Inflação: Tolerância zero, artigo de Aécio Neves

Inflação: governo do PT perdeu o controle da escalada inflacionária. Impacto é maior entre as famílias mais pobres.

Inflação: Governo Dilma

Fonte: Folha de S.Paulo

Tolerância zero

Aécio Neves 

Não dá mais para tentar esconder a escalada da inflação, como insiste em fazer o governo federal, tratando-a como se fosse um parente incômodo atrapalhando a festa da família.

Os fatos estão aí, incontestáveis. O Dieese apontou que os preços dos gêneros alimentícios essenciais continuaram em alta e subiram em 16 das 18 capitais, onde o órgão faz pesquisa sobre a cesta básica.

Ligado aos sindicatos de trabalhadores, o Dieese é 100% insuspeito de alarmismo para assustar a população, atitude que os petistas teimam em atribuir à oposição.

A alimentação no domicílio saltou cerca de 14% em 12 meses. O bom humor dos brasileiros fez a disparada do preço do tomate virar piada nacional. Mas podia ser a farinha de mandioca, que teve crescimento de 151% em um ano.

O impacto é maior entre as famílias mais pobres. Elas gastam do seu orçamento com comida e bebida bem mais que as famílias mais ricas.

Para ampliar a lista de notícias ruins, a inflação anual registrada em março, de 6,59%, estourou o teto da meta, fixada em 4,5%, com margem de dois pontos percentuais.

Confirmou-se também que a pressão maior veio dos alimentos. No trimestre, tomate, cebola e cenoura foram as altas de destaque, 60,9%, 54,9% e 53,3%, respectivamente.

Em boa parte, o descontrole nos preços está associado à forma equivocada como o governo federal gasta, a começar pela máquina administrativa em permanente regime de engorda.

A irresponsabilidade fiscal tem consequências maléficas. O país precisa se afastar, com urgência, do projeto anacrônico de inchaço estatal, reconhecidamente fracassado no planeta.

Cultiva-se uma farta distribuição de privilégios, movida com recursos públicos. Predomina a manipulação de setores importantes da economia para fins meramente políticos e partidários.

Ninguém sabe quanto custarão ao Tesouro Nacional as perdas da Petrobras e da Eletrobras, resultantes da má gestão. Ou do BNDES e da Caixa Econômica Federal para socorrer projetos empresariais de acerto duvidoso.

PT sempre foi permissivo com a inflação. Basta lembrar que se posicionou contra o Plano Real, instrumento que derrotou a inflação e fez o país entrar numa era de prosperidade.

Os mais jovens não conheceram os dias difíceis vividos pela geração de seus pais e avós nos anos 80 e 90, quando os preços mudavam todos os dias nos supermercados e alcançavam a estratosfera.

Inaugurada pelo Plano Real, a estabilidade econômica converteu-se em patrimônio de todos os brasileiros e não pode ser colocada sob ameaça.

É senso comum que a marcha da inflação sacrifica os mais pobres, em primeiro lugar. Por isso, para nós, a receita é uma só: com a inflação, a tolerância é zero.

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna.

Anúncios

Aécio Neves 2014: Dilma começa a se enrolar na própria teia?

Aécio Neves 2014: PSD se nega a integrar base de Dilma, mas ação pode fazer parte de plano dos próprios marqueteiros do PT.

Aécio Neves: Eleições 2014

Fonte: Blog Aécio Senador

Senador Aécio Neves: lider da oposiçâo

Não deixar – e se possível, diminuir – espaços para novas alianças partidárias em 2014 para Aécio Neves. Esse é o evidente objetivo da “reforma ministerial” que a presidente Dilma Rousseff prepara para hoje. Longe de qualquer interesse em melhor servir à população. Mas o plano parece começar a ruir de dentro para fora (ou será que é uma simples estratégia para desviar o foco?).

Estrategicamente para Dilma ou para o próprio PSD, o presidente do partido e ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, um dia antes do prometido anúncio da troca de ministros, concede entrevista nebulosa: “Deixei claro que a gente não quer participar do governo, é uma decisão do partido. Participar do governo significaria ser da base, mas muita gente no partido não votou na Dilma. Eu, por exemplo, não votei nela”, disse Kassab sobre seu encontro com a presidente na última quarta-feira. Uma atitude de rompimento? Um sinal de que o PSD pode estar batendo asas para outras candidaturas em 2014 como a de Aécio Neves ou de Eduardo Campos (PSB)?

Muita calma nesta hora, porque vejamos o complemento da declaração de Kassab: “Mas não há problemas de proximidade. Imagina se não está próximo um partido que, espontaneamente, por entender que ela é uma boa presidente, caminha para apoiar sua reeleição”.

Ou seja, o PSD vai, mas não vai (!?). Quer ser governo, mas não aceita a oferta. Ou aceitou e finge ser blasé.

De um lado, os oposicionistas ao Governo Dilma poderiam estar vibrando com a notícia, pois seria mais um sinal da incompetência da presidente em formar alianças espontâneas em torno de seu nome. Um caso crônico de “compra de amigos” que o PT possui desde a época do Mensalão.

Mas a análise ainda não pode ser tão rasteira. Os marqueteiros e gurus de Dilma sabem que o caráter eleitoral da reforma ministerial e a obsessão por enfraquecer Aécio Neves já estão tomando uma proporção perigosa, a ponto de, em breve, ser visto negativamente pela própria população.

O jogo eleitoral foi antecipado pelo PT, que julgou ser isso necessário para fortalecer o arco de alianças em torno da campanha pela reeleição de Dilma. A partir de agora, cada movimento deve ser analisado com desconfiança, pois se é um jogo, os petistas não irão deixar tão claras como parecem suas estratégias para enfrentar – em 2014 – Aécio Neves.

Andrea Neves: conheça o perfil da presidente do Servas

Andrea Neves: jornalista e presidente do Servas, irmã de Aécio e neta de Tancredo Neves, mostra que não há uma só, mas várias Andreas.

Andrea Neves: biografia

Fonte: Revista Season, abril de 2012

Há quase um ano a Revista Season publicou uma matéria especial com o perfil de Andrea Nevespresidente do Servas, e irmã de Aécio Neves. A entrevista foi publicada três meses depois ao lançamento do Blog Andrea Neves que mostrou um pouco mais do perfil da jornalista que se transforma em várias Andreas. À frente do Servasdesde o primeiro mandato de Aécio Neves em 2003, a ONG se transformou em referência nacional em projetos de responsabilidade social. Destaque para o Plug Minas que mantém projetos que ajudam a transformar Minas e que já recebeu as visitas de XuxaGabriel, o pensadorViviane Senna e Danielle Miterrand entre outros.

As várias Andreas

 Andrea Neves: conheça o perfil da presidente do Servas

Andrea Neves, presidente do Servas.

Como transformar memória em travesseiro suave, em agulha fina e precisa? Como refazer caminhos, observar um tijolo e outro e mais outro, olhar a construção, parar, pensar, expor detalhes da obra que poucos tiveram acesso ao longo dos anos? Que detalhes são esses, tão à mostra? Perguntas a serem feitas por quem entra no blog de Andrea Neves, lançado no início deste ano de 2012. Para quem só escuta falar de Andrea Neves, mas nunca teve oportunidade de conhecê-la um pouco mais de perto, o blog é uma surpresa agradável. Tempestade e suavidade rimam com essa mulher, que se define como tímida e fechada e é, ao mesmo tempo, tão mitificada. Aqui, a jornalista e presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), irmã de Aécio e neta de Tancredo Neves, mostra que não há uma só, mas várias Andreas. Todas muito intensas e todas muito diferentes entre si, como ela mesma diz: “Em cada época da vida, a gente pode ser uma e pode ser várias em uma vida só.”

Muitas pessoas que não te conhecem pessoalmente costumam ter uma ideia formada de que você teria um perfil frio e calculista ou mesmo da Andrea que tem o poder. Essa Andrea é real? Como você lida com isso?

Andrea Neves – Eu, por temperamento, sempre fui uma pessoa muito fechada. Como sou mais tímida, acho que tem gente que confunde um pouco esse distanciamento. O fato de eu não frequentar muito os lugares, geralmente é interpretado de forma diferente do que realmente é a motivação de eu ser assim. Aqui no Servas, depois de anos, recebi dois comentários muito engraçados. A primeira pessoa disse o seguinte: “Nossa! Você é tão normal!” (risos). E outra me disse assim: “Eu queria te falar uma coisa: você é tão simplesinha” (mais risos). Cria-se um mito em torno da gente, da mulher que tem espaço, que decide. Às vezes eu leio uma reportagem dizendo “Andreaque tem o poder” e isso é tão distante da minha realidade pessoal. E eu acho, muitas vezes, que as pessoas tem essa imagem talvez por uma falha minha mesmo. De não ter tido o cuidado de me apresentar mais, de conviver mais com um número maior de pessoas.

E você já imaginou que o seu blog estaria cumprindo essa lacuna de alguma forma?

Andrea Neves – Não foi nisso que eu pensei inicialmente, mas vou ficar feliz se isso acontecer, se estiver acontecendo. Se alguém tiver curiosidade sobre o meu trabalho, sobre me ver como eu sou, vai ser mais uma razão para eu ficar contente com o blog.

E quando foi que você resolveu que estava na hora de ter um blog para chamar de seu?

Andrea Neves – Eu sempre escutei, durante anos, as pessoas falando, “você tem que fazer um blog”. Mas quando elas falavam isso, geralmente imaginavam que eu deveria fazer ou um blog sobre política, ou um blog sobre o terceiro setor, sobre trabalho social, sobre o Servas. Então, quando eu resolvi fazer, expliquei para os amigos que não seria nem sobre política, nem pra ficar me remetendo exclusivamente ao Servas, sobre os projetos do Servas. E aí ninguém entendeu nada. Ficou aquela perplexidade… “então, sobre o que você vai falar?”.

Bom, agora, qualquer pessoa, quando entra no seu blog, tem a chance de conhecer um lado seu, que se ela não for do seu convívio, jamais teria essa chance.

Andrea Neves – Também não pensei nisso. O que comecei a sentir é que faltava um espaço que pudesse ser o meu espaço de organização interna, de afetos, de memórias, de experiências, de reencontrar com pessoas que não tenho mais contato. Acaba que, com o meu trabalho, fico refém de conviver com pessoas que dividem comigo o mesmo espaço profissional. Eu acho que o mundo, especialmente pra gente que é mulher, ganhou uma velocidade tão grande, a gente responde a tantas demandas o dia inteiro, tem que olhar o café que acabou em casa, a escola da filha, o trabalho… A gente passa o tempo todo quase que reagindo à demanda dos outros.

Seu blog funciona então como um diário dos tempos modernos?

Andrea Neves – Acho que é isso mesmo. Eu sou uma pessoa que chegou atrasada na rede. Eu, até poucos anos atrás, não tinha nem e-mail. Mas hoje eu percebo essa dimensão que as pessoas me afalavam antes e que eu não conseguia entender. É um espaço de encontro e de reencontro. Hoje você tem na Internet um lado maravilhoso, um espaço que te permite encontrar, reencontrar e experimentar. E também tem um lado ruim, infelizmente, da irresponsabilidade, das informações imprecisas, das mentiras que se vestem de informação e que contaminam a rede. Então, esse lado bacana tem sido muito interessante pra mim. Muito bom mesmo.

O blog mostra a essência da Andrea, mas não mostra a intimidade? É mais ou menos isso?

Andrea Neves – É isso mesmo.

O que você jamais publicaria no seu blog?

Andrea Neves – Não é minha intenção falar de política. Isso eu quero evitar. Também não quero falar de coisas muito pessoais, para preservar a privacidade das outras pessoas.

Você se inspirou em algum blog pra fazer o seu?

Não, eu conheço pouquíssimos blogs pra te falar a verdade.

E o que é o mais importante pra você, quando você pensa no que vai postar?

Andrea Neves – Eu acho que escrevo mais pra mim do que para os outros. Eu acho que desde a hora que eu escolho sobre o que vou falar ou comentar, eu estou mais me reencontrando comigo mesma, pra depois ao mesmo tempo, me encontrar com as outras pessoas. Então, eu não tenho um tema definido. Eu paro pra escrever geralmente lá pra uma hora da manhã. Só de madrugada consigo parar para escrever algum post. E o que tem me movido é que sinto que, de alguma forma, eu estou tecendo as minhas memórias de afeto, de lembranças, de experiências. É quase uma terapia. Eu lembro que quando era mais jovem, eu gostava muito de escrever, de fazer poemas. O blog pra mim também virou aquele lugar de encontro com pessoas que antes eu encontrava na mesa de um bar e, como hoje em dia eu já não saio muito, já não tenho mais tempo, eu estou reencontrando ali. E é muito interessante, porque recebo vários comentários de pessoas que não vejo há muito tempo.

E como você filtra esses comentários para publicá-los?

Andrea Neves – Os comentários que são mais pessoais, eu não publico. Mas tenho reencontrado tanta gente que eu nem me lembrava mais. É bacana. É um prêmio, um presente.

Como chega para você a reação das pessoas em relação a seus posts e como eles influenciam na sua vida?

Andrea Neves – Num dos posts que eu fiz no blog, eu contei minha experiência em Cuba e isso surpreendeu muita gente, por que não combina com a Andrea que as pessoas tem na cabeça… Tem uma pessoa que me é muito especial que diz o seguinte: a vida é longa, mas passa rápido. Quer dizer, a gente tem chance ao longo de uma mesma vida, de ser pessoas diferentes. Em cada época da vida, a gente pode ser uma e pode ser várias em uma vida só. Então eu estava me lembrando das minhas várias Andreas. Aí eu me lembrei de uma Andrea que na época do movimento hippie atravessou os Estados Unidos com uma mochila e um saco de dormir, de uma outra, que foi para a Nicarágua ver a revolução sandinista, de outra ainda, que se dedicou à literatura. Eu tive várias Andreas na minha vida. Todas muito intensas e todas muito diferentes entre si. E eu sou filha de todas elas. Tem uma frase que gosto muito que diz que nós somos filhos da criança que fomos um dia. Eu hoje olho pra trás e enxergo todas essas Andreas com muita ternura, com todos os sonhos que já tive e me sinto filha de todas, e isso é o que me faz ser o que sou hoje.

Por falar em filhos, como é a sua rotina? Como você faz para conciliar educação de filho, casa, trabalho, viagens…

Eu acho que a gente não concilia. Eu não encontrei esse equilíbrio. Faço parte do clube das mães culpadas. Mas não conheço ninguém da minha geração, que trabalha mesmo, pra valer, que tem filhos, que consegue isso. Eu brinco que são quatro jornadas de trabalho, tem os filhos, o trabalho profissional, quem tem companheiro tem uma relação que tem que ter tempo e temos uma casa que tem que manter sua rotina, tem que funcionar. Então, são quatro demandas todos os dias e muito diferentes. Essa coisa de você olhar pra trás, ver o ano que passou e dizer que tudo foi bacana, não dá. Alguma coisa sempre fica em falta. Eu não conheço ninguém que ache que está tudo muito bem resolvido, uma mulher que tira tudo de letra e está tudo equilibrado.

Andrea, são muitos anos frente ao Servas. Até agora, o que fica para você como grande legado e aprendizado desse trabalho?

Andrea Neves – De aprendizado, talvez, fica a visão de como somos capazes de transformar. E transformar não é uma coisa que se meça em números, ou por estatísticas. Se somos capazes de transformar e tocar a vida de uma pessoa que seja, de uma família que seja, isso por si só justifica tudo. Aqui no Servas, pra mim, o legado e o aprendizado são a mesma coisa. E significa ter a convicção de que há sempre um gesto ao alcance de qualquer pessoa. Sempre há um gesto de solidariedade que podemos fazer, por menor que ele possa parecer, em qualquer lugar onde estivermos. Minha avó tinha uma frase, que acho que é de Santo Agostinho que fala “faça o que você puder, onde você estiver, com o que você tiver”. Então se o que a gente tem em mãos é a capacidade de articulação, de sensibilizar, de encontrar pessoas dispostas em torno de causas dos outros e não de nós mesmos, essa é a matéria-prima.

Você fala em transformação. Como é possível transformar a vida das pessoas?

Eu cada vez me convenço mais de que a gente transforma a sociedade por meio da solidariedade, por meio do amor. Alguém pode falar, “ah, mas que coisa piegas, que ridículo”. Mas se não nos importamos de verdade com o outro… esquece. Nós vamos continuar reproduzindo sociedades iguais à que temos hoje. Só se formos realmente capazes de incorporar o outro na vida da gente é que vamos conseguir começar a mudar as coisas. E todos os nossos programas, que criamos aqui no Servas, nascem dessa mesma matéria-prima que é a solidariedade. Ou seja, é o desejo de buscar capacidades de construir parcerias, de encontrar outras pessoas que tenham o mesmo tipo de sentimento, de incômodo com o mundo da forma como está estruturado hoje. São pessoas que se somam para poder mudar. O que queremos é uma gama de parceiros de várias áreas reunidos em torno de vários programas aqui do Servas, cada um contribuindo da melhor forma.

Há entre as injustiças sociais alguma que te toque com mais intensidade?

Andrea Neves – Uma coisa que me agride muito é a questão do idoso, a situação de abandono com que as pessoas idosas vivem na nossa sociedade. E eu não estou falando de abandono de idoso de classes sociais menos favorecidas. Pelo contrário. Geralmente, nas famílias mais pobres, a solidariedade é maior que a que existe nas famílias de classe média. Nós temos formas de segregar o idoso que é de muita crueldade. Quantos de nós combina de ir almoçar no domingo com o pai ou com os avós e, na última hora, liga dando uma desculpa, dizendo que não vai dar, seja porque está no clube com os amigos ou o que for, e promete que no domingo que vem será diferente? A gente começa a tirar essas pessoas do dia a dia da gente, como se isso fosse uma coisa absolutamente natural. Ninguém faz isso de má-fé, mas isso faz parte de um comportamento muito comum: isolamos essas pessoas e as condenamos.

Seria correto dizer que essa causa é a menina dos seus olhos no Servas?

Andrea Neves – Sim, porque com relação à questão da infância e da adolescência no Brasil, que também são situações dramáticas, você tem diversas entidades que, de alguma forma, colaboram no enfrentamento desses problemas. E o mais doloroso é que a criança, mal ou bem, tem uma certa perspectiva de futuro, você sempre acha que o tempo pode agir, que algo pode acontecer para ajudar. Com uma pessoa idosa, você não olha mais pra frente, você tem que olhar pra trás. Tudo isso me impressiona muito. Desde a quantidade de pessoas que vivem em asilos, que hoje em dia se chamam instituições de longa permanência para idosos e que são pessoas completamente abandonadas que ficam anos e anos sem receber uma visita, às pessoas de classe média, que não enviam para asilos, mas também segregam, deixando o idoso de lado.

Andrea, para finalizar a nossa conversa, não estaria na hora de Minas ter…

(interrompendo) Não… (risos)

Continuando: de Minas ter uma mulher à frente do governo mineiro?

Andrea Neves – Nem sei, de repente até está. Eu acho que a hora é de continuarmos tendo pessoas sérias à frente do governo de Minas. Mas do meu ponto de vista pessoal, eu não sou candidata, não. Eu nunca tive vontade, embora já tenha tido oportunidade de ser (candidata) em outros momentos. Mas não tenho a mínima vontade. Eu volto ao que eu te disse no começo, sou muito tímida. Eu acho que cada um tem um temperamento. Essa candidatura… algumas pessoas tem um talento, uma vontade. Eu, que sou mais tímida, que sou mais fechada, que não gosto da exposição e que pelo fato de ser tão fechada não ter criado condições das pessoas me conhecerem mais… Ou seja, eu não vou ser candidata nunca! Como não fui no passado. Nossa mãe! Nananinanão.

 

Aécio Neves e Eduardo Campos juntos em 2014

Eleições 2014: governador de Pernambuco quer convencer Aécio de que uma eventual candidatura presidencial de Campos levaria disputa com a  Dilma Rousseff para o segundo turno.

Eleições 2014: Aécio Neves e Eduardo Campos

Fonte: Diário de Pernambuco

Articulação »Eduardo Campos e Aécio Neves podem caminhar juntos nas eleições de 2014

Socialistas e tucanos podem se aliar num eventual segundo turno das eleiçõe presidenciais de 2014. A relação de amizade entre os possíveis candidatos, o senador Aécio Neves, do PSDB, e do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, PSB, pode se transformar numa parceria política nacional. Ao mesmo tempo que trabalham para atratir partidos da base tucana, como o PPS do deputado federal Roberto Freire, aliados de Campos agem nos bastidotres para aproximar ao máximo o governador do senador mineiro.

Segundo informações do Poder Online, o plano de alguns interlocutores do governador de Pernambuco é convencer Aécio de que uma eventual candidatura presidencial de Campos seria a chave para levar a disputa com a presidente Dilma Rousseff (PT) para um segundo turno. Além do bom relacionamento das duas lideranças, há no PSB de Minas alguns aliados de Campos que transitam dentro do ninho tucano controlado por Aécio.

Socialistas do primeiro escalão avaliam que esta articulação pode ser impulssionada pelo que descrevem de “incômodo” de Campos em relação ao ex-presidente Lula (PT), que além de alimentar brigas internas dentro do PSB, também estaria tentando isolar Eduardo Campos politicamente. Vale lembrar que o cacique do PT anda prestigiando os irmãos Cid e Ciro Gomes, no Ceará, ambos do PSB. O dois já declararam publicamente que são a favor que o partido suba no palanque de Dilma na próxima eleição.

“Temos que convencer o Aécio de que ele só tem a ganhar com uma candidatura do Eduardo Campos”, disse um interlocutor de Campos ao Poder Online. Segundo ele, o socialista teria condições de tirar votos de Dilma no Nordeste, enquanto Aécio dividiria o eleitorado no Sudeste e arremataria o Sul do país, forçando assim uma segunda etapa na eleição presidencial.  Quem seguisse para o segundo turno, sugere, levaria então o apoio daquele que saísse derrotado.

Apesar de esquematizada, a tese socialista é otimista. Até porque o senador Aécio Neves já demonstrou uma certa insatisfação com o posicionamento do PSB, que segundo ele, vive num “divã” e não sabe se é oposição ou governo. Porém, mesmo com as diferenças pontuais, alguns socialistas e tucanos sonham ainda com uma chapa que reúna os dois partidos. Nesta avaliação, Campos estaria na cabeça de chapa e Antônio Anastasia, atual governador de Minas, seria indicado por Aécio para o posto de vice.

Eleições 2014: “Aécio Neves é o mais preparado”, diz Fernando Henrique

Eleições 2014: FHC chama PT para o debate e diz esperar até hoje uma explicação pública de Lula sobre o mensalão.

Eleições 2014: Aécio, FHC e o PT

 Eleições 2014: “Aécio Neves é o mais preparado”, diz FHC

Eleições 2014: Aécio, FHC e o PT

Fonte: Jogo do Poder

FHC promete ser a grande novidade nas Eleições 2014. Aécio Neves é o seu candidato à Presidência da República, isso já não é furo de reportagem para ninguém. Mas a postura firme, corajosa e desafiador do ex-presidente, esta sim, passou asurpreender a toda a crônica política. Graças a ela, o PT, em menos de uma semana, foi alijado da posição cômoda do ataque gratuito aos adversários e passa agora a ter a obrigação de jogar na defensiva.

O discurso de FHC na abertura do ciclo de debates do PSDB, nesta segunda-feira (25/02), foi um show no que se refere a um discurso recheado de conteúdo e de questionamentos ao PT que por amor próprio tem a obrigação de respondê-los com fatos e verdades. O ex-presidente foi tão perfeito tanto em defender Aécio Neves como o seu candidato para as Eleições 2014 quanto na forma como desmontou o castelo de areia em que o PT vive.

E este novo FHC é o assunto da mídia desde a noite desta segunda-feira (26/02), minutos depois de discursar em Belo Horizonte.

“Sem meias palavras, o presidente de honra do PSDB chamou a presidente de ‘ingrata’ por, segundo ele, ‘cuspir no prato em que comeu’.”. Traz o portal do jornal Hoje em Dia. CLIQUE AQUI E LEIA

“Segundo o ex-presidente, existe uma ‘fadiga’ no Brasil com relação ao governo petista e que o mineiro (Aécio Neves) estaria preparado para assumir o posto. ‘Ele é o mais bem preparado’, afirmou Fernando Henrique”, também traz o portal do Hoje em Dia.

Já o portal do jornal Estado de S. Paulo destacou outro ponto do discurso de FHC: “o ex-presidente ainda afirmou que o PT ‘usurpou’ o projeto tucano que começou a ser implantado em seus mandatos. ‘O que aconteceu no Brasil foi usurpação de projeto. Só que como ele é usurpado, não faz direito. Vai e vem, recua, não tem coragem de dizer que vai privatizar’, disparou. ‘Eles (petistas) tinham duas grandes metas. Uma ligada ao socialismo e outra à ética. De socialismo nunca mais ninguém falou. E ética, meu Deus, não sou eu quem vai falar a respeito do que está acontecendo no Brasil’, completou FHCCLIQUE AQUI E LEIA A ÍNTEGRA DA MATÉIRA NO PORTAL ESTADAO.COM.BR

O portal Terra destacou os elogios de FHC ao senador Aécio Neves“não é o momento de lançar uma candidatura, mas temos que ter uma candidatura…Aécio Neves é renovação. Até no estilo de falar, na leveza. Uma candidatura dinâmica, jovem”.

O porta O Tempo online destacou as ferroadas de FHC no PT exatamente em seu ponto mais fraco: a ética. “Não podemos deixar de lado a questão moral. O PSDB tem que mostrar o que fizeram com o país. Já pedi ao presidente Lula que viesse a público dizer que não tem nada a ver com os problemas éticos”.

Este será o FHC que o Brasil terá pela frente a partir de agora. E o PT ganha mais uma preocupação que vale além de enfrentar o projeto “Aécio Neves 2014”.

Choque de Gestão: Anastasia amplia prêmio de produtividade para servidores

Choque de Gestão: prêmio por produtividade, criado por Aécio, é ampliado por Anastasia. Ação valoriza o funcionalismo público.

Choque de Gestão: Aécio Neves e Antonio Anastasia

Fonte: PSDB Minas

Prêmio por produtividade: Anastasia amplia ação do Choque de Gestão de Aécio Neves

 Choque de Gestão: Anastasia amplia produtividade

Choque de Gestão: Em entrevista coletiva, Anastasia anunciou pagamento do Prêmio por Produtividade aos servidores públicos em atividade na administração direta e indireta do Estado. Foto Wellington Pedro/Imprensa MG

O Prêmio por Produtividade foi uma inovadora medida criada no Choque de Gestão – modelo implantado por Aécio Neves – para valorizar o trabalho do funcionalismo público do Estado de Minas Gerais. A intenção é premiar financeiramente os servidores que cumpriram suas metas em relação ao seu trabalho, que é atender a população com qualidade.

Criado em 2008, o prêmio tinha por objetivo introduzir na esfera pública o conceito da meritocracia, onde o servidor passava a ser melhor remunerado de acordo com o cumprimento de metas, na melhor prestação do serviço.

Em 2009, ano do primeiro pagamento do Prêmio por Produtividade, foram destinados R$ 318 milhões para 300 mil servidores estaduais. Até então, o limite máximo do prêmio era uma vez o salário mensal do servidor, o que o tornava uma espécie de 14º salário por merecimento.

Nesta semana, o governador Antonio Anastasia anunciou mais uma etapa do Prêmio, a quarta desde a sua criação durante o Choque de Gestão de Aécio Neves. No próximo dia 30 de março, serão R$ 410 milhões pagos a 378 mil servidores pelo cumprimento de metas pactuadas e cumpridas em 2011 nas diversas áreas de atuação, como educação, saúde, desenvolvimento social e transportes.

Entre as metas acordadas e cumpridas na área de Saúde destacam-se a criação de 212 novas Unidades Básicas de Saúde (UBS), a entrada em atividade de três centros Viva a Vida, em Patos de Minas, Muriaé e Ribeirão das Neves, além da implantação do banco de medula óssea no Centro de Especialidades Médicas. Mais de 160 mil gestantes mineiras fizeram sete ou mais consultas durante o pré-natal.

Na Educação, merecem destaque a superação de metas estabelecidas que resultaram em 39.407 alunos atendidos pelo Programa de Aceleração da Aprendizagem; reforma e melhoria de infraestrutura em 516 escolas e o atendimento de 114.414 alunos pelo Projeto Educação em Tempo Integral.

Na área Social, foram atendidos 72.107 jovens pelo Poupança Jovem e 821 municípios receberam o Piso Mineiro da Assistência Social. Também merece destaque a abertura de 30 agências do Banco Travessia e a manutenção de outras 40.

Minas é o único Estado brasileiro a pagar o Prêmio por Produtividade ao conjunto dos servidores do Executivo desde 2009, fruto do Choque de Gestão implantado por Aécio Neves.

Choque de Gestão: Anastasia amplia prêmio de produtividade para servidores

Choque de Gestão: prêmio por produtividade, criado por Aécio, é ampliado por Anastasia. Ação valoriza o funcionalismo público.

Choque de Gestão: Aécio Neves e Antonio Anastasia

Fonte: PSDB Minas

Prêmio por produtividade: Anastasia amplia ação do Choque de Gestão de Aécio Neves

 Choque de Gestão: Anastasia amplia produtividade

Choque de Gestão: Em entrevista coletiva, Anastasia anunciou pagamento do Prêmio por Produtividade aos servidores públicos em atividade na administração direta e indireta do Estado. Foto Wellington Pedro/Imprensa MG

O Prêmio por Produtividade foi uma inovadora medida criada no Choque de Gestão – modelo implantado por Aécio Neves – para valorizar o trabalho do funcionalismo público do Estado de Minas Gerais. A intenção é premiar financeiramente os servidores que cumpriram suas metas em relação ao seu trabalho, que é atender a população com qualidade.

Criado em 2008, o prêmio tinha por objetivo introduzir na esfera pública o conceito da meritocracia, onde o servidor passava a ser melhor remunerado de acordo com o cumprimento de metas, na melhor prestação do serviço.

Em 2009, ano do primeiro pagamento do Prêmio por Produtividade, foram destinados R$ 318 milhões para 300 mil servidores estaduais. Até então, o limite máximo do prêmio era uma vez o salário mensal do servidor, o que o tornava uma espécie de 14º salário por merecimento.

Nesta semana, o governador Antonio Anastasia anunciou mais uma etapa do Prêmio, a quarta desde a sua criação durante o Choque de Gestão de Aécio Neves. No próximo dia 30 de março, serão R$ 410 milhões pagos a 378 mil servidores pelo cumprimento de metas pactuadas e cumpridas em 2011 nas diversas áreas de atuação, como educação, saúde, desenvolvimento social e transportes.

Entre as metas acordadas e cumpridas na área de Saúde destacam-se a criação de 212 novas Unidades Básicas de Saúde (UBS), a entrada em atividade de três centros Viva a Vida, em Patos de Minas, Muriaé e Ribeirão das Neves, além da implantação do banco de medula óssea no Centro de Especialidades Médicas. Mais de 160 mil gestantes mineiras fizeram sete ou mais consultas durante o pré-natal.

Na Educação, merecem destaque a superação de metas estabelecidas que resultaram em 39.407 alunos atendidos pelo Programa de Aceleração da Aprendizagem; reforma e melhoria de infraestrutura em 516 escolas e o atendimento de 114.414 alunos pelo Projeto Educação em Tempo Integral.

Na área Social, foram atendidos 72.107 jovens pelo Poupança Jovem e 821 municípios receberam o Piso Mineiro da Assistência Social. Também merece destaque a abertura de 30 agências do Banco Travessia e a manutenção de outras 40.

Minas é o único Estado brasileiro a pagar o Prêmio por Produtividade ao conjunto dos servidores do Executivo desde 2009, fruto do Choque de Gestão implantado por Aécio Neves.

Choque de Gestão 10 anos de bons resultados

Choque de gestão: Aécio Neves comemora balanço positivo e fala do mais importante programa de administração pública do Brasil.

Choque de Gestão: Aécio Neves

Choque de Gestão 10 anos

Fonte: Choque de Gestão – Minas Gerais

Aécio Nevessenador do PSDB-MG, faz um balanço positivo dos dez anos do Choque de Gestão, o programa que ele criou em 2003 e se tornou a mais importante referência da administração pública brasileira da atualidade. Confira um resumo das afirmações dele sobre o assunto, na coluna semanal que assina toda segunda-feira na página de opinião do jornal Folha de São Paulo, datada de 7 de janeiro de 2013.

Aécio contou um pouco da história do programa: “Choque de gestão foi a expressão que utilizamos para marcar o resgate da governabilidade de Minas, engolfada em 2003 pela maior crise financeira de sua história, recolocando o estado no caminho do desenvolvimento. Mais que um conceito abstrato, trata-se de uma experiência que merece ser celebrada pelos que valorizam a eficiência e a busca por resultados nas políticas de governo”.

Aécio citou vários resultados importantes do programa Choque de GestãoMinas cumpriu sete dos oito Objetivos do Milênio estabelecidos pela ONU, alguns antecipadamente, como a redução da mortalidade infantil. O estado ocupa a primeira posição no Sudeste no Idsus, um indicador do governo federal para a área de saúde. Na educação, Minas foi o primeiro a universalizar o ensino fundamental de nove anos na rede pública. Hoje, os alunos de Minas lideram os exames do Ideb. Minas registrou o maior crescimento na participação do PIB nacional no período 2002-2010. Foram 1,6 milhão de novos empregos com carteira assinada.

Aécio assinalou que organismos internacionais chancelaram o esforço de Minas para melhorar a administração pública no estado. O Banco Mundial, por exemplo, recomendou o modelo para outros países. “Não há política pública mais transformadora do que a correta aplicação do dinheiro público, com transparência e eficiência”, resumiu Aécio Neves sobre o Choque de Gestão.

Aécio: gestão do Governo Dilma desanima empresários

Aécio: senador disse que medidas temporárias, pontuais e paliativas contribuem para propagar incertezas.

Aécio: Governo Dilma e Gestão Deficiente

Link da matéria: Folha de S.Paulo

 Aécio: Governo Dilma e a era das incertezas

Aécio: PT e a gestão deficiente

Questão de confiança

Aécio Neves

É longa a lista de variáveis apontadas pela pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) para explicar o desânimo dos empresários brasileiros em fazer novos investimentos.

Entre os problemas citados estão o custo do crédito, dificuldades para obter financiamento, o apagão de mão de obra, burocracia excessiva e infraestrutura precária.

A essas dificuldades somam-se questões que ficaram evidentes após a pesquisa, feita em 2012, como a apreensão diante da oferta de energia e a elevação da inflação no país. O levantamento ouviu 584 grandes, médias e pequenas empresas.

No debate que se trava sobre o presente e o futuro da economia, um ponto é consensual até mesmo entre agentes governamentais: sem aumentar a taxa de investimentos será difícil fugir dos pibinhos dos últimos anos.

Convencer empresas e empresários a ampliar investimentos na produção que gera empregos e riqueza ao país pressupõe uma relação de confiança entre governantes e governados. E isso, infelizmente, parece faltar neste momento.

A pesquisa mostra o desânimo das empresas ao revelar que o percentual daquelas que pretendem ampliar suas atividades este ano é o menor dos últimos quatro anos.

Repete-se o mesmo cenário de 2012, quando o número de empresas que realizaram investimentos foi o menor desde 2009. No ano, diz a pesquisa, só 50,2% das empresas efetivaram os investimentos planejados, 45,5% o fizeram parcialmente e 4,2% adiaram ou cancelaram projetos.

O problema mais citado foi a incerteza econômica gerada por problemas internos e externos, evidenciando a impotência do governo diante da crise internacional e sua incapacidade em solucionar travas internas.

A falta de credibilidade do governo está contribuindo também para afastar investidores externos. Consultorias e organismos internacionais – como a norte-americana Securities and Exchange Commission – indicam que fundos internacionais estão substituindo o Brasil em seus portfólios por outros países.

Algumas das causas da fuga dos investidores estrangeiros coincidem com as que provocam o recuo das empresas nacionais -o excessivo intervencionismo e a insegurança gerada por recentes decisões do governo.

Medidas de desoneração fiscal, como as anunciadas na última semana, são necessárias e bem-vindas, mas precisam ser acompanhadas da austeridade fiscal que tem faltado até agora, comprometendo o equilíbrio das contas públicas.

Igualmente importante é que sejam duradouras. Medidas temporárias, pontuais e paliativas, como as que têm caracterizado a atual política econômica, contribuem para propagar incertezas.

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna

Aécio: os caminhos para 2014

Aécio: 2014 – reportagem da revista Viver Brasil mostra porque o nome do senador é o mais forte para a disputa presidencial.

Aécio: 2014

Fonte: Revista Viver Brasil

Um nome contra Dilma

Aécio Neves pavimenta seu caminho para disputar a Presidência da República em 2014

 Aécio: os caminhos para 2014

Aécio Neves: 2014 – especialistas acreditam que o senador é o nome mais forte da oposição

Passados mais de dois anos da derrota interna sofrida no PSDB, Aécio Neves surge com força e destaque dentro de sua legenda para disputar o Palácio do Planalto. Em meados de 2009, o tucano mineiro travava batalha contra José Serra para disputar a Presidência da República. Serra venceu sem sequer disputar uma prévia, defendida pelo senador Aécio. Ele pisa em ovos para viabilizar seu nome. “Temos antes que apresentar ao Brasil a nova agenda dos próximos anos, que fale da gestão, da refundação da Federação. Acredito que o momento do lançamento tem que ser de forma natural. Não é esse o momento ainda”, esquivou-se Aécio ao comentar o lançamento de seu nome no início deste mês. Ainda que pareça de certa forma tímido em seu posicionamento, o tucano ganha a cada dia mais espaço e pavimenta seu caminho rumo a um embate contra Dilma Rousseff, conforme o jornalista Paulo César de Oliveira já havia adiantado em artigo na última edição da Viver Brasil.

Em 2009, ele trabalhava nos bastidores para agregar apoio de partidos da base do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Aqui em Minas, entretanto, a base de Dilma está praticamente toda fechada com Aécio. A questão agora é trabalhar nacionalmente apoios.

Entre os partidos a serem assediados pelo tucano estão o PP, PSB, PDT, PR e até mesmo o PMDB, hoje detentor do cargo de vice-presidente da República, com Michel Temer. Fato é que, além de apoios, Aécio precisa contar com a sorte. Há quem associe a viabilidade eleitoral com o momento econômico do país. Foi assim em 2002, quando Lula desbancou os tucanos. Fernando Henrique Cardoso, na época presidente, ensaiou o anúncio da pré-candidatura de Aécio em entrevista. Os tucanos paulistas, como o governador Geraldo Alckmin e o senador Aloysio Nunes, ainda acham cedo e o próprio Aécio se esquiva de se assumir, definitivamente, como pré-candidato.” A hora é já, é agora. O nome do PSDB, hoje, é do Aécio. A meu ver, desde já, ele tem de assumir suas responsabilidades, não de candidato, mas de líder do partido, para ele poder começar a percorrer o Brasil”, afirmou o ex-presidente FHC.

Cientista político da Universidade Estadual Paulista, Milton Lauerta defende que a estratégia dos tucanos é acertada. “Aécio é seguramente o candidato da grande maioria do PSDB. Em minha opinião, e de 99% do partido, é que Aécio é o verdadeiro candidato do partido. E deve ser presidente do partido, assumir o papel que o Brasil já lhe dá”, completou o presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), cujo cargo será sucedido pelo próprio ex-governador de Minas. Presidir uma legenda como o PSDB é outra estratégia traçada para jogar os holofotes em direção ao neto de Tancredo Neves.

Lauerta acredita que o lançamento do nome do senador é uma tentativa de constituir nova liderança no partido. “Seguramente, Aécio é o nome mais forte da oposição. Hoje, é o único que poderia, de certa maneira, concorrer com ele seria o Eduardo Campos, que não é um quadro da oposição, mas pode vir a ser. O que eu diria é que é importante este lançamento agora, porque é a proposição feita pelo Fernando Henrique, explicitamente, de que o Aécio ocupe este espaço de liderança”, destaca o especialista.

Ele afirma ainda que a oposição não só precisa de um nome, mas também de “renovação de ideias e de modos de fazer. Se não fosse dado esse passo agora, o PSDB e a oposição iam sangrar mais dois anos. O lançamento resolve a questão de quem está se qualificando para assumir o papel de líder neste processo”, avalia Lauerta.

Enquanto Aécio busca costuras no âmbito nacional, regionalmente os aliados dele trabalham para fortalecer ainda mais seu nome. O presidente da Assembleia Legislativa de Minas, deputado Dinis Pinheiro (PSDB), por exemplo, afirma que a cada dia a tendência é de fortalecer o nome do ex-governador publicamente. Quem deve ficar de fora de manifestações mais incisivas é o governador Antonio Anastasia. Ele nunca escondeu que separa bem seu papel no Executivo dos embates políticos-eleitorais travados no âmbito do Poder Legislativo.