Blog do Anastasia – Governo de Minas: Campanha do Corpo de Bombeiros orienta a população para os perigos das chuvas

BELO HORIZONTE (26/12/11) – O Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) lançou a segunda etapa da campanha de prevenção contra os perigos da chuva. O objetivo é alertar a população sobre os principais cuidados a serem tomados para evitar os acidentes provocados nesse período.

A campanha está sendo desenvolvida com a veiculação no Estado, pelas principais emissoras de rádio e TV, de dicas para o período chuvoso. Foram produzidos spots e VT’s de 30 segundos com orientações específicas sobre algumas precauções que devem ser tomadas, pela população em geral, especialmente pelos moradores de áreas de risco, em caso de raios, chuvas e trovões. Na primeira etapa da campanha foram realizadas diversas ações preventivas em todo o Estado, com distribuição de material informativo à população.

Para o assessor de imprensa do Corpo de Bombeiros, Capitão Frederico Pascoal, a parceria com os órgãos de imprensa é essencial para o sucesso da campanha. “Dessa forma iremos atingir mais facilmente as pessoas em todo o Estado. O apoio da  mídia é fundamental para alcançar o nosso objetivo,  atingir todos os públicos, da pessoa mais simples a mais bem informada. Afinal, esses cuidados podem ser úteis para todos”, alerta.

A principal estratégia da campanha, que tem como tema “A chuva tem perigos que você não vê”, é estimular na população o comportamento de prevenção. O objetivo é que ela saiba antever e lidar com as situações de risco trazidas pelas chuvas. A campanha ficará no ar até fevereiro de 2012, quando termina o período crítico das chuvas, que vai de outubro a abril.

Para evitar possíveis transtornos, o Corpo de Bombeiros recomenda os seguintes cuidados:

Tempestades

Se estiver chovendo forte ou trovejando, fique dentro de sua casa ou procure um lugar onde você possa se abrigar, desde que não seja uma área de risco.  Evite viajar durante chuvas fortes e nunca dirija por estradas alagadas. Se notar que seu carro poderá ser arrastado pelas águas, pare, abandone o veículo e procure um local seguro.

Raios

– Desligue aparelhos elétricos das tomadas;

– Fique longe de janelas;

– Não fique próximo de árvores ou postes, porque eles atraem raios;

– Não fique em pé em campo aberto;

– Evite campos de futebol, praias e outros locais abertos;

– Não retire roupas de varais de arame durante as chuvas fortes;

– Mantenha distância de alambrados, cercas, linhas telefônicas e elétricas, assim como estruturas metálicas em geral;

– Permaneça dentro do carro, já que automóveis oferecem excelente proteção contra raios;

– Não fique dentro da água;

– Use o telefone somente em casos de emergência.

Deslizamentos de terra e desmatamentos

– Evite desmatar os morros, pois sem vegetação o solo fica sujeito a deslizamentos;

– Jamais plante bananeiras nas encostas, já que elas deixam a terra mais frágil;

– Fique atento para os sinais de perigo, como árvores, paredes, postes ou muros inclinados, portas e janelas emperradas e paredes com trincas ou barrigas;

– Rochas também são muito perigosas, especialmente se estiveram muito expostas na terra, em local sem vegetação e acima de sua casa;

– Abandone a área de risco com rapidez, mas sem correrias. Ninguém deve se preocupar em levar objetos;

– Evacue a área, evitando que pessoas desabilitadas ou curiosos entrem no local.

Prevenção

– Mantenha ralos e calhas limpos, para que o fluxo de água não seja interrompido;

– Tenha cuidado ao realizar a limpeza no telhado, evitando quedas;

– Não jogue lixo em calçadas, bueiros, rios, córregos ou galerias;

– Fique atento às notícias pelo rádio ou televisão sempre que puder, principalmente em dias de chuvas fortes. Isso pode evitar que você se coloque em situação de risco;

– Limpe os locais atingidos pela água e lama usando botas e luvas, assim você evita doenças graves, como a leptospirose;

– Não reaproveite alimentos que possam ter sido atingidos pelas águas das chuvas, mesmo os que estejam fechados em pacotes, pois algumas embalagens podem ser de material absorvente, o que propicia a contaminação;

– Febres, diarreia, vômitos e dores de cabeça ou no corpo, após o contato com águas de inundação, podem indicar doenças, como a leptospirose e hepatite A, e a pessoa deve ser encaminhada ao posto de saúde mais próximo.

Cuidados após a limpeza

O verão está chegando. Época de viajar, de curtir a natureza, de praticar esportes e também de se proteger. Afinal, é no verão que as chuvas aparecem, expondo você a algumas situações de risco.

Seguindo estas dicas, você se protege e aproveita só o que o verão traz de bom.

Fonte: Agência Minas

Redes Sociais ajudam cidadão a retomar iniciativa pela participação política, comenta Aécio em artigo para a Folha

Ética,  jovens na política, 

Fonte: Artigo de Aécio Neves – Folha de S.Paulo

Otimismo  

O final do ano nos humaniza. Traz consigo o calor da família e dos amigos, momento para encontros e reencontros, propício para reparar eventuais omissões, lapsos, encurtar distâncias e também desarmar o estopim da intolerância.

É quando pisamos com outra leveza e a necessária sabedoria o terreno das oportunidades vividas ou perdidas e dos sonhos ainda acalentados.

É quando não podemos deixar de somar ausências, lidar com cadeiras vazias na ceia de Natal e nos darmos conta do que parecemos esquecer no dia a dia: que a marcha do tempo é irremediável. É nessa época que costumamos fazer balanços e nos reencontrar com nós mesmos, com as convicções e esperanças que constroem a identidade de cada um.

No meu caso, nesta perspectiva extensa, vejo que busco manter-me fiel à postura que sempre me impus desde que, há 25 anos, iniciei a minha vida pública – não cair na tentação fácil de tratar adversário como inimigo, de confundir país com governo.

No plano da esperança, apesar das decepções de tarefas inconclusas e das incompreensões da vida pública, constato novas possibilidades sendo vagarosamente gestadas, não pelo mundo do poder, mas pelo amadurecimento de uma nova consciência coletiva acerca dos direitos dos cidadãos e dos deveres de todos nós para com o país.

E é ela, sempre ela, a esperança, que termina por nos conduzir à frente.

Se no Brasil o ano foi engolfado por denúncias no campo ético e marcado por um crônico imobilismo da agenda de transformações, em plano mais ampliado, a história, aqui e fora daqui, registrará 2011 como o momento em que, após longo torpor, a juventude começou a retomar a iniciativa da ação política.

Sou otimista por natureza e é com este sentimento que saúdo a forma com que, graças à tecnologia, mais e mais pessoas se apropriam da política como ela merece ser exercida, como instrumento pessoal e coletivo de transformação da sociedade, longe dos ritos solenes.

Através da internet e das redes sociais, os espaços públicos aqui e no mundo voltaram a ser arejados e rejuvenescidos por contingentes de cidadãos de todas as idades, ávidos em reiterar o valor universal da justiça e da democracia. Como consequência, a política tradicional está sendo obrigada a ecoar cada vez mais esse generoso clamor das ruas. E se o final do ano, repito, nos humaniza, que isso não seja privilégio apenas desses dias.

Que 2012 nos permita encontrar o caminho para novas convivências. Na vida familiar e na atividade profissional. E que essa convivência seja, no primeiro caso, regada apelo afeto. E, no segundo, pelo respeito. Assim, poderemos percorrer 2012 honrando mais e melhor a nós mesmos e a nossa história. Feliz ano novo!

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna

 

“Liderança de Aécio Neves se firma para, no momento certo, catalisar as energias de um projeto alternativo à hegemonia petista” , diz Pestana em artigo

Fonte: Artigo de Marcus Pestana – O Tempo

Bem-vindo, 2012: balanço, interrogações e esperanças

A crise econômica internacional voltou à cena. Ameaça impor uma severa recessão mundial. O Brasil está melhor que a média, mas continua desperdiçando oportunidades.

Um ano morno, nada de espetacular aconteceu .

Aproxima-se o fim do ano. Hora de balanço e renovação de esperança. Neste momento, melhor é dar voz a nosso poeta maior: “Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número, e outra vontade de acreditar que daqui para diante vai ser diferente” (Carlos Drummond de Andrade).

Chegamos ao fim de um ano morno. Nada de espetacular aconteceu. No Congresso Nacional discutimos o novo Código Florestal buscando o equilíbrio entre agronegócio e sustentabilidade ambiental. Ampliamos o SuperSimples para estimular micro e pequenas empresas. Aprovamos o novo salário mínimo, que agora não será mais discutido lá. Finalmente, regulamentamos a Emenda 29 da saúde, mas sem resolver o problema do financiamento do sistema. Fechamos o ano apoiando músicos e artistas. Mas sem fortalecer a autonomia do Congresso que continua sendo tocado à base de medidas provisórias. E, principalmente, não avançamos na conquista das grandes reformas estruturais.

No governo federal, arrecadação bombando mais uma vez, excesso de ministérios, déficit de iniciativas inovadoras e nenhum esforço reformador mais profundo. Sete ministros caindo, seis por denúncias de corrupção. A verdadeira faxina brota da imprensa, da sociedade e das oposições. Houve a ameaça com tibieza de uma nova política externa ancorada na defesa dos direitos humanos, a adesão sem muita convicção às parcerias com o setor privado, a ameaça de volta da inflação. É verdade, tivemos uma postura mais austera da presidente e gestos maduros e educados a respeito de FHC e do PSDB. Nada de mais, nada de menos. Mas Dilma encerra o ano com aprovação em alta.

No PSDB, a liderança de Aécio Neves se firma para, no momento certo, catalisar as energias de um projeto alternativo à hegemonia petista. Houve também o movimento de Kassab e do PSD. Outras lideranças, como Eduardo Campos, buscaram seu lugar no cenário nacional.

A crise econômica internacional voltou à cena. Ameaça impor uma severa recessão mundial. O Brasil está melhor que a média, mas continua desperdiçando oportunidades.

Discutimos a Copa e as Olimpíadas e, tropeçando na lentidão e em ineficiências, vamos preparando esses dois grandes eventos. Corinthians foi campeão do Brasileiro, os times mineiros quase foram rebaixados e a seleção continuou sem convencer.

Houve a volta do Rock in Rio e o belíssimo disco de Chico, mas a efervescência cultural ficou em banho-maria.

Perdemos Itamar Franco, grande mineiro e o presidente que garantiu a estabilidade e a democracia no Brasil.

Vida que segue. Que venha 2012. Como disse Drummond: “É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre”.

MARCUS PESTANA deputado federal e presidente do PSDB/MG