assinado pelos diretores-geral do DER-MG, José Elcio Monteze, e do Dnit, general Jorge Ernesto Fraxe, prevê repasse pelo governo federal de R$ 17 milhões para que o Governo de Minas elabore e licite o projeto executivo.

Para a execução da obra, também sob responsabilidade do Governo de Minas, será repassado cerca de R$ 1,5 bilhão. O início das obras dependerá do processo de licitação do projeto de engenharia.

Segundo o Ministério dos Transportes, o projeto contemplará a construção de 12 trincheiras e 18 viadutos, além da troca de pavimentação dos 27,3 quilômetros da via. As cerca de 3.500 famílias que residem no entorno do corredor viário serão indenizadas para a construção de vias laterais, informou o órgão federal.

Avenida Metropolitana

O governador Antonio Anastasia disse que o novo Anel Rodoviário dará mais segurança aos motoristas e trará mais desenvolvimento para a Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“Não se tratará de mera reforma, podemos dizer que é construção nova de uma obra monumental, de primeiro mundo, que trará não só mais segurança, que é tão necessária, e mais mobilidade, mas também trará desenvolvimento, inclusão, prosperidade, empregos e oportunidades, porque ao redor dessa majestosa avenida metropolitana que será totalmente construída, certamente teremos oportunidades ímpares para criação de novas empresas e novos focos de desenvolvimento e de indústrias”, afirmou Anastasia.

Anastasia ressaltou, em seu pronunciamento, a importância da parceria do Governo de Minas com a União, lembrando ainda que a obra é uma reivindicação não só do povo mineiro, mas de todo o Brasil.

“Quero destacar o ato de grandeza do governo federal, em primeiro lugar, ao delegar o projeto da execução da obra do Anel Rodoviário de Belo Horizonte para execução pelo Estado, que é reivindicada há décadas pela população não só da capital, mas também de toda a região metropolitana e de todo o Estado. Poderia dizer até do Brasil, porque aqui passam veículos que cruzam nosso país de Norte a Sul”, completou.

Histórico

O Anel Rodoviário Celso de Mello Azevedo foi construído na década de 1950 com objetivo de desviar o tráfego pesado da região urbana de Belo Horizonte. Com o crescimento da capital, ele foi inserido no sistema viário urbano. A última intervenção para melhorias da via ocorreu em 2006.

Como uma importante artéria, o Anel Rodoviário recebe o tráfego do Centro Oeste do país, seja via BR-262 (Triângulo Mineiro, Mato Grosso e Goiás), seja via BR-040 (Distrito Federal, Goiás e Tocantins), em direção ao Rio de Janeiro, ou ao pólo ferrífero (BR-381 na direção de Governador Valadares), sendo que ocorre o mesmo no sentido inverso.  Soma-se, ainda, o tráfego pesado de São Paulo em direção ao norte de Minas Gerais e do País. Além disso, parte importante da produção industrial e agrícola do Estado trafega no Anel em direção aos portos de Santos e Sepetiba.

Parceria Estratégica

A presidente Dilma Rousseff disse, em seu pronunciamento, que a característica da via, por estar em uma área urbana, permite que o governo federal transfira para o Governo de Minas a responsabilidade pela execução das obras.

“Eu, de fato, tive essa iniciativa de passar essa obra para o Estado de Minas Gerais por reconhecer a característica urbana dela. Apesar de ser feita numa rodovia, é uma rodovia que foi feita numa época que, de fato, tratava-se de uma rodovia nos limites da cidade. Hoje, uma parte significativa desse anel é uma avenida dessa cidade. Mostra não só o imenso crescimento que Belo Horizonte teve nos últimos anos como também a necessidade de que essas parcerias federais, estaduais e municipais ocorram. Não estamos fazendo aqui uma reforma, estamos construindo vias adequadas”, afirmou.

Dilma Rousseff considera o governador Anastasia “um parceiro de qualidade”, o que facilita o desenvolvimento de projetos da grandeza do novo Anel Rodoviário.

“Eu tenho no (governador) Anastasia um parceiro. E tenho certeza que o Anastasia é um grande político brasileiro, com noção de país. Ele é um dos parceiros estratégicos para o Brasil ter pernas próprias para enfrentar essa crise. Eu conto com o governador Anastasia e com o prefeito Marcio Lacerda para que nós, juntos, façamos estes projetos e continuemos mantendo a taxa de investimento sempre em crescimento”, completou.

Rodoanel

A presidente da República anunciou que, em parceria com o Governo de Minas e a Prefeitura de Belo Horizonte, o governo federal vai investir na construção do “Rodoanel Mineiro”, que terá três alças nas direções Norte, Sul e Leste, ligando as principais cidades da região metropolitana e desafogando o tráfego no anel rodoviário.

“Temos a decisão de fazer o Rodoanel. Estamos nos dispondo a fazer uma parceria entre o Estado, a prefeitura e o governo federal para a obra. O prefeito Marcio Lacerda entra com o projeto da parte Leste, o governo federal entra com o projeto e obviamente vai arcar com os custos da construção do setor Sul e do financiamento do trecho Leste. E o governador Anastasia fará, através de um modelo de PPP (Parceria Público-Privada), o trecho Norte. Nessa divisão é possível fazer o Rodoanel em um tempo rápido. Acredito que essa seja a grande iniciativa que podemos dar a essa parceria sempre bem sucedida quando se aliam Estado, município e a União. Só é possível no Brasil uma ação efetiva, no sentido de superar alguns gargalos e problemas, se tivermos essa visão integrada”, concluiu .

Duplicação da BR-381

Segundo o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, as obras de duplicação da BR-381, sentido Governador Valadares, na região do Rio Doce, devem começar no início de 2013. A expectativa é de que a licitação da obra seja lançada em setembro próximo.

“Estamos desenvolvendo e concluindo os projetos executivos nos meses de junho e julho, porque não queremos e nem faremos coisas açodadas. Tenham certeza que até setembro colocaremos na rua a licitação da duplicação da BR-381”, garantiu.

Segundo ele, as obras de modernização do Anel Rodoviário, de construção do Rodoanel mineiro e a duplicação da BR-381 devem exigir investimentos de cerca de R$ 6 bilhões.

Também participaram da solenidade o vice-governador Alberto Pinto Coelho; a ministra das Comunicações, Helena Chagas; o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel; o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles; o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, e os senadores Clésio Andrade e Zezé Perrela.

Anel Rodoviário – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-anastasia-e-presidente-dilma-assinam-acordo-para-elaboracao-do-projeto-de-revitalizacao-do-anel-rodoviario/