Anastasia amplia investimento em mobilidade urbana e cultura

Anastasia: Governador de Minas anuncia R$ 117 milhões para obras de mobilidade, cultura e lazer em Belo Horizonte.

Governo Anastasia: gestão pública eficiente

Fonte: Minas em Pauta 
Anastasia investe em cultura e mobilidade urbana

No Palavra do Governador desta semana, Antonio Anastasia destaca aportes do Governo de Minas para obras e parceria com prefeitura da capital

Não são poucos os desafios que a capital mineira, Belo Horizonte, enfrenta na área de infraestrutura, assim como não são poucos os investimentos que o Governo de Minas vem fazendo na terceira maior metrópole brasileira. No próximo sábado (6), o governador Antonio Anastasia vai assinar uma ordem de serviço, junto ao prefeito da capital, para o início de mais uma obra, dessa vez um espaço multiuso no parque municipal. E não é apenas essa intervenção que já tem recursos garantidos. Os investimentos do Estado na capital de todos os mineiros é o destaque desta semana do Palavra do Governador.

“Firmamos convênios com a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, capital de nosso Estado, com o prefeito Marcio Lacerda, para termos aqui algumas obras relevantes, porque investimentos na capital e na Região Metropolitana refletem por todo o Estado”, afirma o governador.

O espaço multiuso, por exemplo, vai abrigar manifestações artísticas, culturais e folclóricas. Um prédio, em formato circular, será construído com materiais que proporcionam leveza e transparência. Com capacidade para receber até 3 mil pessoas, serão 3,2 mil metros quadrados de área construída, com palco para shows e apresentações teatrais, auditório para 250 pessoas, salas para cursos, biblioteca com o acervo do Parque Municipal, lanchonete e um grande terraço descoberto.

“Estamos, a pedido do prefeito, alocando R$ 15 milhões do Estado no Parque Municipal Américo Renné Giannetti, no centro da nossa capital, para construir ali um grande espaço multiuso para arte e para a cultura para a realização de grandes eventos. É um investimento muito importante, que certamente colocará Belo Horizonte no circuito das grandes obras de arte e da cultura de nosso estado. E há também a revitalização do Viaduto Santa Tereza, um dos cartões postais de Belo Horizonte, que será revitalizado para os esportes radicais. Também é uma solicitação da prefeitura e ali estamos aportando cerca de R$ 5 milhões”, explica o governador.

A obra do viaduto inclui a recuperação da estrutura e o revestimento original, com pó de pedra, que será refeito. Sob o viaduto, entre a rua da Bahia e a avenida dos Andradas, serão instalados equipamentos públicos destinados à prática de lazer e esportes, como pista de skate, quadra poliesportiva para a prática de basquete, anfiteatro e mini-circuito de bicicleta, além de salas multiuso. Também será realizada uma reforma completa das instalações sanitárias, revitalização da escadaria e a instalação de um posto da Polícia Militar. O Viaduto Santa Tereza foi construído em 1929 e tombado pelo Patrimônio Cultural da capital em 1990.

Mobilidade urbana

Obras para a melhoria da mobilidade urbana na capital mineira também estão previstas nos investimentos que o Governo de Minas está alocando em parceria com a prefeitura, como também ressalta Anastasia.

“São investimentos que vão melhorar a mobilidade da nossa capital. Um exemplo é a continuidade da cobertura do ribeirão Arrudas, o chamado boulevard Arrudas, agora no trecho entre o parque municipal e o Centro de Especialidades Médicas do Estado. Uma obra de R$ 80 milhões. Também no bairro Ribeiro de Abreu, há a previsão de uma ponte, de R$ 35 milhões. Obras na avenida Cristiano Machado para a construção de viaduto na intercessão da avenida Valdomiro Lobo – ali são mais R$ 30 milhões. E, ainda, um investimento de mais de R$ 12 milhões vai para obras na chamada Via 710, na sua intercessão com a avenida Cristiano Machado”, destaca.

Os investimentos se juntarão a diversos outros já em curso em Belo Horizonte, como o BRT (Bus Rapid Transit), os ônibus que circularão em vias rápidas exclusivas, que também contam com recursos do Governo de Minas e buscam melhorar a mobilidade dos mineiros. São obras que ficarão como grande legado da Copa do Mundo para o bem estar da população. Todas essas são intervenções importantes que vêm colocando Minas Gerais como referência entre os estados brasileiros e destaque internacional.

“O próprio secretário geral da Fifa, Jérôme Valcke, que aqui esteve, disse que Belo Horizonte é a cidade que está melhor situada dentre todas as capitais brasileiras que receberão os jogos da Copa do Mundo. A parceria entre o governo estadual e a prefeitura tem funcionado muito bem em Belo Horizonte. Fizemos a alocação de recursos, obras realizadas pela prefeitura e, portanto, há um desenvolvimento muito positivo desses trabalhos em nosso estado. Tenho certeza que faremos um belo quadro a favor de Minas Gerais”, conclui o governador.

O Palavra do Governador pode ser reproduzido por qualquer veículo de imprensa, sem ônus. O programa é disponibilizado todas as quintas-feiras nas modalidades texto, áudio e vídeo (em qualidade HD).

Anúncios

Novo Mineirão 2014: estádio verde e sustentável

Novo Mineirão 2014: projeto do Governo de Minas contemplou a sustentabilidade. Água da chuva será reaproveitada.

Novo Mineirão 2014: Gestão Pública Eficiente – Governo de Minas

Fonte: Veja BH

Reforma corrigiu problemas históricos do Mineirão

Estádio não tem mais visão comprometida nas arquibancadas inferiores e o encontro de torcidas rivais

 Novo Mineirão 2014: estádio verde e sustentável

Sem tumulto

A cena dos torcedores e vendedores ambulantes disputando espaço com os carros no estacionamento ficou no passado. A nova garagem subterrânea é dividida em setores – cada torcida terá a sua. Também há por lá uma área para quem estiver disposto a pagar por serviços diferenciados. Consta no manual da Fifa: “Atrair vips é essencial para o sucesso financeiro de um estádio moderno”.

Pelo manual de recomendações da Fifa, um estádio para a Copa do Mundo deve ser central, cercado por largas vias de acesso, com boa oferta de transporte público e espaço para um grande estacionamento, que terá outro uso nos dias em que não houver jogo. Garantir a utilização do novo Gigante da Pampulha durante toda a semana foi uma das preocupações da reforma, segundo os arquitetos do BCMF, o escritório responsável pelo projeto executivo. “Com a inauguração daCidade Administrativa e a ocupação cada vez maior da região norte da cidade, a Pampulha se tornará o novo centro”, acredita Silvio Todeschi, um dos sócios do BCMF. “O Mineirão contará com serviços como restaurantes e lojas para atender essa população.” Confira cinco soluções encontradas para alguns dos velhos problemas do estádio.

 Novo Mineirão 2014: estádio verde e sustentável

Respeito ao meio ambiente

A cobertura autolimpante de teflon inclui um sistema de captação de água da chuva, que será reutilizada na irrigação do gramado. Ecologicamente correto, o modelo ajuda na prevenção de enchentes na região. A nova arena tem ainda placas para captar energia solar.

 Novo Mineirão 2014: estádio verde e sustentável

Visão ampliada

O campo foi rebaixado em 3,4 metros. Acabaram sendo demolidas as arquibancadas inferiores e a geral, garantindo uma visão bem melhor do gramado. Da linha de fundo à arquibancada, a distância foi reduzida de 42 para 20 metros. Nas laterais, caiu de 29 para 19 metros. O ângulo de visão também está melhor. No antigo Mineirão, quem se sentava muito próximo do gramado mal via os joelhos dos jogadores. Agora, não há pontos cegos. E a arquibancada vai balançar menos. Em cada um dos 88 pórticos de concreto foi instalado um par de amortecedores. O equipamento absorverá até 76% da vibração. A torcida pode até tremer. A nova arquibancada, não.

 Novo Mineirão 2014: estádio verde e sustentável

Verde por todo lado

O entorno do Mineirão era árido, quase sem árvores. As poucas que havia por lá surgiram espontaneamente, graças às sementes deixadas por passarinhos. O projeto original não previa nenhum tipo de paisagismo. Já o novo estádio tem verde por todo lado, deixando o lugar mais agradável e em sintonia com o conjunto arquitetônico da Pampulha. Além de mais bonita, a arena está mais bem sinalizada. “Será como a sinalização de um bom shopping”, garante Cynthia Massote, diretora de planejamento da Hardy Design, um dos escritórios envolvidos no projeto de comunicação visual. A Fifa recomenda sinalização em vermelho, amarelo, azul e verde. Aqui, porém, para evitar o uso de cores identificadas com os times da cidade, o azul e o verde foram substituídos por roxo e laranja.

 Novo Mineirão 2014: estádio verde e sustentável

Oferta de serviços

É como se Belo Horizonte ganhasse um novo parque. Pela esplanada será possível caminhar, andar de bicicleta ou de skate a qualquer hora do dia. “Um evento como a corrida em torno da lagoa poderia começar da esplanada”, sugere o arquiteto Todeschi. O lugar também é adequado para shows, podendo abrigar um público de até 60?000 pessoas. Lá, haverá ainda um centro comercial, com 5?200 metros quadrados e espaço para 52 lojas.

Gestão Eficiente: Governo de Minas deixa Mineirão quase pronto

Gestão Eficiente: Mineirão – Em fase final de acabamento, o novo Mineirão está praticamente pronto para 2014.

Gestão Eficiente: Mineirão 2014

Fonte: Superesportes publicado por Turma do Chapéu

Grama já começou a ser plantada no Novo Mineirão

COPA DE 2014

O maior palco do futebol mineiro está retomando a velha forma: proxímo da conclusão da obra, o Mineirão já começa a receber a grama. O tapete escolhido é do tipo Bermuda Celebration, recomendado pela Fifa para a Copa do Mundo. As obras devem estar concluídas em 21 de dezembro desse ano, e a inauguração deve acontecer em março, com um jogo da seleção brasileira. O ex-beatle Paul McCartney também é cotado para tocar no estádio reinaigurado, segundo o secretário extraordinário para a Copa, Tiago Lacerda.

Plantio do gramado do Mineirão – Foto: Divulgação/Secopa

 Gestão Eficiente: Mineirão quase pronto para 2014

Gestão Eficiente: Mineirão quase pronto

Tapete estendido para o espetáculo

Mineirão recebe as primeiras sementes e deve ter o gramado pronto em fevereiro. Secopa prepara reabertura em março, com a Seleção

Gestão Eficiente – Assegurado o tempo de céu carregado, muitos ventos e chuva que baixou sobre Belo Horizonte, há grandes chances de a grama do novo Mineirão estar pronta para a bola rolar antes dos 90 dias necessários para o completo crescimento. O tapete verde tipo Bermuda Celebration, reconhecido por especialistas como a melhor opção para a prática do futebol, começou a ser plantado como o primeiro gramado dos 12 estádios da Copa do Mundo’2014 e dos seis para a Copa das Confederações, em junho. Após ultrapassar o Castelão, em Fortaleza, no ranking das obras, o Gigante da Pampulha é o estádio mais adiantado: passou dos 93% de execução.

O plantio da grama deve ser concluído até o fim da próxima semana. Num prazo aproximado de 15 dias, o secretário de Estado Extraordinário da Copa (Secopa), Tiago Lacerda, espera já ter uma data definida para a reinauguração do estádio – entre o fim de janeiro e início de fevereiro. Diversas possibilidades vêm sendo avaliadas pela Secopa. “Temos um pedido junto à CBF para ter a seleção”, antecipa Lacerda, se referindo ao amistoso prometido pelo presidente da entidade, José Maria Marin, durante visita às obras. Duas datas em aberto no calendário de amistosos do Brasil indicam que o confronto, uma das festividades que marcarão a reabertura da arena, poderá ser em 22 ou 26 de março.

Até chegar ao campo, o novo gramado – mesma qualidade utilizada no novo Independência – foi submetido a rigoroso processo de seleção, desenvolvimento e transporte. Definidas pela Fifa como padrão, as sementes passaram por seleção feita nosEstados Unidos. Elas foram plantadas numa fazenda de Bom Sucesso (Sul de Minas Gerais) em abril para então ser transportadas a BH em caminhões frigoríficos a uma temperatura de 5°C. Pelo fato de a preparação ter sido programada para o verão, haverá o complemento com sementes de inverno em março de 2013. A expectativa do presidente do consórcio Minas Arena, responsável pela obra e futura operação, Ricardo Barra, é de que o campo esteja pronto para jogo no fim de janeiro. “Aí teremos condições de jogar. A ideia é desenvolver junto com a Fifa um sistema que proteja o tapete”, declarou.

Um dos funcionários especializados contratados pela carioca Greenleaf Gramados, o servente Manoel Messias da Silva elogiou a qualidade do campo. Além da instalação, a empresa ficará responsável pela manutenção. “De todos os gramados onde trabalhei, esse aqui é o melhor, pela adubação diferenciada e sistema de vazão. Pode chover que não vai encharcar”, garantiu Silva, que já marcou ponto nas obras da Arena da Baixada, em Curitiba, e Maracanã, no Rio.

Antes do plantio, o terreno passou por várias etapas para recebê-lo: terraplanagem, preparação de drenagem, irrigação e solo e, por fim, adição de fertilizantes e corretivos pré-plantio para correção do pH do solo. O sistema de irrigação será automatizado com aspersores escamoteáveis que distribuem a água em horários programados na quantidade e frequência desejadas.

Quase pronto Em fase final de acabamento, o novo Mineirão está praticamente pronto. Dentro de campo, alguns detalhes chamam a atenção. No teto, faltam apenas instalar três partes da inédita cobertura translúcida que, aos poucos, vem clareando graças à incidência do sol – inicialmente as peças possuíam coloração amarelada. Um dos telões que ficarão nos lados extremos do campo já foi colocado (o outro aguarda uma trégua das chuvas para ser içado). Cada painel é composto por 40 placas de Leds, sendo necessária uma equipe formada por 20 pessoas para fixá-lo, o que foi feito em 15 dias. Nas arquibancadas, apenas algumas cadeiras ainda não foram instaladas. Nos camarotes, lanchonetes e bares, estarão disponíveis 250 TVs de 46 polegadas, além de 3,8 mil caixas de som. Concluído, o estádio terá capacidade para 62.170 espectadores.

Em números

540 mil
mudas em toda a área gramada

60
mudas é a média por metro quadrado

30cm
é o altura da camada de Topsoil, mistura de areia com matéria onde as raízes da grama se faixarão

105m x 68m
são as dimensões do novo campo, reduzido para atender os padrões da Fifa

110m x 75m
era o tamanho anterior, antes do início da reforma

2,5 mil
carros, a capacidade do estacionamento

62.170
torcedores será a lotação do estádio

Gestão Eficiente: Mineirão 2014 – Link da matéria: http://turmadochapeu.com.br/grama-novo-mineirao/

Mineração: Arq.Futuro – o debate sustentável e os impactos sociais

Mineração: Debate sobre os impactos da atividade devem ser discutidos com arquitetos, urbanistas, economistas a ecologistas.

Mineração: Arq.Futuro

Fonte: artigo de FERNANDO SERAPIÃO – O Estado de S.Paulo

Arq.Futuro debate novas formas de estruturar áreas mineradoras

Com o título ‘A Construção da Paisagem’, evento ocorre nesta terça e quarta em BH

 Mineração: Arq.Futuro e o debate sustentável

Mineração: Arq.Futuro – o aclamado e palpável conjunto da Pampulha, obra-prima de Oscar Niemeyer

Das novas torres do World Trade Center em Nova York aos barracos do Grotão na favela de Paraisópolis, em São Paulo: independentemente do tamanho, técnica construtiva ou uso, todas as construções humanas utilizam componentes que dependem da cadeia produtiva da mineração. Por isso, se pensarmos só pelo aspecto de proporcionar o abrigo ao homem, essa atividade econômica é absolutamente vital para a vida humana. Esse o tema do seminário Arq.Futuro que ocorre hoje e amanhã em Belo Horizonte, com o título A Construção da Paisagem.

Aproximando o foco e imaginando uma relação mais direta, podemos dizer que a conexão entre arquitetura e minério está presente no DNA da cultura brasileira. Penso, sobretudo, na ocupação de Minas Gerais: desde o século 18, com o ciclo do ouro, a mineração não só foi o pilar econômico da região, mas também financiou as obras do barroco mineiro. Em outras palavras, o mesmo ouro que gerou divisas foi eternizado nos trabalhos de Aleijadinho e Mestre Atayde. Há muito tempo se conhecem também as turbulências que o fim dessa atividade econômica provoca. A diminuição da produção dos metais preciosos, por exemplo, desaguou na Inconfidência Mineira.

Após o declínio econômico, a atividade extrativa voltou a participar ativamente da economia mineira no início do século 20, com o incremento da siderurgia. Trata-se de outro ciclo vital de negócios que perpetuou (ao menos) duas obras que compõem o imaginário da cultura arquitetônica nacional: o aclamado e palpável conjunto da Pampulha, obra-prima de Oscar Niemeyer, e a desconhecida e impalpável Vila Monlevade, proposta de Lúcio Costa que não deixou o papel, mas é considerada por muitos críticos como a manifestação inaugural de um modo autônomo de pensar a arquitetura moderna no Brasil.

A Vila Monlevade do urbanista que depois idealizou Brasília foi sua resposta para um concurso de arquitetura promovido pela Belgo-Mineira. Ele não ganhou a disputa – não foi sequer classificado -, mas suas ideias permaneceram. Elas nos dizem muito em relação à saudável ocupação de um novo território: no caso, uma vila operária em Sabará, com moradias, posto médico, clube, escola, igreja e armazém.

Uma das diretrizes de Costa foi criar “uma implantação melhor ajustada às particularidades topográficas locais”. Sustentável antes de existir essa palavra, ele propunha interferir com muito cuidado na natureza, pois entendia que essa era a melhor maneira de ocupar a paisagem. Nesse sentido, há um contraponto direto entre a violência necessária para extrair o minério – que garante a vida humana – com a situação ideal para o cotidiano do homem, que deve tratar a natureza com delicadeza.

Mas se o projeto de Costa não foi adiante, existem bons exemplos implantados de novas cidade ou vilas construídas para atender os trabalhadores da atividade mineradora. Um exemplo pertinente é o conjunto habitacional da CBMM, criado em 1979 em Araxá. O desenho do escritório paulistano Rino Levi (de autoria do uruguaio Carlos Arcos) segue a mesma lógica de Lúcio Costa: modifica pouco a paisagem construindo casas para os trabalhadores da empresa de nióbio, equilibrando-as nas curvas de nível da topografia natural.

No entanto, o caso mais expressivo no Brasil é a Vila Serra do Navio, no Amapá, edificada na década de 1950 com projeto de Oswaldo Bratke. Trata-se de uma cidade inteira, com capacidade para quase 4 mil habitantes, materializada no meio da selva amazônica para abrigar os trabalhadores da empresa de origem mineira Icome, que ganhou a concorrência para extrair manganês. Em sua obra-prima, Bratke criou um núcleo urbano autossuficiente, uma espécie de ilha no meio da selva, que proporcionou o bem-estar das pessoas envolvidas na mineração.

Botânicos. As casas não tinham muros e na área central da cidade o pedestre era protegido do sol e da chuva por um sequência de marquises. O arquiteto desenhou tudo – das casas de madeira às camas dos funcionários, das luminárias à escola – e se envolveu até mesmo em pesquisas com botânicos, que criaram um cinturão de árvores exóticas em volta da cidade para minimizar o ataque de insetos. Tombado pelo órgão de patrimônio federal por sua importância artística, a cidade atualmente definha, pois o inevitável ocorreu com a matriz econômica: a produção secou.

Além de ajudar a proporcionar bem-estar durante o período produtivo, arquitetos e urbanistas podem colaborar para preparar as cidades para o dramático período pós-produção. Em primeiro lugar, ajudando a tratar as cicatrizes expostas. Em todo o País, infelizmente, são poucas as obras relevantes que tratam de áreas mineradas – vale lembrar duas de pequena escala e em zona urbana: a Universidade Livre do Meio Ambiente e a Ópera do Arame, obras interessantíssimas em Curitiba criadas pelo arquiteto Domingos Bongestabs.

Em segundo lugar, os projetistas podem ajudar a definir uma nova vocação para as regiões mineradoras. Todos sabem que os recursos são finitos e em Minas Gerais, por exemplo, a mineração corresponde a 5% do PIB: o que fazer quando tudo isso acabar? Na Bahia, por exemplo, o projeto do Centro de Referência de Igatu foi imaginado pelo escritório paulista Brasil Arquitetura. A ideia é ajudar a transformar uma antiga área de extração de diamantes mudando o foco para o turismoecológico e cultural. O projeto está pronto e busca financiamento para sua implantação.

Inhotim. É sempre melhor planejar a nova vocação antes do fim do minério. Nesse ponto, é significativo o exemplo de Bernardo Paz e Inhotim: sem auxílio governamental significativo, parte dos recursos advindos da atividade mineradora está financiando a construção de um grande complexo artístico e botânico que ajuda a região de Brumadinho a ter outro foco. Ali, equipes de arquitetos jovens – como os mineiros dos Arquitetos Associados e Rizoma – estão colaborando para colocar de pé essa proposta revolucionária.

Outra iniciativa positiva é o financiamento que a Vale do Rio Doce fará, através de uma contrapartida social, em um campus inovador de uma universidade federal, para 10 mil alunos, criado por Gustavo Penna. Assim, a mineradora irá auxiliar na capacitação dos moradores de Itabira, região em que atua.

Contudo, esse assunto não é exclusivo de arquitetos e urbanistas: envolve outros profissionais, de economistas a ecologistas. É um debate que deve envolver todos – empresários da mineração, políticos e, sobretudo, a sociedade. Só assim encontraremos caminhos para tratar as cicatrizes que, de alguma forma, nos ajudaram a nos manter vivos.

FERNANDO SERAPIÃO é crítico de arquitetura e curador da Arq.Futuro.

Mineração: Arq.Futuro

___________________________________________________________________

Minas em transformação

Arq.Futuro debate, em BH, projetos para áreas carentes de renovação
CAMILA MOLINA, ENVIADA ESPECIAL, BELO HORIZONTE – O Estado de S.Paulo

Minas Gerais tem uma questão particular e problemática no que se refere à arquitetura e ao urbanismo: ao mesmo tempo em que a mineração traz riqueza para o Estado mineiro – fato historicamente fundamental para a construção de algumas cidades que nasceram ao redor dessa prática -, o fim natural da atividade extrativa mineradora deixa seus locais, muitas vezes, como que à míngua, até em degradação. Uma pergunta surge: como reutilizar áreas de minas desativadas? Tema “difícil e político”, define o arquiteto uruguaio Rafael Viñoly, que integra questões como mineração, transformação de áreas, sustentabilidade e criação na paisagem, foi esse o foco das discussões da 4.ª edição do Arq.Futuro, realizado anteontem e ontem em Belo Horizonte.

Convidados internacionais, como os arquitetos Viñoly, o italiano Marco Casamonti e o japonês Shohei Shigematsu; e brasileiros como Maria Elisa Costa, filha do arquiteto e urbanista Lúcio Costa, e Flávio Carsalade, fizeram palestras e participaram de debates no Arq.Futuro Belo Horizonte, realizado em auditório da Escola Guignard. Já a experiência de estar no prédio em aço, vidro e concreto projetado por Gustavo Penna, também participante do evento, foi interessante – a construção no bairro de Mangabeiras da capital mineira, que tem em seu nome a homenagem a um dos principais pintores brasileiros e ao seu papel histórico na cidade, fica na base da Serra do Curral e é uma obra de destaque, mas hoje, um pouco abandonada.

“Em Minas Gerais e no mundo, o problema mineral é um problema ético, o de tirar e devolver. Melhor fazer essa reflexão em um local que tenha essa ferida aberta”, afirma Marco Casamonti. Em sua participação no Arq.Futuro, o italiano, com escritórios na Itália e na China – São Paulo também tem sido sua mirada -, destacou o projeto da Vinícola Antinori em San Casciano Val di Pesa, em Florença. Obra privada, de 75 milhões, é uma construção “integrada à natureza” e totalmente subterrânea, sob a vinha em uma colina – até o frio da terra é utilizado como fonte natural. “Arquitetura sustentável é tema de equilíbrio e os clientes devem entender que respeitar a natureza é uma operação de marketing extraordinária”, diz Casamonti, defensor da não separação entre público e privado. “É um pensamento moderno (a separação), uma visão ultrapassada, de antes do comunismo.”

Inversão. Mas no caso de Minas Gerais, como afirmou Flávio Carsalade, que foi presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico mineiro, a parceria com o Estado é fundamental para a recuperação da “paisagem cultural” do local afetada pela mineração. ”Inhotim (instituto cultural e museu a céu aberto em Brumadinho) foi criado em cercado de mineração e é um exemplo de reciclagem dessas áreas”, afirmou. Ele citou ainda os geoparques europeus como alternativas, mas como realizá-los, também, em parceria com as mineradoras?

É complexo pensar nesse futuro das minas, que têm “tempo de vida”. “O componente fundamental é entender qual a estrutura da inversão (da mina) e o retorno para o explorador mineiro? Não é difícil, mas deve ter uma maneira de encontrar um acordo entre a indústria e a cidade. Imagino que a implantação deva ser completamente privada, mas é a sobreposição público e privado a parte mais complicada”, opina Rafael Viñoly. Para ele, fundamentalmente, é a “transformação de paradigma de como a sociedade opera” que realmente importa. “A saída é encontrar outro combustível, recriar novas fontes, inventar materiais sustentáveis. O mercado mostrou que não é infalível.”

Viñoly, que se vislumbra com a nanotecnologia e a ciência e cita a criação da internet como um novo paradigma, entra no coro dos que acreditam ser o Brasil o “país do futuro”. Em sua palestra, ele não falou especificamente do problema da mineração – apesar de criar projetos de grande escala, nunca criou uma obra na “escala geográfica”. Viñoly, com escritórios em Nova York, onde vive há mais de 30 anos, e também em Londres e em Abu Dabi, apresentou três obras que considerou exemplos de “renovação”: “por mediação”, a reestruturação do Museu de Arte de Cleveland (EUA), em processo; “por contraste”, a criação, em 2009, do Firstsite Art Center de Colchester, que revitalizou área da cidade; e o teatro Curve de Leicester (ambos trabalhos realizados no Reino Unido).

O arquiteto uruguaio, que criou o complexo Tokio Internacional Forum, em 1996, citou a série de gravuras Caprichos, do pintor espanhol Goya, como um momento em que a arte da representação assume um papel social. E para Viñoly, arquitetura não pode ser moda – você terá de conviver com uma construção e não poderá descartá-la como uma camiseta que ninguém mais usa – ele brinca.

Mineração: Arq.Futuro – link da matéria; http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,minas-em-transformacao,957285,0.htm

Aécio Neves: PSDB se reafirma como oposição, diz em artigo

Aécio Neves: PSDB se reafirma como oposição. “O partido precisa agora entender o que disseram as urnas”, comentou o senador.

Aécio Neves: oposição e as eleições 2012

 Aécio Neves: PSDB se reafirma como oposição

Aécio Neves: PSDB se reafirma como oposição

Fonte: artigo senador Aécio Neves – Folha de S.Paulo

A verdade das urnas

Aécio Neves

Recentemente, me lembrei de uma citação folclórica que volta e meia é repetida no meio político e refere-se a uma proposta para encerrar a guerra do Vietnã nos anos 60, atribuída a um senador dos EUA.

A sugestão dele era que o presidente americano devia simplesmente declarar vitória, unilateralmente, e retirar as tropas daquele país do Sudeste Asiático, colocando um ponto final no confronto.

No plano das alegorias, é mais ou menos isso que o PT tenta fazer ao propagar que dizimou os adversários nas eleições municipais de 2012.

O fato de ter vencido em cidades importantes do país não autoriza o partido a generalizar o resultado. Pelo menos não com o amparo da realidade.

A principal característica das eleições municipais deste ano é a distribuição equilibrada entre os partidos que obtiveram as maiores votações. O PMDB foi o partido que elegeu o maior número de prefeitos, seguido pelo PSDB e pelo PT.

Mas, na política, a criatividade é grande e surgem análises de todos os tipos, prontas para atender o gosto do freguês. Há quem prefira somar o número das cidades sob o comando de cada legenda para apontar vencedores ou derrotados. Há aqueles que analisam resultados sob a ótica das alianças políticas e não das legendas isoladas. Quem não pode somar cidades, opta por somar a população a ser governada por um partido. Não falta, inclusive, quem, na ausência de ter o que contabilizar, defenda o caráter estratégico de suas conquistas.

Na verdade, o resultado político dessas eleições é muito mais complexo do que pode apontar esse tipo de análise. Talvez porque não exista um, mas diversos resultados.

Se a discussão em torno dos números não se mostra tão favorável ao PT como seus dirigentes se esforçam em demonstrar, há uma derrota política que certamente incomoda mais nesse momento ao Planalto.

Ao transformar algumas disputas em verdadeiros plebiscitos, o PT colheu a derrota direta do ex-presidente Lula ou da presidente Dilma em locais de forte simbolismo. Em Manaus e Salvador, assim como nas três principais cidades de MinasBelo Horizonte, Betim e Contagem -, de forma especial, o que prevaleceu foi o não ao PT.

Ao PSDB, cabe agradecer os 13,9 milhões de votos em nossos candidatos a prefeito, no primeiro turno das eleições, e 5,6 milhões, no segundo. Isso sem levar em consideração os incontáveis apoios que tivemos nas alianças firmadas com outros partidos pelo país afora.

Com erros e acertos, o PSDB reafirmou sua posição de principal polo de oposição no país. O partido precisa agora entender o que disseram as urnas. Inclusive o recado dos milhões de brasileiros que preferiram não votar, descrentes dapolítica.

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna.

Aécio Neves: oposição e as eleições 2012 Link da matéria: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/76133-a-verdade-das-urnas.shtml

Aecio: Copa 2014 e gestão eficiente no Mineirão

Aecio: Copa 2014 e gestão eficiente no Mineirão. Modelo de Gestão adota em Minas para as obras do estádio foi elogiado pela Fifa.

Aecio: Copa 2014 e gestão eficiente

Fonte: Jogo do Poder

Minas Gerais: “exemplo de integração e trabalho”

Secretário geral da FIFA é mais um a reconhecer a vanguarda do modelo de gestão implantado pelo Governo de Minas

 Aecio: Copa 2014 e gestão eficiente no Mineirão

Aecio: Copa 2014 e gestão eficiente no Mineirão. Modelo de Gestão adota em Minas para as obras do estádio foi elogiado pela Fifa.

A promessa de Aecio Neves, quando ainda era governador de Minas Gerais, de que as obras de modernização do estádio Magalhães Pinto, o Mineirão, estariam prontas ainda em 2012 está a um passo de se concretizar. E absolutamente dentro do prazo previsto: 21 de dezembro. E a forma como oGoverno de Minas soube conduzir o projeto em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte e com o Governo Federal foi tida como “exemplar” pelo secretário geral da FIFA, Jerome Valcke.

Mais do que estar com o cronograma absolutamente em dia – 84% das obras já estão concluídas faltando ainda três meses para o prazo final proposto -, o que chamou a atenção do diretor da FIFA foi o modelo de gestão que Minas Gerais adotou, onde, desde o planejamento, passando pelo financiamento e chegando à execução, houve uma sintonia fina entre Estado, município e União.

Ao afirmar que “Belo Horizonte é um exemplo de integração e trabalho”, Valcke confirma o que o então governador de Minas Gerais, Aecio Neves, em 2006, quando da decisão de lançar a capital mineira como candidata a sede da Copa de 2014, já destacava os diferenciais do Estado: atransparência na aplicação dos recursos públicos, a gestão eficiente e a abertura para parcerias, seja no campo público ou junto à iniciativa privada.

Em vistoria às obras do Mineirão, nesta terça-feira (16/10), o diretor da FIFA chegou a recomendar que as outras sedes da Copa do Mundo de 2014 se espelhassem em Minas Gerais tanto no que se refere às obras de modernização dos estádios quanto nos projetos de infraestrutura das cidades.

Em Belo Horizonte, por exemplo, cerca de 50 obras de mobilidade, segurança e infraestrutura urbana ficarão como legado da Copa do Mundo e da parceria que o Governo de Minas formou com a Prefeitura Municipal e a União.

Muitos foram os críticos ao então governador de Minas Gerais, Aecio Neves, quando lançava o desafio de colocar a “gestão eficiente”, o “Choque de Gestão” e a “profissionalização da máquina pública” nas discussões da agenda nacional. Para eles, isso não passava de peça de marketing sem efeito direto para a sociedade ou para o país.

Talvez agora, com o reconhecimento internacional e ao legado que o Governo de Minas deixará com o Mineirão e todas as obras de infraestrutura visando a Copa do Mundo, fique mais fácil para os críticos argumentarem.

Aecio: Copa 2014 e gestão eficiente

2014: gestão das obras do Mineirão é referência para Fifa

2014: gestão das obras do Mineirão é destaque. Secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, elogia gestão das obras pelo Governo Anastasia.

2014: Copa do Mundo e a gestão eficiente do Mineirão

Fonte: Agência Minas

 2014: gestão das obras do Mineirão é destaque

2014: gestão das obras do Mineirão é destaque. Secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, elogia gestão das obras pelo GovernoAnastasia.

Secretário-geral da FIFA destaca Mineirão como exemplo a ser seguido por outras sedes

Governador Anastasia acompanhou vistoria da FIFA, representada por Jérôme Valcke, e do Comitê Organizador Local, às obras do Mineirão

O governador Antonio Anastasia, acompanhado do secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, vistoriou, nesta terça-feira (16), as obras do Estádio Governador Magalhães Pinto, Mineirão. Faltam 66 dias para a conclusão das obras do estádio, 241 dias para a Copa das Confederações e 604 dias para a Copa de 2014.

“Estamos cumprindo rigorosamente o nosso cronograma e os encargos que foram determinados pela FIFA para a realização dos dois grandes momentos do futebol internacional. No ano que vem, a Copa das Confederações e, em 2014, a Copa do Mundo. Há um trabalho integrado, muito harmônico, entre o governo federal, o governo estadual e a prefeitura de Belo Horizonte, para desenvolvermos, em todos os aspectos, os compromissos assumidos com a FIFA”, disse o governador, convidando o secretário-geral da FIFA para a inauguração do Mineirão.

Jérôme Valcke foi recebido pelo governador, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, no Aeroporto da Pampulha. O governador, o prefeito e o secretário de Estado Extraordinário para Coordenação de Investimentos, Fuad Noman, fizeram um balanço do estágio das obras na capital mineira, incluindo as obras de mobilidade e de hotelaria.

Durante a vistoria ao Mineirão, o secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, afirmou estar impressionado com o andamento das obras do estádio.

“É muito bom ver que o Mineirão está quase pronto. Parabéns a todos. O Mineirão será entregue dentro do prazo e poucos estádios estão no prazo como ele. É um recado, inclusive, para outras sedes. Este estádio é importante para a FIFA, para o país e para Belo Horizonte. Estou impressionado. O Brasil pode jogar aqui as oitavas (Copa do Mundo) e a semifinal (Copa das Confederações) e milhões de pessoas assistirão aos jogos que serão realizados em Belo Horizonte. Eu já tinha ouvido falar bem dos mineiros, mas, hoje, pude comprovar que é verdade”, ressaltou Valcke.

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, também destacou o andamento das obras para a Copa no Estado. “Minas tem dois dos mais tradicionais times de futebol do Brasil e do mundo. Possui esse belo estádio, que agora transformado e adaptado para receber a Copa do Mundo e a Copa das Confederações. É, seguramente, uma das mais belas e uma das mais modernas arenas. Minas está com suas obras implantadas não somente no estádio, mas nas obras de mobilidade urbana”, disse.

Gramado começa a ser semeado

Os visitantes foram recebidos no campo pela mascote Tatu Bola que, pela primeira vez, participou de uma vistoria realizada pela FIFA. O governador e demais autoridades iniciaram o semeamento do gramado. Para cobrir o campo, a espécie escolhida foi a “Bermuda celebration”. Essa espécie é, atualmente, a mais indicada para gramados esportivos de clima tropical e é utilizada nos melhores campos de futebol do mundo. No Mineirão, serão usadas 60 mudas por metro quadrado, totalizando aproximadamente 540 mil mudas em toda área gramada. O gramado poderá ser utilizado num prazo de até 90 dias.

Cerca de 2.900 operários trabalham nas obras, que estão 84% concluídas. Atualmente, 99% dos pré-moldados e da arquibancada inferior, 99% do piso do estacionamento, 96% do piso da esplanada e 100% da fundação da via de integração do Mineirinho já foram concluídos. As treliças da cobertura já foram instaladas e já teve início a colocação da membrana.

Estão em execução as obras de infraestrutura elétrica e hidráulica e de drenagem, além da colocação das esquadrias de alumínio e dos vidros dos camarotes, da instalação dos guarda-corpos na área da esplanada e das estruturas que receberão as catracas.

Os próximos passos são o acabamento na área dos vestiários dos atletas; conclusão de instalação das cadeiras (50% já concluídas); e o início do trabalho de construção das calçadas e da implementação do paisagismo no entorno do estádio.

Capacidade para 64 mil

O estádio terá capacidade para 64 mil torcedores, espaço para cerca de 3.000 jornalistas durante a Copa, com estúdios, sala de conferência e área para entrevistas. O Mineirão é o único estádio no país com área externa com capacidade para 65 mil pessoas. A esplanada será ligada por passarela ao Mineirinho.

A área vip terá aproximadamente 11 mil m² e vai abrigar um restaurante com vista para o campo e 98 camarotes com 1.500 lugares. Terá ainda outros 3.500 assentos e será instalada a poucos metros do campo. O estacionamento terá 2.521 vagas para carros.

Raio X do Novo Mineirão

Assentos: 64 mil lugares

Esplanada: espaço no entorno do Mineirão com 80 mil m2 e capacidade para 65 mil pessoas

Área VIP e camarote: a área de quase 11 mil m2 vai abrigar um restaurante com vista para o campo e 80 camarotes com 1.500 lugares; já a área VIP terá cerca de 3,5 mil assentos a poucos metros do campo e lounges.

Estacionamento: 2.521 vagas para carros, sendo 1.534 vagas cobertas e 987 descobertas

Imprensa: capacidade para cerca de 3 mil jornalistas, com estúdios, sala de conferência e área para entrevistas.

Ligação Mineirão-Mineirinho: 15 m de largura

Comércio: uma área total de 7.064 m2, abrangendo tanto o interior quanto a esplanada externa

Museu dedicado ao futebol: espaço dedicado à preservação da memória do futebol.

Obra verde: o Mineirão pretende obter a certificação LEED, uma espécie de selo verde para a obra. Para isso, adota práticas ambientalmente sustentáveis.

Resíduos: reaproveitamento de 90% dos resíduos da obra

Madeira: reaproveitamento da madeira por artesãos mineiros para produção de arte popular.

Cobertura: placas fotovoltaicas vão captar energia solar e transformá-la em energia elétrica que será lançada na rede. A quantidade de energia é suficiente para atender 1.200 residências de médio porte.

Reaproveitamento da água de chuva: em um reservatório de aproximadamente 6 milhões de litros, quantidade suficiente para descargas dos sanitários, irrigação do gramado e jardins e limpeza das áreas externas por três meses. Com a economia gerada, em três anos haverá compensação financeira para esse investimento.

Copa 2014: Mineirão – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/multimidia/galerias/secretario-geral-da-fifa-destaca-mineirao-como-exemplo-a-ser-seguido-por-outras-sedes/

Aécio 2014: presidente Dilma e a vitória de Lacerda

Aécio 2014: presidente Dilma e a vitória de Lacerda. PT deu as costas para Minas mais uma vez, senador foi decisivo nas eleições em BH.

Aécio Neves 2014 e a presidente Dilma

Fonte: Jogo do poder

 Aécio 2014: presidente Dilma e a vitória de Lacerda

Aécio 2014: presidente Dilma e a vitória de Lacerda. PT deu as costas para Minas mais uma vez, senador foi decisivo nas eleições em BH. Foto Veja.com

Onde estava Dilma quando Aécio a derrotou em BH?

O PT tenta um ar blasé para minimizar a constatação de que Aécio Neves foi decisivo para que a PBH, depois de 20 anos, deixasse de ser a casa do PT em Minas Gerais.

Além da derrota no voto popular para Marcio Lacerda e o grupo do senador Aécio Neves, líderes de um grupo político que defende a gestão pública eficiente e transparente, a eleição para aPrefeitura de Belo Horizonte também deixou uma dezenas de questionamentos ao PT sem que o partido respondesse: “O PT foi oposição ou fez parte do Governo Marcio Lacerda em seu primeiro mandato?”; “Se Lacerda foi um prefeito ruim, como a campanha de Patrus pregou, por que o partido não tomou a decisão institucional de deixar os cargos que ocupava na prefeitura bem antes do embate eleitoral?”; “Por que Patrus, quando conselheiro da PBH na Gestão Marcio Lacerda, não fez as mesmas críticas que trouxe à tona durante a campanha eleitoral?”, entre outras indagações.

A principal delas, que, inclusive, a “mineira” Dilma Rousseff poderia ajudar seus conterrâneos do PT a responder:Aécio Neves foi responsável pela separação de Marcio Lacerda do PT e, consequentemente, de sua vitória sobre o candidato petista?”.

No início da campanha eleitoral, os petistas acusaram Aécio de tramar o rompimento do prefeito Marcio Lacerda com o PT, mesmo sendo público e recorrente o espernear do vice-prefeito petista, Roberto Carvalho, ao ponto de abrir críticas públicas à administração municipal, com o claro intuito de lutar por uma candidatura própria de seu partido.

Naquele momento, a tese de rompimento com a administração municipal, defendida por Roberto Carvalho, saiu vitoriosa. E em tom irônico, o PT creditava ao prefeito Marcio Lacerda a decisão de se aliar ao senador Aécio Neves e ao PSDB.

Foi preciso encomendar visitas-relâmpago do ex-presidente Lula e da presidenta Dilma a Minas Gerais para reforçar a imagem de que foi Lacerda quem se afastou do PT e buscou em Aécio apoio para se reeleger prefeito.

Agora, derrotados, com Lula e Dilma de costas mais uma vez para Minas Gerais, os petistas tentam um ar blasé para minimizar a derrota e a constatação evidente de que o senador Aécio Neves foi decisivo para que a Prefeitura de Belo Horizonte, depois de 20 anos, deixasse de ser a casa do PT em Minas Gerais.

Mesmo estando apenas poucas horas em Belo Horizonte durante os três meses da campanha eleitoral, o tempo foi suficiente para que a presidenta Dilma não precisasse deixar Minas Gerais para perceber que o senador Aécio Neves a derrotou ao levar Marcio Lacerda à reeleição.

Para sua sorte, Dilma vota em Porto Alegre.

Aécio Neves 2014Link do artigo – http://www.jogodopoder.com

Aécio 2014: senador critica postura da presidente Dilma

Aécio critica postura da presidente Dilma. Senador comentou que eleições de Lacerda é a aprovação do modelo de gestão iniciado em 2003.

Aécio: presidente 2014

Fonte: Do Hoje em Dia

“Nunca deixei de ser o que sou”, diz Aécio Neves em entrevista

Com discurso de presidenciável, o senador Aécio Neves (PSDB) criticou a postura da presidente Dilma Roussef (PT) – sua provável adversária em 2014 –, durante a campanha eleitoral. “Nesses últimos três meses de campanha, a presidente desconstruiu em parte a imagem que havia construído no primeiro ano e meio de governo. Da faxina, quando não misturava interesses do estado com os do partido, ao momento atual, em que distribui ministérios, promete diretorias na Petrobras”, atacou.

 Aécio critica postura da presidente Dilma

Aécio prepara estratégia para disputar a Presidência da República.

Em flerte com o PSB, maior fortalecido nessas eleições, o senador Aécio Neves fez questão de destacar que a reeleição de Marcio Lacerda só foi possível, em parte, graças a seu campo político. “A eleição deBelo Horizonte é emblemática, transborda os limites de Minas”, considerou.

Aécio concedeu, na terça-feira (9), entrevista em seu apartamento. Além de Minas e São Paulo, ele falou dos mensalões petista, tucano e de ataques pessoais. Antes, recebeu o prefeito Marcio e o presidente da Cemig, Djalma Morais.

O resultado em Belo Horizonte fortalece seu campo político ou o do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB)?

Senador Aécio Neves: A eleição do Marcio é em boa parte a aprovação de um projeto que está dando certo. Por lado, a aprovação do nosso modelo gestão. Porque ele, hoje, se insere num grupo político que está governando Minas há três mandatos. Praticamente 80% dos prefeitos de Minas estão na nossa base de apoio.

O que muda com a saída do PT da prefeitura?

Senador Aécio Neves: Permitirá uma oxigenada, vai gerar uma leveza maior para administrar. Ele (Marcio) não estará tão preso na questão de ocupação de espaço, que é uma marca do PT. Novecentos cargos em comissão indicados algo longo de sucessivos governos do PT foram se enraizando na prefeitura. Vai ser um governo de cara nova, metas, com avanços sociais ainda mais claros.

O PSDB está com dificuldades para encontrar um nome para o governo de Minas?

Senador Aécio Neves: Há dois anos antes da eleição do Anastasia havia também esse questionamento. O que venceu em Minas foi o êxito do governo. Um candidato com perfil ético, com sensibilidade administrativa e social, mas que represente esse campo, terá muitas chances.

Como contrapor a um governo da presidente Dilma Rousseff, que conta com mais de 60% de aprovação?

Senador Aécio Neves: A presidente resolveu participar do processo eleitoral e não teve êxito. Essa questão da aprovação não é a nossa preocupação. A nossa preocupação maior são as grandes questões que a gente vai levantar. Perdemos a capacidade de gerir obras porque o governo com sete anos de atraso não tem convicção necessária para desenvolver aeroportos, metrô, rodovias. O tempo não volta. Não aconteceu nada nesses primeiros dois anos e ela (Dilma) terá dificuldades de implementar esses avanços.

Acredita que julgamento do mensalão do PT vai influenciar no segundo turno, em especial em São Paulo?

Senador Aécio Neves: Não sei se será decisivo, mas bem ao PT não fará. E, ao contrário, fará um grande bem para o país. Acho que o Brasil muda de patamar. A questão da impunidade como regra absoluta não vai existir mais. Acho que a gente dá um salto de qualidade na vida pública. Se será decisivo na campanha não acredito, mas coloca na defensiva alguns atores da política que ao longo de suas histórias se consideravam os arautos da moralidade, os exclusivistas dos valores éticos.

Recentemente, o senhor disse desconhecer o processo do mensalão do PSDB. Depois, afirmou ser importante julgá-lo. Qual seu posicionamento?

Senador Aécio Neves: Não tenho informações sobre essas denúncias. Nunca fui incitado para falar sobre elas porque estava anos luz delas. O processo vai ser julgado. Aqueles que tiverem responsabilidade terão de responder.

A presidente Dilma criticou sua vida particular. Disse que você estava ‘na praia’ enquanto ela era perseguida pela ditadura. Isso lhe preocupa?

Senador Aécio Neves: Naquela época, na realidade, estava no jardim de infância aqui em Belo Horizonte. Acho que cada um usa as armas que tem que usar. Sou do jeito que sou, as pessoas me conhecem assim. Nunca deixei de ser a pessoa que sou para me transformar em um estereótipo.

Aécio: presidente 2014 – Link da matéria: http://www.hojeemdia.com.br/noticias/politica/nunca-deixei-de-ser-o-que-sou-diz-aecio-neves-em-entrevista-1.43585

Aécio presidente: De 2014, vamos cuidar somente em 2014

Aécio presidente: De 2014, nós vamos cuidar só em 2014. PSDB vai construir uma proposta alternativa mais ousada nos campos das grandes reformas.

Aécio: presidente 2014

Fonte: O Tempo

Entrevista com Aécio Neves

 Aécio presidente: De 2014, vamos cuidar somente em 2014

Aécio presidente: ‘De 2014, nós vamos cuidar somente em 2014′

Aécio diz que PSDB terá lado nas cidades com 2º turno

Qual é o balanço do desempenho do PSDB das eleições em Minas? O partido elencou algumas prioridades e entre essas cidades sofreu derrotas …

Aécio Neves – Primeiramente, quando você fala em uma análise eleitoral, você não pode restringi-la a um partido. Nós temos uma base muito ampla em Minas Gerais desde o meu governo. Nós apoiamos inúmeros candidatos dessa base no interior do Estado. Ontem, inclusive, fizemos uma reunião no Palácio das Mangabeiras com o governador e algumas lideranças políticas do Estado. A vitória da base de sustentação do governo chega perto de 85% do total das prefeituras do Estado. O PSDBcontinua sendo um partido majoritário em Minas Gerais. O resultado é uma confirmação da aprovação da população mineira a um modelo de gestão que foi implantado em 2003, depois que venci em 2002, e que se mantém vivo e sólido até hoje.

O senhor pode adiantar a posição do PSDB nessas quatro cidades que terão segundo turno?

Aécio Neves – Para não precipitar o processo, nós estamos ouvindo primeiro as lideranças locais do partido e dos candidatos que disputaram as eleições, mas a nossa ideia é termos posição nos quatro municípios.

OUÇA – Aécio Neves fala sobre os erros da campanha do PT na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte:

E em relação a Belo Horizonte …

Aécio NevesO resultado foi excepcional. O que ocorreu foi o segundo turno no primeiro. O momento em que o Palácio do Planalto intervém diretamente no processo eleitoral e retira uma candidatura colocada naquele instante, isso levou um movimento na mesma direção no nosso campo político. A polarização da eleição no primeiro turno foi, talvez, o primeiro equívoco daqueles que quiseram nacionalizar a campanha. Não podemos desprezar a força da presença da presidente da República, que tem uma avaliação muito alta. Foi um resultado extraordinário. Eu acho que o equívoco que o PT cometeu nesse processo e que o levou a mais essa derrota foi colocar em segundo plano o interesse de Belo Horizonte. Desconheceu que havia uma administração em Belo Horizonte em curso séria, bem-avaliada, com investimentos extremamente importantes. Então, nós colocamos o interesse de Belo Horizonte à frente. Eu não fiquei preocupado em contabilizar no meu mapa eleitoral mais um “x”, uma vitória do PSDB, mas, sim, uma vitória importante para Belo Horizonte.

OUÇA – Senador mineiro explica o seu apoio a Marcio Lacerda na prefeitura da capital mineira:

O PT saiu da aliança ou o PSDB o empurrou para fora dela?

Aécio NevesFoi o PT que saiu da aliança, mais uma vez por priorizar o interesse do PT. O PT saiu da aliança por um motivo fútil, porque queria eleger mais “x” vereadores. Ele queria que o PSB fizesse o papel que o PMDB se dispôs a fazer para ele nessa eleição, que foi abdicar de ter uma bancada. O PMDB praticamente desapareceu, elegeu apenas um vereador. Está comprovado, agora, que o PSB tinha razão. O PSB tem que constituir sua bancada para dar sustentação ao prefeito. O prefeito não pode ser chantageado o tempo inteiro por não ter uma bancada do seu partido minimamente sólida.

O senhor acredita que a administração de Belo Horizonte vai ter o perfil do PSDB?

Aécio NevesEu acho que ela será mais ágil e mais eficiente. O Marcio sempre reclamou muito das pressões internas que recebia, esse modo do PT de indicação de cargos a todo instante. Imagina o gabinete do vice-prefeito com 30 cargos comissionados. Nem lugar para sentar essas pessoas tinham. Me falam em mais de 900 cargos comissionados. Eu acho que o prefeito vai ter uma administração mais leve. Sempre fui defensor da tese de que se deve gastar menos com a estrutura, seja do Estado ou da prefeitura, para investir mais nas políticas públicas. Eu acho que o Marcio terá mais liberdade para fazer um governo mais meritório. Eu acho que ele pode fazer uma administração extraordinária porque ele não terá as amarras que teve até aqui.

O Marcio Lacerda se credencia para as eleições em 2014?

Aécio NevesIsso é precipitado dizer. O Marcio tem reafirmado seu interesse em ficar na administração municipal. Ele acaba de ser reeleito, então, é até um desrespeito com a população de Belo Horizonte antecipar essa questão. Agora, é preocupar em renovar a administração, estabelecer as novas metas, cuidar de Belo Horizonte. De 2014, nós vamos cuidar somente em 2014.

A eleição em Recife e aqui coloca o PSB em destaque dentro do quadro nacional. Como o senhor imagina que vai ser a relação do PSB com o PSDB em 2014?

Aécio NevesO PSDB tem uma aliança com o PSB em vários Estados e, talvez aqui, uma das mais sólidas, que é uma aliança natural, que não foi construída para ganhar uma aliança seja nacional, seja estadual. Desde minha primeira eleição, o PSB participa formalmente da nossa aliança, participa dos governos, participou da minha reeleição, participa com Anastasia. Nós apoiamos aqui, em Belo Horizonte, um candidato do PSB e temos várias outras alianças com o PSB no Estado. Mas, o PSB em nível nacional participa da aliança do governo. Seria indelicado da minha parte dizer que o PSB estaria no nosso campo amanhã. O PSDB vai construir uma proposta alternativa mais ousada nos campos das grandes reforma, das parcerias com o setor privado, alavancar os investimentos em infraestrutura. Quais serão os nossos aliados? O tempo é que vai dizer. Eu não posso dizer que alguém que está hoje na base vai vir para se juntar a nós. Quanto mais consistente for o nosso projeto, mais apoio eu acho que vai conquistar, inclusive da sociedade, não apenas dos partidos políticos. Eu tenho muita confiança de que o PSDB estará muito competitivo adiante.

Mas e sua relação com o governador Eduardo Campos?

Aécio NevesEu tenho do ponto de vista pessoal uma relação muito próxima com o Eduardo (Campos, presidente nacional do PSB). Nem sempre estamos no mesmo palanque, mas não é impossível que isso possa ocorrer lá na frente. O PSB vai saber, no tempo certo, a sua posição.

Em relação às eleições nacionais, o PSDB teve um desempenho bom?

Aécio NevesSim, e tem um fato que eu ressalto: o PSDB se restabeleceu no Nordeste e no Norte do Brasil. Se fizermos uma análise superficial, no Sul e no Centro-Oeste, nós sempre tivemos nas eleições nacionais um ótimo desempenho. Vencemos em todos esses Estados porque ali há um perfil de atividade econômica – produtores rurais em boa parte – que se aproxima mais da visão do PSDB. Mantivemos no Sudeste uma posição sólida nos dois maiores colégios eleitorais, em São Paulo e em Minas. Ganhamos em Belo Horizonte e estamos disputando agora em São Paulo, com reais chances. Mas tivemos um fracasso muito grande no Nordeste e no Norte nas últimas eleições. Nessa eleição municipal, nós já vencemos no primeiro turno em Maceió, com o PSDB, em Aracaju, com o Democratas. Estamos disputando Salvador, João Pessoa, Campina Grande, Teresina, São Luís e em outras capitais. No Norte, estamos disputando em Belém e em Manaus, e o PT não está nessas disputas. Houve aí o início do processo de reinserção da oposição no Nordeste, que eu reputo como o fato que mais me chamou a atenção. As oposições saem muito vivas dessas eleições e devem se preocupar, em 2013, de buscar uma nova interlocução com a sociedade, identificar os grandes gargalos que o Brasil tem e que levam ao crescimento pífio da economia.

Quais os equívocos do governo Dilma que podem ser diretriz do seu projeto de 2014?

Aécio Neves – O PT, desde lá de trás, acomodou-se. Abriu mão de ter uma projeto ousado para o país para se contentar com o projeto de poder. As grandes reformas não foram feitas. Nenhuma dessas questões foram enfrentadas. O governo do PT é pouco generoso com os Estados e os municípios e é ineficiente. Em relação a Minas, O PT tem uma dívida muito grande.

Aécio: presidente 2014 – Link da matéria: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=213499,OTE&IdCanal=1