Eleições 2012: alianças de Aecio conquistam 80% de Minas

Eleições 2012: Aecio – Artigo de Marcus Pestana avalia o novo cenário com vitória expressiva do PSDB nas grande cidades mineiras.

Eleições 2012: Aecio

 Eleições 2012: projeto de Aecio conquista 80% de Minas

Eleições 2012: Aecio – Artigo de Marcus Pestana avalia o novo cenário com vitória expressiva do PSDB nas grande cidades mineiras.

Fonte: O Tempo

Um balanço das eleições municipais em Minas

O PSDB fez o maior número de prefeitos

MARCUS PESTANA
Deputado federal (PSDB-MG)

As eleições municipais de 2012 marcaram mais um passo na consolidação da democracia. Já é possível visualizar os resultados alcançados pelas diversas forças políticas. Há uma procura obsessiva por um suposto “recado das urnas” ou a tentativa forçada de extrair uma leitura nacional e estratégica. Esforço vão.

A primeira coisa a registrar é que, desde a plena redemocratização em 1985, é a 15ª eleição livre e democrática no país. Todos têm voz e vez. Fala o PMDB, o PSDB, o DEM e o PT. Falam as minorias ideológicas radicalizadas (PSTU, PSOL, PCO, PCdoB). O processo é imperfeito, como imperfeitos são o ser humano e a sociedade. Demagogia, poder econômico, baixo nível de informação, falta de enraizamento partidário, tudo influencia. E do “liquidificador mental” da população nascem as conclusões e as decisões. Como disse o estadista inglês: “a democracia é o pior sistema, exceto todos os outros”.

Por outro lado, por mais que se esforcem os analistas e líderes de plantão, não há um significado nacional e estratégico. As eleições municipais são marcadas pela discussão dos problemas cotidianos das cidades e sobre os melhores gestores para governá-las. É evidente que o julgamento do mensalão pode impactar perifericamente o processo de decisão, mas a lógica é predominantemente local.

Por mais que alguns tenham alertado que 2014 não estava em jogo, a mídia e alguns analistas insistem que a eleição de 2012 preparou o tabuleiro para a eleição presidencial. Como se as eleições locais fossem o prefácio, a antessala da disputa de 2014. Nada mais errado. Collor se elegeu presidente sem ter mais do que dez prefeitos o apoiando. As eleições para presidente da República ou governo do Estado têm grande autonomia. Mais valem o palanque eletrônico na TV e a crescente influência das redes sociais.

Ainda assim, saímos revigorados em Minas Gerais. O PSDB foi o partido com maior número de prefeitos eleitos: 143. As forças aliadas que apoiam o projeto liderado por Aecio Neves e Antonio Anastasia desde 2002 conquistaram 80% das prefeituras e milhares de cadeiras nas câmaras municipais. Nas 59 maiores cidades, com mais de 40 mil eleitores, quatro têm segundo turno; nas 55 cidades restantes, foram 35 vitórias das forças aliadas. Somam-se a estas duas situações peculiares, Pará de Minas e Ubá, com candidatos eleitos não alinhados, mas vice-prefeitos do PSDB.

É de ressaltar a retumbante vitória de Marcio Lacerda e Aecio Neves em Belo Horizonte contra o ex-prefeito, ex-ministro e maior liderança petista em Minas, Patrus Ananias, pela primeira vez na história, no primeiro turno – mesmo com a intensa participação de Dilma e de Lula -, E a significativa vitória do deputado Carlaile Pedrosa na cidade mais industrializada do Estado, Betim.

Para fechar com chave de ouro, só faltam as vitórias de Bruno Siqueira, Lerin, Rui Muniz e Carlim Moura, no próximo domingo. A conferir!

Eleições 2012: Aecio – Link do artigo: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=214194,OTE&IdCanal=2

Anúncios

Aécio presidente: candidatura cresce com vitória em BH

Aécio fica forte em 2014. “Agora é Aécio Neves presidente do Brasil. E deixa o Márcio trabalhar!” – discursou Anastasia.

Aécio presidente: Eleições 2012

Fonte:O Globo

Vitória fortalece Aécio na disputa presidencial

 Eleições 2012: Aécio fica forte em 2014

Eleições 2012: Aécio fica forte em 2014.

Senador tem nome lançado ao Planalto na festa da reeleição de Lacerda

BELO HORIZONTE Padrinho “pé quente” da reeleição de Márcio Lacerda para a prefeitura de Belo Horizonte, o senador Aécio Neves (PSDB) teve seu nome lançado para disputar a Presidência da República na festa de comemoração que agitou ontem à noite a Avenida Rajagabaglia, no centro da capital mineira. Ele chegou na festa como a grande estrela, chamado por Lacerda como uma das duas maiores lideranças do Brasil, junto com o governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia.

– Agora é Aécio Neves presidente do Brasil. E deixa o Márcio trabalhar! – discursou Anastasia, lançando o grito de guerra acompanhado pela multidão.

– Passamos momentos difíceis esses dias. Agora é trabalhar para eleger Aécio Neves o próximo presidente do Brasil! – emendou o vice de Márcio, Délio Malheiros.

Quem conhece bem Aécio diz que ele segue à risca a cartilha do avô, o ex-presidente Tancredo Neves, que sabia como ninguém aproveitar o momento político e entrar na arena na hora certa. Apagado no cenário político até então, Aécio evitou entrar em bola dividida com o governo federal, mas pulou no colo do prefeito Márcio Lacerda e ocupou o espaço deixado pelo PT, que, no último minuto, rompeu a aliança de anos e lançou a candidatura de Patrus Ananias em Belo Horizonte. Agora, é apontado como o responsável pela segunda vitória do afilhado.

Aécio abraçou a campanha junto com Anastasia e usou o palco político da eleição da capital mineira para abrir uma outra frente com vistas a 2014: a polarização com a presidente Dilma Rousseff, com quem travou um duelo verbal nas últimas semanas.

Com a eleição de Lacerda no primeiro turno, Aécio demarca seu território e sai como uma liderança forte para 2014, não só em Minas, mas também dentro do PSDB, que terá de decidir entre ele e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin quem concorrerá ao Palácio do Planalto. Dependendo da eleição em São Paulo, José Serra entra nesta disputa interna.

Aécio: “só reagi a ataques”

Tanto Aécio quanto o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB) saem fortalecidos para 2014, ao eleger seus afilhados no primeiro turno. Dilma e Lula perdem neste primeiro momento. A presidente se desgastou e sai como derrotada em Minas Gerais. Não elegeu Patrus e ainda ajudou a fortalecer Aécio. Próxima batalha: Palácio do Planalto.

Minas Gerais jamais se curva. Pelo contrário, se engrandece no combate – discursou Aécio, comemorando a vitória sobre Dilma, Patrus e o PT.

Ao votar no colégio Milton Campos, onde a presidente estudou no ensino médio, ele não quis continuar o duelo engrossado durante a semana:

– Eu tenho muito apreço pela presidente Dilma. Eu só reagi a ataques. Agora vamos em frente, com paz e amor.

Negou que, por seu embate com Dilma, tenha se transformado em protagonista na eleição de Belo Horizonte.

– De forma alguma! Estou orgulhoso da campanha até agora ao lado de Lacerda. Política não é uma ação solitária, é solidária. É preciso estar sempre bem acompanhado – disse Aécio. – O mineiro não coloca o carro na frente dos bois. Estamos em 2012 e não vamos falar em 2014.

Eleições 2012: Aécio presidente – Link da matéria: http://oglobo.globo.com/pais/eleito-no-1o-turno-marcio-lacerda-prega-distensao-com-pt-6326925

BDMG apoia fábrica de chips em Ribeirão das Neves

BDMG: Banco De Desenvolvimento de Minas tem 6.5% de participação no empreendimento e concederá R$ 64 milhões em empréstimos.

BDMG: Governo de Minas

 BDMG apoia fábrica de chips em Ribeirão das Neves

BDMG apoia fábrica de chips emRibeirão das Neves

Fonte: Estado de S.Paulo

BNDES e Eike juntos em fábrica de chips

Banco investiu R$ 245 milhões para ter 33% de unidade que será erguida em Minas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aportou R$ 245 milhões para se associar a Eike Batista no projeto de uma fábrica de semicondutores (chips) em Ribeirão das Neves (MG). O montante equivale a uma fatia de 33,02% na SIX Semicondutores, empresa criada para tocar o empreendimento. O porcentual é o mesmo detido por Eike, de acordo com documentos submetidos ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Realizado no primeiro semestre, sem divulgação, o investimento consta em relatório do banco referente ao período. O projeto é tratado com discrição pelos sócios, já que a presidente Dilma Rousseff quer anunciar pessoalmente o investimento, afirmam fontes. Por problemas de agenda, o lançamento oficial vem sendo postergado há cerca de seis meses.

O empreendimento também terá participação do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). À época da criação da SIX, a instituição de fomento adquiriu 6,5% das ações por meio da BDMGTEC, empresa criada exclusivamente para esse fim. Segundo o banco, esse porcentual teve um ajuste e agora é de 7,2%, o equivalente a R$ 45,54 milhões.

Além disso, o BDMG também concederá um financiamento de R$ 64 milhões para a instalação da planta, cujas obras estão em fase inicial no município da região metropolitana de Belo Horizonte, o que inclui trabalhos de terraplenagem, de acordo com o diretor de Negócios com o Setor Privado do banco, Fernando Lage de Melo.

“A SIX tem previsão de gerar 300 empregos direto. São postos de trabalho de altíssimo nível, voltados para engenharia. Algumas pessoas serão inclusive treinadas no exterior”, afirmou o executivo.

Os demais acionistas são a norte-americana IBM (18,8%), a construtora Matec (6,07%) e a empresa de tecnologia WS, comandada pelo ex-presidente da Volkswagen do Brasil, Wolfgang Sauer. Esses porcentuais são os submetidos ao Cade e podem ter sido alterados. A operação incluiu a emissão de ações por parte da SIX Semicondutores (antiga Companhia Brasileira de Semicondutores, controlada pela WS) e posterior subscrição pelos atuais sócios.

Com um investimento previsto de US$ 500 milhões, a empresa espera atender à crescente demanda de semicondutores no País, impulsionada nos últimos anos pelo crescimento dos mercados de computadores, celulares e aparelhos de televisão. A companhia pretende se dedicar à fabricação de circuitos integrados de sinais mistos, como sensores, “energy management / meters” e produtos para o segmento médico.

A SIX, no entanto, não pretende atuar apenas no mercado doméstico. A estimativa da companhia é de que mais de 80% de suas receitas deverão ser geradas pelas exportações, conforme informado aos órgãos de defesa da concorrência.

O sócio com mais reservas sobre o assunto é a EBX, de Eike. Procurada, a empresa não quis comentar pontos básicos do projeto. Até agora não está claro se a SIX Semicondutores ficará ligada diretamente à holding EBX ou se será uma subsidiária da SIX Soluções Inovadoras, empresa que o grupo de Eike criou em outubro do ano passado para atuar na área de tecnologia. Essa companhia já tem uma controlada, a SIX Automação, da qual a IBM detém 20%.

De acordo com o estatuto social da nova fabricante de chips, seu comando pode ficar nas mãos de alemães. Os prováveis presidente e diretor de operações aguardavam visto de permanência no Brasil para tomarem posse no cargo, segundo o documento arquivado no Cade. O estatuto social da nova fabricante de chips estabelece que o Conselho de Administração terá entre cinco e sete integrantes.

BDMG: Governo de Minas Link da matéria: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,bndes-e–eike-juntos-em-fabrica-de-chips-,939356,0.htm

Aécio: geração de emprego e reforma trabalhista

Aécio: senador pede mudanças. “Passou da hora de se instalar um debate para modernizar as relações trabalhistas no país”, criticou.

 Aécio: empregos

 Aécio: geração de emprego e reforma trabalhista

Aécio Neves: geração de emprego e reforma trabalhista

Fonte: Folha de S. Paulo

Emprego

Criada na antevéspera do final do primeiro ciclo da Era Vargas, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)cumpriu missão fundamental ao regular as relações entre trabalhadores e empregadores em um país que ensaiava os passos na construção de uma economia industrializada, moderna e diversificada.Sete décadas depois, as aceleradas transformações que ocorrem em nível global mostram que o mundo das relações trabalhistascobra da sociedade um novo olhar, contemporâneo, compromissado com o futuro e sustentado por políticas públicas e empresariais objetivas, capazes de abrir oportunidades para um maior número de brasileiros.

O desafio hoje é outro e está na criação de um ambiente que incentive a geração de empregos de qualidade e remova distorções históricas inaceitáveis, conforme mostra o relatório, da Organização Internacional do Trabalho, “Perfil do Trabalho Decente no Brasil“.

O estudo indica que precisamos avançar muito para corrigir discrepâncias que penalizam mulheres, negros – homens e mulheres – e também trabalhadores domésticos.

Os salários pagos às mulheres no período abrangido pelo estudo -até 2009- eram 17,3% menores que a remuneração dada aos homens. Também a taxa de formalidade feminina era menor que a dos homens – 50,7% contra 57,7%.

No caso dos trabalhadores negros, as discrepâncias são mais perversas, com salário 30% menor que o pago a um trabalhador branco na mesma função. A situação é ainda pior para mulheres negras, que recebiam apenas 40,3%.

Penalizando a todos, permanece elevada a informalidade no emprego. A taxa de formalidade, embora tenha crescido, ainda era de 54,3% em 2009, deixando ao relento quase a metade dos trabalhadores brasileiros.

No caso dos empregados domésticos, a situação é mais crítica, com a taxa girando em pouco mais de 6% em alguns Estados do nordeste – empregos ocupados principalmente por mulheres predominantemente negras. Nesta categoria, o mais alto índice de formalização chega a 38% apenas em São Paulo.

Os 2.496 dispositivos pendurados na CLT ao longo dos últimos 70 anos – 922 artigos, mais a legislação acessória e súmulas de tribunais – mostram-se inócuos para reverter esse cenário e comprovam que passou da hora de se instalar um debate para modernizar as relações trabalhistas no país.

Lembro que esta é uma entre tantas reformas estruturais que o Brasil continua devendo aos cidadãos e que acabaram sublimadas ou pela falta de vontade política ou pela urgência de matérias que interessam de perto ao governismo e ao seu projeto de poder.

Uma década depois, as antigas reformas constitucionais continuam sendo as novas reformas ainda por se fazer. 

 

Aécio Neves: senador homenageia Itamar

Aécio Neves: senador homenageia Itamar – Museu do Senado receberá nome do ex-presidente e ex-governador de Minas. 

Aécio Neves: senador

Fonte: Assessoria de Imprensa do senador Aécio Neves 

Itamar Franco recebe homenagem de Aécio Neves

Aécio Neves: senador homenageia Itamar

Aécio Neves: senador homenageia Itamar

A pedido do senador Aécio Neves, a mesa diretora do Senado votou, na noite dessa quarta-feira (27/06), projeto de resolução que dá o nome do ex-presidente Itamar Franco ao Museu Histórico do Senado. A proposta de autoria do presidente da Casa, senador José Sarney, foi aprovada por unanimidade. Para Aécio Neves, é uma homenagem justa ao ex-presidente da República, ex-governador e ex-senador de Minas Gerais. No próximo dia 2, completa um ano da morte de Itamar Franco.

“Essa iniciativa faz justiça à extraordinária biografia e à extraordinária caminhada do homem público Itamar Franco, absolutamente coerente durante toda a sua vida com seus princípios. Homem que construiu, neste Parlamento, a imagem de seriedade, de respeitabilidade, a mesma que construiu em Minas e no Brasil. Um homem muito importante num momento de transição, num momento de trauma que sofreu a Nação com o impeachment do ex-presidente. O presidente Itamar Franco cumpriu ali também o seu papel de pacificador, de homem do entendimento”, afirmou Aécio Neves.

O senador destacou que a homenagem em memória de Itamar é todos os mineiros.

“Nós mineiros agradecemos. Agradecemos que a Mesa tenha compreendido a necessidade de, rapidamente, colocarmos esse projeto em votação, para o qual eu peço a aprovação de todos os ex-colegas do senador Itamar Franco, cuja saudade, certamente, ainda vive e habita cada um de nós”, disse.

Aécio Neves: senador – Link da matéria: http://www.aecioneves.net.br/2012/06/itamar-franco-recebe-homenagem-de-aecio-neves/

Censura em Minas: PT coleciona histórias

Censura em Minas: Censura do PT  – Além de Rogério Correia que tentou censurar o Estado de Minas e Veja, agora é o Governo da Bahia.

Censura em Minas: Censura do PT

Censura do PT – Começa na internet movimento em solidariedade ao jornalista baiano Guilherme Vasconcelos demitido pelo governo do PT na Bahia após ter denunciado o aumento absurdo de verbas de publicidade do governo estadual daquele estado.

Para se ter uma ideia, enquanto na Bahia o investimento per capta em publicidade do governo é de R$ 9,00, em Minas Gerais é de R$ 4,00 (confira aqui o ranking dos estados).

A repercussão do caso vem crescendo – entenda o caso aqui – e se soma a outras denúncias de censura divulgadas contra o PT.

No Mato Grosso do Sul, o Ministério Público abriu processo contra o então governador José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT (1999 a 2006) pelo pagamento de propinas a jornalistas em troca de divulgação de reportagens favoráveis.

Em Minas, o prefeito de Nova Lima, do PT, censurou a circulação de uma revista que trazia denúncias contra a sua administração.

Recentemente, o deputado Rogério Correia tentou censurar o jornal Estado de Minas e a revista Veja, que divulgaram matérias provando a proximidade do parlamentar com o conhecido falsário Nilton Monteiro, acusado de fraudar a “Lista de Furnas” e que responde na Justiça a processos por falsificação de títulos de cobrança de mais de 300 milhões de reais.

Leia aqui as reportagens que desagradaram ao deputado: “A trama dos falsários” – Revista Veja, de 12 de dezembro de 2011; e, “O esquema do fraudador” – Estado de Minas, de 03 de fevereiro de 2012.

O deputado processa também um jovem tuiteiro que questiona sua atividade parlamentar na internet (veja aqui: “Acusado pelo deputado @rogeriocorreia_ do PT, prestei depoimento”…)

Censura em Minas: Censura do PT  – Link da Matéria: http://turmadochapeu.com.br/jornalista-demitido-criticar-pt/

Leia também:

Aécio vota pelo aumento de pena de exploração sexual

Aécio vota pelo aumento de pena de exploração sexual – Projeto amplia penas previstas pelo Estatuto da Criança para até 12 anos de prisão.

Aécio Neves: senador

Fonte: Assessoria de Imprensa do senador Aécio Neves

Aécio Neves vota pelo aumento da pena para crime de exploração sexual de crianças e adolescentes 

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) defendeu, nesta quarta-feira (27/06), o aumento da pena para o crime de exploração sexual de crianças e adolescentes. O senador votou a favor do projeto de lei (PLS) 495/2011, que amplia as penas estabelecidas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para até 12 anos de prisão. O projeto foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e será encaminhado agora para a apreciação da Câmara dos Deputados.

“Quero registrar a importância no que diz respeito principalmente ao aumento da pena, que hoje é de quatro a dez anos, para de seis a 12 anos para aqueles que submetem crianças e adolescentes à exploração sexual. E temos que ressaltar o fato de que muitas vezes o crime se dá por familiares, pessoas próximas, o que justifica o agravamento dessa pena”, afirmou o senador Aécio ao apresentar seu voto. O projeto é de autoria do senador Renan Calheiros.

Aécio Neves considerou ainda um avanço o projeto estabelecer a responsabilização de proprietários e gerentes dos locais em que ocorre exploração sexual de menores.

“Muitas vezes os proprietários ou responsáveis por esses estabelecimentos conseguem estar isentos de qualquer culpabilidade. E a iniciativa cria uma salvaguarda, uma garantia de que todos aqueles que, de forma direta ou indireta, permitirem que essa exploração ocorra estão agora penalizados”, disse Aécio Neves.

De acordo com levantamento do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef),  aproximadamente um milhão de crianças são cooptadas para o mercado mundial de exploração sexual a cada ano. Cerca de 10% delas estariam concentradas no Brasil, nas Filipinas e em Taiwan.

Aécio Neves: senador

Aécio critica Regime Diferenciado de Contratações

Aécio critica RDC para obras do PAC, senador chamou modelo de ‘esdrúxulo’. “Quais são as verdadeiras intenções com esse modelo”, questionou.

Aécio critica flexibilização das licitações

Fonte: Brasil Econômico

Aécio critica Regime Diferenciado de Contratações

Aécio critica Regime Diferenciado de Contratações

Senado aprova Regime Diferenciado de Contratação para obras do PAC

O Senado aprovou ontem que o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) seja válido para as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O RDC foi criado para atender à urgência das obras da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016, ao flexibilizar as regras para licitações governamentais torna o processo mais ágil e menos rigoroso. A oposição, que votou contra a MP, reclamou do excesso de liberdade para o governo e alertou para a possibilidade de todas as licitações a partir de agora deixarem de atender às regras da Lei 8.666, que impõe requisitos para as contratações governamentais.

“A partir de agora nós estamos permitindo que o governo federal estabeleça quais são as obras que serão licitadas pela Lei 8.666 e quais serão licitadas por esse regime esdrúxulo de contratações. É preciso que estejamos atentos a quais são as verdadeiras intenções com esse modelo”, disse o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Originalmente a MP foi editada apenas para autorizar a Eletrobras a assumir o controle acionário das Centrais Elétricas de Goiás (Celg) – companhia responsável pela distribuição de energia no estado. Mas, durante a tramitação na Câmara foram acrescentadas emendas. Além do RDC, o texto inclui mudança para elevar o limite para a contratação de construções do Programa Minha Casa, Minha Vida e outra que permite a instituições de ensino superior converterem dívidas com a Receita Federal em bolsas de estudo. Por ter sido aprovado sem alterações em relação ao texto enviado pela Câmara dos Deputados, o projeto seguirá agora para sanção presidencial.

Aécio: RDC – Link da matéria: http://www.brasileconomico.ig.com.br/assinaturas/epapers.html

Maluf e Lula: paulistanos repudiam aliança

Maluf e Lula – Datafolha indica que 59% não votariam num candidato apoiado por Maluf. Serra lidera pesquisa e Haddad perde pontos.

Lula e Maluf:  eleitores rejeitam acordo

Lula e Maluf - Eleitores da capital paulista são contra a aliança. Datafolha indica que 59% não votariam num candidato apoiado por Maluf.

Lula e Maluf – Eleitores da capital paulista são contra a aliança. Datafolha indica que 59% não votariam num candidato apoiado por Maluf – Fonte da Charge: Site Humor Político

Fonte: O Globo

Datafolha: 62% dos eleitores de SP rejeitam aliança de PT com Maluf

Serra lidera a pesquisa com 31% das intenções de voto. Haddad cai dois pontos e fica com 6%

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira pelo jornal Folha de S. Paulo aponta que 62% dos eleitores da cidade de São Paulo não concordam com a aliança do deputado federal Paulo Maluf com o candidato petista à prefeitura, Fernando Haddad. Entre os entrevistados que declaram preferência pelo PT, a reprovação da aliança chega a 64%.

Na primeira pesquisa após Luiza Erundina desistir de participar da chapa do PT como vice por causa da aliança, José Serra (PSDB) aparece com 31% das intenções de voto, seguido de Celso Russomanno do PRB (24%) e Soninha Franciane do PPS (6%).

Fernando Haddad aparece em quarto lugar com 6% dos votos, empatado com Gabriel Chalita (PMDB) e Netinho de Paula (PCdoB) que desistiu da candidatura e se aliou ao PT. Em relação à pesquisa anterior, Serra subiu um ponto, e Haddad caiu dois.

Os números indicam que 59% disseram que não votariam num candidato apoiado por Maluf. Outros 12% seguiriam sua indicação, e 26% seriam indiferentes.

A desistência de Erundina foi aprovada por 67% dos eleitores. Outros 17% reprovaram a atitude, e 16% não opinaram.

A pesquisa mostra ainda que influência de Lula no quadro eleitoral está em queda. Hoje, 36% dos eleitores dizem que o apoio do ex-presidente os faria escolher um candidato. O índice anterior era de 49%.

O Datafolha ouviu 1.081 eleitores na capital paulista na segunda e terça-feira. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) sob o número 87/2012.

Maluf e Lula: aliança – Link da matéria:  http://oglobo.globo.com/pais/datafolha-62-dos-eleitores-de-sp-rejeitam-alianca-de-pt-com-maluf-5327732#ixzz1z0GEy2ui

Maluf provoca Erundina por deixar campanha de Haddad

Maluf provoca Erundina por abandonar campanha.  Ex-prefeita de SP (PSB) deixou coligação com PT depois acordo de Lula com Paulo Maluf.

Maluf, Erundina e Lula

Maluf diz que Erundina desistiu de ser vice de Haddad por ciúmes

Maluf provoca Erundina por deixar campanha de Haddad

Maluf provoca Erundina por deixar campanha de Haddad

O deputado federal Paulo Maluf, presidente do PP no estado de São Paulo, disse nesta segunda-feira que a deputada federal Luiza Erundina (PSB) desistiu de ocupar o posto de vice na candidatura do petista Fernando Haddad à prefeitura de São Paulo por “ciúmes”.

Erundina desistiu de concorrer porque o ato de apoio do PP ao petista foi realizado na casa de Maluf com a presença de Haddad e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A deputada socialista chamou o líder do PP de “nefasto”.

– Isso não é um problema meu. Ele (Lula) tinha recomendação médica para não ir na convenção do PSB, essas coisas nós temos de respeitar. Ele está em tratamento de saúde. Agora se ele veio na minha casa, eu me sinto muito alegre. E se ele vier a segunda e terceira vez, a casa está aberta para o Lula.

Maluf destacou ainda que sempre recebeu em sua casa os presidentes da República.

– Amanhã, se a presidente Dilma (Rousseff) for na minha casa é bem-vinda. O presidente Fernando Henrique esteve em casa. O presidente Itamar Franco esteve em casa . Do (Fernando) Collor, eu fui padrinho do casamento – falou.

O líder do PP negou também que tenha exigido a presença do Lula em sua casa para fechar a aliança com Haddad.

– Quem pode exigir alguma coisa de um presidente da República. Quando o presidente da República vai à casa de alguém, vai porque quer.

Para Maluf, a visita de Lula não poderia deixar de ser registrada.

– Se lá estavam duas dúzias de fotógrafos, não tinha razão nenhuma para na saída não tirar a foto. Seria muito pior se escondessem a foto. Se ele for de novo, eu tiro dez vezes.

Depois de encerrada a entrevista na sede do PP em São Paulo, Maluf voltou à sala onde estavam os jornalistas para mostrar um calendário de 2012, que fez para distribuir para amigos e parentes, em que aparece em fotos, entre outros, com o Papa João Paulo II, com Pelé, Ayrton Senna e com os ex-presidentes americanos Bill Clinton, George Bush e Ronald Reagan.

– Tenho muito orgulho dessas fotos e tenho muito orgulho também da foto com o Lula.

Questionado se o calendário do próximo ano trará a foto do ex-presidente petista, o líder do PP não respondeu.

Maluf garantiu que não está participando das discussões da escolha do vice da chapa do PT em São Paulo e afirmou que a decisão sobre o substituto de Erundina caberá apenas a Haddad. Garantiu que não se opõe nem a um nome do PC do B.

– O governo do PT quando tomou posse em 2003 veio sob dúvidas como iria se comportar ideologicamente. E eu quero dizer em alto e bom tom que o PT se comportou à direita de Paulo Maluf. Eu perto do PT hoje sou comunista. Eles defenderam mais do que eu as multinacionais e os banqueiros – declarou Maluf.

Maluf e Lula – Link da matéria:  http://oglobo.globo.com/pais/maluf-diz-que-erundina-desistiu-de-ser-vice-de-haddad-por-ciumes-5308037#ixzz1yuALywaZ