Governo Anastasia propõe vantagens pessoais a professores e especialistas da Educação

Gestão da Educação, Gestão Pública

Governo propõe remuneração unificada para professores e paga acima do piso nacional

Vantagens pessoais de professores e especialistas da Educação – como quinquênios e biênios – serão calculadas com base na tabela de transição e, imediatamente, incorporadas à remuneração única

Governo de Minas encaminha à Assembleia Legislativa de Minas Gerais, nesta terça-feira (22), nova proposta com diversas melhorias para a remuneração e para a carreira dos profissionais da Educação. As mudanças garantem que todos os professores e especialistas da Educação ganharão acima de R$ 1.122,00, para uma jornada de 24 horas semanais, ou seja, 57% proporcionalmente a mais do que o piso estabelecido pelo MEC, que é de R$ 1.187,00 para uma jornada de 40 horas semanais. Os professores e especialistas da Educação com licenciatura ganharão pelo menos R$ 1.320,00, ou 85% proporcionalmente a mais do que o piso nacional.

A nova proposta significará um impacto de R$ 2,1 bilhões na folha de pagamentos dos servidores da Educação. Além disso, a partir de 2012 começará a implantação do sistema de um terço da jornada semanal dos professores dedicada à atividades extraclasse.

“Essa proposta demonstra, mais uma vez, a disposição do Governo de Minas para encontrar formas de valorizar e melhorar a remuneração e a carreira dos profissionais da educação. Além disso, reafirma o compromisso com a qualidade da Educação no Estado e o respeito aos alunos, aos pais, aos professores e a toda a comunidade escolar”, afirma o governador Antonio Anastasia.

Conheça abaixo os detalhes da nova proposta que o Governo enviará à Assembleia Legislativa:

alt

A proposta do Governo de Minas prevê a criação de uma tabela de transição com aplicação proporcional do piso nacional no vencimento básico, levando em consideração os mesmos interstícios vigentes na tabela do subsídio (10% na vertical/escolaridade e 2,5% na horizontal/tempo de serviço).

As vantagens pessoais de professores e especialistas da Educação – como quinquênios e biênios – serão calculadas com base na tabela de transição e, imediatamente, incorporadas à remuneração única. Todos os servidores serão posicionados na tabela unificada. Os aumentos serão escalonados, em percentuais anuais, até 2015, observada a situação individual de cada servidor.

Valorização do professor

Nos últimos anos, o Governo de Minas adotou medidas que valorizaram os professores e profissionais da Educação. O quadro abaixo, que detalha os gastos com pessoal da Educação, ilustra esse esforço:

alt

A nova proposta do Governo de Minas é mais um passo na valorização do trabalho dos profissionais da Educação. O impacto financeiro, até 2015, na folha de pagamentos do Estado será de R$ 9,8 bilhões, considerando os aumentos escalonados ano a ano.  Isso significa um aumento de 58% da folha em relação a dezembro de 2010 e de quase 200% em relação a 2003. É o máximo que o Governo pode autorizar, considerando a Lei de Responsabilidade Fiscal e as disponibilidades orçamentárias do Tesouro Estadual.

Gestão Pública:“PSDB tem que ser o partido do carinho e da equidade”, diz FHC

Gestão Pública, Combate à Corrupção,  Administração Pública

Fonte:  Marcelo Mota e Guilherme Serodio – Valor Econômico

“PSDB tem que ser o partido do carinho e da equidade”, diz FHC

Nenhum candidato foi lançado, nenhum novo manifesto foi escrito, mas os tucanos presentes ao evento promovido ontem pelo Instituto Teotônio Vilela (ITV) saíram de lá com a sensação de que algo novo aconteceu. O que era para ser um evento alheio à agenda partidária, promovido por um órgão de difusão da doutrina social-democrata, acabou se tornando uma grande consagração entre tucanos que nem sempre se bicam, mas que ainda sonham com uma revoada de volta ao Planalto.

“Nós estamos começando a falar com uma nova voz. Agora é a voz dos que querem vencer”, disse o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, aplaudido de pé por uma plateia eufórica após o seu discurso de encerramento. FHC falou em união do partido, e tinha ao seu redor alguns dos principais nomes do PSDB, como o senador Aécio Neves, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o ex-governador do Estado José Serra, o presidente do partido, Sérgio Guerra e o presidente do ITV, Tasso Jereissati.

A montagem do evento havia sido confiada por Tasso a Elena Landau. Primeiro, subiram ao palco alguns dos pais do Plano Real, como Armínio Fraga, Gustavo Franco, Persio Arida e Edmar Bacha. Pouco a pouco, os políticos converteram o tablado em tribuna.

“Um partido existe quando tem capacidade de se antecipar, de reinventar o futuro”, disse FHC. Depois de ter seu legado defendido pelos que o antecederam no palco e por uma cartilha distribuída na entrada, rechaçou “a pecha de que o PSDB não quer desenvolvimento” e conclamou seus correligionários a fazerem oposição e a pensarem o país.

Para Aécio, pensar o Brasil é essencial, mesmo que não seja “pensar sempre na mesma direção”. Falando em união e reconhecendo que a atual administração tem seus méritos, o presidenciável tucano procurava um tom de conciliação, depois de muita especulação sobre rusgas que dominaram os bastidores do partido às vésperas do evento. Boa parte delas dava conta de que José Serra evitaria comparecer. Entre os rumores para a ausência, desde uma suposta frustração de Serra por ter sido preterido para o ITV, que acabou nas mãos de Tasso, até possíveis divergências quanto à política econômica.

“Foi tudo futrica”, afirmou Serra, que alegou ter enfrentado dificuldade para encontrar um voo que o trouxesse de Londres a tempo e por isso não havia confirmado sua participação até a última hora. Chamado ao palco por Aécio, Serra ocupou a tribuna com um discurso de oposição que, em alguns pontos, foi mais ferrenho até do que se via em sua campanha à Presidência. “Trata-se de um governo de factóides, de salamaleques”, disse.

A esta altura, FHC já havia subido ao palanque, chamado também por Aécio, cujo papel seria de apresentar o ex-presidente. Esse arranjo deu conta do improviso necessário para encaixar Serra na programação. O senador mineiro, por sua vez, havia sido chamado efusivamente ao palco por Guerra, que discursara depois de Tasso, o anfitrião da festa. Em vez de mineiro, foi chamado por Guerra, em tom de brincadeira, de “o único senador carioca do PSDB”, em alusão à sua presença frequente no Rio. A brincadeira servia para legitimar o destaque que caberia a Aécio no evento, se não tivesse acabado dividindo a cena com Serra.

Imbuído do espírito de reunião partidária, FHC lançou um novo mote para o PSDB: “Tem que ser o partido do carinho e da equidade”. Mas o carinho embutia um ataque ao governo petista, que o ex-presidente acusa de não ter estratégia e pecar pela gestão. A equidade também carregava uma crítica ao que FHC chamou de um coletivismo do PT que “não respeita as pessoas”. “Não é só querermos mais, é querermos melhor”, arrematou.

Melhor em termos de juros, inclusive. O aperto monetário, que foi severo no governo FHC, foi combatido até por aqueles que ocupavam a presidência do Banco Central naquela gestão, como Gustavo Franco e Armínio Fraga. Outro vilão apontado por todos os palestrantes foi a política industrial da administração petista. Fraga atacou a atuação de órgãos do governo em fusões e aquisições, como o Cade e o BNDES.

Tomando o cuidado de não confundir sua crítica ao ataque desferido por Fraga, já que seu banco, o BTG Pactual, apoiou com veemência a tentativa de fusão entre Pão de Açúcar e Carrefour defendida pelo BNDES, Arida se ateve a combater a tática de financiar setores da economia, discricionariamente, por meio de crédito subsidiado. Sua palestra surpreendeu pelo apelo político e foi encampada pelos caciques do partido que o sucederam no púlpito. Arida disse que, se BNDES e Caixa operassem com juros de mercado, a taxa básica seria menor para todos, enquanto os rendimentos da poupança e do FGTS seriam maiores.

O tipo de carinho ao qual FHC se referiu em seguida. Animado com a ideia de Arida, que considerou “revolucionária”, o ex-presidente chegou a arriscar um trocadilho em dois idiomas. A partir do mote de campanha de Barack Obama à Presidência dos Estados Unidos, “Yes, we can [sim, nós podemos]“, lançou o “Yes, we care [sim, nós cuidamos]“.

Gestão da Educação, Gestão Publica, redução da evasão escolar

Gestão da Educação, Gestão Publica, redução da evasão escolar

Fonte: Junia Oliveira – Estado de Minas

Mais qualidade no ensino público

Secretaria amplia para 100 escolas de todo o estado projeto Jovem de futuro, que aumentou em 25% desempenho em matemática e português e reduziu em 40% evasão de alunos de 20 colégios da Grande BH

A diretora entra na sala de aula para anunciar o início de um novo projeto. Da parceria, novas portas se abrem, mas, para isso, é fundamental o envolvimento dos alunos para cumprir metas e melhorar as notas em português e matemática. Numa das carteiras, brilham os olhos do jovem Douglas William de Oliveira Lopes, hoje com 19 anos. Há três anos, mal ele podia imaginar que, de oportunidade em oportunidade, a formatura do ensino médio numa escola estadual seria coroada com a aprovação em cinco instituições de nível superior, entre elas a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Assim como Douglas, milhares de alunos da rede pública de ensino poderão ter a chance de investir nos conhecimentos e melhorar o desempenho escolar a partir do ano que vem, quando a Secretaria de Estado de Educação (SEE) assumirá a gestão do projeto Jovem de futuro, coordenado atualmente pelo Instituto Unibanco.

O programa teve início em 2008 em 20 escolas da rede estadual da capital e Região Metropolitana de Belo Horizonte. Desenvolvido em parceria com a SEE, uma das metas era aumentar em 25% a média de desempenho em português e matemática, além de diminuir os índices de evasão. As escolas atendidas receberam apoio técnico e financeiro, equivalente a R$ 100 por aluno/ano, para desenvolvimento de um plano estratégico de resultados, com duração de três anos. Em contrapartida, as escolas se comprometeram a melhorar as médias da escola no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) em português e matemática e a diminuir em 40% os índices de evasão. Quem descumprisse o combinado seria retirado do programa.

Diante de resultados positivos, os gestores do programa autorizaram a SEE a usar o modelo no restante da rede estadual. De acordo com a superintendente de Desenvolvimento do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação, Audrey Regina Carvalho, até o fim do ano será definida a aplicação do projeto. A expectativa é de que ele seja ampliado para até 100 escolas em todo o estado – as regiões e instituições a serem atendidas estão sendo estudadas. “São metodologias inovadoras e práticas pedagógicas que transformam o ensino na escola. Estamos apostando na expansão e, com certeza, teremos avanço nas técnicas e projetos. Embora sejam impactos positivos, precisamos ainda definir como se dará a parceria com o gestor atual”, afirma.

RESULTADO Além de Minas, Goiás, Mato Grosso do Sul, Ceará e Pará vão implantar o programa em 2012, com o objetivo de melhorar o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) até 2014. Segundo a superintendente do Instituto Unibanco, Wanda Engel, a ideia é antecipar para três anos os resultados que seriam obtidos em cinco.

Quem já participa torce para que outros colégios tenham a mesma chance, como a Escola Estadual Presidente Dutra, no Bairro Cidade Nova, na Região Nordeste de BH. Cumprida as metas de melhorar em 25% o desempenho nas disciplinas e ampliar a permanência dos alunos na instituição, ela foi convidada a participar dos projetos do instituto numa outra experiência, que terá ênfase no desempenho e na presença dos alunos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Vamos pegar a nota da avaliação deste ano e estabelecer objetivos para melhorar até 5%. Se batermos esse percentual, continuamos com o selo do instituto e estabeleceremos mais metas no ano que vem. Educação é assim: continuar com o que se conquistou e crescer em cima desses resultados”, afirma a diretora da escola, Sandra Riul.

Mudança de postura
As conquistas fizeram o universitário Douglas Lopes se encher de orgulho e entusiasmo. Aluno do 2º período de sistemas de informação da UFMG, ele fez parte do Jovem de futuro e abraçou cada oportunidade. Ganhador de diversos prêmios do programa, participou de vários projetos, que incluíram gincanas de conhecimento e viagens para cidades históricas. Pela Estrada Real, visitou um mundo diferente. Em Ouro Preto, na Região Central, pôde ver de perto o que estava nos livros, conhecer casas de fundição, lugares por onde passaram personagens importantes e se encantar com as riquezas das Gerais.

“Sabíamos do tamanho do investimento, que havia retorno e que a escola nunca tinha visto aquilo. Percebemos as mudanças e o quanto os alunos se comprometiam. Tudo envolvia estudo e conhecimento, mas sempre de forma muito interessante. Muita gente que não gostava de determinadas matérias mudou de postura”, conta. O resultado do esforço e da dedicação não podia ser outro: “Todas as experiências contribuíram, com certeza, para o meu sucesso no vestibular”.

Em busca do diálogo: Anastasia esclarece que subsídio mantém promoção e progressão do magistério – Governo abre canal de negociação com grevistas

Fonte: Agencia Minas   

Governador Antonio Anastasia destaca os avanços da Educação em Minas e diz que Governo está aberto a negociações para por fim da greve dos professores

Números da greve: 1,5% das escolas estão totalmente paralisadas e 19% parcialmente paralisadas. Cerca de 90% dos professores estão regularmente em sala de aula

“O Governo está permanentemente aberto para negociação com o sindicato dos professores. Todavia, essa negociação deve ser feita de boa fé, com base na realidade da responsabilidade fiscal e com base na possibilidade de pagamento do Estado.”   

Palavra do Governador Especial traz o pronunciamento que Antonio Anastasia fez, nesta segunda-feira (29), sobre a paralisação parcial de professores da rede estadual. Além de agradecer aos cerca de 90% dos professores que estão nas salas de aula, Anastasia falou sobre os avanços que Minas tem alcançado no setor educacional e  destacou as vantagens do subsídio, novo modelo de remuneração instituído em janeiro deste ano. O governador anunciou que vai pedir oficialmente ao Ministério Público que convoque Estado e professores para mais uma rodada de negociações para por fim à greve.

Confira a íntegra do pronunciamento do governador Antonio Anastasia:

Em primeiro lugar, gostaria de relembrar que a conduta deste Governo com os servidores públicos do Estado tem sido de muito respeito ao longo dos últimos anos. Na realidade, como se lembram, desde 2003, quando se iniciou a atual administração, nos esforçamos muito para conferir as conquistas históricas dos servidores públicos, que felizmente hoje eles usufruem.

Conseguimos pagar os salários no quinto dia útil; conseguimos pagar integralmente o décimo terceiro salário no mês de dezembro de cada ano; conseguimos pagar o adicional de produtividade, o décimo quarto salário, no segundo semestre também de cada ano; e conseguimos conceder reajustes para todas as categorias de servidores ao longo dos últimos anos, de maneira sempre muito responsável, com base na possibilidade de  pagamento e também, é claro, com base na possibilidade de termos investimentos para gerarmos empregos para os mineiros.

A remuneração do sistema da educação em Minas Gerais é um sistema muito antigo. É um sistema, na realidade, que existe há muitas décadas. E esse sistema é um sistema pouco claro, é um sistema que não permite uma clareza total em relação à remuneração como um todo. Ele se compõe de um vencimento básico acrescido de diversas parcelas, diversas gratificações e adicionais, formando um verdadeiro emaranhado remuneratório, de difícil compreensão e que leva também a muitas dúvidas de natureza jurídica e de interpretação e até mesmo de difícil aplicação pelo sistema da Secretaria da Educação e do Planejamento.

Em 2008, houve um fato novo que é a aprovação pelo Congresso Nacional de uma nova Lei Federal do piso salarial para os professores. Essa norma afeta aos estados e aos municípios e todos estão avaliando seus impactos neste momento. Em Minas Gerais, em 2010, para o cumprimento integral dessa legislação, o Estado realizou um acordo com o Sind-UTE e apresentou à Assembleia Legislativa, que também aprovou, uma nova sistemática de remuneração para os servidores da Educação em Minas Gerais. Através de uma parcela única, mais clara, de maneira mais objetiva. Para ter uma ideia, a Lei Federal determina para o ingresso nível médio de escolaridade o valor de R$ 1.187,00 por 40 horas semanais.

Subsídio – A nova norma do subsídio em Minas determinou o valor de R$ 1.122,00 para 24 horas semanais. Ou seja, 57% a mais do que aquele valor estabelecido no piso salarial federal. Essa norma significou, essa nova sistemática, significou um aumento da folha de pessoal da Educação, neste ano de 2011, a partir de 1º de janeiro, de R$ 1 bilhão e 400 milhões de reais, num reajuste médio de cerca de 20% para os servidores do quadro da Educação, que se somou aos 10% que foi concedido no ano passado para os servidores. Esse novo sistema, chamado subsídio, é previsto na Constituição Federal, e é concedido em diversos estados, tanto para a Educação, como para outras tantas categorias de servidores públicos. Em Minas Gerais, 62% de todo pessoal da Educação optou por permanecer no novo sistema de remuneração por subsídio.

Esse sistema mantém também os mecanismos fundamentais da carreira, a progressão e a promoção. E é bom dizer que a recente decisão do Supremo Tribunal Federal em nada afeta a adoção por Minas e outros estados do sistema do subsídio. Essa nova sistemática, aliás, é a nova forma de ingresso adotada em Minas para os novos profissionais da Educação. Assim está previsto o novo edital já publicado para o concurso de professores no valor de R$ 1.324,00 para 24 horas, com o objetivo de termos professores do nível de escolaridade superior. Portanto também, igualmente, bem a mais do que o piso. E esse sistema vai sendo permanentemente aperfeiçoado, como a recente decisão que tivemos, a ser objeto agora de um projeto de lei, a ser encaminha à Assembleia, de modo que o tempo de serviço público também seja contado para fins de posicionamento na tabela do subsídio.

Todo esse esforço vem apresentando bons resultados na área da Educação. Também aqui lembro mais uma vez, que Minas Gerais foi o primeiro estado da Federação a levar as crianças de seis anos de idade para as escolas. Por consequência, com base em indicadores do próprio governo federal, nós conseguimos obter o primeiro lugar no Ideb para o ensino básico nas suas primeiras séries. E uma posição de destaque entre os três primeiros igualmente em relação às outras séries do ensino fundamental e médio entre nós. Da mesma forma, temos hoje o indicador que 86% das nossas crianças de oito anos lêem e escrevem com fluência. Conseguimos indicadores também muito bons também nas nossas olimpíadas nacionais, quer de matemática quer de português.

Tudo isso graças ao esforço de toda a comunidade escolar, das famílias e, especialmente dos professores. Entretanto, em junho deste ano, o Sindi-UTE iniciou um movimento, por diversas motivações. E esse movimento teve, inicialmente, o pedido de reajuste de 300% sobre a remuneração. Repito, 300% sobre a remuneração dos servidores do quadro do magistério. Resultou daí uma paralisação parcial. Essa paralisação parcial encontra-se hoje nos seguintes números: 1,5% das escolas estão totalmente paralisadas e cerca de 19% parcialmente paralisadas. O que significa que 90% dos professores estão regularmente em sala de aula, cumprindo seu dever e seu compromisso para com os alunos.

Nesse meio tempo diversas medidas foram adotadas pela Secretaria de Educação, especialmente a convocação de professores substitutos para os alunos do 3° ano do nível médio que estão se preparando para o Enem e para o vestibular. A preocupação do Governo sempre foi, desde o início, com os alunos e com suas famílias, com o objetivo de minimizar os prejuízos da paralisação parcial. Outras medidas estão sendo analisadas. De pronto, já vamos iniciar aulas de reforço, através da TV Minas, também para esses alunos com vistas a reduzir o prejuízo para o vestibular e o Enem.

Em síntese, gostaria que as senhoras e os senhores observassem, em primeiro lugar, o Governo está permanentemente aberto para negociação com o sindicato, aliás, foi assim e tem sido assim com os diversos sindicatos de todas as categorias de servidores públicos. Todavia, essa negociação deve ser feita de boa fé, com base na realidade da responsabilidade fiscal e com base na possibilidade de pagamento do Estado. Aliás, vivemos hoje, no Brasil e no mundo, um momento de atenção com a crise econômica que se avizinha.

Com base nisso e nessa boa fé, o Governo voltará a solicitar ao senhor Procurador Geral de Justiça, chefe do Ministério Público do Estado, que convide o sindicato e o Governo para chegarmos a uma posição de equilíbrio, volto a dizer, com base nas possibilidades reais do Tesouro do Estado e da possibilidade da responsabilidade fiscal de Minas Gerais. Vamos continuar fundamentalmente preocupados com os alunos e suas famílias, adotando as medidas que já mencionei para minimizar as consequências da paralisação parcial.

E, por fim, agradeço muito à grande maioria dos professores, 90% deles, que estão em salas de aula, mantendo a regularidade da nossa educação pública em Minas, que é de excelente qualidade. Muito obrigado”.

Governo Antonio Anastasia: Centro de Referência Virtual do Professor está de cara nova

OGoverno Antonio Anastasia: Centro de Referência Virtual do Professor está de cara nova (CRV) vai abrir o ano escolar com novo visual e conteúdo atualizado. Portal da Secretaria de Estado de Educação (SEE), o CRV é uma ferramenta de apoio ao professor e está com um layout mais leve, uma distribuição melhor dos elementos da página, além de novos conteúdos. Dentre as novidades, destacam-se a inclusão de hotsites especiais para projetos da SEE, além da ampliação do acervo de vídeos, disponível na Biblioteca Virtual do site. Durante as férias, o CRV registrou uma média de 35 mil visitas diárias, mas com o retorno das aulas os acessos devem ultrapassar os 50 mil por dia. “O CRV atrai a cada dia mais acessos, pois é uma ferramenta muito importante para que a informação, a orientação e a discussão cheguem a todas regiões do Estado com a mesma velocidade e amplitude. O portal é uma forma de a gestão caminhar a passos largos e de mãos dadas com a modernidade tecnológica”, analisa a subsecretária de Informações e Tecnologias Educacionais da SEE, Sônia Andere Cruz.

A criação de hotsites dentro do ambiente do CRV ampliou a oferta de conteúdo para os professores. Projetos pedagógicos da Secretaria de Estado de Educação ganharam um espaço específico no portal para expor suas atividades. O projeto Afrominas, por exemplo, tem o objetivo de valorizar a cultura afro-brasileira e agora conta com um hotsite. Outra novidade em termos de conteúdo foram os módulos didáticos nas áreas de temáticas especiais. Divididos em três áreas – ambiental, afetivo-sexual e étnico-racial – os módulos estão dispostos na Biblioteca Virtual do portal e oferecem ao professor uma carga de leitura complementar para os CBCs. “É muito importante ter esse espaço. O CRV é muito visitado e agora os professores vão ter facilidade para encontrar material sobre temas especiais. Fica mais fácil definir a melhor forma de trabalhar essas temáticas em sala”, explica Guiomar Jardim Leão, superintendente de Modalidades e Temáticas Especiais de Ensino da SEE.

Estão disponíveis no portal do CRV também uma coleção de 125 vídeos pedagógicos. A Coleção Memória Didática foi incluída este ano e é fruto de uma parceria entre Secretaria de Estado de Educação e Escola de Belas Artes da UFMG, que recuperou e digitalizou todo esse arquivo de vídeo em película. Originalmente produzida pelo Programa de Assistência Brasileiro-Americana ao Ensino Elementar, entre 1956 e 1963, a coleção conta com vídeos de temáticas variadas, desde a história do petróleo, passando por um documentário sobre o canal do Panamá, até um vídeo que mostra o funcionamento do ouvido humano. Segundo Maria das Dores Simil, coordenadora do CRV, os professores terão a oportunidade de contextualizar esse material com as novas técnicas de ensino. “Eu acredito que todos os professores, de todas as áreas e disciplinas, podem utilizar os vídeos como recurso didático auxiliar, de forma contextualizada dentro da disciplina e com os recursos atuais”.

Ferramenta de apoio

O conteúdo do Centro de Referência Virtual do Professor é vasto. No portal o professor consegue encontrar desde as orientações sobre o Currículo Básico Comum (CBC) ou a legislação que aponta as diretrizes do ensino, até orientações pedagógicas sobre a melhor forma de abordar determinadas temáticas em sala de aula. Além disso, o professor ainda tem à disposição um enorme acervo de informações complementares na Biblioteca Virtual e um fórum de discussão no qual pode se comunicar com outros docentes e discutir práticas pedagógicas.

Criado em 2005, o CRV passa agora pela sua segunda reformulação. Para garantir que o acesso à informação seja o mais fácil possível, o site apostou na navegabilidade. “A reformulação do CRV deu ênfase aos conteúdos pedagógicos, que são os que os professores vão usar em sala de aula. O espaço está melhor aproveitado para que o professor encontre com facilidade seu tema de interesse”, disse Maria das Dores Simil.

A professora Iris Silva Costa, que leciona física para alunos do 3º ano do Ensino Médio criou o hábito de recorrer ao CRV para elaborar suas aulas. Ela utiliza recursos do portal para incrementar as aulas de física e atrair a atenção dos estudantes. “Eu descobri o CRV há pouco tempo, mas já gosto muito das opções que ele oferece. Costumo usar muito a parte de vídeos, pois a variedade é grande e deixa as aulas mais interessantes”, conta a professora.

Governo Anastasia: Unimontes abre inscrições para mestrado em História a partir do dia 10 de janeiro

A partir do dia 10 de janeiro, a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) receberá as inscrições para o curso de mestrado em História. O prazo será até o dia 9 de fevereiro. Serão preenchidas 15 vagas e os candidatos poderão se inscrever pelo site: www.unimontes.br.

O curso é o oitavo programa de mestrado próprio da Unimontes recomendado pela Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do Ministério da Educação. As atividades serão iniciadas em março. O mestrado tem como área de concentração “História Social”, com duas linhas de pesquisa: “Cultura, Relações Sociais e Gênero” e “Poder, Trabalho e Identidade”. O corpo docente será formado por 13 professores da Unimontes.

Os candidatos serão submetidos à prova de língua estrangeira (16 de fevereiro) e à prova dissertativa (18 de fevereiro). Eles também deverão apresentar arguição do projeto de pesquisa e avaliação do currículo lattes.

O mestrado

Na área de concentração “História Social” serão contempladas a pluralidade geográfica e cronológica de objetos e a possibilidades de investigação de fontes históricas que visam à apreensão das manifestações da intervenção humana engendrada na dinâmica dos fenômenos históricos.

A linha de pesquisa “Cultura, relações sociais e gênero” busca compreender a sociedade através das múltiplas práticas culturais e discursivas que constituem o sujeito, suas experiências e vivências. Essa perspectiva engloba tanto o interesse pelo coletivo, quanto pelos indivíduos comuns e suas singularidades e Investiga temas ligados à produção/desconstrução das identidades.

Já a linha de pesquisa “trabalho e Identidades” contempla o poder inserido em um conjunto complexo de relações sociais, onde interagem os mais diversos agentes, sejam eles individuais, coletivos, institucionalizados ou informais. Desta forma, as questões do poder também se apresentam no âmbito das relações de trabalho, no âmbito do Estado, da sociedade civil e das múltiplas identidades.

Designação de Servidores em Minas: Governo Anastasia publica resolução sobre quadro de pessoal

Secretaria de Estado de Educação (SEE) publicou quinta-feira (23) no Diário Oficial do Estado de Minas Gerais a Resolução 1773/2010, que estabelece normas para organização do quadro de pessoal nas escolas estaduais e para a designação de profissionais para trabalhar na rede estadual de ensino. A resolução está disponível na íntegra no site da SEE: www.educacao.mg.gov.br.

A resolução define procedimentos e ações que deverão ser observados pelas Superintendências Regionais de Ensino, escolas e interessados em ocupar vagas por designação. Vale lembrar que, a partir de 2011, os servidores designados receberão de acordo com as novas tabelas salariais das carreiras da Educação.

A orientação da SEE é para que todos os interessados leiam atentamente a resolução, que aborda em detalhes os temas acima citados e estabelece o cronograma com prazos para as principais atividades relativas ao quadro de pessoal, como enturmação, atribuição de turmas, aulas e funções, divulgação de vagas, entre outras.

Governo Anastasia: Unimontes implementa projeto de Projeto de Educação a Distância para servidores

O primeiro encontro presencial do Projeto de Educação a Distância que aUniversidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) está implantando para a capacitação dos próprios servidores foi realizado na manhã desta quarta-feira (15). A parte inicial tem como foco a Informática Básica, dividida em quatro módulos e com carga horária de até 22 horas. “Esta é uma oportunidade muito importante em nosso trabalho: ter mais conhecimento e atender as pessoas com uma eficiência maior”, disse a prestadora de serviços Vanusa dos Santos. É a primeira vez que ela tem acesso a um curso desta natureza.

Aprovado em resolução do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepex), o projeto segue orientação do Acordo de Resultados do Governo Antonio Anastasia e atende à demanda pelo aperfeiçoamento e atualização de conhecimento aos atuais 1.377 servidores técnico-administrativos que a Unimontes possui. Uma das propostas é integrar todos os campi da universidade e facilitar a difusão de recursos.

Todas as ações são coordenadas pela Diretoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos (DDRH), que pretende estender o projeto de ensino a distância aos professores e estagiários. “A ideia é capacitar profissionais de todas as unidades e facilitar os processos de trabalho para imediata implantação de métodos de gerenciamento de rotinas”, analisa o diretor de Desenvolvimento de Recursos Humanos, Wagner de Paulo Santiago.

Piloto

A turma-piloto do projeto de capacitação a distância conta com 20 alunos, todos servidores técnico-administrativos da Biblioteca Central Professor Antônio Jorge, do campus-sede. Neste primeiro momento, eles conheceram detalhadamente o projeto e a plataforma virtual na qual será aplicado.

Todos receberam, ainda, o material didático e aprenderam como lidar com as ferramentas do ambiente virtual. O aluno pode acessar o conteúdo, disponível 24 horas por dia, de qualquer computador, via internet. O ambiente de aprendizagem é próprio da universidade: o Virtualmontes, modelo do Centro de Ensino a distancia (Cead) da Unimontes. O endereço do portal eletrônico é www.virtualmontes.unimontes.br.

O gerente de Estratégias e Desenvolvimento de Recursos Humanos da DDRH, Allysson Danilo Dantas Silva, entende que a realização do curso a distância oferece várias facilidades ao servidor. “O curso vai permitir o acesso a conhecimentos valiosos e produtivos, ampliando a prestação de serviços da Unimontes”, avaliou.

 

Governo Anastasia: Inscritos em exame para direção escolar devem confirmar participação

Os profissionais da educação que se inscreveram para o 3º exame de Certificação Ocupacional de Dirigente Escolar de Escola Estadual devem ficar atentos. Para garantir a participação no exame todos os educadores devem confirmar a inscrição até este domingo (10), pelo endereço www.makiyama.com.br/concursos/seemg. O participante que não fizer a confirmação terá sua inscrição cancelada.

A certificação tem validade de quatro anos e habilita o candidato aprovado a exercer o cargo de diretor de escola estadual. Podem se certificar apenas os servidores estaduais efetivos ou efetivados com atuação nas carreiras de professor de educação básica ou especialista em educação básica. Além disso, o servidor deve ter formação superior voltada para o magistério e ter obtido pontuação igual ou superior a 70 pontos na avaliação de desempenho individual (ADI) de 2009 ou na última etapa da Avaliação Especial de Desempenho (AED).

A previsão é de que o exame seja aplicado no dia 21 de novembro de 2010. Os candidatos lotados em escolas vinculadas às Superintendências Regionais Metropolitanas (SRE) A, B e C farão prova em Belo Horizonte, os demais prestarão o exame nas sedes das SREs às quais estiverem vinculados. A prova terá duração de quatro horas e será composta por 60 questões de múltipla escolha, cada uma com quatro opções de resposta. O conteúdo será retirado do guia de estudos específico, organizado pela Secretaria de Estado de Educação (SEE) e disponível no site da Secretaria.

A certificação será concedida ao candidato que obtiver o percentual mínimo estipulado para cada competência. A listagem dos candidatos certificados será disponibilizada no “Minas Gerais” e também no site da SEE até o dia 15 de dezembro, de acordo com o cronograma. Embora não garanta ao candidato a nomeação/designação ao cargo de dirigente escolar pretendido, a certificação é um requisito essencial para participar do processo de indicação de diretor de escola.

Professores certificados

A Secretaria de Estado de Educação (SEE) já promoveu dois exames de Certificação Ocupacional de Dirigente Escolar de Escola Estadual, nos anos de 2006 e 2007. Nas duas edições anteriores foram certificados 11.364 educadores em todas as Superintendências Regionais de Ensino do Estado. Atualmente, 851 dos 853 municípios de Minas Gerais possuem professores certificados.

 

Anastasia lança Plano de Governo; documento de 72 páginas amplia política de Aécio Neves e destaca a criação das Redes Sociais de Desenvolvimento Integrado

Governador Antonio Anastasia lança Plano de Governo com propostas e metas para os próximos quatro anos

Fonte: Coligação “somos Minas Gerais”

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, apresentou hoje (09/09), em Belo Horizonte, o seu Plano de Governo com propostas e metas para o período de 2011 a 2014.  O documento denominado “Minas de Todos os Mineiros – As Redes Sociais de Desenvolvimento Integrado” inclui 365 compromissos para melhorar a qualidade de vida da população, os indicadores sociais do Estado e aumentar a renda dos mineiros.

O caminho proposto é assegurar o desenvolvimento em todas as regiões do Estado, interiorizando ações e programas de governo nas áreas de saúde, educação, habitação, infraestrutura dos municípios, geração de empregos, entre outros.

O Plano de Governo foi elaborado por um conjunto de 150 profissionais e especialistas de reconhecida atuação em diversos segmentos da sociedade, sob a coordenação do sociólogo Cláudio Beato. Durante a apresentação do Plano de Governo, Antonio Anastasia destacou que, para a transformação das propostas e metas em resultados concretos, será fundamental a criação redes integradas entre o Estado, sociedade civil organizada e a iniciativa privada.

“Significa cada vez mais um entrosamento entre as instituições dos diversos níveis de governo com a sociedade, com empresários, com as universidades, com as pessoas, com as comunidades e dentro do próprio governo para alcançarmos mais resultados”, disse o governador.

O Plano de Governo foi dividido em sete áreas, denominadas redes. São elas: Rede Gestão Eficiente, Rede de Atendimento em Saúde, Rede de Educação e Desenvolvimento, Rede de Infraestrutura, Rede de Desenvolvimento Social, Proteção e Segurança; Rede Desenvolvimento Sustentável e Cidades; e Rede de Identidade Mineira.

O documento, contendo 72 páginas, está disponível no site oficial de Antonio Anastasia para que a população possa dar novas sugestões.

Conheça a íntegra do documento: http://www.anastasia2010.com.br/plano_governo_anastasia.pdf