Gestão em Minas: DER dá dicas para motoristas que vão pegar estrada no Carnaval

Motoristas devem ficar atentos às condições das estradas para checar se há alguma interrupção ou obra
Bernadete Amado
A MG-010, que vai até a Serra do Cipó, está com tráfego normal
A MG-010, que vai até a Serra do Cipó, está com tráfego normal

Os motoristas que vão pegar a estrada no feriadão devem ficar atentos às condições das estradas para checar se há alguma interrupção ou obra. O Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG) disponibiliza três canais para os usuários consultarem sobre as vias sob sua jurisdição, as MGs: o site http://www.der.mg.gov.br; o telefone 155, opção 6, para quem ligar de telefone fixo, e o número (31) 3303-7999, para quem fizer a ligação de um aparelho celular ou de outros estados.

Com o objetivo de proporcionar segurança aos motoristas e passageiros nas rodovias estaduais mineiras, o DER-MG vai restringir, no feriado de Carnaval, a circulação nos trechos rodoviários de pistas simples das Combinações de Veículos de Carga (CVC), das Combinações de Transporte de Veículos (CTV) e das cargas indivisíveis, nos dias 17 (sexta-feira) e 21 (terça-feira) de 16 às 24 horas e nos dias 18 (sábado) e 22 (quarta-feira) de 6 às 12 horas.

Durante o feriado, o DER-MG permanecerá em regime de plantão em suas 40 coordenadorias regionais, com técnicos mobilizados para deslocamento ao local o mais rapidamente possível. Em no máximo 24 horas, dependendo do tipo de ocorrência, homens e máquinas vão providenciar a liberação do tráfego, removendo obstáculos, implantando desvios ou sinalizando rotas alternativas.

Rodovias estaduais

O acesso ao Sul da Bahia, um dos muitos destinos procurados por quem quer curtir o Carnaval, principalmente para os mineiros que partem das regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Rio Doce, Jequitinhonha e Mucuri -, a BR-418, atualmente delegada ao DER-MG, exige a atenção dos motoristas nos quilômetros 12, 24, 70 e 91, onde o tráfego está em meia pista.

Para quem tem como destino Ouro Preto, o trecho da MG-262, que liga a cidade a Ponte Nova, nos quilômetros 46 e 47 o trânsito está em meia pista devido a erosões no aterro, mas os locais estão sinalizados e o tráfego está fluindo normalmente. No segmento Ouro Branco – Ouro Preto, na chegada de Saramenha, existem algumas quedas de barreira, mas elas já estão sendo retiradas e o tráfego está normal.

Na MG-050, que dá acesso ao Sudoeste do Estado e à represa de Furnas, e na BR-383, rodovia federal delegada ao DER-MG, que dá acesso, pela BR-040, a São João del-Rei e Tiradentes, o trânsito está normal. As rodovias estaduais que dão acesso à Diamantina também estão em boas condições de tráfego. Na Zona da Mata, área muito atingida pelas últimas chuvas, a MG-285, que liga Cataguases ao entroncamento da BR-120, sentido Leopoldina, a Ponte Camargos, sobre o Rio Pomba, está interditada. O DER-MG já iniciou os trabalhos de recuperação e o tráfego está sendo feito a partir do entrocamento da MG-285, passando pela MGC-120, entroncamento com a MG-447 até Cataguases.

RMBH

Na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), as MGs 010, 020 e 030 vão exigir a atenção dos motoristas. A MG-010, que vai até a Serra do Cipó, está com tráfego normal. O único ponto de ocorrência é próximo a Vespasiano, na pista lateral, sem haver interferência no trânsito da pista principal da rodovia. No acesso a Santa Luzia, pela MG-020, Km 13,5, há uma erosão na pista, que se encontra sinalizada e com as obras de recuperação já em fase de execução.

Na rodovia MG-030, no trecho entre o viaduto da rede ferroviária (Belo Horizonte) até Nova Lima, os problemas atuais, nos quilômetros 14, 18 e 27, foram provocados pelo período de chuvas intensas, ocorridas em janeiro deste ano. Desde 2002, o trânsito neste segmento foi beneficiado e ganhou mais qualidade com a obra de duplicação executada pela Prefeitura de Nova Lima. Em 2010, o trecho foi incluído dentro do Programa de Recuperação e Manutenção Rodoviária (Pro-MG) do DER-MG.

No quilômetro 14 houve o abatimento da pista direita, provocado por infiltração de água do lençol freático, ocasionando o rompimento de aterro e a necessidade de desviar o tráfego para a pista da esquerda, sentindo Belo Horizonte. O DER-MG já concluiu os estudos de campo – topográficos e geotécnicos -, e, no momento, realiza projeto de engenharia. A expectativa da conclusão desta fase é para o dia 29 de fevereiro.

No quilômetro 27, houve o rompimento de um aterro provocado. O local está em meia pista e já foram concluídos os estudos técnicos para elaboração de projeto de engenharia que se encontra em andamento. No quilômetro 18, o abatimento da pista do lado direito deixou o tráfego em meia pista e as obras de recuperação já foram iniciadas no dia 13 deste mês.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas Gerais prepara Diamantina para um Carnaval sem dengue

Turistas estão surpresos com as ações do combate à dengue realizadas pela Secretaria de Estado de Saúde

Alessandra Maximiano
Luana Pinheiro Gomes, 12 anos, trocou pneus por cadernos
Luana Pinheiro Gomes, 12 anos, trocou pneus por cadernos

Diamantina já está recebendo os turistas de várias regiões do Brasil para o Carnaval que, além se informarem sobre a cidade, estão surpresos com as ações do combate à dengue realizadas pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) nos últimos dias.

Nesta quinta-feira (16), último dia da ação, muitos turistas que chegavam se aproximavam do Dengômetro para obter informações. Ana Carolina Guedes chegou de Belo Horizonte e se surpreendeu. “Já tinha visto essas atividades em alguns bairros de Belo Horizonte, mas não sabia que no interior também eram realizadam. Acho muito interessante, pois a dengue deve ser combatida por todos e em todos os lugares”, afirmou.

Outra ação foi um pequeno laboratório que mostra o ciclo do mosquito da dengue. Crianças e adultos se aproximavam do local onde técnicos da Superintendência de Saúde de Diamantina explicavam as fases do mosquito e os sintomas da doença.

Luana Pinheiro Gomes, 12 anos, passou pela segunda vez pelo Dengômetro. No primeiro dia de atividade, na quarta-feira (15), entregou 30 garrafas pet e hoje voltou ao mesmo local e, com a ajuda do pai, levou oito pneus. Os pneus foram trocados por cadernos que serão usados por Luana no início das aulas. “A iniciativa é ótima. Estes pneus estavam ocupando espaço no quintal de casa e é bom saber que estamos fazendo uma boa ação e livrando a nossa família desta doença”, afirmou José Antônio  Pinheiro, pai de Luana.

Desde quarta-feira, os moradores e visitantes estão se dirigindo à Praça do Seminário, localizada próxima à rodoviária da cidade, para trocar objetos. A ação faz parte das atividades do “Carnaval nas cidades históricas” e conta com a parceria da prefeitura, que mobiliza as pessoas por meio de carros de som, avisos nas igrejas e nos principais pontos de comércio. Todo o material recolhido será doado para a Cooperativa de Catadores de Material Reciclável de Diamantina.

Nove cidades já receberam o Dengômetro e o Dengue Móvel neste período pré-carnaval: São João del-Rei, Pompéu, Pirapora, Sabará, Ouro Preto, Itabirito, Mariana, Abaeté e Diamantina.

Fonte: Agência minas

Governo de Minas: Secretária Nacional de Políticas de Turismo anuncia que irá adotar metodologia mineira

Para Isabel Mesquita, o estado vem dando exemplo de boas práticas de gestão turística

José Carlos Paiva/Imprensa MG
A secretária-adjunta de Turismo, Silvana Nascimento, Agostinho Patrus Filho e Ana Isabel Mesquita
A secretária-adjunta de Turismo, Silvana Nascimento, Agostinho Patrus Filho e Ana Isabel Mesquita

O secretário de Estado de Turismo, Agostinho Patrus Filho, recebeu em seu gabinete, nesta quinta-feira (16), a secretária Nacional de Políticas de Turismo do Ministério do Turismo, Ana Isabel Mesquita. Ele apresentou a Política de Regionalização do Turismo em Minas Gerais e a criação da Metodologia da Matriz de Posicionamento das Associações de Circuitos Turísticos, que irá gerar indicadores capazes de nortear as estratégias de atuação do Estado, das Associações de Circuitos Turísticos e de entidades parceiras, em ações voltadas para o desenvolvimento das regiões turísticas mineiras.

Para Isabel Mesquita, o estado vem dando exemplo de boas práticas de gestão turística. “Minas Gerais foi um dos estados pioneiros no Programa de Regionalização e a implantação da Metodologia será mais um exemplo a ser seguido pelo Ministério e por outros destinos brasileiros”, destacou.

Segundo Patrus Filho, a nova metodologia subsidiará a elaboração e execução de um plano de apoio e soluções de sustentabilidade aos Circuitos Turísticos. “Em Minas Gerais, trabalhamos articulados com todas as áreas de governo, buscando soluções para as diferenças. Portanto, precisamos de programas que atendam às necessidades de cada uma das nossas regiões”, destacou o secretário.

Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: Junta Comercial promove Arranjo Produtivo de Capacitação em Uberaba

Prazo médio para abertura de empresas na cidade reduziu de 15 para cinco dias apenas

A Junta Comercial do Estado de Minas Gerais (Jucemg) realizou mais um Arranjo Produtivo de Capacitação, desta vez, em Uberaba, no Triângulo Mineiro. O evento foi promovido em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae-MG), com a prefeitura, a Associação Comercial Industrial e de Serviços de Uberaba (Aciu) e o Sindicato dos Contabilistas. Mais de 60 pessoas participaram da atividade, que reuniu, além de representantes de várias instituições, autoridades do município.

O 1º Encontro com Contabilistas e Empresários foi realizado no auditório da Aciu e contou com a presença do presidente da associação, Manoel Rodrigues Neto, do  presidente do Sindicato dos Contabilistas, Mauro Sérgio de Melo, do gerente do Sebrae-MG na região Oeste, Marden Márcio Magalhães, do secretário Municipal de Planejamento de Uberaba, Karim Abud Maud, e do secretário municipal de Fazenda, Edvar Newton Pereira, dentre outras personalidades.

A supervisora da Jucemg em Uberaba, Keli Oliveira, destacou que o processo de abertura de empresas no município tornou-se ainda mais ágil e simplificado. Ela apresentou aos participantes as etapas do processo de abertura e formalização de empresas, além de abordar as principais ações e competências legais da Jucemg.

De acordo com a supervisora, o prazo médio de abertura de empresas em Uberaba foi de 15 dias em 2010. “A média em 2011 alcançou 9 dias e a média atual é de 5 dias, o que representa um avanço significativo e uma grande conquista que beneficia os usuários”, afirmou. Os participantes receberam ainda, capacitação sobre a Lei do Empreendedor Individual sob consultoria do Sebrae-MG.

Já o presidente da Aciu destacou o compromisso da entidade com o desenvolvimento econômico local. “Diante do nosso primeiro encontro, avalio que alcançamos todos os objetivos, cerca de 60 pessoas participaram, foi um ótimo momento para colocar frente a frente empresários, contabilistas e representantes de órgãos públicos para esclarecer constantes dúvidas na formação de uma empresa e de problemas futuros”, afirmou.

Manoel Rodrigues Neto, ressaltou a diminuição dos prazos para abertura de uma empresa. “Antes era de 60 dias e atualmente é possível concluir toda a formalização do empreendimento em apenas quatro dias”, completou, enaltecendo o apoio da Jucemg.

Arranjos Produtivos

Os Arranjos Produtivos de Capacitação contribuem de maneira direta para a geração de riqueza e trabalho em Minas Gerais, através de informações que estimulam o desenvolvimento dos negócios. Empresários e empreendedores recebem orientações por meio de cartilhas e palestras sobre registro, formalização e gestão de empresas, tanto para quem está abrindo, como para quem pretende melhorar a gestão de seu empreendimento, evitando o enfraquecimento do negócio nos primeiros anos de sua existência.

Os Arranjos Produtivos de Capacitação acontecem de forma contínua em todo Estado, promovidos pela Jucemg, por meio da Escola Permanente, para beneficiar o meio empresarial. “A Junta Comercial quer chegar cada vez mais perto do cidadão e é deste modo que vem conquistando a excelência de seu trabalho e servindo como referência para todo o país”, concluiu Keli Oliveira.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: grupo mineiro trabalha a inovação do design em peças de cerâmica

Trabalho experimental busca agregar valor histórico-cultural da região de Diamantina nas peças
Divulgação/Sectes
Catadoras de Sempre Viva
Catadoras de Sempre Viva

Diamantina, antigo Arraial do Tijuco, no Vale do Jequitinhonha, é a terra dos desbravadores de diamantes, da seresta e da Vesperata, apreciada por personagens curiosos e filhos ilustres – como Juscelino Kubitschek e a escrava que virou rainha, Chica da Silva –, e que se tornou um destino cultural e turístico obrigatório em todo o país. Resgatar essa forte cultura, retratá-la e transformá-la em arte através das mãos, com inovadoras possibilidades, foi o principal desafio de um grupo de artesãos que trabalha com cerâmica na região.

Essa é a proposta do projeto “Terra Queimada”, desenvolvido pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), que deseja incrementar a cultura ceramista local na busca da sustentabilidade, utilizando da inserção dos valores que constituem a identidade histórica, cultural e ambiental da região.

Criado em 2008, o projeto é integrado ao Polo de Inovação da Sectes, em parceria com o Laboratório de Turismo e Artesanato do Centro Vocacional Tecnológico (CVT) de Diamantina, para estimular a produção associada ao turismo, visando à criação de um artesanato original que fortalecesse a cultura ceramista no município. Como resultado expressivo no ano de 2009, o Laboratório de Turismo e Artesanato do CVT conseguiu identificar e montar um grupo de artesãos com aptidão para a cerâmica e, assim, iniciar a parte mais aplicada do projeto. Até hoje, o Polo de Diamantina liberou R$ 27 mil para o projeto.

Na primeira etapa do processo foi realizada a seleção e depois a qualificação dos oito ceramistas do grupo de produção, a fim de aprimorar o desenvolvimento das peças. O objetivo específico da etapa inicial é fazer com que os ceramistas sejam multiplicadores desta cadeia produtiva na região de Diamantina para que, em um futuro próximo, essa atividade possa ser inserida no mercado turístico local, gerando trabalho e renda.

Público alvo

O aperfeiçoamento do design e da identidade visual realçou, de forma incisiva, o elo entre a produção e o turismo. Um dos resultados finais desse trabalho relaciona-se à definição do grupo de produção a partir do entendimento real das expectativas do público alvo para a aquisição das peças: os clientes.

Assim, foram delineados os perfis principais dos turistas que visitam a cidade, para os quais a identidade histórica e cultural de Diamantina se torna um dos principais atrativos para a aquisição do produto.

Outra avaliação refere-se à matéria prima utilizada na fabricação das peças – a argila – e em como as peças devem ser pensadas de forma funcional para o uso diário, sendo mais do que decorativas.

Como fruto do trabalho experimental, o grupo criou várias ferramentas de trabalho, tais como o forno a gás, reaproveitando a estrutura de uma geladeira; o torno com componentes de um tanquinho; dentre outros, cumprindo a ação inicial proposta pelo Polo de Inovação, ao propiciar a autonomia do artesão para ser capaz de transformar a sua história em arte, qualificar e agregar valores à produção artesanal, como estratégia e oportunidade de mercado.

Contudo, a cerâmica a ser desenvolvida terá identidade própria, se diferindo de outras regiões. O produto final irá ostentar no seu design a marca ou o registro cultural de Diamantina, por meio dos elementos que nelas estarão inseridos.

Produção aprovada

Desde o início da produção das peças, os artesãos já criaram várias, todas com a aplicação de um design diferenciado, buscando sempre representar a cultura local. Os itens criados e já validados são:

Catadoras de Sempre Viva– A aplicação do design para a evolução do produto, buscando novos personagens da cultura local, dando movimento às peças – pontos a observar desse movimento, saia rodada frisada, posicionamento dos braços – com dimensionamentos menores e destaque para as pigmentações naturais, diferenciando as vestimentas do corpo.

A Chica da Silva– O design estudado para a peça foi o de utilizar um segmento artesanal já consagrado como “as namoradeiras”.  A inovação da peça valoriza uma figura da história local e nacional, tornando-a única como referência de uma região.

Cultura primitiva– Inovação do design para essa produção foi construir uma peça que realçasse o conjunto das figuras marcantes da ceramista, ao invés de colocar peças isoladas, solitárias. Assim, elaborou um criativo móbile, dando leveza e funcionalidade à peça.

Bijuterias– O design buscou valorizar a peça com a introdução de material nobre na sustentação, optando-se pelo couro encerado com forte tendência do mercado. Como aprimoramento do acabamento final, incluíram-se os fechos.

A cultura musical– O design buscou criar um mix de produtos com embalagem que busca valorizar a peça. Um dos exemplos é o conjunto de notas musicais. Também buscou novo dimensionamento, capaz de realçar as notas musicais, dispostas de forma real, como numa introdução de uma música de seresta tradicional de Diamantina.

Luminárias– Para sua criação, o design se preocupou em  melhorar a funcionalidade das peças com dimensionamentos adequados para as instalações elétricas e com opções de uso em parede e chão.

Vasos– Neles, o profissional agregou novas possibilidades, utilizando-se da versatilidade das peças geométricas com a linha de produto ou como modernos castiçais.

O patrimônio histórico– Nesse aspecto, buscou-se reforçar a valorização do patrimônio histórico da cidade, reproduzindo o chafariz existente em Diamantina, adicionando a funcionalidade à peça, como um porta-chaves, onde se percebe os furos para encaixar as estruturas que sustentarão as chaves.

A pinha– O design buscou dar funcionalidade à peça, acrescentado uma base à pinha, a fim de que a peça se torne um charmoso peso de papel.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Fazenda dos Martins, em Brumadinho, será restaurada pelo Iepha

Com restauração arquitetônica e estrutural, o local passará a abrigar o Centro de Referência da Cultura Negra

Marcos Paulo Miranda/MPE MG
Para a recuperação da Fazenda dos Martins, serão investidos R$ 810 mil
Para a recuperação da Fazenda dos Martins, serão investidos R$ 810 mil

Sob a imponente moldura da Serra da Moeda e seu Forte, a cidade de Brumadinho, na região Central do Estado, vai contar com mais uma grande atração turística em breve, com a restauração e reabertura ao público de uma preciosidade tombada do patrimônio mineiro. Nessa quarta-feira (15), representantes do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG), do Ministério Público Estadual (MPE) e da prefeitura se reuniram com os proprietários da Fazenda dos Martins – bem tombado pelo Governo de Minas desde 1977 – para a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

O documento garantirá a execução, pelo Iepha, de um projeto de restauração arquitetônica e estrutural, para que uma das construções rurais mais antigas de Minas Gerais – e cuja história está fortemente ligada à escravidão e aos quilombos mineiros – possa abrigar o Centro de Referência da Cultura Negra. Para isso, o TAC garante um investimento de cerca de R$ 810 mil para recuperação da fazenda. Os recursos são provenientes de acordos firmados pelo MPE com empresas de mineração que atuam na região, como forma de compensação por danos ambientais causados.

De acordo com o diretor de Conservação e Restauração do Iepha, Renato César de Souza, desde 2008 o instituto tem empenhado esforços para promover a restauração da Fazenda dos Martins. Já foram, inclusive, realizadas ações emergenciais referentes à parte elétrica e contratados projetos completos para restauração. “Apresentamos o projeto ao promotor Marcos Paulo de Souza Miranda, do Ministério Público, que partiu em busca desses recursos que agora foram viabilizados”, conta.

Casa Grande de Senzala

A Fazenda dos Martins foi construída na segunda metade do século XVIII e é uma das habitações rurais mais antigas de Minas Gerais. O casarão passou por várias intervenções desde o seu tombamento, que consistiram na sua imunização, estabilização geral, principalmente pela deterioração das madeiras de estrutura, assoalhos e forros.

Constituída em alvenaria de pedra e paredes internas em pau-a-pique, a edificação tem dois salões, quatro quartos e um corredor central, além de varandas apoiadas em esteios aparentes, onde, na lateral esquerda, um cômodo era destinado à capela. Também apresenta trabalho apurado de cantaria na escada principal. Tem ainda muros altos de pedra circundando o pátio frontal e lateral.

A Fazenda dos Martins, como é conhecida hoje, já foi chamada de Casa Grande da Senzala. Segundo antigos moradores da região, sua existência está muito ligada à história do quilombo Sapé de Brumadinho. Ela teria sido construída por escravos e, como apontam os registros históricos, projetada por alguém muito entendido de estrutura, pois seu dimensionamento é perfeito. Nos fundos, há um pátio interno, todo calçado de pedras. Da senzala, hoje, só existem vestígios: restos de muros de 10 metros aproximadamente.

Fonte: Agência Minas

Governador recebe equipe responsável por restaurar o acervo de livros da biblioteca do Palácio das Mangabeiras

Equipes da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa e do Arquivo Público Mineiro foram responsáveis pela restauração de 1.038 obras literárias

imagem.title
Anastasia recebeu a equipe responsável por restaurar as obras literáriasO governador Antonio Anastasia recebeu, nesta quinta-feira (16), no Palácio das Mangabeiras, equipes da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa e do Arquivo Público Mineiro responsáveis pela restauração do acervo de 1.038 obras literárias da biblioteca da residência oficial dos governadores de Minas. O trabalho foi orientado pela Secretaria de Estado de Cultura (SEC).

“Fiquei muito orgulhoso com o trabalho realizado pelos técnicos da nossa Biblioteca Pública e do Arquivo Público Mineiro, pela qualidade na restauração das obras raras que pertencem ao acervo da biblioteca do Palácio Mangabeiras. É um trabalho de excelente qualidade e que, de fato, permite a conservação desses livros que são patrimônio de todos os mineiros”, destacou o governador.

De acordo com a superintendente de Bibliotecas Públicas de Minas Gerais, Áurea Eloísa Godinho, foi feito um trabalho minucioso de restauração, higienização e de procedimentos adequados para conservação das obras. “A catalogação e o processamento técnico dos livros também foram realizados. O acervo da biblioteca do Mangabeiras está em uma base de dados informatizada, utilizando o Sistema Pergamum, mesma metodologia usada para catalogar os livros da Biblioteca Pública”, explicou.

Para o diretor de Conservação de Documentos do Arquivo Público Mineiro, Pedro de Brito Soares, a integração e a cooperação entre as equipes dos dois órgãos foram fundamentais no processo de restauração. “Além disso, contamos com o valoroso trabalho de três graduandos do curso de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis, da UFMG. Este projeto também possibilitou a formação deles”, disse Pedro.

A diretora de Formação e Processamento Técnico de Acervos da Biblioteca Luiz de Bessa, Maria da Conceição Araújo, contou que foram utilizadas as mesmas técnicas de restauração e cuidados tomados com as obras raras e patrimoniais da Biblioteca Pública.

Quinze pessoas, entre técnicos e bibliotecários, trabalharam na restauração dos livros durante quatro meses. O acervo da biblioteca do Palácio das Mangabeiras é composto por coleções de Rui Barbosa, Machado de Assis e Monteiro Lobato, obras de Direito, Constituições comentadas, enciclopédias, dicionários, livros de arte e de música, dentre outras.

Patrimônio público

Minas Gerais possui a maior rede de bibliotecas públicas do país, com 832 bibliotecas, instaladas em 800 municípios mineiros. A Biblioteca Pública Luiz de Bessa possui um arquivo de 250 mil exemplares de livros, jornais e revistas e conta com 87.673 usuários cadastrados, atendendo, anualmente, cerca de 400 mil pessoas. Foi a primeira, no Brasil, a ser totalmente informatizada.

O Arquivo Público Mineiro guarda documentos produzidos e acumulados por órgãos da Administração Pública de Minas Gerais e por arquivos privados, desde o século XVIII. Além de manuscritos e impressos, reúne mapas, plantas, fotografias, gravuras, filmes, livros, folhetos e periódicos. A Biblioteca do Arquivo Público Mineiro, com cerca de 12 mil títulos, destina-se ao atendimento da pesquisa institucional para organização de acervos e suporte à pesquisa de seus usuários.

Fazem parte do acervo publicações técnicas de arquivos e bibliotecas, anais e anuários de órgãos públicos estaduais e federais, mensagens e relatórios do governo mineiro, legislação estadual e federal, biografias, genealogias, bibliografia e um número relevante de livros, periódicos e folhetos sobre a história de Minas Gerais, do Brasil e do Império Português.

Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: evento estimula técnica de agricultura sustentável entre produtores da Zona da Mata

Integração Lavoura, Pecuária e Floresta é incentivada pelo programa federal de redução de carbono
Rogério Jacinto
O sistema ILPF concilia as atividades de lavoura, pecuária e floresta
O sistema ILPF concilia as atividades de lavoura, pecuária e floresta

Pelo quinto ano consecutivo, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), se prepara para o Circuito Zona da Mata de Integração Lavoura, Pecuária e Floresta (ILPF). A previsão é que sejam realizados dez dias de campo, com encerramento na Semana do Fazendeiro, evento da Universidade Federal de Viçosa (UFV) programado para o mês de julho. Como nas edições anteriores, o circuito 2012 percorrerá vários municípios da região para debater e mostrar as vantagens do sistema ILPF na recuperação de pastagens degradadas, por meio da técnica que concilia as atividades de lavoura, pecuária e floresta.

“Estamos na fase final de organização da 5ª edição do circuito, aguardando resposta de patrocinadores, acompanhando a evolução das unidades implantadas e acertando a agenda (datas) dos eventos”, explica o coordenador técnico da regional Emater-MG de Viçosa, Rogério Jacinto Gomes. Segundo o agrônomo, desde que a regional começou a trabalhar com a técnica de ILPF, o que incluiu a criação formal de um circuito para este fim, foram promovidos 95 dias de campo, com a participação de 9.206 pessoas; um workshop, em 2008, para 215 participantes; 17 treinamentos para 286 participantes; e 139 unidades demonstrativas que ocupam 375 hectares.

A exemplo de outras técnicas voltadas para a adoção de uma agricultura cada vez mais sustentável e preocupada com a preservação do meio ambiente, o sistema ILPF vem ganhando força em Minas e no país. Em nível nacional, foi lançado pelo governo federal, em 2010, o Programa ABC, Agricultura de Baixo Carbono, como parte de acordo internacional assumido pelo Brasil, em Copenhague, para reduzir os impactos do aquecimento global (efeito estufa), provocados pela emissão de gases, entre eles, o dióxido de carbono (CO2). O programa, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), destina recursos para agricultores e cooperativas financiarem seis práticas agrícolas, entre elas, a de ILPF. O limite de financiamento é de R$ 1milhão e taxas de juros de 5,5% ao ano. O prazo de pagamento pode variar de 8 a 15 anos, dependendo do projeto.

Em todo o Estado, segundo o coordenador estadual de Bovinocultura da Emater-MG, José Alberto de Ávila, a empresa já vem há alguns anos atuando em consonância com a visão de sustentabilidade do ABC. “Somente em Minas Gerais, com recursos e apoio institucional da Secretaria Estadual de Agricultura, foram treinados, no foco ABC, 600 extensionistas da Emater-MG. Também foram implantadas 1.400 unidades demonstrativas nas diversas regiões mineiras, juntamente com a Epamig, Embrapa Milho e Sorgo e o agropecuarista mineiro, para avaliação, troca de conhecimentos e experiências compartilhadas”, explica Ávila.

A proposta da Agricultura de Baixo Carbono é que a produção agrícola e pecuária garanta mais renda ao produtor, mais alimentos para a população e maior proteção ao meio ambiente, objetivos também de vários projetos do Governo de Minas. Além da Epamig e Embrapa, o Programa Estadual de Integração Lavoura, Pecuária e Floresta também tem a participação da Universidade Federal de Viçosa (UFV), empresas privadas e produtores rurais. O coordenador regional de Viçosa pontua as quatro principais ações do Circuito Zona da Mata de ILPF: desenvolvimento da tecnologia para as condições da região Zona da Mata, por meio de pesquisas; acompanhamento das unidades demonstrativas, nas fases de implantação e resultados; apresentação do sistema ILPF aos produtores; e treinamentos de técnicos.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: operação conjunta da PM e da Policia Civil prende mais de 100 envolvidos com tráfico de drogas na RMBH

Batizada de “Leviatã – Por um carnaval mais seguro”, operação foi deflagrada na madrugada dessa quinta-feira e vai até a quarta-feira de cinzas
Divulgação/PMMG
O secretário Lafayette Andrada, a superintendente de investigações da PC, Tânia Darc, e o subchefe do Estado Maior, Coronel Campos, em entrevista coletiva
O secretário Lafayette Andrada, a superintendente de investigações da PC, Tânia Darc, e o subchefe do Estado Maior, Coronel Campos, em entrevista coletiva

Após um planejamento conjunto das Polícias Militar e Civil de Minas Gerais – por meio das 1ª, 2ª e 3ª Regiões Integradas de Segurança Pública (RISPs) – foi iniciada na madrugada desta quinta-feira (16), a “Operação Leviatã – Por um carnaval mais seguro”, que, até o momento, resultou na prisão de 111 pessoas envolvidas com o tráfico de drogas na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Entre os presos está o traficante Rodrigo de Souza Rodrigues Gonçalves, um dos bandidos mais procurados do Estado e que integra a lista do Programa “Procura-se”, da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds).

Durante coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira, os coordenadores da Operação Leviatã informaram que, até agora,  foram apreendidas 12 armas de fogo, 5 kg de maconha, 4 kg de cocaína, 515 porções de crack, cinco pedras brutas da mesma droga e dinheiro. Diversos materiais e equipamentos que haviam sido roubados também foram recuperados

Ação integrada das polícias

Ao todo, foram mobilizados na operação cerca de 1 600 policiais militares e civis, que utilizam 400 viaturas para cumprir 326 mandados de busca, apreensão e prisão contra traficantes e homicidas em BH e Região Metropolitana. A Operação será estendida por todo o período carnavalesco, com encerramento previsto para a quarta-feira de cinzas (22).

As ações policiais foram iniciadas de forma simultânea, partindo de pontos de concentração nas respectivas sedes integradas das Polícias Civil e Militar, nas cidades de Belo Horizonte, Contagem e Vespasiano.

“Essa operação decorre de uma ação integrada de inteligência das polícias militar e civil e é uma das respostas do Governo de Minas ao crescimento da criminalidade”, afirma o Secretário de Estado de Defesa Social, Lafayette Andrada.

O nome da Operação foi inspirado na essência do Leviatã – ponto pacífico em qualquer Estado Democrático de Direito, que visa a supremacia dos interesses coletivos em detrimento dos individuais e da segurança em detrimento da desordem.

Mais um detido

Rodrigo de Souza Rodrigues Gonçalves, de 22 anos, preso na madrugada desta quinta-feira, é mais um integrante da lista dos criminosos mais perigosos de Minas Gerais. Ele teve o rosto estampado na segunda lista da campanha Procura-se, da Seds, e foi detido durante a operação conjunta das Polícias Militar e Civil em Contagem. Ele era procurado por homicídio e tráfico de drogas, com atuação nos bairros Petrolândia, Vila Beija Flor e Tropical e foi apresentado esta manhã na 1ª Região Integrada de Segurança Pública.

Desde que Rodrigo entrou na lista dos mais procurados pelo Estado, em dezembro de 2011, o Disque Denúncia Unificado (DDU) recebeu duas denúncias anônimas sobre seu paradeiro. Em uma delas, recebida nessa quarta-feira, por volta de 22h, o denunciante indicou a descrição do local onde Rodrigo estaria, bem como o carro e as vestimentas que utilizava. A denúncia, ao ser recebida, foi encaminhada imediatamente para as Polícias Militar e Civil, auxiliando no processo de captura.

Procura-se

O programa de busca consiste na afixação de cartazes pela cidade com fotos de foragidos da Justiça, com o objetivo de efetuar a prisão dos criminosos e inibir a sua circulação, e conta com a participação da sociedade, que pode denunciar pelo telefone 181. O projeto é desenvolvido pela Seds, em parceria com a Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar e Instituto Minas pela Paz.

O Procura-se começou pela 1ª Região Integrada de Segurança Pública e, em 35 dias, prendeu seis criminosos. No dia 1º de dezembro foi lançada a segunda fase da campanha, que se estendeu para a RMBH, abrangendo a 2ª e a 3ª RISPs. Nessa segunda fase, os seis alvos não capturados da 1ª RISP foram mantidos e seis novos, da 2ª e da 3ª, foram acrescentados. Rodrigo de Souza Rodrigues Gonçalves é o oitavo procurado a ser preso, depois de Josias Fernando Leite, capturado no dia 19 de janeiro, em Mateus Leme.

Fonte: Agência Minas

Gestão da Saúde: abertas as inscrições para designação e cadastro de reserva para médicos

Secretaria de Estado de Saúde recebe inscrições até 16 de março

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) abre, nesta quinta-feira (16), inscrições para o processo de seleção interna para a designação de servidores e cadastro de reserva para médicos.

Para participar, o candidato precisa ser ocupante de cargo de provimento efetivo ou função pública, lotado em órgão ou entidade integrante do Sistema Estadual de Gestão da Saúde: SES-MG, Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Fundação Ezequiel Dias (Funed), Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Minas Gerais (Hemominas) e Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), ou, ainda, ser ocupante de cargo de provimento efetivo ou detentor de função pública de órgão ou entidade municipal, estadual ou federal integrante do Sistema Único de Saúde (SUS).

As inscrições estão disponíveis até 16 de março, no site http://www.saude.mg.gov.br, e os cargos são para coordenador Estadual e Médico Plantonista, ambos na área de Regulação de Assistência à Saúde da SES.

Atribuições

Dentre as atribuições a serem exercidas pelo coordenador Estadual, estão: zelar pelo cumprimento de rotinas, protocolos técnicos e operacionais; monitorar o conjunto de indicadores de atendimento e demandas pendentes; avaliar a capacidade/habilidade das equipes das Centrais de Regulação, identificando a necessidade de orientação, capacitação e remanejamento, etc. A remuneração é de R$ 5.500, para uma carga horária de 40 horas semanais.

Já os médicos plantonistas irão decidir no âmbito de sua macrorregião o destino ambulatorial ou hospitalar do paciente, baseado na planilha de hierarquias pactuada, disponível para a região e nas condições de atendimento nos serviços de assistência à saúde; acionar o médico plantonista da macrorregional mais apropriada nos casos em que não houver possibilidade de atendimento em sua macrorregião, devendo esta impossibilidade ser atestada pelo médico plantonista responsável, entre outras. A carga horária é de 24 horas semanais, e a remuneração de R$ 3.300 reais.

A seleção será realizada em três etapas. Na primeira será feita a análise de requisitos e títulos. A segunda será uma entrevista e a terceira, curso de Formação. O candidato poderá alcançar no máximo 100 pontos, sendo 40 pontos para certificados e experiência profissional, e 60 para entrevista.

Fonte: Agência Minas