Gestão Anastasia: Governo de Minas incentiva fruticultura na região das Vertentes

Plantio de fruteiras de clima temperado é opção para agricultura familiar e geração de trabalho e renda
Marco Evangelista/Imprensa MG
O pesquisador Paulo Norberto tem boas expectativas com relação ao plantio da figueira na região
O pesquisador Paulo Norberto tem boas expectativas com relação ao plantio da figueira na região

O cultivo de maçã, uva e figo vem ganhando espaço entre os produtores rurais do Campo das Vertentes. Isso graças ao incentivo do Governo de Minas que, desde 2007, desenvolve a fruticultura na região. Por meio da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), foram implantadas 21 unidades demonstrativas, distribuídas nas cidades de São João del-Rei, Barroso, Tiradentes, Prados, Resende Costa, Coronel Xavier Chaves, Lagoa Dourada, Carandaí e Piedade do Rio Grande.

O pesquisador da Epamig, Paulo Márcio Norberto, que realiza o trabalho da fruticultura juntamente com outros dois pesquisadores, conta que as unidades demonstrativas são instaladas em propriedades particulares. “Essas propriedades contempladas estão sempre abertas à comunidade, servindo de modelo para outros produtores interessados em aprender e entrar na atividade, possibilitando o acompanhamento de todo o processo de produção, desde o plantio até a colheita”, explica.

Segundo ele, a fruticultura representa uma boa alternativa para a região. “Como o fluxo de turistas é grande e a região tem um forte apelo turístico, favorece a possibilidade de colocação de produtos no mercado, inclusive com agregação de valor, como doces em calda, geleias e cristalizados”, avalia. O plantio das fruteiras de clima temperado é também uma opção diferente das usuais, principalmente na agricultura familiar. “Hoje, muitos produtores locais já aderiram e estão colhendo os frutos, o que possibilita um incremento significativo em suas rendas e, além de ocupar a mão de obra familiar, acaba gerando novos postos de trabalho em suas comunidades”, afirma o pesquisador da Epamig.

Em Coronel Xavier Chaves, o produtor Antônio Catarino de Almeida possui uma unidade demonstrativa de videira há um ano. Ainda não foi possível comercializar a uva, mas ele acredita que em dois anos a produção já seja satisfatória. “Está sendo uma boa experiência e a expectativa é boa, acho que vai dar certo”, diz. Catarino recebeu da Epamig 200 mudas para iniciar a plantação. “Desde então, o técnico vem aqui, explica como é a manutenção, orienta, apoia muito o nosso trabalho. Com certeza vai ser possível aumentar nossa renda, porque a região não tem muito esse tipo de plantação”, conclui o agricultor. Ele conta com a ajuda do filho para cuidar das videiras e das outras cultivares que possui na propriedade, que inclui mexerica, baroa, mandioca e inhame.

Apoio técnico

Ilceu Carvalho, produtor de Prados, também recebeu apoio técnico para o plantio de uva e figo e, em 2011, fez sua melhor colheita. “Tive uma produção de cerca de 700 kg de uva e vendi 500 kg in natura, que é a forma mais lucrativa. Todo mundo elogiou a qualidade”, conta. Agora, Ilceu quer aumentar a produção. “Quero ver se consigo colher duas vezes ao ano, em vez de apenas uma. Minha meta é uma colheita no meio do ano e uma no final. Por isso vou começar a usar um sistema de irrigação”, relata.

As pesquisas na área de fruticultura são desenvolvidas na Fazenda Experimental Risoleta Neves, em São João del-Rei, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), que já destinou mais de R$ 300 mil para projetos de pesquisa e bolsas de pós-doutorado, iniciação científica e apoio técnico. O trabalho de difusão e transferência de tecnologia também conta com a parceria da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG).

Com relação à cultura da videira, o pesquisador Paulo Norberto destaca que as plantas estão começando a expressar todo o seu potencial produtivo. “As variedades que estão sendo testadas aqui na região são de grande importância econômica, são rústicas e toleram mais as variações climáticas que ocorrem na região”, pontua.

A cultura da figueira também tem boa expectativa de produção. “Estamos testando e validando novas tecnologias de manejo para a cultura, que tem mostrado um grande potencial na região. A caminhada de implantação e desenvolvimento da fruticultura já possui um histórico, que foi iniciado em 2007 e precisa ser continuado, pois foram e estão sendo geradas e validadas diversas tecnologias, adaptadas para o pequeno produtor”, completa.

Cultivo de oliveiras

O produtor José Lásaro Mendes Morais se uniu à Epamig para implantar uma unidade demonstrativa de oliveiras há quatro anos. O projeto Rendimento Agronômico das Oliveiras também recebe o apoio da Fapemig. O experimento, localizado em Piedade do Rio Grande, é o único da região e vai ajudar a definir as melhores variedades a serem produzidas.

“Tenho cinco variedades plantadas, vamos ver qual se adapta melhor. Hoje a produção ainda é pequena, não dá para comercializar, mas já é possível perceber que algumas variedades se manifestaram mais precocemente”, comenta. O tempo médio para a oliveira entrar em produção é de seis a oito anos.

José Lásaro também cultiva maçã e, por meio de um trabalho conjunto com a Epamig, estão sendo introduzidos novos materiais genéticos com potencial produtivo para as condições de clima e solo da região. “Além de trabalhos de análise de folhagem das plantas e de conservação dos frutos da maçã”, completa o produtor.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-incentiva-fruticultura-na-regiao-das-vertentes/

Gestão em Minas: alunos produzem filtro biológico para reduzir poluição da água no campo das Vertentes

Alunos da Escola Estadual Chiquinho de Paiva, no município de Capela Nova, produziram um filtro biológico

Divulgação/SEE
“A invenção utiliza brita, areia e plantas como o inhame e o copo de leite. As raízes dessas plantas filtram os resíduos de gordura e a água sai praticamente limpa
“A invenção utiliza brita, areia e plantas como o inhame e o copo de leite. As raízes dessas plantas filtram os resíduos de gordura e a água sai praticamente limpa

Depois de utilizada para lavar as louças, a água que sai da pia da casa do estudante Nilmar Celestino de Souza, está cada vez mais limpa. Ele e seus colegas da Escola Estadual Chiquinho de Paiva, no município de Capela Nova, produziram um filtro biológico. “A invenção utiliza brita, areia e plantas como o inhame e o copo de leite. As raízes dessas plantas filtram os resíduos de gordura e a água sai praticamente limpa”, ressalta o aluno do 2º ano do ensino médio.

O filtro foi feito com duas caixas de 250 litros. Em cada uma delas foram colocadas camadas de britas e de areia. Depois os estudantes plantaram as mudas. As caixas foram colocadas na saída do cano da pia das casas. “As caixas são ligadas por canos. A água cai por cima da primeira caixa e é filtrada, passa pelo cano e cai em outra caixa. Depois que é filtrada novamente ela é liberada”, conta Nilmar.

Ainda segundo o estudante, o inhame e o copo de leite foram escolhidos porque são plantas típicas da região e por terem raízes longas. “De acordo com a nossa pesquisa, a raiz alongada penetra mais facilmente na areia e facilita o filtro dos resíduos de gordura”. As mudas foram doadas pelos alunos.

Os filtros foram colocados em quatro residências e o resultado pode ser visto na aprovação dos moradores. “As plantas filtram as impurezas da água e depois que ela passa pelas duas caixas já sai clarinha. Depois que o filtro foi instalado melhorou bastante”, aprova Sandra Regina Alves de Sousa.

Para expandir a iniciativa, os alunos estão montando um folder que deve ser distribuído para toda comunidade ainda este mês, que tem um dia dedicado a preservação da água: no dia 22 é comemorado o Dia Mundial da Água. “Montamos um esquema para chamar a atenção das pessoas e mostrar que a nossa ideia tem dado certo. É um método de baixo custo e que qualquer pessoa pode fazer. O folder será distribuído para toda comunidade. Nele estamos colocando os objetivos do projeto e ensinando como fazer o filtro”, ressalta a professora de Geografia e idealizadora do projeto, Márcia Moreira da Cunha.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Campo das Vertentes teve 11 cachaças de alambique certificadas no ano passado

A expectativa para 2012 é que o número de cachaças certificadas em Minas aumente em pelo menos 10%

Onze cachaças de alambique da região das Vertentes, de nove marcas diferentes, foram certificadas em 2011. O procedimento, realizado pelo Governo de Minas por meio do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), atesta a qualidade do produto.

Produzidas nas cidades de Barroso, Belo Vale, Congonhas, Coronel Xavier Chaves, Itaverava, Jeceaba e Prados, as cachaças são de fabricação artesanal, com fermento natural e destiladas em alambique de cobre. Para obter a certificação, é necessário, primeiramente, aderir ao projeto junto ao IMA e optar pelo sistema produtivo da cana (orgânico, sem agrotóxico ou convencional). As cachaçarias só são certificadas se o processo de produção utilizado atender aos procedimentos de boas práticas, adequação social e responsabilidade ambiental.

Segundo o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, o programa de certificação da cachaça traz vantagens para produtores, exportadores e consumidores. “A certificação é uma maneira de atestar a qualidade e agregar valor ao produto, tão popular em Minas, mas que ganha novos mercados através do programa de certificação. O que gera, também, maior competitividade dos produtores, garante a qualidade da bebida e propicia melhores opções aos consumidores finais”, destaca.

Para Odaque da Silva, produtor da cachaça Liberdade, de Congonhas, a certificação padroniza o nível de qualidade das cachaças mineiras. “Todo mundo ganha com isso. Para o consumidor, principalmente, é um atestado de segurança, de que aquele produto é desenvolvido dentro de padrões de higiene, por exemplo”, comenta.

Ele ressalta, ainda, que, juntamente com os dois sócios da marca, resolveram investir também no envelhecimento da cachaça. “Optamos por deixar a cachaça envelhecer mais para, juntamente com o selo do IMA, agregar um valor maior. Mas após a certificação já somos vistos com outros olhos”, afirma. Em 2012, eles pretendem trabalhar para adquirir mais um selo, desta vez do Inmetro.

Desde o início do programa de certificação do Estado, em 2008, receberam o certificado 176 estabelecimentos, sendo 221 em 2011. A expectativa para 2012 é que o número de cachaças certificadas em Minas Gerais aumente em pelo menos 10%.

Cachaças de alambique certificadas em 2011 na região das Vertentes:

– Capote Ouro – Jeceaba

– Liberdade – Congonhas

– Barrosinha – Barroso

– Pura Bossa Nova – Barroso

– Século XVIII – Coronel Xavier Chaves

– Engenho da Boa Vista – Barroso

– Cachaça Taverna de Minas Clássica – Itaverava

– Cachaça Taverna de Minas Ouro – Itaverava

– Serra Morena – Belo Vale

– Serra Morena Prata – Belo Vale

– Tabaroa – Prados

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Consea-MG discute segurança alimentar na Zona Mata e Campo das Vertentes

Presidente do conselho, Dom Mauro Morelli, visitará Ouro Branco, Barbacena, Santos Dumont e Juiz de Fora

O presidente do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais (Consea-MG), Dom Mauro Morelli, visita entre esta quinta-feira (9) e sábado (11) os municípios de Ouro Branco e Barbacena, no Campo das Vertentes, além de Santos Dumont e Juiz de Fora, na Zona da Mata. O secretário executivo, Marcos Jota, e a assessora técnica do Consea-MG, Michele Pereira, também participam da caravana.

A visita tem o objetivo de promover a aproximação do Consea-MG com as comissões regionais e os conselhos municipais de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de cada região mineira. Desta forma, o conselho estadual busca descentralizar suas ações e fortalecer as articulações das entidades que promovem a segurança alimentar e nutricional sustentável em Minas.

Segundo a assessora técnica do conselho, Michele Pereira, o trabalho será baseado na sensibilização dos municípios “para uma participação mais efetiva na segurança alimentar e nutricional”. “Vamos nos reunir com representantes da agricultura familiar, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, prefeituras, conselhos municipais e regionais, secretarias de assistência social, agricultura, saúde e educação”, explicou Michele Pereira.

No último dia 1º de fevereiro, Dom Mauro Morelli visitou a Comissão Regional de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável do Centro-Oeste. Sediada em Divinópolis, a comissão é formada 53 municípios. No mesmo dia, Dom Mauro também esteve no município de Cláudio, onde foram apresentados projetos realizados pela Associação dos Municípios do Vale do Itapecerica na área de segurança alimentar. Com ações baseadas no Programa de Segurança Alimentar e Nutricional (Prosan), as comissões regionais de Minas foram criadas entre 2001 e 2003 e têm como objetivo o desenvolvimento de trabalhos voltados às políticas públicas e de mobilização social.

Programação

Ouro Branco

Local: Prefeitura de Ouro Branco, Praça Sagrados Corações, 200 – Centro

Data: 09/02/12

Horário: 10 horas

Barbacena

Local: Sítio do Sapateiro, na parada de ônibus, 1 km após o trevo de Barbacena

Data: 09/02/12

Horário: 16 horas

Santos Dumont

Local: Câmara Municipal, Av. Presidente Getúlio Vargas,231 – Centro

Data: 10/02/12

Horário: 10 horas

Juiz de Fora

Local: Sindicato dos Comerciários, Av. Barão do Rio Branco, 2067 – Centro

Data: 10/02/12

Horário: 19 horas

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: São João del-Rei e Tiradentes mobilizam população contra a dengue

Dengômetro e o dengue móvel estarão nas cidades para levar informações e experiências no combate ao mosquito

Nos dias 9 e 10 de fevereiro, São João del-Rei  e Tiradentes, no Campo das Vertentes, vão reforçar suas ações de combate à dengue, por meio de ações promovidas pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

O Dengômetro, espaço para troca de informações e experiências no combate à dengue, e o dengue móvel, veículo que percorre os bairros trocando objetos que poderiam se tornar foco do mosquito por material escolar, estarão nas cidades.

Com uma população aproximada de 85 mil pessoas, São João del-Rei foi uma das cidades históricas castigadas pelas últimas chuvas. Essa situação aumenta a necessidade de informar as pessoas sobre como evitar a proliferação do Aedes aegypti.

Fonte: Agência Minas

Gestão Antonio Anastasia: ação inédita do Governo de Minas vai beneficiar Apaes da região das Vertentes

Centros Tecnológicos de Capacitação serão implantados em 148 municípios

O censo de 2010 mostrou que o Brasil possui 45 milhões de pessoas com deficiência, o que representa 24% da população. Diante desse cenário, o Governo de Minas tem atuado diretamente em políticas que possibilitem a inclusão social. Para isso, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) iniciou em 2011, a implantação dos Centros Tecnológicos de Capacitação nas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes) de Minas Gerais.

O Centro vai facilitar o acesso de cada  Apae à internet e às redes sociais, criando uma rede tecnológica de integração das unidades. Será formado por centros de inclusão social e oficinas de capacitação profissional que irão funcionar em 148 municípios mineiros, sendo oito da região do Campo das Vertentes: Conceição da Barra de Minas, Entre Rios de Minas, Lagoa Dourada, Madre de Deus de Minas, Nazareno, Prados, Resende Costa e Ritápolis. Cada centro de inclusão social terá cinco computadores adaptados com aparelhos que possibilitam atender diferentes tipos de deficiência. Já as oficinas de capacitação profissional serão inseridas em 103 municípios, sendo 54 relacionadas à culinária e 49 à produção de picolé.  O objetivo é melhorar a qualificação da mão de obra de pessoas com deficiência, possibilitando melhores oportunidades no mercado de trabalho.

Para o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, a ação evidencia como a ciência e tecnologia podem se converter em espaço para construção da cidadania e ser um instrumento para valorizar o ser humano. De acordo com ele, a previsão é de que no ano de 2012, todos os centros tecnológicos sejam instalados. O projeto é resultado da parceria entre o Governo de Minas, a Federação Nacional das Apaes (Fenapaes) e a Federação das Apaes do Estado de Minas Gerais, com recursos que somam R$ 5,4 milhões divididos igualmente entre o Governo de Minas e o Governo Federal, por meio de emenda do deputado federal Eduardo Barbosa, que preside a Fenapaes.

Fonte: Agência Minas

Leia mais:

Ação inédita do Governo de Minas vai beneficiar Apaes da Zona da Mata

Ação inédita do Governo de Minas vai beneficiar Apae de Ouro Preto