Governo de Minas: hospital de Ubá se torna referência em Teste da Orelhinha

Com recursos do Pro-Hosp, unidade passou a disponibilizar o exame gratuitamente
Divulgação/SES
O Teste da Orelhinha é realizado desde 2009 no Hospital Santa Izabel, em Ubá
O Teste da Orelhinha é realizado desde 2009 no Hospital Santa Izabel, em Ubá

Desde que passou a disponibilizar o Teste da Orelhinha, ou Triagem Auditiva Neonatal pelo Sistema Único de Saúde, em 2009, o Hospital Santa Izabel, em Ubá, já avaliou 3.932 crianças. Hoje referência na realização do exame, a unidade adquiriu o equipamento de emissão otoacústica com recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas.

O teste é obrigatório por lei desde 2010 e é imprescindível para o diagnóstico e intervenção, caso seja detectada alguma deficiência auditiva. Estudos indicam que, se identificada até os seis meses de idade, a criança pode desenvolver linguagem muito próxima a de uma criança ouvinte.

A fonoaudióloga responsável do Hospital Santa Izabel, Nayara Lana Silva Simões, conta que, hoje, todos os bebês nascidos no hospital já têm alta com a data do exame agendada. “Nos casos de crianças com fatores de risco, elas já vão para casa com o teste realizado e uma nova triagem agendada. Como o hospital atende a 20 municípios da microrregião, os recém-nascidos dos demais hospitais e cidades têm seus exames agendados através do Programa Saúde da Família e secretarias de saúde municipais”, informa.

Edimeire Aparecida Alves de Oliveira, moradora de Ubá, é mãe de duas crianças que nasceram prematuras e ficou aliviada depois que os filhos fizeram o Teste da Orelhinha. “A mãe hipertensa pode gerar problemas para o filho, então eu tinha medo que eles tivessem alguma deficiência”, comenta. Ela lembra a tensão quando o segundo filho nasceu, na transição do sétimo para o oitavo mês. “Ele era muito pequeno e precisou ficar 30 dias sem sair ou receber visitas. Então eu tinha muito receio. Ele fez o exame, que não acusou nada. Eu chamo, ele olha, adora barulho, mas mesmo assim eu voltei para fazer o teste novamente, assim que ele completou seis meses, como fui aconselhada no hospital. E não deu nada”, conta, feliz.

Edimeire considera o exame fundamental. “É muito importante, muitas vezes os pais só desconfiam de alguma coisa quando a criança já está na escola. Tenho uma sobrinha que aconteceu assim, ela está com quatro anos e agora descobrimos que tem problema de audição. Se ela tivesse passado pelo teste, poderia ter cuidado desde cedo”, diz.

O Hospital Santa Izabel tem capacidade para realizar 120 exames por mês, o que equivale a uma média de seis testes do SUS ao dia. O exame utiliza o método de Emissões Otoacústicas Evocadas, com procedimento simples e indolor, que consiste na colocação de uma pequena sonda no ouvido do bebê. O equipamento emite sons que estimulam a cóclea, que responde com outros sons que o aparelho capta. O resultado do exame é emitido imediatamente.

Segundo a fonoaudióloga Nayara Lana, “quando diagnosticada alguma alteração repete-se o procedimento em um intervalo de 15 dias e, caso o resultado se mantenha, o bebê é encaminhado para avaliação complementar em Juiz de Fora”. Ela reforça a importância do exame, principalmente para o público de risco. “Para se ter dimensão da importância da realização do exame é só compará-lo ao teste do pezinho, que aponta em média uma criança com alteração a cada 10 mil nascimentos. Já o teste da orelhinha, a média varia de 1 a 3 crianças diagnosticadas deficientes auditivas a cada mil nascimentos”, explica.

De acordo com a coordenadora do Núcleo de Rede de Atenção à Saúde da Gerência Regional de Saúde de Ubá, Maria das Graças Nascimento Souza, a descentralização e o credenciamento do Serviço de Triagem Auditiva Neonatal em Ubá, facilitaram muito o acesso dos recém-nascidos da microrregião.  “Com isto, pode-se ter um diagnóstico precoce e, consequentemente, melhores prognósticos para os recém-nascidos que apresentarem alguma alteração auditiva, trazendo grande tranquilidade aos pais e profissionais de saúde”, conclui.

Recursos

Desde 2005, o Hospital de Santa Izabel, em Ubá, recebeu R$ 4,9 milhões por meio do Pro-Hosp, que foram aplicados em obras do UTI neonatal e do bloco cirúrgico, além de aquisição de equipamentos. Com os investimentos, serviços como consultas especializadas de otorrino, urologia, neurologia pediátrica, neurocirurgia, neurologia, oftalmologia e procedimentos cirúrgicos de otorrino e urologia foram possibilitados, atendendo à demanda reprimida nos municípios da microrregião.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, foram investidos, por meio do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS, R$ 65,1 milhões, beneficiando 18 hospitais. Além do Santa Izabel, de Ubá, receberam recursos: Hospital São Paulo (Muriaé); Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus (Juiz de Fora); Hospital Municipal Mozart Teixeira (Juiz de Fora); Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora; Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora; Santa Casa de Misericórdia de Lima Duarte; Hospital Misericórdia de Santos Dumont; Associação de Caridade de São João Nepomuceno; Hospital Arnaldo Gavazza (Ponte Nova); Hospital Nossa Senhora das Dores (Ponte Nova); Hospital Nossa Senhora da Conceição (Rio Casca); Hospital São João Batista (Viçosa); Hospital São Sebastião de Viçosa; Casa de Caridade de Carangola; Hospital São Salvador (Além Paraíba); Hospital de Cataguases; e Casa de Caridade Leopoldinense.

Fonte: Agência Minas