Gestão Deficiente: Governo do PT deixa estradas mineiras sem recursos

Gestão Deficiente: Governo do PT reduz Orçamento de 2013. BR’s 381 e 040 ficam sem recursos. Alerta foi dado pelo Governador de Minas.

Gestão Deficiente: Governo do PT

Fonte: Hoje em Dia

 Gestão Deficiente: Estradas mineiras sem recursos

Gestão Deficiente: Governo do PT – O governador de Minas alertou para o corte de recursos para as estradas federais mineiras

Verba federal para obras rodoviárias em Minas só em 2014

Gestão Deficiente – Nem a duplicação das BR’s 381 e 040 nem Anel Rodoviário, muito menos o Rodoanel. Essas obras, tidas como prioritárias pelo governo estadual e as bancadas de deputados e senadores mineiros, não sairão do papel, se depender do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit).

Nenhuma delas está contemplada no orçamento do órgão enviado, junto as despesas da União, ao Congresso para o exercício de 2013. Isso significa que só haverá obras se a partir de 2014. O alerta foi dado, nessa segunda-feira (12), pela bancada federal mineira ao governador Antonio Anastasia (PSDB), durante reunião para tratar das prioridades estaduais nas chamadas emendas destinadas aos parlamentares junto ao orçamento federal.

Corte

Segundo o coordenador da bancada, deputado Fábio Ramalho (PV), houve um corte de R$ 800 milhões nos gastos que o Dnit pretendia para Minas em 2013. Esse corte aconteceu no momento em que a previsão de despesas com as obras foi encaminhada ao Ministério do Planejamento.

Inicialmente, segundo o parlamentar, estavam previstos R$ 2,1 bilhões ao Estado. Porém, a equipe econômica do governo federal fechou o orçamento em R$ 1,3 bilhão. “Foi cortado muito recurso para o Dnit. Vamos fazer um termo de bancada, uma exigência para que esses recursos voltem”, afirmou. Segundo ele, haverá reação por parte dos parlamentares.

Mesma preocupação demonstrou Anastasia. “O senador Clésio Andrade (PMDB) mostrou que a proposta que o Dnit fez para a equipe econômica sofreu cortes”, completou o governador.

Sem verba

Levantamento feito pelo Hoje em Dia, no projeto de lei orçamentária enviado pelo Ministério do Planejamento ao Congresso, mostra que não estão previstos recursos para as obras rodoviárias prioritárias. A duplicação da 381, por exemplo, foi anunciada há menos de um mês.

Já a modernização do Anel Rodoviário teve até edital de licitação lançado no mercado. Em convênio com o Estado, a União liberou o processo licitatório. O próprio Anastasia havia, ontem, afirmado que o governo federal faria as obras. Mas não é o que diz o orçamento do Dnit.

Os recursos analisados referem-se apenas ao montante destinado a obras, não inclui projetos executivos. O maior montante de dinheiro empregado no Estado será para a manutenção da malha viária. Serão R$ 700 milhões para 9.392 quilômetros de rodovias.

Gestão Deficiente: Governo do PT – Link da matéria: http://www.hojeemdia.com.br/noticias/politica/verba-federal-para-obras-rodoviarias-em-minas-so-em-2014-1.56200

PSDB cobra Dilma e Aécio rebate presidente

PSDB cobra Dilma e Aécio rebate presidente. Tucanos apontaram 13 ações do Governo do PT que consideram contrárias aos interesses de Minas.

PSDB aponta gestão deficiente do PT

Fonte: Estado de Minas e PSDB-MG

Declaração do senador Aécio Neves

“É lamentável ver que, até hoje, a presidente Dilma precisa gastar a maior parte do seu tempo tentando convencer os mineiros de que ela é mineira de fato. Ser mineiro vai muito além da certidão de nascimento. É preciso ter uma alma generosa e compromisso verdadeiro com o Estado. É injustificável que depois de 10 anos de governo do PT, questões essenciais para Minas, como os royalties de minério, o Anel Rodoviário, a BR-381 e o metrô ainda não tenham tido solução. Infelizmente, nesse caso, sou forçado a concordar com o ex-presidente Lula. Como ele já disse: “a gente tem uma gaúcha governando esse país…”

PSDB responde a Dilma

Partido aproveita visita da presidente para apresentar lista de cobranças

 PSDB cobra Dilma e Aécio rebate presidente

PSDB cobra Dilma e Aécio rebate presidente

O PSDB divulgou ontem carta destinada à presidente Dilma Rousseff (PT) questionando algumas decisões do governo federal nos últimos dois anos. Assinada pelos presidentes municipal e estadual do partido, João Leite e Marcus Pestana, respectivamente, os tucanos apontaram 13 medidas do Palácio do Planalto desde o final de 2010 que consideram contrárias aos interesses do estado. A mais recente foi o veto à emenda que revisava a base de cálculo para os royalties do minério e aumentaria em R$ 300 milhões a arrecadação anual dos municípios mineiros. Também foram citados atrasos em obras de grande importância para o estado, como a duplicação da BR-381 e da BR-040 e a revitalização do Anel Rodoviário.

Prezada presidente Dilma Rousseff,

Como não poderia deixar de ser, temos certeza que a senhora é muito bem-vinda em qualquer parte do Brasil, em especial aqui em Minas Gerias.

No entanto, acreditamos que, apesar de sua vinda ser motivada exclusivamente por interesses eleitorais, ela seria uma oportunidade importante para que seja esclarecido aos mineiros por que o governo federal vem, sistematicamente, de forma insistente e repetitiva, deixando de lado os interesses de Minas Gerais.
Por que, presidente?

PSDB

1. Royalties do minério: Por que até hoje, apesar de a senhora. ter assumido compromisso nos palanques de 2010, o governo federal do PT não enviou para o Congresso Nacional o novo marco regulatório da atividade mineral, o que dificulta o aumento dos royalties do minério, prejudicando enormemente Minas Gerais?

2. Fiat em Pernambuco: Por que no final do governo Lula – governo do qual a senhora foi chefe da Casa Civil – o presidente privilegiou o seu Estado natal em detrimento de outras regiões do país e deu incentivos fiscais especiais só para Pernambuco, o que fez com que a Fiat levasse para aquele estado a sua nova fábrica, tirando milhares de empregos dos mineiros?

3. Veto à emenda que tentou corrigir injustiça contra Minas: Uma grande articulação política levou à aprovação, na Câmara dos Deputados, de uma emenda garantindo aos municípios da área mineira da Sudene os mesmos benefícios que Lula deu para o seu estado natal. Por que, apesar de aprovada pela Câmara, a Sra. vetou a emenda, tirando dos municípios mais pobres de Minas uma grande oportunidade de desenvolvimento?

4. Polo acrílico da Petrobras: Por que o polo acrílico da Petrobras – empresa da qual a Sra. era presidente do Conselho de Administração – que seria construído na Região Metropolitana de Belo Horizonte, gerando milhares de empregos, depois de anunciado foi transferido para a Bahia, terra natal do então presidente da empresa, José Sergio Gabrielli, que será candidato ao governo daquele estado justamente pelo PT, em 2014?

5. Minas excluída de investimentos estratégicos: Por que o governo federal excluiu Minas de todos os investimentos estratégicos anunciados para os próximos anos? Documento utilizado pelo ministro Guido Mantega para apresentar os investimentos que serão feitos pelo governo federal para investidores estrangeiros transforma o nosso estado em uma ilha, abandonada sem qualquer atenção por parte do governo do PT.

6. Metrô fora dos trilhos: Por que há 10 anos no poder, o governo do PT não investiu na ampliação do metrô em BH? Os últimos investimentos foram feitos por Fernando Henrique Cardoso. Em 17/8/2003 o presidente Lula, afirmou: “O metrô de BH será prioridade do governo federal”. Até hoje continuamos esperando os recursos que ainda não chegaram. Enquanto isso, os recursos para o metrô de Porto Alegre, berço político da presidente, já foram liberados.

7. Anel Rodoviário: Por que tantos anos de abandono? O Anel Rodoviário é uma rodovia federal e enquanto ocorrem graves acidentes, continuamos esperando os recursos que não chegam.

8. Rodovia Federal 381, a “Rodovia da Morte“: Tida como uma das rodovias mais perigosas do Brasil, o governo federal vem prometendo fazer a obra que nunca acontece. Prometida no PAC desde 2008, por que a obra foi empurrada agora, de novo, para o futuro?

9. Duplicação da BR-040: Por que só agora, depois de 10 anos de reiteradas promessas de duplicação da BR-040, o governo anuncia pedágios e reconhece que não fará a obra como prometido?

10. Minas é colocada de lado no Minha casa, minha vida: Segunda etapa do programa do governo federal que constrói moradias populares vai atender apenas 1,6% do déficit habitacional do estado. Por que no ranking per capita somos um dos estados menos atendidos: o 21º?

11. Aeroporto de Confins: Por que o governo federal deixou o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, de fora das privatizações feitas para melhorar a infraestrutura dos aeroportos?

12. Recursos para socorro em períodos de enchentes: Por que à época da tragédia das chuvas fomos informados de que Minas foi preterida no repasse das verbas federais? “Um mineiro vale R$ 1,46 e um pernambucano vale R$ 160,97 para a Integração Nacional”, mostrou a imprensa.

13. UPPs: Por que a promessa de que seriam construídas 218 Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) em Minas Gerais foi simplesmente cancelada?

Por fim, presidente, nunca é pouco constatar e lamentar que, entre todos os seus 39 ministros, apenas um tem a sua história política em Minas Gerais, enquanto nove são ligados ao Rio Grande do Sul.
Constatações como essas dão, lamentavelmente, veracidade à fala do presidente Lula, que a saúda, na internet, como presidente gaúcha!

Esperamos que a senhora sempre venha a Minas Gerais, não apenas para fazer campanha eleitoral, mas também como presidente da República para atender aos verdadeiros anseios e demandas dos mineiros.
Atenciosamente,

PSDB

Marcus PestanaPresidente do PSDB de Minas Gerais

João LeitePresidente do PSDB de Belo Horizonte

Aécio critica Dilma, Lula diz que presidente é gaúcha

Aécio: “É lamentável ver que, até hoje, a presidente Dilma precise convencer os mineiros de que ela é mineira de fato.

Aécio: Dilma e Lula

Fonte: UOL Eleições

Aécio cita Lula para dizer que Dilma é gaúcha

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) divulgou nota que rebate as críticas da presidente Dilma Rousseff (PT) feitas durante comício do candidato do PT à Prefeitura de Belo Horizonte,Patrus Ananias, nesta quarta-feira (3). Dilma disse que nasceu em Minas Gerais e não pode ser chamada de “estrangeira”. O tucano, em declarações anteriores, reclamou a interferência da petista nas eleições na capital mineira.

 Aécio critica Dilma, Lula diz que presidente é gaúcha

O candidato do PT à Prefeitura de Belo Horizonte, Patrus Ananias (à dir.), recebe o apoio da presidente Dilma Rousseff (à esq.) no comício realizado na praça da Febem, no Barreiro, zona sul da capital mineira, na noite desta quarta-feira. No local, a presidente disparou ataques contra o senador Aécio Neves (PSDB).

“É lamentável ver que, até hoje, a presidente Dilma precisa gastar a maior parte do seu tempo tentando convencer os mineiros de que ela é mineira de fato. Ser mineiro vai muito além da certidão de nascimento. É preciso ter uma alma generosa e compromisso verdadeiro com o Estado”, afirmou Aécio na nota.

Segundo o tucano, “é injustificável que depois de 10 anos de governo do PT, questões essenciais para Minas, como os royalties de minério, o Anel Rodoviário, a BR-381 e o metrô ainda não tenham tido solução”.

“Infelizmente, nesse caso, sou forçado a concordar com o ex-presidente Lula. Como ele já disse: ‘a gente tem uma gaúcha governando esse país…”, disse Aécio.

PSDB cobra presidente

Ao mesmo tempo em que Dilma fazia seu discurso, o PSDB mineiro divulgou carta aberta a ela com cobranças de medidas que atendam a interesses de Minas Gerais. O documento é assinado pelos presidentes regional, deputado federal Marcus Pestana, e municipal do PSDB, o deputado estadual João Leite.

A carta cita dá acesso para um vídeo em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando pede votos para um prefeito no Rio Grande do Sul, se refere a Dilma como gaúcha.

Os tucanos dizem na carta que a presidente é “muito bem-vinda” em Minas, mas que, apesar da visita por motivos eleitorais a Belo Horizonte, ela poderia dar “explicações”.

“Seria uma oportunidade importante para que seja esclarecido aos mineiros porque o governo federal vem, sistematicamente, de forma insistente e repetitiva, deixando de lado os interesses de Minas Gerais“, apontou o texto.

A carta lista 13 tópicos com cobranças, como a instalação de uma fábrica da Fiat em Pernambuco, no final da gestão Lula, por causa de incentivos fiscais exclusivos, o veto ao aumento dos royalties da mineração e aos incentivos para o semiárido mineiro, metrô, duplicação de estradas e reforma do aeroporto de Confins.

“Constatações como essas, dão, lamentavelmente, veracidade à fala do presidente Lula, que a saúda, na internet, como presidente gaúcha! Esperamos que a senhora volte sempre a Minas, não apenas para fazer campanha eleitoral, mas também como presidente da República para atender aos verdadeiros anseios e demandas dos mineiros”, apontou a nota.

Link da matéria: http://eleicoes.uol.com.br/2012/noticias/2012/10/03/aecio-cita-lula-para-dizer-que-dilma-e-gaucha.htmink

PT em Minas: 13 motivos para não votar

PT em Minas: 13 motivos para não votar. Das muitas promessas feitas para os eleitores em Minas o Governo do PT não tem cumprido o que prometeu.

PT em Minas: Eleições 2012

Clique na imagem para ampliar o texto

 PT em Minas: 13 motivos para não votar

PT em Minas: 13 motivos para não votar. Veja como o partido dos trabalhadores tem tratado o Estado de Minas Gerais ao longo dos últimos anos.

1. Royalties! – Até hoje o governo do PT não enviou ao Congresso o marco regulatório da atividade mineral.

2. Exclusão! – O Ministério do Planejamento do Governo do PT exluiu Minas de todos os investimentos estratégicos

3. Esquecimento – Lula em 2010 tirou milhares de empregos da Fiat em Minas – veja o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=he9Dlr0EJug

4. Veto! – Dilma vetou emenda que garantia incentivos fiscais para os municípios mineiros na área da SUDENE.

5. Metrô Fora dos Trilhos! – Há 10 anos o Governo do PT não investe no Metrô de BH

6. Abandono do Anel Rodoviário! – Há mais de 10 anos Governo do PT não libera recursos para via que já matou centenas de pessoas.

7. Esquecimento da Rodovia da Morte! – A rodovia mais perigosa do país não recebe investimentos.

8. A novela da duplicação da BR-040! – Sem dinheiro para investir rodovia será privatizada – Veja: http://goo.gl/mT3zu

9.Minas é colocada de lado no Minas Casa, Minha Vida – Na segunda fase do programa vai atender a apenas 1,6% do déficit habitacional do estado.

10. Aeroporto de Cofins Excluído! Aeroporto ficou fora das privatizações do governo do PT.

11. Pólo Acrílico da Petrobras que se foi! Investimento que seria em Minas foi transferido para a Bahia, terra natal do antigo presidente da estatal.

12. 633 creches só na promessa! – Nenhuma creche entrou em operação.

13. UPPs de fantasia! Dilma prometeu construir 218 Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), até agora não fez nada.

PT em Minas: Eleições 2012

Aécio: senador espera que Dilma cumpra promessas

Aécio: “O governo federal apresenta poucos resultados e evita descentralizar, delegar a estados e municípios”, criticou o senador.

Aécio Neves: obras em Minas

Fonte: Assessoria de Imprensa do senador Aécio Neves 

Aécio Neves critica centralismo do governo federal

“O Brasil está deixando de ser uma Federação. Isso gera todo tipo de problemas. Atrasos, desvios, incompetência”, diz o senador

“O Brasil está deixando de ser uma Federação. Isso gera todo tipo de problemas. Atrasos, desvios, incompetência”, disse o senador Aécio Neves.

O senador Aécio Neves (PSDB/MG) criticou a postura do governo federal de não dividir recursos e responsabilidades com estados e municípios. Em entrevista, o senador disse que o centralismo do governo tem gerado atrasos em obras e investimentos importantes para o País.

As críticas do senador foram feitas ao comentar os anúncios de obras para Minas Gerais feitos recentemente pela presidente Dilma Rousseff. Aécio Neves afirmou esperar que os investimentos anunciados saiam do papel, embora sejam promessas já feitas pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, mas que não foram cumpridas.

“Quem hoje tem condições de fazer investimentos é o governo central, que concentra mais de 60% de tudo que se arrecada no Brasil. Isso tem sido perverso para o Brasil. Venho alertando para isso: o atraso para a tomada de decisões, a dificuldade que o governo federal tem em transferir para os estados essas responsabilidades. Esse centralismo decisório faz mal ao país. O Brasil está deixando de ser uma Federação, estamos nos transformando quase em um estado unitário, tamanha a concentração de receitas e de poder nas mãos da União. Isso gera todo tipo de problemas. Atrasos, desvios, incompetência. O governo federal apresenta poucos resultados e evita descentralizar, delegar a estados e municípios, algo que já poderia ter feito”, afirmou o senador Aécio Neves.

BR 381 e Anel Rodoviário

Dos R$ 4 bilhões prometidos pela presidente para obras de infraestrutura em Minas – a maior parte rodoviária – apenas R$ 17 milhões foram autorizados até o momento. Uma dessas obras é a duplicação da BR-381, no trecho entre Belo Horizonte e Governador Valadares. No entanto, as melhorias da chamada “Rodovia da Morte” ainda não tiveram projeto iniciado.

“São os mesmos compromissos reeditados, e com muito atraso. Eu, com o próprio ex-presidente Lula, conversei sobre isso inúmeras vezes. Estamos aí com o lançamento de um projeto, pelo menos um conjunto de boas intenções, que respeitamos, mas que precisa ser acompanhada a par e passo, porque as experiências que temos com o governo federal são de muitos anúncios e poucas obras. Esse projeto é algo para daqui a cinco, seis anos, estar efetivamente em obras”, disse.

Aécio Neves – Link da matéria: http://www.aecioneves.net.br

Dilma: Fiemg vê promessas com desconfiança

Fiemg: “Minas sabe bem de sua importância e os mineiros exigem que ela seja respeitada”, disse Olavo Machado sobre a falta de investimentos.

Dilma e as promessas

Dilma: Fiemg vê promessas com desconfiança

Dilma: Fiemg vê promessas com desconfiança

Compromisso de Dilma

Fonte: Olavo Machado – Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Sistema Fiemg) – Estado do Minas

A presença da presidente Dilma Rousseff em Belo Horizonte para anunciar investimentos em obras rodoviárias no estado representa, sem dúvida, um alento, mas exige da sociedade mineira rigoroso acompanhamento, uma vez que tais promessas já foram feitas outras vezes no passado, sem qualquer consequência objetiva. Resgatando as esperanças dos mineiros, a presidente anunciou investimentos de R$ 6 bilhões para a revitalização do Anel Rodoviário de Belo Horizonte, a construção do rodoanel e para a duplicação da BR-381, no trecho BH-Governador Valadares. São, todas elas, obras prioritárias para Minas Gerais do ponto de vista econômico e social.

Para a economia, são obras indispensáveis para facilitar o escoamento da produção das empresas mineiras e para o recebimento de insumos necessários à sua operação. Do ponto de vista social, a revitalização do Anel Rodoviário e a duplicação da BR-381são mais que fundamentais e urgentes, porque se converteram ao longo dos últimos anos em palco de grandes e graves acidentes, a ponto de serem chamadas “rodovias da morte”.

Apesar desse cenário que não admite mais postergação e promessas vãs, dos R$ 6 bilhões anunciados, foram liberados, de fato, apenas R$ 17 milhões para a elaboração do projeto executivo para as obras do Anel Rodoviário. E o cronograma anunciado no dia da visita presidencial – considerando os prazos para elaboração dos projetos de engenharia, licitações e execução das obras – demanda pelo menos mais seis anos. É um período longo demais e Minas, que tem sido preterida seguidamente na alocação de investimentos do governo federal, tem pressa e não está disposta a esperar tanto. Minas e os mineiros contam com a presidente Dilma para antecipar esse cronograma, o que é perfeitamente possível com a utilização da moderna engenharia e, sobretudo, de vontade política.

Minas, portanto, precisa se manter unida para cobrar e exigir o que lhe é de direito, como segundo estado mais populoso do país, segundo maior colégio eleitoral e uma das mais importantes economias brasileiras. Devemos nos unir em torno da Agenda de Convergência para o Desenvolvimento de Minas, documento que explicita a posição do estado em relação a programas e projetos estratégicos para a nossa economia e cuja viabilização depende do apoio e da ação do governo federal.

O modelo de construção dessa agenda, democrático e participativo, ressalta a união da sociedade mineira em torno dos interesses do estado. Nessa empreitada, mobilizadas e coesas, estão a classe política de Minas, sob a liderança do governador Antonio Anastasia e de nossos deputados e senadores, dirigentes das entidades empresariais representativas do setor produtivo, reitores das universidades e centros de conhecimento do estado, que se empenham para promover a inovação. 

O desenvolvimento tecnológico da economia mineira, e das entidades representativas de setores ligados ao Judiciário, como magistrados e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que lutam para implantar em nosso estado uma regional do Tribunal Federal de Recursos (TRF). O artigo “Minas merece mais“, do arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira Azevedo, publicado neste espaço, dia 15, sintetiza a união de Minas e dos mineiros.

De fato, a agenda tem algumas características que a diferenciam. Chegamos a um resultado alentador, com a seleção de projetos sinérgicos e que, de fato, têm o poder de transformar a economia mineira, promovendo o crescimento econômico com transformação e inclusão social. A agenda de Minas inclui projetos de investimento nas áreas da infraestrutura rodoviária, ferroviária, metroviária, saúde, segurança, economia do conhecimento e na articulação por mais investimentos das estatais no estado, especialmente da Petrobras.

Em essência, a agenda de Minas compreende as seguintes linhas de atuação: projetos de infraestrutura com recursos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) – integrais ou parciais; projetos de infraestrutura sem recursos do PAC ou do Orçamento Geral da União (OGU), que podem ser viabilizados mediante concessão ou parceria público-privada (PPP); projetos de educação, saúde, defesa social e cultura; prioridades específicas e projetos de investimento (Petrobras). Nessas linhas de ação estão projetos dos quais Minas e os mineiros não abrem mão e entre eles, mais uma vez, se destacam as obras do Anel Rodoviário e a duplicação da BR-381, no trecho BH-GV; o trem metropolitano (metrô), cujas obras se arrastam, à míngua de recursos; o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins (Grande BH) – excluído, sem razão, do programa de privatização implementado do governo federal e que vem recebendo “puxadinhos”.

Minas tem sua agenda e vai lutar por ela. O que a sociedade mineira deseja ver é a economia crescendo com sustentabilidade e prosperidade, com empresas competitivas e qualidade de vida para a população. Minas Gerais sabe bem de sua importância e os mineiros exigem que ela seja respeitada.

Dilma e as promessas para Minas – Link do artigo: http://impresso.em.com.br/app/noticia/cadernos/opiniao/2012/06/21/interna_opiniao,40313/compromisso-de-dilma.shtml

Aécio Neves: senador, líder da oposição, cobra obras em MG

Aécio Neves: senador, líder da oposição, cobra coerência e diz que obras do Anel são anunciadas agora são as mesmas já prometidas por Lula.

Aécio Neves: obras do anel rodoviário

Fonte: Assessoria de Imprensa do senador Aécio Neves

Aécio cobra do governo federal que obras rodoviárias prometidas saiam do papel

“Vamos acompanhar dia a dia para que essas boas intenções anunciadas pela presidente da República se transformem, de fato, em investimentos”, diz Aécio

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) destacou, nesta terça-feira (12/06), a importância do ato de transferência para o Governo de Minas da coordenação das obras de reforma do Anel Rodoviário de Belo Horizonte. O ato foi assinado pela presidente Dilma Rousseff, e pelo governador Antonio Anastasia, sete anos depois de as obras terem sido prometidas pelo então presidente Lula.

Na solenidade de hoje, no Palácio da Liberdade, a presidente Dilma prometeu R$ 4 bilhões para as obras de reforma do Anel Rodoviário, construção do Rodoanel e duplicação das pistas da BR-381 entre Belo Horizonte e Governador Valadares, no Vale do Rio Doce. Desse total, apenas R$ 17 milhões foram autorizados hoje para elaboração do projeto executivo das obras no Anel.

“Todo anúncio de obras em Minas Gerais deve ser muito bem-visto. Mas, o que temos que ressaltar e alertar é que as obras anunciadas agora pela presidente da República são aquelas mesmas anunciadas lá atrás pelo presidente Lula e que ainda estão no papel. Não podemos permitir que apenas as boas intenções prevaleçam, em detrimento dos investimentos que não têm vindo para Minas Gerais”, disse o senador.

Aécio Neves acrescentou que a liberação dos recursos federais e a realização dos investimentos prometidos devem ser acompanhados dia a dia.

“Vamos acompanhar a par e passo, dia a dia, para que essas boas intenções anunciadas pela presidente da República se transformem, de fato, em investimentos que visem a minimizar as mortes e a tragédia que viraram, principalmente, as rodovias mineiras”, disse. Um total de 3 mil acidentes ocorreram no Anel Rodoviário de BH ano passado, com 33 mortes. Apenas no primeiro semestre deste ano, já somam 12 mortes. Cerca de 130 mil motoristas transitam diariamente pelo anel.

O ato assinada nesta terça-feira, o governo federal transferiu para o governo de Minas a coordenação do projeto executivo e das obras de reforma do Anel. Serão repassados pelo governo federal R$ 17 milhões para a elaboração do projeto executivo. Após o processo de licitação está prevista a liberação de R$ 1,5 bilhão.

Já na construção de um novo contorno rodoviário para a capital (Rodoanel), o governo federal anunciou a intenção de investir em parceria com o Governo de Minas e com a prefeitura de Belo Horizonte.

Ausência de investimentos

Aécio Neves também criticou o baixo nível de investimentos realizados pelo governo federal em Minas. O senador disse que o Estado é um dos que menos recebe retorno pela contribuição dada ao País.

“Minas vem sendo, ao longo dos últimos anos dos governos do PT, um dos estados que proporcionalmente ao que contribui para o Brasil menos recebe de retorno em investimentos. Ao contrário, pagamos dívidas extremamente sufocantes e as nossas questões estruturais, seja na área rodoviária, seja nos nossos aeroportos, e mesmo na área da saúde e da educação, continuam extremamente graves”, afirmou o senador Aécio.

Aécio Neves – link da matéria: http://www.aecioneves.net.br/2012/06/aecio-cobra-do-governo-federal-que-obras-rodoviarias-prometidas-saiam-do-papel/

Anel Rodoviário: Dilma firma parceria com Anastasia

Anel Rodoviário: Depois das suspeitas lançadas pelo TCE sobre o DNIT, Governo Anastasia assume elaboração do projeto executivo.

 Anel Rodoviário: novo projeto de reformulação

Fonte: Agência Minas 

Governador AOpçõesnastasia e presidente Dilma assinam acordo para elaboração do projeto de revitalização do Anel Rodoviário

Projeto contemplará a revitalização da pista; parceria entre Estado e União também trará investimentos para outras rodovias mineiras
Anel Rodoviário: Dilma firma parceria com Anastasia

Anel Rodoviário: Dilma firma parceria com Anastasia

O governador Antonio Anastasia e a presidente Dilma Rousseff presidiram, nesta terça-feira (12), no Palácio da Liberdade, a cerimônia de assinatura de termo de compromisso para a elaboração do projeto executivo das obras de reformulação e modernização do Anel Rodoviário de Belo Horizonte. O documento, assinado pelos diretores-geral do DER-MG, José Elcio Monteze, e do Dnit, general Jorge Ernesto Fraxe, prevê repasse pelo governo federal de R$ 17 milhões para que o Governo de Minas elabore e licite o projeto executivo.

Para a execução da obra, também sob responsabilidade do Governo de Minas, será repassado cerca de R$ 1,5 bilhão. O início das obras dependerá do processo de licitação do projeto de engenharia.

Segundo o Ministério dos Transportes, o projeto contemplará a construção de 12 trincheiras e 18 viadutos, além da troca de pavimentação dos 27,3 quilômetros da via. As cerca de 3.500 famílias que residem no entorno do corredor viário serão indenizadas para a construção de vias laterais, informou o órgão federal.

Avenida Metropolitana

O governador Antonio Anastasia disse que o novo Anel Rodoviário dará mais segurança aos motoristas e trará mais desenvolvimento para a Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“Não se tratará de mera reforma, podemos dizer que é construção nova de uma obra monumental, de primeiro mundo, que trará não só mais segurança, que é tão necessária, e mais mobilidade, mas também trará desenvolvimento, inclusão, prosperidade, empregos e oportunidades, porque ao redor dessa majestosa avenida metropolitana que será totalmente construída, certamente teremos oportunidades ímpares para criação de novas empresas e novos focos de desenvolvimento e de indústrias”, afirmou Anastasia.

Anastasia ressaltou, em seu pronunciamento, a importância da parceria do Governo de Minas com a União, lembrando ainda que a obra é uma reivindicação não só do povo mineiro, mas de todo o Brasil.

“Quero destacar o ato de grandeza do governo federal, em primeiro lugar, ao delegar o projeto da execução da obra do Anel Rodoviário de Belo Horizonte para execução pelo Estado, que é reivindicada há décadas pela população não só da capital, mas também de toda a região metropolitana e de todo o Estado. Poderia dizer até do Brasil, porque aqui passam veículos que cruzam nosso país de Norte a Sul”, completou.

Histórico

O Anel Rodoviário Celso de Mello Azevedo foi construído na década de 1950 com objetivo de desviar o tráfego pesado da região urbana de Belo Horizonte. Com o crescimento da capital, ele foi inserido no sistema viário urbano. A última intervenção para melhorias da via ocorreu em 2006.

Como uma importante artéria, o Anel Rodoviário recebe o tráfego do Centro Oeste do país, seja via BR-262 (Triângulo Mineiro, Mato Grosso e Goiás), seja via BR-040 (Distrito Federal, Goiás e Tocantins), em direção ao Rio de Janeiro, ou ao pólo ferrífero (BR-381 na direção de Governador Valadares), sendo que ocorre o mesmo no sentido inverso.  Soma-se, ainda, o tráfego pesado de São Paulo em direção ao norte de Minas Gerais e do País. Além disso, parte importante da produção industrial e agrícola do Estado trafega no Anel em direção aos portos de Santos e Sepetiba.

Parceria Estratégica

A presidente Dilma Rousseff disse, em seu pronunciamento, que a característica da via, por estar em uma área urbana, permite que o governo federal transfira para o Governo de Minas a responsabilidade pela execução das obras.

“Eu, de fato, tive essa iniciativa de passar essa obra para o Estado de Minas Gerais por reconhecer a característica urbana dela. Apesar de ser feita numa rodovia, é uma rodovia que foi feita numa época que, de fato, tratava-se de uma rodovia nos limites da cidade. Hoje, uma parte significativa desse anel é uma avenida dessa cidade. Mostra não só o imenso crescimento que Belo Horizonte teve nos últimos anos como também a necessidade de que essas parcerias federais, estaduais e municipais ocorram. Não estamos fazendo aqui uma reforma, estamos construindo vias adequadas”, afirmou.

Dilma Rousseff considera o governador Anastasia “um parceiro de qualidade”, o que facilita o desenvolvimento de projetos da grandeza do novo Anel Rodoviário.

“Eu tenho no (governador) Anastasia um parceiro. E tenho certeza que o Anastasia é um grande político brasileiro, com noção de país. Ele é um dos parceiros estratégicos para o Brasil ter pernas próprias para enfrentar essa crise. Eu conto com o governador Anastasia e com o prefeito Marcio Lacerda para que nós, juntos, façamos estes projetos e continuemos mantendo a taxa de investimento sempre em crescimento”, completou.

Rodoanel

A presidente da República anunciou que, em parceria com o Governo de Minas e a Prefeitura de Belo Horizonte, o governo federal vai investir na construção do “Rodoanel Mineiro”, que terá três alças nas direções Norte, Sul e Leste, ligando as principais cidades da região metropolitana e desafogando o tráfego no anel rodoviário.

“Temos a decisão de fazer o Rodoanel. Estamos nos dispondo a fazer uma parceria entre o Estado, a prefeitura e o governo federal para a obra. O prefeito Marcio Lacerda entra com o projeto da parte Leste, o governo federal entra com o projeto e obviamente vai arcar com os custos da construção do setor Sul e do financiamento do trecho Leste. E o governador Anastasia fará, através de um modelo de PPP (Parceria Público-Privada), o trecho Norte. Nessa divisão é possível fazer o Rodoanel em um tempo rápido. Acredito que essa seja a grande iniciativa que podemos dar a essa parceria sempre bem sucedida quando se aliam Estado, município e a União. Só é possível no Brasil uma ação efetiva, no sentido de superar alguns gargalos e problemas, se tivermos essa visão integrada”, concluiu .

Duplicação da BR-381

Segundo o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, as obras de duplicação da BR-381, sentido Governador Valadares, na região do Rio Doce, devem começar no início de 2013. A expectativa é de que a licitação da obra seja lançada em setembro próximo.

“Estamos desenvolvendo e concluindo os projetos executivos nos meses de junho e julho, porque não queremos e nem faremos coisas açodadas. Tenham certeza que até setembro colocaremos na rua a licitação da duplicação da BR-381”, garantiu.

Segundo ele, as obras de modernização do Anel Rodoviário, de construção do Rodoanel mineiro e a duplicação da BR-381 devem exigir investimentos de cerca de R$ 6 bilhões.

Também participaram da solenidade o vice-governador Alberto Pinto Coelho; a ministra das Comunicações, Helena Chagas; o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel; o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles; o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, e os senadores Clésio Andrade e Zezé Perrela.

Anel Rodoviário – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-anastasia-e-presidente-dilma-assinam-acordo-para-elaboracao-do-projeto-de-revitalizacao-do-anel-rodoviario/

Anel Rodoviário: Governo Anastasia assumirá obra

Anel Rodoviário: Problemas de gerenciamento do DNIt faz Governo Dilma repassar gestão do projeto para o Governo de Minas por meio do DER/MG.

Anel Rodoviário: Governo de Minas

Anel Rodoviário: Governo Anastasia assumirá obra

Anel Rodoviário: Governo Anastasia assumirá obra

Fonte: O Tempo

Suspenso há um ano, projeto do Anel, enfim, sairá do papel

O projeto da tão esperada revitalização do Anel Rodoviário, necessária para conter o intenso número de acidentes e congestionamentos no local, será finalmente retomado. O secretário de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles, informou que a presidente Dilma Rousseff virá a Minas nos próximos dias para assinar a liberação da verba de R$ 17 milhões. O dinheiro será usado na elaboração do novo projeto executivo da obra, já que o primeiro foi suspenso pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por indícios de superfaturamento. A obra, de fato, deverá começar só daqui a um ano.

A visita da presidente, garantiu o secretário, deverá ocorrer na primeira quinzena de junho. Ontem, a assessoria de imprensa da Secretaria-Geral da Presidência informou, porém, que ainda não há data exata confirmada.

Além de liberar o recurso, Dilma Rousseff assinará um termo de compromisso com o Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER), órgão ligado ao governo do Estado, que passa a assumir a responsabilidade sobre a obra, até então delegada ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Segundo Melles, era para a presidente ter oficializado a parceria e entregue o dinheiro em sua visita a Minas, no último dia 11, quando inaugurou obras do Minha Casa, Minha Vida. No entanto, como o governador Antonio Anastasia estava em viagem à Itália, os compromissos foram adiados. “A nossa expectativa, agora, é que a verba seja liberada na primeira quinzena de junho”, afirmou. A obra do Anel promete trazer algumas soluções emergenciais, com a criação de vias marginais, alargamento de pistas, criação de pelo menos oito passarelas para pedestres, além do reassentamento de cerca de 2.600 famílias que vivem ao longo dos 26,5 km de rodovia.

O projeto de melhorias está suspenso há um ano, quando surgiram as suspeitas do TCU de superfaturamento por parte da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), que fez o planejamento da obra.

Com o cancelamento do edital e o repasse da obra ao DER, será necessário abrir novamente a licitação para a elaboração do novo projeto executivo. Em reunião com políticos mineiros ontem à tarde, em Brasília, o diretor-geral do Dnit, general Jorge Fraxe, confirmou que a licitação será mesmo transferida para Minas nas próximas duas semanas. Há a possibilidade ainda de o convênio ser firmado em Brasília, com a presença do governador Antonio Anastasia. (Com Joelmir Tavares)

Betim
Moradores pedem melhorias em estrada

Após protesto no início do mês para solicitar melhorias na estrada do Contorno, que liga os municípios de Betim e Ibirité, na região metropolitana da capital, moradores da região se reuniram ontem com autoridades locais em busca de melhorias. Eles reclamam dos buracos e da falta de sinalização na via, onde há grande circulação de carretas e veículos de empresas como a Petrobras, instalada nas imediações.

A audiência pública foi realizada na Escola Municipal Valério Ferreira Palhares, em Ibirité, e reuniu cerca de 150 pessoas, a maioria estudantes do colégio. Na mesa de autoridades estavam representantes das secretarias municipais de Obras de Betim e Ibirité e da empresa Ibiritermo, além dos deputados Celinho do Sinttrocel e Carlim Moura, ambos do PC do B. “Todos prometerem unir esforços para atender nosso pedido. Vamos acompanhar e cobrar soluções”, afirmou o líder comunitário Sebastião Luciano Rodrigues Bessa, 27.

Segundo ele, de dois anos para cá, já houve mais de 20 acidentes na estrada do Contorno. “A rodovia é muito perigosa. Serve para passagem de caminhões pesados, mas já virou via de acesso rápido”.

Anel Rodoviário – Link da matéria:  http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=204489,OTE&IdCanal=6