Gestão da Saúde: Hospital de Clínicas de Uberaba credencia serviço de alta complexidade em cardiologia

Implantes de marcapasso multissítio, cirurgias endovasculares e estudos eletrofisiológicos são os serviços que estão sendo disponibilizados

Integrantes da equipe de cardiologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), juntamente com representantes da Superintendência Regional de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde de Uberaba anunciaram, nessa segunda-feira (26), o credenciamento, junto ao Ministério da Saúde, do serviço de alta complexidade em cardiologia, que contemplará a Macrorregião Triângulo do Sul. Implantes de marcapasso multissítio, cirurgias endovasculares e estudos eletrofisiológicos são os serviços que estão sendo disponibilizados, desde o dia 7 de março, pelo Hospital de Clínicas (HC).

O médico e chefe do serviço de marcapasso, Celso Salgado, lembrou que “o processo de credenciamento foi longo e teve início em 1997, quando os centros de referência em cardiologia se encontravam apenas em Uberlândia e Belo Horizonte. Agora, nossos serviços estão à frente até mesmo de cidades maiores que Uberaba”, conclui.

Para o cardiologista Luís Antônio Resende, o trabalho da Coordenadoria de Projetos e Credenciamentos do hospital foi muito importante para a concretização do processo. Já Carlos Balbão, chefe do setor de Eletrofisiologia Clínica e Intervencionista do Hospital de Clínicas, afirmou que pretende trabalhar para que a UFTM se torne referência em produção científica e acadêmica na área de cardiologia

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/hospital-de-clinicas-de-uberaba-credencia-servico-de-alta-complexidade-em-cardiologia/.

Gestão Antonio Anastasia: exportação mineira de carne suína aumentou 122,3% em janeiro

Hong Kong e Albânia respondem pela aquisição de 80,1% do produto

Em meio à retração econômica mundial, a carne suína de Minas Gerais alcançou vendas expressivas em janeiro de 2012. Segundo dados do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a receita das exportações mineiras do produto foi de US$ 5,9 milhões, contra os US$ 2,7 milhões registrados no primeiro mês de 2011.

“Houve, portanto, um aumento de 122,3% nas vendas efetuadas por Minas, enquanto o valor das exportações brasileiras do produto tiveram crescimento de 3,85%”, informa o superintendente de Política e Economia Agrícola da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), João Ricardo Albanez. Segundo ele, os negócios foram beneficiados pelo aumento dos embarques. “O volume de carne suína colocado por Minas no mercado mundial alcançou 2,5 mil toneladas, um crescimento 154,3% em relação ao registrado em janeiro de 2011.”

De acordo com o superintendente, o aumento de vendas para os países que lideram as compras de carne suína procedente de Minas foi de fundamental importância. Hong Kong, que encabeça a relação, respondeu no primeiro mês deste ano por 56,6% das aquisições, contra 45,2% registradas em todo o ano de 2011. A Albânia passou a responder por 23,5% na comparação com os 13% do ano passado. O grupo dos principais compradores da carne suína de Minas em janeiro deste ano também contou com Cingapura, Ucrânia e Angola.

Para Albanez, as primeiras vendas de carne suína do Brasil efetuadas para a China em janeiro (52 toneladas) sinalizam para possíveis boas negociações do produto mineiro no futuro, pois aquele mercado é o que apresenta o maior consumo do produto. “O setor poderá se beneficiar dos resultados das conversações realizadas no ano passado entre os governos brasileiro e chinês, com o objetivo de colocar as carnes do Brasil na China”, assinala.  “Será um importante passo para o fortalecimento da produção de carne suína, pois com a exportação haverá um ajustamento da oferta do produto no mercado interno e uma das consequências será a melhoria da remuneração dos produtores.”

Exportações de carne suína/MG – Janeiro 2012 x Janeiro 2011

Receita: US$ 5,9 milhões (+122,3%)

Volume: 2,5 mil t (+ 154,3%)

Maior comprador: Hong Kong (56,6% do total)

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Secretaria de Saúde reforça importância do exame e diagnóstico precoce do câncer de mama

Para conscientizar a população feminina sobre a importância do exame, foi criado o Dia Nacional da Mamografia, comemorado neste domingo (5)

André Brant
As mulheres acima de 60 anos são as que mais precisam fazer a mamografia
As mulheres acima de 60 anos são as que mais precisam fazer a mamografia

Uma das principais causas de morte entre as mulheres no mundo, o câncer de mama é também a doença que mais mata as brasileiras. O tratamento só é eficaz se o câncer for descoberto no início, por meio da mamografia. Para conscientizar a população feminina sobre a importância do exame, foi criado o Dia Nacional da Mamografia, comemorado neste domingo (5). Em Minas Gerais, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), possui um conjunto de ações que, até 2014, vão impactar na redução da mortalidade em mulheres de 45 a 69 anos, estimulando a mamografia por rastreamento.

Esses exames são realizados em mulheres acima de 45 anos sem sintomas aparentes e que fazem a mamografia por prevenção. O projeto é um recorte do Programa Viva Vida, que, além da meta de redução da mortalidade infantil e materna em Minas Gerais, trabalha pela saúde integral das mulheres de Minas

De acordo com o coordenador estadual do Programa Viva Mulher, Sérgio Bicalho, as mulheres que mais precisam fazer o exame são aquelas acima de 60 anos, porém são as que menos realizam o exame. Já as que estão com cerca de 40 anos, faixa de menor risco, são as que mais se submetem à mamografia. “As mulheres precisam se conscientizar da importância da prevenção do câncer de mama e da mamografia, que deve ser feita pela primeira vez entre os 35 e 40 anos. Uma parcela significativa da população feminina ainda não faz o exame”, ressalta.

Sérgio observa que não é recomendado confiar apenas no autoexame, pois ele pode não permitir o diagnóstico precoce. “Mulheres que não sentem nada, não têm nenhuma queixa, não têm nada palpável, precisam também da mamografia, pois a finalidade do rastreamento mamográfico é identificar um tumor ainda não palpável, onde existe a possibilidade de cura muito alta”, conclui.

Câncer de mama em Minas

Segundo dados do Programa de Avaliação e Vigilância do Câncer e seus Fatores de Risco da SES, as taxas brutas de mortalidade do câncer de mama passaram de 4,80 óbitos (1979) para 10,6 óbitos (2009), por 100 mil mulheres de Minas Gerais. O cálculo da variação percentual relativa do período mostrou o crescimento de 120% desse tipo de mortalidade. Em 2011, a SES realizou 405.555 mamografias, e no ano anterior, 341.622 mulheres fizeram o exame.

Para a coordenadora do Programa de Avaliação e Vigilância do Câncer e seus Fatores de Risco, Berenice Antoniazzi, o diagnostico precoce é fundamental para uma maior perspectiva de cura ou de melhora na qualidade de vida do paciente. “Lutamos contra a possibilidade da doença se tornar letal. Que ela seja curada, controlada ou permaneça crônica. O que impede é que hoje as pessoas chegam muitas vezes tarde no atendimento para o diagnóstico”, afirma.

Estimativas

Em 2012, estimam-se, para Minas Gerais, 54.200 casos novos de câncer, incluindo os casos de pele não melanoma, sendo 26.290 em homens e 27.910 em mulheres. Esses valores correspondem a um risco estimado de 260 casos novos a cada 100 mil homens e 267 para cada 100 mil mulheres. Para Belo Horizonte, estimam-se 8.560 casos novos de câncer, incluindo os casos de pele não melanoma, sendo 3.940 em homens, correspondendo a 337 casos a cada 100 mil homens, e 4.620 em mulheres, correspondendo a 349 casos a cada 100 mil mulheres.

Dia Mundial do Câncer

Neste sábado (4), é lembrado o Dia Mundial do Câncer, criado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, as estimativas para o ano de 2012 serão válidas também para o ano de 2013 e apontam a ocorrência de aproximadamente 518.510 casos novos de câncer, incluindo os casos de pele não melanoma. Os tipos mais incidentes serão os cânceres de pele não melanoma, próstata, pulmão, cólon e reto e estômago para o sexo masculino; e os cânceres de pele não melanoma, mama, colo do útero, cólon e reto e glândula tireoide para o sexo feminino. São esperados um total de 257.870 casos novos para o sexo masculino e 260.640 para o sexo feminino.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: Exportações de Minas Gerais atingem US$ 2,3 bilhões em janeiro

No acumulado dos últimos 12 meses, o resultado das exportações mineiras continuou apresentando resultados expressivos e atingiram US$ 40,98 bilhões

Divulgação
SEDE/Central Exportaminas, sobre a base de MDIC/Secex
SEDE/Central Exportaminas, sobre a base de MDIC/Secex

As exportações de Minas Gerais atingiram o valor de US$ 2,3 bilhões em janeiro de 2012, com uma média diária de US$ 105,5 milhões. Os dados preliminares foram divulgados nesta sexta-feira (3) pela Central Exportaminas, órgão da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), que realiza mensalmente o Mapeamento das Exportações de Minas Gerais com base nos números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Já as importações totalizaram US$ 1,03 bilhão, valor 17,1% superior ao mesmo mês de 2011. A média diária das importações de janeiro/12 foi de US$ 47,07 milhões. Houve um acréscimo de 16,3% tanto no valor importado quanto na média diária em relação a dezembro de 2011. O saldo comercial do mês passado alcançou US$ 1,28 bilhão, com uma redução de 30,4%, em relação a janeiro de 2011.

Acumulado

No acumulado dos últimos 12 meses (fevereiro de 2011 a janeiro de 2012), o resultado das exportações mineiras continuou apresentando resultados expressivos e atingiram US$ 40,98 bilhões, com expansão de 26,2% em relação ao período de fevereiro/2010 a janeiro/2011. O crescimento das exportações mineiras ficou bem acima da variação das exportações nacionais (+24,8%) e a participação sobre o total brasileiro ficou em 15,9%.

No mesmo intervalo, as importações aumentaram 28,6% na comparação com o mesmo período de 2010/2011, para US$ 13,2 bilhões. Enquanto isso, as importações nacionais cresceram 23,7%. As importações do Estado responderam por 5,8% do total brasileiro.

Minas Gerais continuou sendo o principal responsável pelo superávit da balança comercial brasileira. O saldo comercial do Estado foi de U$ 27,8 bilhões no acumulado dos últimos 12 meses, enquanto o saldo nacional foi de US$ 28,1 bilhões. Sendo assim, Minas Gerais possui 98,9% do saldo comercial brasileiro. Em relação ao período de fevereiro/2011 a janeiro/2012, o crescimento foi de 7,6% no saldo comercial mineiro.

Fonte: Agência Minas

Gestão Antonio Anastasia: ação inédita do Governo de Minas vai beneficiar Apaes da região das Vertentes

Centros Tecnológicos de Capacitação serão implantados em 148 municípios

O censo de 2010 mostrou que o Brasil possui 45 milhões de pessoas com deficiência, o que representa 24% da população. Diante desse cenário, o Governo de Minas tem atuado diretamente em políticas que possibilitem a inclusão social. Para isso, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) iniciou em 2011, a implantação dos Centros Tecnológicos de Capacitação nas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes) de Minas Gerais.

O Centro vai facilitar o acesso de cada  Apae à internet e às redes sociais, criando uma rede tecnológica de integração das unidades. Será formado por centros de inclusão social e oficinas de capacitação profissional que irão funcionar em 148 municípios mineiros, sendo oito da região do Campo das Vertentes: Conceição da Barra de Minas, Entre Rios de Minas, Lagoa Dourada, Madre de Deus de Minas, Nazareno, Prados, Resende Costa e Ritápolis. Cada centro de inclusão social terá cinco computadores adaptados com aparelhos que possibilitam atender diferentes tipos de deficiência. Já as oficinas de capacitação profissional serão inseridas em 103 municípios, sendo 54 relacionadas à culinária e 49 à produção de picolé.  O objetivo é melhorar a qualificação da mão de obra de pessoas com deficiência, possibilitando melhores oportunidades no mercado de trabalho.

Para o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, a ação evidencia como a ciência e tecnologia podem se converter em espaço para construção da cidadania e ser um instrumento para valorizar o ser humano. De acordo com ele, a previsão é de que no ano de 2012, todos os centros tecnológicos sejam instalados. O projeto é resultado da parceria entre o Governo de Minas, a Federação Nacional das Apaes (Fenapaes) e a Federação das Apaes do Estado de Minas Gerais, com recursos que somam R$ 5,4 milhões divididos igualmente entre o Governo de Minas e o Governo Federal, por meio de emenda do deputado federal Eduardo Barbosa, que preside a Fenapaes.

Fonte: Agência Minas

Leia mais:

Ação inédita do Governo de Minas vai beneficiar Apaes da Zona da Mata

Ação inédita do Governo de Minas vai beneficiar Apae de Ouro Preto

Governo de Minas: Fundação João Pinheiro abre inscrições para Programa de Especialização em Administração Pública

As inscrições vão até o dia 5 de março. O valor da taxa de inscrição é R$ 25,00

Estão abertas até o dia 5 de março as inscrições para o X Programa de Especialização em Administração Pública (PROAP), oferecido pela Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro.

Este ano serão oferecidos cursos nas áreas de Gestão Pública, Gestão de Pessoas no Serviço Público, Gestão de Logística no Setor Público, Gestão Urbana e de Cidades, e Direito Administrativo. O Edital nº 008/101, que dispõe sobre o processo seletivo pode ser acessado na página da Escola (www.eg.fjp.mg.gov.br).

Inscrições e seleção

O valor da taxa de inscrição é R$ 25,00 e o pagamento deve ser realizado por meio de Documento de Arrecadação Estadual – DAE. A solicitação de emissão deve ser encaminhada para o endereço dcf.tesouraria@fjp.mg.gov.br, informando nome, endereço completo e CPF.

Após pagamento da taxa, os candidatos devem entregar a documentação exigida pelo Edital na Secretaria de Registro e Controle Acadêmico da Escola de Governo (Alameda das Acácias, n° 70, São Luís – Pampulha), ou na Secretaria da Especialização do Campus Brasil da Fundação João Pinheiro (Av. Brasil, 674, Santa Efigênia), de segunda a sexta-feira, entre 9h e 16h.

A prova de seleção será realizada no dia 19 de março, no Campus Brasil da Fundação e o resultado preliminar será divulgado no dia 16 de abril no site da Escola de Governo. O resultado final será publicado em 20 de abril.

O candidato integrante do quadro da Administração Pública Estadual pode requerer bolsa de estudos junto ao órgão ou instituição de origem (Resolução Seplag nº 27, de 28 de junho de 2007).

Especialização

Os cursos de especialização da Fundação João Pinheiro são destinados a profissionais de diferentes esferas de governo e demais interessados na área pública, que buscam subsídios teóricos e práticos para aprofundar o conhecimento sobre políticas públicas e gestão. O programa tem como objetivos qualificar quadros técnicos nas diversas áreas da gestão pública, refletir sobre as diferentes dimensões deste tipo de gestão, desenvolver e aperfeiçoar capacidades de interlocução e concepção de políticas, programas e projetos.

Fonte: Agência Minas

Gestão da Saúde: doenças comuns como tétano e difteria podem ser prevenidas com vacinação em dia

As vacinas são gratuitas, não tem contraindicação e devem ser reaplicadas a cada dez anos ou a cada cinco anos, no caso das gestantes

Pedro Cisalpino
Vacinas estão disponíveis em toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS)
Vacinas estão disponíveis em toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS)

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) reforça a necessidade de manter atualizadas as vacinas contra o tétano e a difteria, tanto em adultos, quanto em crianças. De acordo com a Vigilância Epidemiológica da SES, estas doenças são muito comuns, porém podem ser prevenidas por meio da vacinação, que é gratuita em toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS). As vacinas não tem contraindicação e devem ser reaplicadas a cada dez anos ou a cada cinco anos, no caso das gestantes.

De acordo com o diretor de Vigilância Epidemiológica da SES, Marcelo Mascarenhas, o tétano é uma doença grave que pode levar à morte. A contaminação é feita a partir de lesões na pele causadas por ferimentos (mesmo que pequenos) provocados por metais (enferrujados ou não), madeira, vidro ou outros objetos contaminados. “Devemos manter sempre o cartão de vacina em dia para estarmos protegidos contra doenças transmissíveis, pois nunca sabemos quando nosso organismo entrará em contato com os agentes causais”, explica.

Os principais sintomas do tétano são contrações musculares involuntárias na região do ferimento, seguidas de contrações dos músculos do rosto, do pescoço (rigidez de nuca) e progressivamente do abdômen (barriga dura). Em fase mais avançada, pode provocar dificuldade de engolir, insuficiência respiratória, entre outros sintomas.

“É preciso estar atento aos ferimentos decorrentes de materiais pontudos e cortantes. Em caso de lesão, o local deve ser higienizado, inicialmente, com água e sabão, e a pessoa deve procurar uma unidade ou equipe de saúde mais próxima. O médico deve ser informado de como ocorreu e o que causou o ferimento”, explica Marcelo.

Já a difteria é transmitida pela bactéria Corinebacterium diphtheriae que frequentemente se aloja nas amídalas, faringe, laringe, nariz e, ocasionalmente, em outras mucosas e na pele. A doença é transmitida pela saliva ou outras secreções eliminadas ao tossir, espirrar ou mesmo ao falar, provocando inflamação das vias respiratórias. Um dos sintomas são formações de placas na garganta.

Confira o esquema vacinal completo de rotina por faixa etária:

DTP + Hib (Vacina Combinada contra Difteria, Tétano, Coqueluche e Haemophilus influenzae tipo b)

1ª dose: 2 meses
Intervalo: 8 semanas

2ª dose: 4 meses
Intervalo: 8 semanas

3ª dose: 6 meses
Intervalo: 8 semanas

DTP 
1º reforço: 15 meses
2º reforço: 4 a 6 anos

dT (difteria + tétano)
Reforço: 15 anos

dT (para adultos)
Reforço: a cada 10 anos

Fonte: Agência Minas

Blog do Anastasia – Governo de Minas: cultivo sustentável no Campo das Vertentes favorece exportação de rosas

SÃO JOÃO DEL-REI (17/01/12) – No mercado de flores é fundamental que os produtores tenham atenção quanto à folhagem e à flor, que não podem apresentar danos pelo ataque de pragas ou doenças. Por isso, o uso de agrotóxicos é comum. No entanto, a produção sustentável das flores começa a contar pontos, principalmente para a exportação. Atenta a essas mudanças, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), de São João del-Rei, no Campo das Vertentes, já desenvolve, por meio do Núcleo Tecnológico Epamig Floricultura (Nutef), desde 2009, experimentos para o cultivo de rosas sem agroquímicos.

“O mercado internacional tem mostrado a existência de um movimento de consumidores à procura por alimentos e flores ausentes de resíduos de agroquímicos. A tendência é de que os consumidores se tornem mais exigentes a cada ano e que induzam o setor produtivo a se adequar para tornar-se mais competitivo”, afirma a engenheira agrônoma e pesquisadora da Epamig Elka Fabiana Aparecida Almeida.

Ela desenvolve projetos de Produção Integrada de Rosas. Em 2009, tiveram início dois experimentos, visando ao manejo sustentável do solo e ao controle alternativo de pragas. O terceiro projeto, implantado em 2011, teve por objetivo o uso sustentável da água e a redução da adubação nitrogenada. Segundo a pesquisadora, os três experimentos encontram-se em desenvolvimento e os primeiros resultados já comprovam que é possível cultivar rosas de uma forma sustentável. Elka explica que as tecnologias estão sendo desenvolvidas para reduzir a aplicação de agrotóxicos e adubos com o manejo integrado e controle biológico de pragas e doenças e pela utilização de adubação verde e adubos orgânicos produzidos pelo próprio produtor.

Para este ano, foi aprovado junto à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) mais um projeto no âmbito da produção sustentável de rosas, que disponibilizará recurso de R$ 26.800. Com o valor, serão realizados experimentos para verificar o comportamento de outras variedades de rosas e de adubos verdes para o controle biológico de pragas; além da implantação de duas unidades de teste de validação dos resultados em propriedades familiares. “Assim que o recurso for liberado, vamos começar as visitas aos produtores para a implantação de área demonstrativa. Com este novo projeto vamos levar a tecnologia para o produtor”, informa a pesquisadora.

Benefícios

Com as tecnologias geradas pelas pesquisas realizadas na Epamig de São João del-Rei, o produtor poderá diminuir a aplicação de adubos e agrotóxicos na produção de rosas utilizando boas práticas agrícolas. “Desta forma, ele poderá reduzir os custos com a produção, preservar o meio ambiente e obter a certificação de sua propriedade, o que favorecerá a comercialização das rosas”, destaca a engenheira agrônoma.

Segundo ela, as cadeias de distribuidores e grandes pontos de vendas, principalmente da Comunidade Européia, tem exigido dos exportadores que seja levado em consideração o nível de resíduos de agrotóxicos, o respeito ao meio ambiente, a rastreabilidade e as condições de trabalho, higiene e saúde dos trabalhadores na agricultura. “Os consumidores de diversos países têm exigido informações a respeito da origem e do processo de produção de hortaliças, frutas e flores, dando preferência a produtos rastreados e/ou certificados”, completa.

Os projetos de sustentabilidade na produção de rosas contam com o apoio, além da Fapemig, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Fonte: Agência Minas